Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O acesso à Cultura e ao Conhecimento sempre foi, está a e irá ser um dos principais obstáculos a quem quer *escravizar* os outros

16.09.18

book_burning.jpg

1. Razão pela qual se criam obras distópicas, que visam mentalizar as pessoas para uma sociedade futura onde o acesso a estes seja restringido e proibido.
2. Razão pela qual os meios de divulgação destes são, cada vez mais, electrónicos e requerem o uso de computadores ligados à Internet, onde podem ser controlados.
3. Razão pela qual, por exemplo, na Alemanha nazi se queimavam livros.
4. Razão pela qual, por exemplo, no Brasil era proibido aos escravos aprenderem a ler e a escrever.
5. Razão pela qual foi a invenção da Imprensa que tornou possível a Abolição da Escravatura nos Estados Unidos da América.
6. Razão pela qual se restringe, cada vez mais, o acesso a estes no sistema de escolarização (i.e. de domesticação e estupidificação) obrigatório que temos.
7. Razão pela qual estão as elites governantes a destruir de propósito a sociedade que temos.
8. Razão pela qual há quem apele à censura de quem diz que não há qualquer "aquecimento global" provocado pela actividade humana, cuja evolução tem aumentado muito o acesso a estes.
9. Razão pela qual os principais autores de informação alternativa já começam a ser censurados.
10. Razão pela qual já começaram a ser passadas leis que controlam o fluxo de informação na Internet (e, tal como a conhecemos, tem esta rede os seus dias contados).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Voltamos aos atentados de bandeira falsa em Itália

18.08.18

gladio.jpg

 

Far-Left Anarchist Extremists Take Credit For Bombing Italian Populist Party Office

 

A história é sempre a mesma...

  1. O motivo/alvo do ataque é algo de imensamente estúpido (como, pôr uma bomba numa igreja na véspera de Natal, ou neste caso pôr uma bomba numa sede de um partido político que, claramente, não é pior do que os outros - muito pelo contrário).
  2. E, quanto à autoria dos ataques, estes são sempre (a) ou reinvidicados por um qualquer grupo que ninguém (no meio anarquista) conhece (b) ou não são reinvidicados por ninguém, sendo alguns verdadeiros anarquistas acusados de e presos por isto (enquanto os média muito reportam tal coisa) e sendo posteriormente tais anarquistas ilibados disto (enquanto os média, convenientemente, mal reportam tal coisa).

E, reparem em como são os verdadeiros progressistas quem constitui o alvo deste atentado (muito a fazer lembrar o assassinato de Aldo Moro)...
Que sentido é que faria, para alguém que supostamente quer melhorar a sociedade, atacar logo os que querem também claramente fazê-lo, em vez de atacar os restantes?
A quem é que verdadeiramente interessa (ou, por outras palavras, quem é que realmente beneficia de) este atentado? (Lembrem-se de que o "Liga Norte" é indubitavelmente anti-sistema!)

Tenham sempre em mente o seguinte relatório, que eu parcialmente traduzi há uns bons anos, de cada vez que oiçam falar de atentados terroristas em Itália atribuídos a anarquistas.

 

Statewatch: "Anarchists to be targeted as 'terrorists' alongside Al Qaeda"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 04:57

Fahrenheit 451

01.07.18

conhecimento.png

Pois é... E, é por isso mesmo é que a Internet, tal como a conhecemos, tem os seus dias contados. Para além de que, até no que toca aos próprios livros, tudo o que é informação está a ser movido para computadores e formatos electrónicos que possam ser acedidos (i.e. vigiados e controlados) através da Internet.
(Fotografia de ecrã tirada deste trecho de promoção.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:42

Uma estranha mistura italiana

04.06.18

dimaio_salvini.jpg

 

Confirmado que está agora, então, o facto de que o "Movimento 5 Estrelas" e o partido "Liga Norte" sempre vão formar um governo de coligação em Itália, venho aqui apenas chamar a atenção para o seguinte aspecto mesmo muito curioso, relativo a esta estranha aliança.
(Para quem não sabe, o que se passa em Itália, é o seguinte...)
1) O "Movimento 5 Estrelas" é um movimento claramente controlado (dos muitos que têm surgido, na Europa) e que apenas serve para controlar e abafar as energias do descontentamento popular e continuar a oferecer falsas soluções que jogam a favor do sistema. E, as inequívocas provas disto podem ser encontradas <aqui><aqui> e <aqui>.
2) Mas, o "Liga Norte" é um partido indubitavelmente não-alinhado com o poder estabelecido - pois, foi o mesmo que até convidou o Daniel Estulin para discursar no Parlamento Europeu, onde denunciou o último os bilderbergers e afins.
O que sairá daqui?

