Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Não houve qualquer ataque químico na Síria (x2)

24.04.18



Com as imprensas britânica, alemã e até mesmo portuguesa a serem forçadas a admitir isto (com a portuguesa - por ser dirigida a um público menos inteligente - a tentar distorcer os factos, ao falar apenas numa "alegada" encenação) já o pretexto para mais um muito estúpido ataque, por parte de Donald Trump, à Síria começou a cair por terra... E, cabe então agora à inteligência de cada um julgar os factos ocorridos por si próprio/a.
Mas, já que é de inteligência (ou falta dela) da parte de quem vê as notícias televisivas de que falamos, aproveito então para apelar a esta e também ao sentido crítico de quem lê este blogue, para analisar outras duas "provas" que a imprensa controlada nos apresentou para tentar convencer as pessoas de que um ataque químico realmente ocorreu.
Primeiro que tudo, reparem na linguagem corporal do seguinte entrevistado, que descreve a suposta morte da sua família... ("Oh, que chato. A minha família morreu toda... Olha, acontece.")



E, depois disso, espreitem <esta> análise de uma notícia emitida pela CNN, onde uma repórter decide cheirar uma mochila supostamente contaminada com o gás venenoso usado, para averiguar se tal mochila está contaminada ou não...
(Preciso eu de explicar sequer o que estaria imensamente errado na decisão de alguém fazer uma coisa destas, quando está a lidar com um gás venenoso?!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:21

A União Europeia é, em boa parte, a concretização de um IV Reich

17.03.18

iv_reich.png

"But what is absolutely true, is that the biggest scandal part of this whole Bilderberg organization was that, it was heavily populated by people who came out of the old World War II Nazi apparatus and who basically cleaned up and dusted off, and basically deployed to become a hard core of the Cold War anti-Soviet structures in the West. People such as Prince Bernhard, for example, of the Netherlands, was one of the founders of the Bilderberg organization. Walter Hallstein, the first President of the European Commission, was a Nazi lawyer. And, a lot of the structure itself of the European Union was actually based on the Nazi structures which were put together by Hallstein 20 years earlier, in the 1930s, before the Second World War."
--- Daniel Estulin, numa entrevista na "SOTT Radio Network", em Fevereiro de 2015

 

A União Europeia é uma criação do Clube Bilderberg - fundado pelo conhecido príncipe Bernardo dos Países Baixos (o mesmo que fundou a WWF) o qual foi um membro da SS de Hitler (não sendo este sequer o único nazi que é publicamente sabido ter frequentado as reuniões de Bilderberg).
Príncipe este, que era o Director das linhas áereas dos Países Baixos (KLM) aquando do uso destas pelos nazis, no final da Segunda Guerra, para fugirem para a Argentina.

 

"KLM ajudou voos nazistas para a Argentina"
[NineForNews.nl - Tradução Google] 25 de março de 2014

Após a Segunda Guerra Mundial, foi proibido aos suspeitos de envolvimento no regime nazista deixar a Alemanha. No entanto, muitos criminosos de guerra foram para a Suíça, entre outros. Através desse país, eles viajaram para a América do Sul. O Koninklijke Luchtvaart Maatschappij transportou os supostos alemães para o Uruguai e a Argentina.

O transporte era muito lucrativo para a companhia aérea. Os nazistas estavam dispostos a gastar muito dinheiro e escapar do seu julgamento. O historiador da aviação, Marc Dierikx, concluiu com base em documentos de arquivos americanos e suíços que a KLM estava intensamente envolvida no transporte de nazistas.

Em 1949, a embaixada holandesa na Argentina falou em uma carta ao Ministro dos Negócios Estrangeiros de "um forte elemento alemão na representação KLM" em Buenos Aires. O KLM diz que não encontrou evidências em seus próprios arquivos para envolvimento de longo alcance no vôo dos nazistas. Segundo Dierikx, é difícil imaginar que o cume da KLM na Holanda não conhecesse na época a ajuda de nazistas fugitivos.

Uma testemunha, que na época trabalhava como funcionária de 17 anos na KLM, disse à BBC que, em 1949, testemunhou uma violenta troca de palavras entre o então CEO da KLM Albert Plesman e o famoso piloto Adriaan Viruly. O último protestou de acordo com a testemunha porque foi convidado a voar "monges negros" para a Argentina. Descobriu-se criminosos de guerra. Os registros americanos mostraram que o governo holandês não estava preparado para pressionar as listas de passageiros da KLM.

