Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uma estranha mistura italiana

04.06.18

dimaio_salvini.jpg

 

Confirmado que está agora, então, o facto de que o "Movimento 5 Estrelas" e o partido "Liga Norte" sempre vão formar um governo de coligação em Itália, venho aqui apenas chamar a atenção para o seguinte aspecto mesmo muito curioso, relativo a esta estranha aliança.
(Para quem não sabe, o que se passa em Itália, é o seguinte...)
1) O "Movimento 5 Estrelas" é um movimento claramente controlado (dos muitos que têm surgido, na Europa) e que apenas serve para controlar e abafar as energias do descontentamento popular e continuar a oferecer falsas soluções que jogam a favor do sistema. E, as inequívocas provas disto podem ser encontradas <aqui><aqui> e <aqui>.
2) Mas, o "Liga Norte" é um partido indubitavelmente não-alinhado com o poder estabelecido - pois, foi o mesmo que até convidou o Daniel Estulin para discursar no Parlamento Europeu, onde denunciou o último os bilderbergers e afins.
O que sairá daqui?

(Se quiserem, têm aqui uma recente observação que fiz, sobre um possível evoluir desta situação.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Fábrica de Nada

29.05.18



No decorrer de um inevitável processo de Colapso económico e desindustrialização (que está à beira de se tornar muito pior) e também já no início de uma era de transição para a mão-de-obra robótica em trabalhos fabris, parece este filme querer dar a dica (obviamente errada e tardia, que levará a um beco sem saída) de que, a maneira de se lidar com este inevitável Colapso industrial, é simplesmente entrar agora em autogestão nas várias fábricas, ignorando as actuais situação e evolução económicas, assim como a necessária adaptação à nova realidade tecnológica.
Como alguém que possui um passado anarquista, este filme provoca inevitavelmente em mim sentimentos mistos - pois, passando ao lado do seu modo de produção claramente não-anarquista e da altura em que este surge, tem também o próprio filme vários aspectos que considero negativos, maioritariamente associados à aplicação prática do conhecido (e notoriamente autodestrutivo) lema "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" (ou, neste caso, "Punk Rock").
Para além de que, parece esta obra criar uma atmosfera maioritariamente distópica e sombria.
E, o facto de ter sido este um filme que foi, muito estranhamente, premiado, bastante elogiado e até promovido internacionalmente pela imprensa controlada, leva-me logo a ficar "de perna atrás" com o mesmo e a suspeitar que possa este constituir uma tentativa de colar tais aspectos negativos à muito positiva experiência original, que o filme diz querer homenagear - ao mesmo tempo que, acima de tudo, seja este uma tentativa de promoção da subcultura decadente que retrata.
Também, logo a começar pela sua parcial origem duvidosa, num muito estranho e contraditório centro social que recebe dinheiro da Comissão Europeia (e onde se promovem conhecidos falsos movimentos controlados, a degradação cultural, a confusão sexual, uma sociedade pós-industrial, a abolição das fronteiras e se disseminam mentiras ecológicas, entre outros claros objectivos do poder estabelecido) inspira esta obra em mim tudo menos confiança e crença nas boas intenções de quem a criou.
No dia em que surga, em Portugal ou qualquer outro país do Mundo, um filme produzido de modo anarquista e que queira realmente promover o Anarquismo, retratando-o de modo essencialmente belo, funcional, verdadeiramente consciente, indubitavelmente sério e mesmo muito positivo, não associando esta ideologia e prática política a subculturas decadentes, poderei então eu encarar tal possível obra com outros olhos.
Até lá... É este filme, para mim, mais um que não tem valor e que assenta maioritariamente na negatividade e na crítica destrutiva e inconsequente, como tantos outros de natureza cínica que nos impinge a imprensa controlada - e também mais um que foi (quase certamente) feito com segundas intenções (que, infelizmente, quem aceitou nele participar e pensa estar a agir contra o "sistema" é incapaz de atingir - por não ter lido um muito importante livro).
Até o próprio nome do filme parece querer instilar a ideia inconsciente, entre quem o vê, de que o resultado final de quando se envereda por um modelo de autogestão é... "Nada".
(Vejam também este cartaz.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma muito boa explicação do que é "oposição controlada"