(Se quiserem, têm aqui uma recente observação que fiz, sobre um possível evoluir desta situação.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Fábrica de Nada

29.05.18



No decorrer de um inevitável processo de Colapso económico e desindustrialização (que está à beira de se tornar muito pior) e também já no início de uma era de transição para a mão-de-obra robótica em trabalhos fabris, parece este filme querer dar a dica (obviamente errada e tardia, que levará a um beco sem saída) de que, a maneira de se lidar com este inevitável Colapso industrial, é simplesmente entrar agora em autogestão nas várias fábricas, ignorando as actuais situação e evolução económicas, assim como a necessária adaptação à nova realidade tecnológica.
Como alguém que possui um passado anarquista, este filme provoca inevitavelmente em mim sentimentos mistos - pois, passando ao lado do seu modo de produção claramente não-anarquista e da altura em que este surge, tem também o próprio filme vários aspectos que considero negativos, maioritariamente associados à aplicação prática do conhecido (e notoriamente autodestrutivo) lema "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" (ou, neste caso, "Punk Rock").
Para além de que, parece esta obra criar uma atmosfera maioritariamente distópica e sombria.
E, o facto de ter sido este um filme que foi, muito estranhamente, premiado, bastante elogiado e até promovido internacionalmente pela imprensa controlada, leva-me logo a ficar "de perna atrás" com o mesmo e a suspeitar que possa este constituir uma tentativa de colar tais aspectos negativos à muito positiva experiência original, que o filme diz querer homenagear - ao mesmo tempo que, acima de tudo, seja este uma tentativa de promoção da subcultura decadente que retrata.
Também, logo a começar pela sua parcial origem duvidosa, num muito estranho e contraditório centro social que recebe dinheiro da Comissão Europeia (e onde se promovem conhecidos falsos movimentos controlados, a degradação cultural, a confusão sexual, uma sociedade pós-industrial, a abolição das fronteiras e se disseminam mentiras ecológicas, entre outros claros objectivos do poder estabelecido) inspira esta obra em mim tudo menos confiança e crença nas boas intenções de quem a criou.
No dia em que surga, em Portugal ou qualquer outro país do Mundo, um filme produzido de modo anarquista e que queira realmente promover o Anarquismo, retratando-o de modo essencialmente belo, funcional, verdadeiramente consciente, indubitavelmente sério e mesmo muito positivo, não associando esta ideologia e prática política a subculturas decadentes, poderei então eu encarar tal possível obra com outros olhos.
Até lá... É este filme, para mim, mais um que não tem valor e que assenta maioritariamente na negatividade e na crítica destrutiva e inconsequente, como tantos outros de natureza cínica que nos impinge a imprensa controlada - e também mais um que foi (quase certamente) feito com segundas intenções (que, infelizmente, quem aceitou nele participar e pensa estar a agir contra o "sistema" é incapaz de atingir - por não ter lido um muito importante livro).
Até o próprio nome do filme parece querer instilar a ideia inconsciente, entre quem o vê, de que o resultado final de quando se envereda por um modelo de autogestão é... "Nada".
(Vejam também este cartaz.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tenham cuidado com as distribuições de GNU/Linux que escolhem

12.04.18

computer_surveillance.jpg

[É sempre a mesma história, em qualquer fórum que participo ou até cadeias de comentários a notícias... Se começa uma pessoa a denunciar coisas importantes, é logo atacada por trolls, que nos apelidam de maluquinhos das conspirações, e/ou é logo uma pessoa censurada, para não poder elaborar mais sobre o assunto de que fala. E, como sempre, acaba também por ser apenas na minha própria publicação na Internet que posso usufruir de Liberdade de Expressão.]