De acordo com o Centro Simon Wiesenthal de Paris, os criminosos de guerra usaram o ouro do Vaticano para fugir para a América do Sul e o Oriente Médio. O Vaticano teria usado dinheiro que os nazistas roubaram e depositaram na Igreja. Um documento do governo dos EUA de 1947 mostra que Roma manteve 200 milhões de francos suíços de ouro nazista. É o ouro que o fascista Ustašas na Croácia havia roubado de judeus e sérvios.

O centro descobriu que o Vaticano forneceu documentos de identidade aos criminosos de guerra através de um grande número de comitês que atuam como organizações informais. Isso permitiu que os nazistas fugitivos obtivessem um passaporte da Cruz Vermelha, com o qual deixaram a Europa. Desta forma, milhares de criminosos de guerra alemães e colaboradores nazistas europeus, com a ajuda do Vaticano e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), encontraram um refúgio seguro para a Argentina e outros países da América do Sul.

Entre eles, havia líderes como o infame médico do campo, Josef Mengele. Ele embarcou em 25 de maio de 1949 com um documento de viagem do CICV em Gênova com o destino da Argentina, onde mais tarde abriu um consultório médico. O chefe da Gestapo, Klaus Barbie, o "carrasco de Lyon", o comandante das SS Erich Priebke e o executor croata Dinko Šakić, teria escapado para a Argentina com passes da Cruz Vermelha. O chefe croata de Hitler, o ditador Ante Pavelić, viajou para Buenos Aires em 1947 como sacerdote com um documento do CICV. Ele é considerado responsável pelas mortes de 800.000 sérvios e ciganos.

De um relatório secreto que entrou nas mãos de The New York Times, também surgiu que depois da guerra, a América abrigou um grande número de nazistas, incluindo o cientista de roteiros Arthur Rudolph. A CIA organizou documentos de residência e um trabalho para eles.

 

Sabendo disto, deverá ficar qualquer pessoa logo "de perna atrás" sobre que raio de gente é que fundou então a UE. Mas, é esta a única ligação da UE aos nazis? Não. Há mais que se lhe diga...
Toda a gente que sabe o mínimo da história da Segunda Guerra Mundial, sabe que uma das coisas que os nazis muito fizeram, ao longo da guerra, foi pilhar todo o ouro (e outras riquezas) que encontravam - incluindo o das pessoas que eram levadas para os campos de concentração. E, não sendo a Europa um continente propriamente pobre, certamente que muito ouro deverá ter sido acumulado por tais criminosos nazis. Ora, o que é então feito de todo este ouro? (Nunca ouvimos nós falar sobre o que aconteceu a tal ouro depois da guerra!)
Segundo explicam Daniel Estulin e outros, o destino do mesmo foi muito simples...
O que aconteceu foi que, na mesma altura em que os nazis fugiram para a América Latina, foi tal ouro levado para o mesmo destino dos primeiros. E, assim que "acalmaram" as coisas na Europa, na seguinte década de 1950, foi este tesouro (convertido ou não em dinheiro) trazido de volta para o Velho Continente, em parte para ser usado no projecto de criação de uma União Europeia, através do Clube Bilderberg fundado em 1954 - tendo sido o regresso desta enorme riqueza acumulada também responsável pela muito notável recuperação da economia alemã, na década de 1950, que ficou conhecida como o "Milagre do Reno".
Quer isto então dizer que a UE é um projecto nazi?
Não propriamente. Pois, (tal como explicava eu há uns anos, aqui) os nazis são apenas pessoas que foram recrutadas para o projecto da Nova Ordem Mundial - que é muitíssimo anterior ao surgimento sequer do movimento nazi (ler, por exemplo, isto). Tendo o Clube Bilderberg servido (tal como explica Daniel Estulin aqui) para juntar vencedores e vencidos da Segunda Guerra Mundial num novo projecto conjunto europeu, de características semelhantes ao fascista.
Quer isto, então, dizer que a UE é uma ressurreição do projecto fascista?
Sim, pode-se dizer tal coisa. Pois, (apesar de haver outras descrições mais correctas para o projecto da NOM) se quisermos descrever de um modo curto e simples as características político-económicas da sociedade pretendida pela NOM, é (em boa parte) como um projecto fascista que se pode descrever (ainda que, algo grosseiramente) a mesma. Podendo nós, de certo modo, dizer que estamos a assistir a um ressurgimento do Fascismo (por enquanto, apenas na sua vertente económica - e de carácter político antes internacionalista) na Europa em que vivemos.
(E, denunciado e dito isto, que cada um reflicta então sobre se será ou não uma boa ideia que continuemos a fazer parte deste megaprojecto europeu...)