08.05.18

"You have to be very aware of people who present themselves as your supporters and then try to either become leading critical 'gatekeepers' that only point out to petty wrongdoings by the government and hide the (much more important and revealing) rest, and people that lead you into traps, false solutions, or try to make you adopt counter-productive or time-wasting ineffective forms of struggle."
--- Eu próprio, há 10 anos (no fórum do sítio PrisonPlanet.com)

"A melhor maneira de controlarmos a oposição é sermos nós próprios a liderá-la."
--- Vladimir Lenin

 

(O anterior vídeo é sobre este fenómeno a ocorrer na suposta Direita estadunidense. E, se quiserem observar o mesmo a ocorrer na suposta Esquerda do mesmo país, têm por exemplo <este> muito interessante facto.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boaventura Sousa Santos foi co-fundador do Fórum Social Mundial

06.05.18

maventura.png

Há já muito tempo que o sítio do "Centro de Pesquisa sobre Globalização" (GlobalResearch.ca) me vem, infelizmente, a despertar cada vez menos interesse... Pois, desde a sua criação, no início da década passada - quando constituía este sítio uma muito boa fonte de análise de informação na Internet (veja-se a excelente investigação que o seu fundador e director, Michel Chossudovsky, fez sobre a verdadeira natureza da al-Qaeda, por exemplo) - que tenho visto novo autor atrás de novo autor desconhecido juntar-se ao mesmo, que com nada de verdadeiramente útil contribui para tal Centro de Pesquisa - tornando tal sítio numa estranha amálgama de pouca informação de interesse, no meio de informação que nada realmente adianta relativamente ao que já se sabe (onde, por vezes, tentam alguns até dar explicações alternativas a boas denúncias que já foram feitas). E, olhando para o que escreve um dos (principais) primeiros novos contribuintes que vi surgir neste Centro de Pesquisa - nos quais penso quando faço este tipo de crítica - chamado James Petras, por exemplo, o que eu vejo é um outro Howard Zinn.
Mas, se apesar de tudo ainda vou por vezes espreitando tal sítio, já com muito poucas esperanças de encontrar nele algo de útil, eis que fui hoje muito surpreendido, pela negativa, com uma grande evolução no mesmo... A presença agora de artigos de "análise" de Boaventura Sousa Santos.
Boaventura Sousa Santos - nunca me irei esquecer - era quem - enquanto andávamos eu e outras pessoas nas ditas manifestações "antiglobalização" no início da década passada - escrevia no jornal Diário de Notícias (se não me engano) as mais inócuas críticas possíveis (1) à incrível perda de soberania e controlo nacionais, relativamente às vontades das cada vez mais poderosas companhias multinacionais, que começavam a sobrepor os seus interesses aos dos países onde se estabeleciam, e (2) aos incríveis esquemas montados pelos FMI e Banco Mundial, através dos quais conseguia o Ocidente pilhar (e obter o controlo de) os países em vias de desenvolvimento.
E, depois de ter eu aprendido o que aprendi sobre o controlo que existe da informação nos média de massas, outra coisa não seria também de esperar, da parte de alguém a quem este média davam atenção (ou caso contrário, não seriam as suas "análises" publicadas em tal imprensa)...