Deixo aqui as hiperligações para os arquivos de duas páginas da cadeia de comentários por mim ontem iniciada, no fórum não oficial da distribuição de GNU/Linux "Debian", tal como apareciam as mesmas na noite de ontem, antes de ter eu tido a surpresa de constatar, esta manhã, que tinham estas sido escondidas - de um modo em que quem agora use a hiperligação original para tal cadeia de comentários já não encontra a mesma - não podendo agora estes comentários, ao contrário de outras discussões (muitíssimo menos importantes) que foram "fechadas", serem sequer mais vistos no subfórum em causa.

http://blackfernando.mypressonline.com/debian1.html
http://blackfernando.mypressonline.com/debian2.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 15:17

A União Europeia é, em boa parte, a concretização de um IV Reich

17.03.18

iv_reich.png

"But what is absolutely true, is that the biggest scandal part of this whole Bilderberg organization was that, it was heavily populated by people who came out of the old World War II Nazi apparatus and who basically cleaned up and dusted off, and basically deployed to become a hard core of the Cold War anti-Soviet structures in the West. People such as Prince Bernhard, for example, of the Netherlands, was one of the founders of the Bilderberg organization. Walter Hallstein, the first President of the European Commission, was a Nazi lawyer. And, a lot of the structure itself of the European Union was actually based on the Nazi structures which were put together by Hallstein 20 years earlier, in the 1930s, before the Second World War."
--- Daniel Estulin, numa entrevista na "SOTT Radio Network", em Fevereiro de 2015

 

A União Europeia é uma criação do Clube Bilderberg - fundado pelo conhecido príncipe Bernardo dos Países Baixos (o mesmo que fundou a WWF) o qual foi um membro da SS de Hitler (não sendo este sequer o único nazi que é publicamente sabido ter frequentado as reuniões de Bilderberg).
Príncipe este, que era o Director das linhas áereas dos Países Baixos (KLM) aquando do uso destas pelos nazis, no final da Segunda Guerra, para fugirem para a Argentina.

 

"KLM ajudou voos nazistas para a Argentina"
[NineForNews.nl - Tradução Google] 25 de março de 2014

Após a Segunda Guerra Mundial, foi proibido aos suspeitos de envolvimento no regime nazista deixar a Alemanha. No entanto, muitos criminosos de guerra foram para a Suíça, entre outros. Através desse país, eles viajaram para a América do Sul. O Koninklijke Luchtvaart Maatschappij transportou os supostos alemães para o Uruguai e a Argentina.

O transporte era muito lucrativo para a companhia aérea. Os nazistas estavam dispostos a gastar muito dinheiro e escapar do seu julgamento. O historiador da aviação, Marc Dierikx, concluiu com base em documentos de arquivos americanos e suíços que a KLM estava intensamente envolvida no transporte de nazistas.

Em 1949, a embaixada holandesa na Argentina falou em uma carta ao Ministro dos Negócios Estrangeiros de "um forte elemento alemão na representação KLM" em Buenos Aires. O KLM diz que não encontrou evidências em seus próprios arquivos para envolvimento de longo alcance no vôo dos nazistas. Segundo Dierikx, é difícil imaginar que o cume da KLM na Holanda não conhecesse na época a ajuda de nazistas fugitivos.

Uma testemunha, que na época trabalhava como funcionária de 17 anos na KLM, disse à BBC que, em 1949, testemunhou uma violenta troca de palavras entre o então CEO da KLM Albert Plesman e o famoso piloto Adriaan Viruly. O último protestou de acordo com a testemunha porque foi convidado a voar "monges negros" para a Argentina. Descobriu-se criminosos de guerra. Os registros americanos mostraram que o governo holandês não estava preparado para pressionar as listas de passageiros da KLM.

De acordo com o Centro Simon Wiesenthal de Paris, os criminosos de guerra usaram o ouro do Vaticano para fugir para a América do Sul e o Oriente Médio. O Vaticano teria usado dinheiro que os nazistas roubaram e depositaram na Igreja. Um documento do governo dos EUA de 1947 mostra que Roma manteve 200 milhões de francos suíços de ouro nazista. É o ouro que o fascista Ustašas na Croácia havia roubado de judeus e sérvios.

O centro descobriu que o Vaticano forneceu documentos de identidade aos criminosos de guerra através de um grande número de comitês que atuam como organizações informais. Isso permitiu que os nazistas fugitivos obtivessem um passaporte da Cruz Vermelha, com o qual deixaram a Europa. Desta forma, milhares de criminosos de guerra alemães e colaboradores nazistas europeus, com a ajuda do Vaticano e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), encontraram um refúgio seguro para a Argentina e outros países da América do Sul.

