Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Primeira péssima decisão de Bolsonaro: Sérgio Moro, o fantoche estadunidense, para Ministro da Justiça e Segurança Pública

02.11.18

moro.jpg

Tal como chamei eu aqui a atenção para, em dois comentários que deixei a uma das minhas últimas colocações, não sou (de modo algum) um apoiante de Bolsonaro. E, tendo este futuro Presidente a personalidade que todos conhecem, já esperava eu da parte dele decisões que - mais do que serem meramente más - fossem literalmente péssimas. E, pelos vistos não demorou muito até tal ocorrer.
Segue-se um texto elaborado pela conceituada equipa da revista Executive Intelligence Review, sobre a natureza de Sérgio Moro e da restante equipa da operação "Lava Jato".
(Para mais denúncias sobre a verdadeira natureza desta operação, podem pesquisar sobre o assunto no sítio LaRouchePub.com - nomeadamente, na sua secção de colocações em português.)

 

Lula Defense Exposes DOJ/FBI Control over Brazil’s ‘Lava Jato,’ Could Annul Conviction

April 2, 2018 — Former Brazilian President Lula da Silva’s legal defense team filed an explosive motion before the 4th Region Federal Regional Court on March 16, which could blow open the entire British Empire/Wall Street “Lava Jato” (“Carwash”) operation, which is being used to tear apart Brazil as a nation. Depending on how this unfolds, this counterattack by the Lula legal team could have blowback inside the U.S. as well, adding to the unmasking of the corrupt apparatus in the Department of Justice (DOJ) around Robert Mueller’s attempted coup d’état against President Trump.

The motion presents new evidence as grounds for throwing out the conviction and 12-year prison sentence handed down against Lula on patently flimsy “corruption” charges. Included in the evidence are on-the-record statements by high-level U.S. Department of Justice officials that Brazil’s Judge Sergio Moro and his “Lava Jato” hit squad which prosecuted Lula, cooperated intimately with the DOJ, bypassing “official procedures,” to “construct” their cases generally, and specifically against Lula da Silva, “in a manifest affront to due legal process and national sovereignty.”

The evidence submitted includes the July 19, 2017 speech by then head of the Justice Department Criminal Division, Kenneth Blanco, in which he cited the guilty verdict handed down against Lula da Silva as a leading example of the “extraordinary results” achieved from DOJ collaboration with the “Lava Jato” strike force, which he openly bragged operated outside “formal processes such as mutual legal assistance treaties.”

No one in Brazil had taken note of that publicly available speech until EIR published a press release on Dec. 16, 2017 with the relevant quotes, and identifying the overlap of this operation with the British coup plotters against U.S. President Donald Trump. The release hit Brazil like a bombshell.

Added to the evidence by the Lula legal team is the May 24, 2017 speech at an Anti-Corruption Summit in São Paulo by then-Deputy Assistant Attorney General Trevor McFadden, second in command in the Criminal Division. The exposé added to Blanco’s assertion of DOJ control over “Lava Jato” and the case against Lula, among other gems, that Brazil and the DOJ “not only helped one another in the collection of evidence and the construction of the case,” but they agreed on what fines and punishments would be imposed in both countries.

In light of the above, and stating that the judge in Lula’s case had refused to allow any questions raised by the defense about foreign involvement in the case brought against him, his legal team therefore also demanded that the defense be provided documentation on all contacts and meetings between Judge Moro’s “Lava Jato” team and the DOJ/FBI.

If this motion prospers, every tree in the forest could fall.

Those who carried out the coup against former President Dilma Rousseff, and who are now trying to throw Lula in jail lest he win the upcoming presidential elections, in which he is the leading candidate, will try to sweep these new developments under the rug and proceed anyway, but Lula’s defense team has documented before the Brazilian courts and people that Lava Jato is an illegal, international attack on the nation, run through networks controlling the Criminal Division of the Department of Justice and the FBI in the United States.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 16:09

Um dos inspiradores políticos de Bolsonaro, que nunca foi eleito - certamente, em boa parte, por na altura não haver ainda Internet

29.10.18

No seguinte vídeo de mera introdução a quem foi o Dr. Enéas Carneiro (para saberem das ideias e denúncias dele, podem ver muitos vídeos interessantes disponíveis no YouTube) faz, e muito bem, o jovem youtuber em causa (que apesar de pertencer a uma das novas gerações, não foi extensa ou bem-sucedidamente estupidificado) a seguinte observação:
"Eu imagino o que seria de Enéas, se ele tivesse acesso a falar com o Povo através da Internet..."