 

Boris is Completely Right: The EU Was a Nazi Brainchild
Top Nazis planned to create federal European dictatorship
Paul Joseph Watson | Infowars.com - May 17, 2016

Boris Johnson is being accused of hyperbole for comparing the EU to Adolf Hitler’s plan for Europe (because invoking the threat of a new world war if Britain leaves the EU, as David Cameron did, is completely reasonable).

The pro-Brexit Tory MP said that both Napoleon and the Nazi leader failed at unification and that the EU was “an attempt to do this by different methods”.

According to Donald Tusk, the European Council President, the former Mayor of London “crossed the boundaries” by making the comparison.

Pro-Remain campaigner Lord Heseltine labeled Johnson’s remarks “preposterous” and “obscene”.

However, Boris Johnson is completely correct.

The European Union is basically what the Nazis envisaged for the continent post World War 2.

In his 1940 book The European Community, Nazi Economics Minister and war criminal Walther Funk wrote about the need to create a “Central European Union” and “European Economic Area” arguing, “There must be a readiness to subordinate one’s own interests in certain cases to those of [the EC].”

Nazi academic Heinrich Hunke wrote, “Classic national economy ... is dead ... community of fate which is the European economy ... fate and extent of European co-operation depends on a new unity economic plan”.

Fellow Nazi Gustav Koenig observed, “We have a real European Community task before us ... I am convinced that this Community effort will last beyond the end of the war.”

Other top Nazis who called for the creation of a pan-European federal economic superstate include Ribbentrop, Quisling and Seyss-Inquart, who spoke of “The new Europe of solidarity and co-operation among all its people ... will find ... rapidly increasing prosperity once national economic boundaries are removed.”

In 1940, Minister of Propaganda Joseph Goebbels ordered the creation of the “large-scale economic unification of Europe,” believing that “in fifty years’ time [people would] no longer think in terms of countries.”

Just 53 years later, the European Union in its current form was established.

It’s no surprise that what these top Nazis proposed is almost identical to what the EU later became.

It doesn’t matter if you put a touchy-feely, lefty, liberal face on it – at its very core – authoritarianism is authoritarianism.

Boris is right – the EU is the very bureaucratic, centralized, dictatorial European federal superstate that Hitler and other top Nazis had planned to implement after World War 2.

*********************
Paul Joseph Watson is the editor at large of Infowars.com and PrisonPlanet.com.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Somos governados por pedófilos

10.04.17

[Um bom apanhado de alguns conhecidos casos, que serve de bom complemento ao que eu já denunciava <aqui>. Mas, atenção que, relativamente ao caso específico português "Casa Pia", as indicações são todas de que Carlos Cruz é mesmo inocente - [1] [2] - (sendo este um dos mencionados "numerosos escândalos de pedofilia que foram provados ser falsos") e que a destruição da imagem pública e o encarceramento deste conhecido apresentador se tratará de uma vingança pessoal, por causa de algo que esta figura fez a uma muito poderosa pessoa em Portugal.]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Porque devemos ficar sempre "de perna atrás" com os muçulmanos

25.03.17

no-democracy-we-want-just-islam.jpg

 

[Fazendo uma breve introdução a este tema (e não me esquecendo eu do facto de que as crenças pessoais e religiosas de todos devem sempre ser respeitadas)... O que se passa, é que a religião islâmica não é apenas mais uma religião qualquer (da mesma maneira que também o Fascismo ou o Comunismo não podem ser descritos meramente como mais umas quaisquer ideologias políticas). Sendo antes o Islamismo uma religião na qual é justificável matar e massacrar aqueles que não sejam adeptos da mesma. E sendo os grupos terroristas que se baseiam no Corão (assim como quem celebrou mais um recente atentado terrorista) pessoas que estão meramente a seguir e concordam com alguns dos princípios que são neste livro defendidos (enquanto a maioria dos adeptos desta religião simplesmente escolhe ignorar tais princípios). E, isto, falando apenas de alguns dos mais bárbaros actos defendidos e cometidos pelos adeptos desta religião - que, como muitos saberão, não são os únicos...]