Entre eles, havia líderes como o infame médico do campo, Josef Mengele. Ele embarcou em 25 de maio de 1949 com um documento de viagem do CICV em Gênova com o destino da Argentina, onde mais tarde abriu um consultório médico. O chefe da Gestapo, Klaus Barbie, o "carrasco de Lyon", o comandante das SS Erich Priebke e o executor croata Dinko Šakić, teria escapado para a Argentina com passes da Cruz Vermelha. O chefe croata de Hitler, o ditador Ante Pavelić, viajou para Buenos Aires em 1947 como sacerdote com um documento do CICV. Ele é considerado responsável pelas mortes de 800.000 sérvios e ciganos.

De um relatório secreto que entrou nas mãos de The New York Times, também surgiu que depois da guerra, a América abrigou um grande número de nazistas, incluindo o cientista de roteiros Arthur Rudolph. A CIA organizou documentos de residência e um trabalho para eles.

 

Sabendo disto, deverá ficar qualquer pessoa logo "de perna atrás" sobre que raio de gente é que fundou então a UE. Mas, é esta a única ligação da UE aos nazis? Não. Há mais que se lhe diga...
Toda a gente que sabe o mínimo da história da Segunda Guerra Mundial, sabe que uma das coisas que os nazis muito fizeram, ao longo da guerra, foi pilhar todo o ouro (e outras riquezas) que encontravam - incluindo o das pessoas que eram levadas para os campos de concentração. E, não sendo a Europa um continente propriamente pobre, certamente que muito ouro deverá ter sido acumulado por tais criminosos nazis. Ora, o que é então feito de todo este ouro? (Nunca ouvimos nós falar sobre o que aconteceu a tal ouro depois da guerra!)
Segundo explicam Daniel Estulin e outros, o destino do mesmo foi muito simples...
O que aconteceu foi que, na mesma altura em que os nazis fugiram para a América Latina, foi tal ouro levado para o mesmo destino dos primeiros. E, assim que "acalmaram" as coisas na Europa, na seguinte década de 1950, foi este tesouro (convertido ou não em dinheiro) trazido de volta para o Velho Continente, em parte para ser usado no projecto de criação de uma União Europeia, através do Clube Bilderberg fundado em 1954 - tendo sido o regresso desta enorme riqueza acumulada também responsável pela muito notável recuperação da economia alemã, na década de 1950, que ficou conhecida como o "Milagre do Reno".
Quer isto então dizer que a UE é um projecto nazi?
Não propriamente. Pois, (tal como explicava eu há uns anos, aqui) os nazis são apenas pessoas que foram recrutadas para o projecto da Nova Ordem Mundial - que é muitíssimo anterior ao surgimento sequer do movimento nazi (ler, por exemplo, isto). Tendo o Clube Bilderberg servido (tal como explica Daniel Estulin aqui) para juntar vencedores e vencidos da Segunda Guerra Mundial num novo projecto conjunto europeu, de características semelhantes ao fascista.
Quer isto, então, dizer que a UE é uma ressurreição do projecto fascista?
Sim, pode-se dizer tal coisa. Pois, (apesar de haver outras descrições mais correctas para o projecto da NOM) se quisermos descrever de um modo curto e simples as características político-económicas da sociedade pretendida pela NOM, é (em boa parte) como um projecto fascista que se pode descrever (ainda que, algo grosseiramente) a mesma. Podendo nós, de certo modo, dizer que estamos a assistir a um ressurgimento do Fascismo (por enquanto, apenas na sua vertente económica - e de carácter político antes internacionalista) na Europa em que vivemos.
(E, denunciado e dito isto, que cada um reflicta então sobre se será ou não uma boa ideia que continuemos a fazer parte deste megaprojecto europeu...)

 

Boris is Completely Right: The EU Was a Nazi Brainchild
Top Nazis planned to create federal European dictatorship
Paul Joseph Watson | Infowars.com - May 17, 2016

Boris Johnson is being accused of hyperbole for comparing the EU to Adolf Hitler’s plan for Europe (because invoking the threat of a new world war if Britain leaves the EU, as David Cameron did, is completely reasonable).

The pro-Brexit Tory MP said that both Napoleon and the Nazi leader failed at unification and that the EU was “an attempt to do this by different methods”.

According to Donald Tusk, the European Council President, the former Mayor of London “crossed the boundaries” by making the comparison.

Pro-Remain campaigner Lord Heseltine labeled Johnson’s remarks “preposterous” and “obscene”.