E, sobre esta observação, reparem bem no que aconteceu com Bolsonaro.
Apesar de ter direito a apenas segundos de tempo de antena na televisão e de ter acabado por não poder participar em debates televisivos, não deixou com isso de conseguir fazer uma campanha de sucesso. Pois, até para se dirigir a uma grande manifestação de apoio público que ocorreu na muito conhecida Avenida Paulista, em São Paulo, conseguiu este candidato fazer tudo a partir de sua casa, através de emissões de vídeo.
E, o que tornou isto possível?
A existência de algo chamado Internet - que, ao contrário de antigamente, permite aos cidadãos comuns e que não estejam sob o controlo dos grandes interesses económicos conseguir difundir directamente as suas mensagens, sem distorções feitas por estes mesmos interesses económicos que dominam o que até há poucos anos eram os média convencionais.
Permitindo esta mesma Internet que, não só possamos agora fazer isto, como até dispensar (em boa parte) o uso de tais média convencionais - ao ponto de poder denunciá-los (livremente) pelos mentirosos, distorcedores e muito omissores que estes verdadeiramente são - e também passar grande e simplesmente a ignorá-los, tornando-os muito irrelevantes.
(Sendo por estas e por outras é que - como eu tenho repetidamente dito - a Internet, tal como a conhecemos, tem certamente os seus dias contados - e se criam até mentiras ecológicas para se pôr termo a estes muito libertadores avanços tecnológicos, que ocorrem de forma descontrolada.)

Como eu digo, os vários vídeos que podem encontrar no YouTube sobre o Dr. Enéas Carneiro são bastante interessantes. E, para que saibam do quão bem informado ele estava, observem que ele era até um leitor da revista Executive Intelligence Review, do movimento LaRouche[1] [2].

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 07:52

Haddad é um adepto da Escola de Francoforte, autor do "kit gay" e recorre à mentira contra Bolsonaro (revelando carácter desonesto)

25.10.18

No passado dia 18 de Outubro, claramente para tentar influenciar o voto na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras, publicou o jornal Folha de São Paulo uma notícia de que há um grupo de empresários que estão a usar o seu dinheiro para publicar mensagens na Internet contra o Partido dos Trabalhadores.
notícia em causa só está acessível, na sua versão original, a assinantes deste jornal. Mas, <este> vídeo no YouTube possui uma filmagem da mesma, acompanhada de uma leitura electrónica.
Ora, nesta notícia, a única coisa que é denunciada é essa mesma rede de empresários e o seu modo de actuação. E, nada é dito ou denunciado sobre uma ligação de Bolsonaro a tais empresários. Sendo, por isso, verdade o que Bolsonaro diz, de que não é ele o responsável por esta campanha.
Mas, o que faz Haddad perante isto?
Ora, usa a mesma mentira (ou ilação imensamente abusiva - óbvia para toda a gente inteligente, na qual se inclui o próprio Haddad) que é publicada pelo jornal Folha de São Paulo na referida notícia, de que isto constitui uma doação ilegal à campanha de Bolsonaro, para tentar impedir Bolsonaro de se poder candidatar à segunda volta das eleições.



E, sobre o candidato Haddad (independentemente da mentira e da injustiça de que estejam a ser alvo Lula da Silva e Dilma Rousseff) impera fazer um esclarecimento - para além da demonstração de clara falta de carácter, que acabei de fazer...
Ao contrário do que se diz, Haddad não é Lula.
Pois, o PT é uma mistura de verdadeiros sociais-democratas com falsos sociais-democratas, estes últimos claramente ao serviço dos grandes interesses económicos ocidentais.
Eu não irei fazer uma longa análise do percurso político do PT, marcado por boas acções misturadas com más acções (nas quais se inclui o chamado "kit gay", da autoria de Fernando Haddad - que Dilma Rousseff ordenou que não fosse distribuído - para o qual Jair Bolsonaro tanto chamava a atenção, ao mesmo tempo que denunciava um livro que sexualizava as crianças) para demonstrar este ponto.



Irei, em vez disso, chamar apenas a atenção para uma das "raizes" ideológicas do que digo eu serem os falsos sociais-democratas presentes neste Partido dos Trabalhadores.
Tal como podem ler na seguinte notícia (e até se começarem a pesquisar sobre o mesmo) Haddad é um grande adepto da chamada Escola de Francoforte.