Mas, se tem alguém ainda alguma dúvida de que esta figura não é (obviamente) mais do que outro exemplo da aplicação da fórmula de "oposição controlada" em Portugal, apenas tem de olhar para uma conhecida suposta alternativa por esta mesma pessoa criada, a nível internacional, ao fenómeno da globalização capitalista... O dito "Fórum Social Mundial".
Já alguma vez ouviram de algo de jeito que tenha saído de tal fórum? Claro que não. E, o objectivo é obviamente mesmo esse... Servir de fórum de discussão inútil, que apenas serve para desviar a atenção e o tempo, da parte de quem queira mudar as coisas, de outras possíveis alternativas reais e efectivas - como é, por exemplo, o caso da aliança BRICS, que entretando surgiu.
E, porque razão digo eu que é obviamente este o propósito de tal fórum?
Ora, porque (para além de ser esta uma manobra de diversão muito usada pelo poder estabelecido) no caso deste Fórum Social Mundial, não se deram as elites ao trabalho de esconder sequer os seus cordelinhos. E, basta ver quem é que <financia> as edições de tal fórum, para facilmente concluir que interesses é que (ultima e verdadeiramente) serve o mesmo.
Ora, se é este Fórum claramente uma criação de tais interesses elitistas (que permitem que tais reuniões ocorram, através do seu financiamento) o que é que acham vocês que serão os indivíduos que visivelmente fundaram o mesmo?
Pois bem, o conhecido Boaventura Sousa Santos (que é por vezes também convidado para os péssimos debates controlados da RTP, por exemplo) foi um dos fundadores deste Fórum! (Basta que espreitem a sua página na Wikipedia, ou leiam a nota no final deste artigo, para constatar tal facto.) E, juntando isto às críticas ligeiras que este faz ao fenómeno da globalização capitalista, penso que é óbvio - para toda a gente bem informada e inteligente - perante o que é que estamos...
"O Fórum Social Mundial são as elites de esquerda a tentar obter o controlo do movimento antiglobalização." - disse eu uma vez, numa cidade estrangeira, perante um pequeno grupo de activistas, numa pausa entre as manifestações contra o Fórum Económico Mundial (do qual tirou esta "alternativa" o seu nome). "Ninguém o disse melhor [que tu]!" - respondeu-me um desses activistas, perante quem eu tinha feito tal observação.
(Por "elites de esquerda" estava eu a referir-me ao tipo de líderes de (suposta) esquerda que notoriamente o são em busca de poder e controlo sobre os outros - e não os que querem realmente mudar as coisas. Pois, a criação de tal Fórum alternativo era clara e notoriamente o que dizia eu que era. E não uma criação independente de tal movimento que tinha surgido.)
Mas, deixemo-nos de críticas a uma organização que merece apenas ser ignorada...
Se querem saber do que estou eu a falar, quando digo que Boaventura Sousa Santos (o autor que, enquanto decorriam as manifestações chamadas de "antiglobalização", era indicado pela imprensa controlada como a pessoa que devia ser lida, para saberem todos porque razão ocorriam tais estranhas manifestações) apenas faz denúncias e críticas ligeiras das actividades do FMI, Banco Mundial e afins, comparem o que escreve este autor com o que é, por exemplo, denunciado <nesta> entrevista.