However, Boris Johnson is completely correct.

The European Union is basically what the Nazis envisaged for the continent post World War 2.

In his 1940 book The European Community, Nazi Economics Minister and war criminal Walther Funk wrote about the need to create a “Central European Union” and “European Economic Area” arguing, “There must be a readiness to subordinate one’s own interests in certain cases to those of [the EC].”

Nazi academic Heinrich Hunke wrote, “Classic national economy ... is dead ... community of fate which is the European economy ... fate and extent of European co-operation depends on a new unity economic plan”.

Fellow Nazi Gustav Koenig observed, “We have a real European Community task before us ... I am convinced that this Community effort will last beyond the end of the war.”

Other top Nazis who called for the creation of a pan-European federal economic superstate include Ribbentrop, Quisling and Seyss-Inquart, who spoke of “The new Europe of solidarity and co-operation among all its people ... will find ... rapidly increasing prosperity once national economic boundaries are removed.”

In 1940, Minister of Propaganda Joseph Goebbels ordered the creation of the “large-scale economic unification of Europe,” believing that “in fifty years’ time [people would] no longer think in terms of countries.”

Just 53 years later, the European Union in its current form was established.

It’s no surprise that what these top Nazis proposed is almost identical to what the EU later became.

It doesn’t matter if you put a touchy-feely, lefty, liberal face on it – at its very core – authoritarianism is authoritarianism.

Boris is right – the EU is the very bureaucratic, centralized, dictatorial European federal superstate that Hitler and other top Nazis had planned to implement after World War 2.

*********************
Paul Joseph Watson is the editor at large of Infowars.com and PrisonPlanet.com.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Resposta que já não pude dar a um militante do Bloco de Esquerda

11.03.18

capa_podemos.png

Por, na altura (final do ano passado) andar eu concentrado noutras coisas mais importantes - e tal blogueiro demorar também muito tempo a responder aos comentários que deixavam as pessoas no seu blogue (por andar também ele ocupado com outros assuntos mais importantes) - não tive eu pressa em responder a um comentário que tinha sido por ele deixado em resposta a um meu (último este, que tinha eu deixado a uma colocação final, de despedida, no blogue de tal autor) após ter sido eu automaticamente notificado, por correio electrónico, da ocorrência do mesmo.
E, lembrado eu - pela natureza da última colocação no meu blogue - de que não tinha ainda escrito tal resposta... Quando fui, anteontem, tentar deixar uma em tal blogue alheio, também alojado aqui no SAPO, já não consegui mais aceder ao blogue de tal autor, por ter sido o mesmo "suspenso".
E, assim sendo, na vaga esperança de que esta minha resposta possa um dia ser lida pelo destinatário em causa - e, já agora, porque (sendo de comentários públicos que se tratam) também poderá ser do interesse de outros ler tal pequena troca de mensagens - aproveito então para publicar aqui, no meu próprio blogue, a resposta que já não fui a tempo de dar (e também para republicar o comentário ao qual se dirigia tal resposta, da autoria do blogueiro Francisco Freima, para o qual já uma vez aqui tinha chamado a atenção para).

 

Francisco Freima respondeu ao seu comentário no post Adeus, pessoal (um adeus pessoal) às 02:31, 30/11/2017:

[...]

Por acaso nunca pensei muito na América Latina como região para viver, embora não me importasse de ir para a zona dos Andes. Se me dessem a escolher um país em todo o mundo, penso que iria para a Rússia. Adoro a cultura deles, sendo também um adepto do frio (e, lendo a teoria de Mackinder acerca do Heartland, percebemos que a Rússia será sempre importante).

Rússia que entronca no outro tema abordado pelo Fernando: os apoios dados a Trotsky por parte de Wall Street. Já tinha lido sobre isso, mas tendo sempre a relativizar. Não me choca que Trotsky tenha tido esse t ipo de ajudas, até porque existe o tal ponto de confluência que é o internacionalismo. Infelizmente, a política tem algumas zonas cinzentas onde um Ribbentrop e um Molotov podem negociar um pacto de não-agressão ou, voltando aos tempos da I Guerra Mundial, Lenine ser ajudado pelos alemães no seu regresso do exílio. Quando forças opostas convergem é sempre na esperança de enganarem o parceiro de ocasião. Escusado dizer, os povos ficam à porta de tais considerações.