 

 

Study: One Third of Young Muslims in France Think Terrorism is “Acceptable”

Full report delayed until after the election because it’s not “politically correct”

Paul Joseph Watson
PrisonPlanet.com
March 21, 2017

A third of young Muslims in France think that terrorism is “acceptable” a new study has found, with the full report being delayed until after the election because it is not “politically correct”.

Findings of the study, which canvassed the opinions of 6828 high school students after the 2015 Paris attacks, were presented at a press conference in the French capital by researchers Olivier Galland and Anne Muxel.

The results are disturbing but not surprising given attitudes amongst Muslims living in European countries.

– A young Muslim is four times more likely to adhere to radical beliefs than a Christian.

– 33% of Muslim students consider it “acceptable” to “participate in violent actions for his ideas”. In other words, a third are sympathetic towards terrorism.

– 20% of Muslim students agreed with the statement that it was “acceptable to stand up for your religion with weapons”.

– 24% of those surveyed refused to fully condemn the Charlie Hebdo killings.

– 21% of those surveyed refused to fully condemn the Bataclan theater massacre during which 89 people were killed as part of the wider November 13 Paris attack that claimed 130 lives.

It is worth emphasizing that the percentage of young Muslims who refused to condemn Charlie Hebdo and the November 13 massacre are likely to be much higher than the numbers listed above given that those results are representative of the entire sample, and Muslims make up just 25% of the sample.

“When asked if these attitudes could be due to economic and social factors or a sense of victimisation, the researchers responded that “membership in the Muslim religion is the most predictive factor,” notes Westmonster.

The results were “not very politically correct,” remarked French journalist Gurvan Le Guellec, while others at the press conference expressed concern about the timing, noting that the full report would not be released until after the election.

Left-wing newspaper Le Monde slammed the researchers for “opening Pandora’s box” by simply relating the facts of the study.

However, the results are in line with previous polls such as a 2006 Pew Global Attitudes study which found that 42% of Muslims aged 18-29 thought that suicide bombings were sometimes justified.

The study vindicates the concerns of the majority of Europeans who, when asked in a recent Royal Institute of International Affairs survey, said they would like to see a total ban on Muslim immigration.

 

 


(Passagens violentas no Corão: http://www.thereligionofpeace.com/pages/quran/violence.aspx)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amazon começou a rotular certos livros "Teorias da Conspiração"

17.01.17

Depois da recente (e ainda decorrente) ofensiva contra a imprensa alternativa, sob a forma de uma campanha que visa difamar a última rotulando-a como emissora de "notícias falsas", eis que - no decorrer de umas colocações que fiz no Twitter - quando fui ao sítio da Amazon saber como se soletrava o nome de um autor, me deparei com o seguinte - um acrescento agora feito pela Amazon ao título de um livro.

 

(Cliquem na imagem para a ampliar.)

Screenshot - 17-01-2017 - 05:29:46.png

 

Relativamente ao qual aproveito para fazer uma pergunta retórica, aos média de massas e seus (verdadeiros) amos: Se estes sítios e autores emitem notícias falsas e escrevem livros com meras "teorias da conspiração" - e estão vocês, claramente, incomodados com os mesmos, ao ponto de fazerem uma campanha contra estes - se são nomes de organizações e indivíduos muito específicos os que são mencionados por estes, se há mesmo muita gente a prestar atenção aos últimos e se são graves as acusações que estes fazem, porque razão não tomam vocês a muito mais democrática atitude de processar judicialmente tais responsáveis? (Será que é porque têm medo do resultado de acções desse tipo?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

"What's up?!... Money! Money! Money!"

12.09.15

(Alguma alma caridosa, que tenha pena de quem não quer lutar no seu país-natal por melhores condições de vida, talvez queira ir dizer a estes imigrantes que, para além da União Europeia, se estiverem eles dispostos a "ir lavar pratos para a Suíça", podem lá ganhar mesmo muito dinheiro...)

Autoria e outros dados (tags, etc)