 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Nota final: E, observem que tipo de pessoas é que são convidadas para este Fórum Social Mundial: Noam Chomsky, Ignacio Ramonet... A nata da falsa e reformista esquerda ocidental. Chossudovsky (descobri quando estava a acabar de escrever esta colocação) está também consciente das fontes de financiamento deste Fórum... Ficando nós sem saber, então, porque razão decide ele dar lugar aos escritos de Sousa Santos no sítio na Internet do primeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tenham cuidado com as distribuições de GNU/Linux que escolhem

12.04.18

computer_surveillance.jpg

[É sempre a mesma história, em qualquer fórum que participo ou até cadeias de comentários a notícias... Se começa uma pessoa a denunciar coisas importantes, é logo atacada por trolls, que nos apelidam de maluquinhos das conspirações, e/ou é logo uma pessoa censurada, para não poder elaborar mais sobre o assunto de que fala. E, como sempre, acaba também por ser apenas na minha própria publicação na Internet que posso usufruir de Liberdade de Expressão.]

Deixo aqui as hiperligações para os arquivos de duas páginas da cadeia de comentários por mim ontem iniciada, no fórum não oficial da distribuição de GNU/Linux "Debian", tal como apareciam as mesmas na noite de ontem, antes de ter eu tido a surpresa de constatar, esta manhã, que tinham estas sido escondidas - de um modo em que quem agora use a hiperligação original para tal cadeia de comentários já não encontra a mesma - não podendo agora estes comentários, ao contrário de outras discussões (muitíssimo menos importantes) que foram "fechadas", serem sequer mais vistos no subfórum em causa.

http://blackfernando.mypressonline.com/debian1.html
http://blackfernando.mypressonline.com/debian2.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 15:17

Resposta que já não pude dar a um militante do Bloco de Esquerda

11.03.18

capa_podemos.png

Por, na altura (final do ano passado) andar eu concentrado noutras coisas mais importantes - e tal blogueiro demorar também muito tempo a responder aos comentários que deixavam as pessoas no seu blogue (por andar também ele ocupado com outros assuntos mais importantes) - não tive eu pressa em responder a um comentário que tinha sido por ele deixado em resposta a um meu (último este, que tinha eu deixado a uma colocação final, de despedida, no blogue de tal autor) após ter sido eu automaticamente notificado, por correio electrónico, da ocorrência do mesmo.
E, lembrado eu - pela natureza da última colocação no meu blogue - de que não tinha ainda escrito tal resposta... Quando fui, anteontem, tentar deixar uma em tal blogue alheio, também alojado aqui no SAPO, já não consegui mais aceder ao blogue de tal autor, por ter sido o mesmo "suspenso".
E, assim sendo, na vaga esperança de que esta minha resposta possa um dia ser lida pelo destinatário em causa - e, já agora, porque (sendo de comentários públicos que se tratam) também poderá ser do interesse de outros ler tal pequena troca de mensagens - aproveito então para publicar aqui, no meu próprio blogue, a resposta que já não fui a tempo de dar (e também para republicar o comentário ao qual se dirigia tal resposta, da autoria do blogueiro Francisco Freima, para o qual já uma vez aqui tinha chamado a atenção para).

 

Francisco Freima respondeu ao seu comentário no post Adeus, pessoal (um adeus pessoal) às 02:31, 30/11/2017:

[...]

Por acaso nunca pensei muito na América Latina como região para viver, embora não me importasse de ir para a zona dos Andes. Se me dessem a escolher um país em todo o mundo, penso que iria para a Rússia. Adoro a cultura deles, sendo também um adepto do frio (e, lendo a teoria de Mackinder acerca do Heartland, percebemos que a Rússia será sempre importante).

Rússia que entronca no outro tema abordado pelo Fernando: os apoios dados a Trotsky por parte de Wall Street. Já tinha lido sobre isso, mas tendo sempre a relativizar. Não me choca que Trotsky tenha tido esse t ipo de ajudas, até porque existe o tal ponto de confluência que é o internacionalismo. Infelizmente, a política tem algumas zonas cinzentas onde um Ribbentrop e um Molotov podem negociar um pacto de não-agressão ou, voltando aos tempos da I Guerra Mundial, Lenine ser ajudado pelos alemães no seu regresso do exílio. Quando forças opostas convergem é sempre na esperança de enganarem o parceiro de ocasião. Escusado dizer, os povos ficam à porta de tais considerações.

Para mim, a importância de Trotsky está mais nas suas teorias da revolução permanente ou do desenvolvimento desigual e combinado do que propriamente nas suas acções enquanto indivíduo/actor político. Talvez, pela época em que viveu, ele não pudesse ter agido de outra forma; talvez, tendo sido um homem ambicioso, aquilo que resulta numa falha ética grave fosse apenas um meio para atingir um fim; na pior das hipóteses, mesmo que ele não acreditasse em nada, ou acreditasse apenas no intern acionalismo (capitalista ou socialista), a verdade é que as suas obras são lidas por muitas pessoas que defendem o internacionalismo socialista sem quaisquer concessões aos interesses capitalistas. É o que eu chamo de triunfo dos ingénuos: vivendo o marxismo um momento de refluxo a nível mundial, hoje em dia quem é marxista pode aprofundar as suas ideias sem grande rebuliço, um pouco à semelhança do período em que Marx viveu. Existem pequenas guerras, independentismos, mas nada que se assemelhe à proximidade de uma revolução como a de 1917.