Para mim, a importância de Trotsky está mais nas suas teorias da revolução permanente ou do desenvolvimento desigual e combinado do que propriamente nas suas acções enquanto indivíduo/actor político. Talvez, pela época em que viveu, ele não pudesse ter agido de outra forma; talvez, tendo sido um homem ambicioso, aquilo que resulta numa falha ética grave fosse apenas um meio para atingir um fim; na pior das hipóteses, mesmo que ele não acreditasse em nada, ou acreditasse apenas no intern acionalismo (capitalista ou socialista), a verdade é que as suas obras são lidas por muitas pessoas que defendem o internacionalismo socialista sem quaisquer concessões aos interesses capitalistas. É o que eu chamo de triunfo dos ingénuos: vivendo o marxismo um momento de refluxo a nível mundial, hoje em dia quem é marxista pode aprofundar as suas ideias sem grande rebuliço, um pouco à semelhança do período em que Marx viveu. Existem pequenas guerras, independentismos, mas nada que se assemelhe à proximidade de uma revolução como a de 1917.

O capital tem a situação controlada. Dentro do marxismo, os adeptos da revolução permanente podem polemizar com os adeptos do comunismo num só país sem que venha grande mal ao mundo. As figuras tutelares morreram e a própria questão coloca-se hoje sob outros prismas que não os da URSS. A Catalunha, por exemplo, tem suscitado um amplo debate: como podem os internacionalistas apoiar a independência catalã? Não é o Estado-nação uma construção burguesa destinada a desviar o foco da luta de classes? Estando no Bloco, foi um debate que acompanhei com gosto, até por ser militante de base. Na base dos partidos temos sempre aqueles camaradas mais puros, que não afinam as suas opiniões pelas dos notáveis. Claro que chega o dia em que a festa acaba e a vitória cai para um dos lados. Enquanto a festa durou, vi pessoas frontalmente contra a independência catalã e outras que, sendo também elas internacionalistas, colocavam o direito dos povos à auto-determinação num patamar superior. Da minha parte, defendo a independência. Nem tanto pela auto-determinação, para mim a questão premente reside na força imprimida pelo capitalismo à sua globalização. Ainda assim, torna-se um exercício vagamente cómico, o de defender a independência de um povo que pretende ir logo a correr para os braços da União Europeia...

Um abraço, Fernando, e viva a Margem Sul :D

 

[Segue-se então a minha resposta, que já não fui a tempo de publicar...]

 

Olá outra vez, Francisco.

(Com a crescente escassez de recursos naturais e o sério impacto que tal irá ter na agricultura: http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=63630.msg900364#msg900364)

Os melhores sítios para se viver, no futuro próximo (e para os quais eu iria, se pudesse) serão os locais do Mundo ainda pouco populados, que têm solos férteis em grande quantidade e que são também ricos em água - como o Brasil (e restante América Latina) e, sim, também a Rússia. (Tanto o Brasil como a Rússia exportam muita comida. Por isso, são estes dois países onde as pessoas nunca deverão morrer de fome.)

Quanto à criação do Estado-Nação,

Ela não tem (nada) a ver com "desviar o foco da luta de classes" (pois, surgiu até muito antes que tal luta tivesse início, devido à publicação do "Manifesto Comunista" escrito pelo capitalista Friedrich Engels). Mas, é antes algo que surge como uma consequência da vontade de Desenvolvimento económico, motivada pelo ideal de Progresso, a todos os níveis (http://www.schillerinstitute.org/newspanish/InstitutoSchiller/Arte/GoyaLucesCarlosIII.html) - algo que as elites (i.e. os verdadeiros ricos e membros da dita nobreza) não querem (nem nunca quiseram) por gerar tal progresso económico também progresso cultural e tornar as pessoas mais difíceis de controlar e continuar a explorar.

E, o tentar colar algo de positivo a algo mau, através de falácias, é um truque muito usado pelos propagandistas do poder estabelecido (como me lembro de ler, da parte de um Professor seu, que me disse você ser um maçon, que usava num texto pró-UE o ridículo termo "o totalitarismo das nações" - como se ter um governo central europeu, que repetidamente proíbe os vários países de fazerem isto ou aquilo é que não fosse, antes isso mesmo, uma forma de totalitarismo). Sendo o melhor exemplo que conheço, de constantemente dar falsas explicações alternativas (sem argumentos que realmente as sustentem) para certos acontecimentos históricos (do que posso ler da descrição, pois recuso-me a ler tais obras) o livro "A People's History of the United States" do propagandista Howard Zinn.

Quanto ao Trotsky,

Não se tratava de um convergência de apenas alguns interesses comuns que tinha ele com alguns ultra-ricos. O jogo por ambos jogado é um que, certamente, não deve ser ensinado no tipo de cursos universitários sobre História e Política que você tirou - e que se chama "Dialética Hegeliana" (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=43336.0). Sendo que, o Trotsky estava tão interessado numa verdadeira Revolução Social quanto estão os seus discípulos, de hoje em dia, como são os dirigentes do Bloco de Esquerda (muito contentes em colaborar com o falso Partido Socialista português e ficar-se por aí).

Se alguma vez decidir você pesquisar seriamente sobre o que eu aqui denuncio, da verdadeira natureza deste tipo de líderes comunistas (deixo-lhe mais uma dica aqui: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/primeira-e-talvez-unica-tentativa-seria-52674) depois interrogue-se sobre porque razão andam os movimentos por eles criados a usar a mesma simbologia que é usada por outros movimentos, que toda a gente bem informada sabe serem controlados por conhecidos capitalistas: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/alguem-ainda-duvida-de-que-o-podemos-e-127764

Um abraço e Boa Sorte para o futuro próximo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:20

Isto é que é Patriotismo

04.12.17

Bravos irlandeses, que nunca deixaram de lutar pela independência do seu país, apesar de séculos de repressão e de terem até sido alvo de uma campanha genocida por parte do Império Britânico.



E, cujos alguns dos descendentes, mantendo-se fiéis ao espírito dos seus antepassados, continuam a lutar contra as novas formas de opressão imperialista.

 

David Rockefeller confronted at his dinner table by "The Sovereign Independent" at the Trilateral Commission

Sovereign Independent
May 10, 2010

At approximately 12:15 pm on 9th May, two representatives of the Irish newspaper, The Sovereign Independent entered The Four Seasons Hotel in Dublin, Ireland, where the latest meeting of the Trilateral Commission was taking place and confronted David Rockefeller at his dinner table.

We unassumingly entered the reception area of the hotel and proceeded through the lobby to the seating and dining area at the back of the premises where we sat down and ordered coffee. There was a table immediately behind us which was set up for lunch for 6 people.

We had a few copies of our newspaper with us and discussed posting a few at reception to Henry Kissinger and David Rockefeller when to my utter surprise I noticed David Rockefeller’s bodyguard walking in my direction. Without acting suspicious I then observed the trademark walking stick behind the bodyguard and David Rockefeller was suddenly walking past us and took the seat at the table set for lunch directly behind us.

We immediately decided that we couldn’t miss this opportunity to confront the evil sitting in our midst and to our complete surprise were given the opportunity when the bodyguard appeared to leave the room.

With a few deep breaths we both rose and confronted David Rockefeller at his dinner table in front of his guests with the words. “Mr. Rockefeller, you will never get your New World Order. We are not your slaves; we are not your slaves.”

The room fell into complete silence as our words reverberated all the way through to the reception area with the stunned looks on Rockefeller’s guest’s faces evident in the footage. Rockefeller had a look of complete shock on his face as I leant over him and placed a copy of The Sovereign Independent right in front of him on his table taking care not to touch him in any way or to disturb anything on his table.

We calmly turned away as the bodyguard, clearly not knowing that we had caused the disturbance, ran past us to get to Rockefeller. We walked the approximately 40m to the front entrance, down the drive past the attending police officers and onto the street.

Unfortunately due to the risk of our phone being taken from us as we were filming the video is a bit shaky and Rockefeller can only be seen briefly at the end, almost in silohette, although, anyone who knows what he looks like should clearly recognise him. He is only in the last few frames of the video on the far left.

We’d been there the previous day with Jim Tucker, holding a peaceful protest, outside the gates with a number of other groups which had gone well. Hundreds of copies of the newspaper were handed to passersby who had wanted to know what was going on.

There had also been an attempt to have Henry Kissinger arrested under an arrest warrant issued by the Spanish authorities which was, as far as was known, still valid. This evidence was presented to the police officers on duty and recorded. This matter is currently ongoing with visits to the Spanish embassy in Dublin being made this morning, Monday 10th May.

Neil Foster & Dave Derby, The Sovereign Independent

Autoria e outros dados (tags, etc)