O capital tem a situação controlada. Dentro do marxismo, os adeptos da revolução permanente podem polemizar com os adeptos do comunismo num só país sem que venha grande mal ao mundo. As figuras tutelares morreram e a própria questão coloca-se hoje sob outros prismas que não os da URSS. A Catalunha, por exemplo, tem suscitado um amplo debate: como podem os internacionalistas apoiar a independência catalã? Não é o Estado-nação uma construção burguesa destinada a desviar o foco da luta de classes? Estando no Bloco, foi um debate que acompanhei com gosto, até por ser militante de base. Na base dos partidos temos sempre aqueles camaradas mais puros, que não afinam as suas opiniões pelas dos notáveis. Claro que chega o dia em que a festa acaba e a vitória cai para um dos lados. Enquanto a festa durou, vi pessoas frontalmente contra a independência catalã e outras que, sendo também elas internacionalistas, colocavam o direito dos povos à auto-determinação num patamar superior. Da minha parte, defendo a independência. Nem tanto pela auto-determinação, para mim a questão premente reside na força imprimida pelo capitalismo à sua globalização. Ainda assim, torna-se um exercício vagamente cómico, o de defender a independência de um povo que pretende ir logo a correr para os braços da União Europeia...

Um abraço, Fernando, e viva a Margem Sul :D

 

[Segue-se então a minha resposta, que já não fui a tempo de publicar...]

 

Olá outra vez, Francisco.

(Com a crescente escassez de recursos naturais e o sério impacto que tal irá ter na agricultura: http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=63630.msg900364#msg900364)

Os melhores sítios para se viver, no futuro próximo (e para os quais eu iria, se pudesse) serão os locais do Mundo ainda pouco populados, que têm solos férteis em grande quantidade e que são também ricos em água - como o Brasil (e restante América Latina) e, sim, também a Rússia. (Tanto o Brasil como a Rússia exportam muita comida. Por isso, são estes dois países onde as pessoas nunca deverão morrer de fome.)

Quanto à criação do Estado-Nação,

Ela não tem (nada) a ver com "desviar o foco da luta de classes" (pois, surgiu até muito antes que tal luta tivesse início, devido à publicação do "Manifesto Comunista" escrito pelo capitalista Friedrich Engels). Mas, é antes algo que surge como uma consequência da vontade de Desenvolvimento económico, motivada pelo ideal de Progresso, a todos os níveis (http://www.schillerinstitute.org/newspanish/InstitutoSchiller/Arte/GoyaLucesCarlosIII.html) - algo que as elites (i.e. os verdadeiros ricos e membros da dita nobreza) não querem (nem nunca quiseram) por gerar tal progresso económico também progresso cultural e tornar as pessoas mais difíceis de controlar e continuar a explorar.

E, o tentar colar algo de positivo a algo mau, através de falácias, é um truque muito usado pelos propagandistas do poder estabelecido (como me lembro de ler, da parte de um Professor seu, que me disse você ser um maçon, que usava num texto pró-UE o ridículo termo "o totalitarismo das nações" - como se ter um governo central europeu, que repetidamente proíbe os vários países de fazerem isto ou aquilo é que não fosse, antes isso mesmo, uma forma de totalitarismo). Sendo o melhor exemplo que conheço, de constantemente dar falsas explicações alternativas (sem argumentos que realmente as sustentem) para certos acontecimentos históricos (do que posso ler da descrição, pois recuso-me a ler tais obras) o livro "A People's History of the United States" do propagandista Howard Zinn.

Quanto ao Trotsky,

Não se tratava de um convergência de apenas alguns interesses comuns que tinha ele com alguns ultra-ricos. O jogo por ambos jogado é um que, certamente, não deve ser ensinado no tipo de cursos universitários sobre História e Política que você tirou - e que se chama "Dialética Hegeliana" (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=43336.0). Sendo que, o Trotsky estava tão interessado numa verdadeira Revolução Social quanto estão os seus discípulos, de hoje em dia, como são os dirigentes do Bloco de Esquerda (muito contentes em colaborar com o falso Partido Socialista português e ficar-se por aí).

Se alguma vez decidir você pesquisar seriamente sobre o que eu aqui denuncio, da verdadeira natureza deste tipo de líderes comunistas (deixo-lhe mais uma dica aqui: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/primeira-e-talvez-unica-tentativa-seria-52674) depois interrogue-se sobre porque razão andam os movimentos por eles criados a usar a mesma simbologia que é usada por outros movimentos, que toda a gente bem informada sabe serem controlados por conhecidos capitalistas: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/alguem-ainda-duvida-de-que-o-podemos-e-127764

Um abraço e Boa Sorte para o futuro próximo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:20

Alguém ainda duvida de que o Podemos é movimento controlado?

09.03.18

Reparem, não só no símbolo do "punho erguido" que repetidamente aparece no seguinte vídeo, mas também no conhecido gesto de fazer um triângulo com as mãos, tão usado pelos "artistas" do novos estilos de música, criados por uma conhecida sociedade secreta.



(Por estas e por outras, é que eu digo o que digo sobre este tipo de "esquerda" europeia...)

falsa_esquerda.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A verdadeira Greenpeace

15.02.18

greenpeace_brasil.jpg

Uma organização financiada pelas grandes fortunas que são do conhecimentos público (incluindo uma das maiores de todas, que é a da família Rockefeller) e pelos grandes interesses económicos (como a banca, a indústria farmacêutica e outras corporações de topo). Assim como, uma de várias organizações ditas ambientalistas que, não só propagandeiam a falsidade do "aquecimento global", como lutam por impedir o desenvolvimento de países emergentes - e ainda uma entidade relativamente à qual existem indícios de ser uma fachada para serviços secretos.
A seguinte é uma lista parcial de fundações que doam dinheiro à Greenpeace, que foi tirada daqui (sendo que, quem quiser, poderá parcialmente confirmar a mesma, indo aos sítios na Internet das próprias fundações que são listadas).

 

Gap Foundation
J. P. Morgan Charitable Trust
John Merck Fund
Levi Strauss Foundation
Merrill Lynch & Co. Foundation
New York Times Company Foundation
Pfizer Foundation
Rockefeller Brothers Fund
Rockefeller Family Fund
Rockefeller Foundation
Sun Microsystems Foundation
Turner Foundation

 

E, a seguinte notícia é sobre um relatório publicado pelos serviços secretos brasileiros, que é cada vez mais difícil de se encontrar na Internet - mas que, por enquanto, ainda é possível ser lida nesta página do sítio do Senado brasileiro.

 

ONGs são fachada para países ricos, diz relatório
O Estado de São Paulo, 08/05/2005, Nacional, p. A12

 

Causas ambientais e indigenistas seriam pretexto para que nações dominantes fujam ao controle do Estado

 

BRASÍLIA - O relatório da Abin diz que chega a 115 o número de organizações não-governamentais (ONGs) que atuam na Amazônia Ocidental e levanta suspeitas sobre os reais interesses dessas entidades. "Muitas vezes, a serviço de outras nações, valorizam o mapeamento detalhado das riquezas minerais, o acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade da região, sem o devido controle governamental", diz o relatório do coronel Gelio Fregapani. "Tudo indica que os problemas ambientais e indigenistas são apenas pretextos. Que as principais ONGs são, na realidade, peças do grande jogo em que se empenham os países hegemônicos para manter e ampliar sua dominação", alerta o texto. "Certamente servem de cobertura para seus serviços secretos."

De acordo com o documento, as ONGs contribuíram para a criação de extensas terras indígenas, áreas de proteção ambiental e corredores ecológicos que, atualmente, "sem dúvida alguma, dificultam e inibem a presença do Estado e (aplicação) dos programas de políticas públicas para a região". O documento ressalta que falta de controle reforça a suspeita de que as ONGs sejam utilizadas pelos países desenvolvidos para controlar os países emergentes e a riqueza de vastos territórios.

A Abin chama os movimentos ambientalistas de "Clube das Ilhas" e os classifica em três setores: um elabora as diretrizes gerais, outro planeja as operações e um terceiro, a chamada linha de frente, realiza a ação direta como uma "tropa de choque". No topo, estão a União Nacional para a Conservação da Natureza (UINC) e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), orientado pelo Príncipe Charles, do Reino Unido, e que teria entre seus dirigentes o banqueiro Joseph Safra.

Na área da reserva ianomâmi, colada à Raposa Serra do Sol, uma das ONGs com maior influência, segundo a Abin, é a Survival International (SI), cujo roteiro de atuação foi criado pelo Príncipe Philip, também do Reino Unido. A ONG internacional mais estruturada seria o grupo Greenpeace. As ações mais radicais seriam executadas pelo Greenpeace e Amigos da Terra.

Segundo a Abin, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), da Igreja Católica, principal defensor da "autonomia e da autodeterminação dos indígenas", teria recebido, entre 1992 e 1994, US$ 85 milhões da Fundação Nacional para a Democracia, dos Estados Unidos, mantida pelo governo e dirigida pelo Congresso americano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rui Rangel reduziu substancialmente a pena de Duarte Lima

09.02.18

rangel.png

(Já o disse aqui anteriormente - mas, aproveito o recente caso mediático, que pelo menos a mim nada surpreende, para chamar outra vez a atenção para isto.)
Toda a gente minimamente inteligente é capaz de perceber que a história que Duarte Lima conta sobre o homicídio que ocorreu no Brasil (digamos que) não bate certo em vários aspectos. E, continuando este a ser considerado o principal suspeito pela justiça brasileira, e sendo que o móbil do crime terá sido dinheiro, que cada um tire então as suas conclusões quanto ao carácter deste ex-líder parlamentar da bancada do PSD.
Ora, tendo em conta o que pensam sobre Duarte Lima, interroguem-se sobre porque razão é que alguém iria querer reduzir a pena de prisão dada a uma pessoa destas... E, consequentemente, reflictam sobre que carácter é que é preciso também alguém ter para usar o seu cargo judicial para uma coisa destas.

Pois bem, "Excelentíssimo" Senhor Juiz Rui Rangel, vá para imprensa controlada dizer o que quiser (incluindo escrever colunas no jornal "Correio da Manhã", dizendo cinicamente que escreve tais palavras "com carinho") que há muita gente que já sabe o quão corrupta é a sua classe judicial de juízes (pessoalmente, sempre que penso em juízes, por alguma razão, penso sempre em Maçonaria) e há também quem saiba que todos esses falsas organizações e até partidos políticos que são por vós, propagandistas do sistema, montados não passam de armadilhas para controlar os insatisfeitos.
Sendo você um irmão do ex-director da SIC, Emídio Rangel, também o que é que era de esperar de um membro de tal família?

E, relativamente a todo este processo mediático, reparem no seguinte, de muito importante...
Uma das razões para se ser aplicada a prisão preventiva a alguém - como terão certamente já muitos reparado em alguns dos casos que são noticiados - é o "perigo de perturbação do decurso do inquérito ou da instrução do processo" (artigo 204.° do Código de Processo Penal).
Ora, quem é que estará em melhor posição para interferir no decorrer de um processo judicial do que alguém que pertence ao topo das instituições judiciais - e que, por isso, terá certamente uma alargada rede de contactos dentro da mesma (incluindo, obviamente, entre a própria classe de juízes que irá julgar tal suspeito)?
É apenas uma de várias contradições legais, que só demonstram que este tipo de leis (nas quais se incluem a "imunidade parlamentar" e afins) não derivam de quaisquer princípios éticos ou de Justiça, mas são antes leis aprovadas por quem as cria para beneficiar os próprios e os seus amigos.
(Votem carneiros!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:26