 

Fernando Haddad, um marxista adepto da Escola de Frankfurt

 

Escola de pensamento esta, que está por trás do (tão falado, pela verdadeira direita anglo-saxónica) fenómeno do "marxismo cultural", que visa denegrir a nossa sociedade e dela eliminar valores - e cujo instituto que a fundou, depois de ter sido inicialmente desapoiado por Estaline, foi durante as seguintes três décadas financiado por instituições do poder estabelecido ocidental, nas quais se inclui a Rockefeller Foundation.

 

The New Dark Age: The Frankfurt School and "Political Correctness"

 

(Marxismo cultural esse, que - cumprindo as verdadeiras intenções de Marx, Lenine e Trotsky - não tem como intenção criar uma sociedade socialista - mas antes, uma sociedade que misture ideais socialistas com capitalistas, que pode ser descrita como neofeudalista ou fascista - [1] [2] - onde não tenham os grandes interesses económicos de se preocupar com concorrência, ou sequer com rebeliões - por terem os seus adversários sido bem-sucedidamente denegridos a todos os níveis.)

Logo, torna-se óbvio quem é que é o candidato apoiado pelo Ocidente, nestas eleições brasileiras (i.e. quem é que é realmente apoiado pelos - verdadeiramente grandes - interesses económicos) e porque razão até a imprensa portuguesa alinha na demonização de Bolsonaro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Resposta que já não pude dar a um militante do Bloco de Esquerda

11.03.18

capa_podemos.png

Por, na altura (final do ano passado) andar eu concentrado noutras coisas mais importantes - e tal blogueiro demorar também muito tempo a responder aos comentários que deixavam as pessoas no seu blogue (por andar também ele ocupado com outros assuntos mais importantes) - não tive eu pressa em responder a um comentário que tinha sido por ele deixado em resposta a um meu (último este, que tinha eu deixado a uma colocação final, de despedida, no blogue de tal autor) após ter sido eu automaticamente notificado, por correio electrónico, da ocorrência do mesmo.
E, lembrado eu - pela natureza da última colocação no meu blogue - de que não tinha ainda escrito tal resposta... Quando fui, anteontem, tentar deixar uma em tal blogue alheio, também alojado aqui no SAPO, já não consegui mais aceder ao blogue de tal autor, por ter sido o mesmo "suspenso".
E, assim sendo, na vaga esperança de que esta minha resposta possa um dia ser lida pelo destinatário em causa - e, já agora, porque (sendo de comentários públicos que se tratam) também poderá ser do interesse de outros ler tal pequena troca de mensagens - aproveito então para publicar aqui, no meu próprio blogue, a resposta que já não fui a tempo de dar (e também para republicar o comentário ao qual se dirigia tal resposta, da autoria do blogueiro Francisco Freima, para o qual já uma vez aqui tinha chamado a atenção para).

 

Francisco Freima respondeu ao seu comentário no post Adeus, pessoal (um adeus pessoal) às 02:31, 30/11/2017:

[...]

Por acaso nunca pensei muito na América Latina como região para viver, embora não me importasse de ir para a zona dos Andes. Se me dessem a escolher um país em todo o mundo, penso que iria para a Rússia. Adoro a cultura deles, sendo também um adepto do frio (e, lendo a teoria de Mackinder acerca do Heartland, percebemos que a Rússia será sempre importante).

Rússia que entronca no outro tema abordado pelo Fernando: os apoios dados a Trotsky por parte de Wall Street. Já tinha lido sobre isso, mas tendo sempre a relativizar. Não me choca que Trotsky tenha tido esse t ipo de ajudas, até porque existe o tal ponto de confluência que é o internacionalismo. Infelizmente, a política tem algumas zonas cinzentas onde um Ribbentrop e um Molotov podem negociar um pacto de não-agressão ou, voltando aos tempos da I Guerra Mundial, Lenine ser ajudado pelos alemães no seu regresso do exílio. Quando forças opostas convergem é sempre na esperança de enganarem o parceiro de ocasião. Escusado dizer, os povos ficam à porta de tais considerações.

Para mim, a importância de Trotsky está mais nas suas teorias da revolução permanente ou do desenvolvimento desigual e combinado do que propriamente nas suas acções enquanto indivíduo/actor político. Talvez, pela época em que viveu, ele não pudesse ter agido de outra forma; talvez, tendo sido um homem ambicioso, aquilo que resulta numa falha ética grave fosse apenas um meio para atingir um fim; na pior das hipóteses, mesmo que ele não acreditasse em nada, ou acreditasse apenas no intern acionalismo (capitalista ou socialista), a verdade é que as suas obras são lidas por muitas pessoas que defendem o internacionalismo socialista sem quaisquer concessões aos interesses capitalistas. É o que eu chamo de triunfo dos ingénuos: vivendo o marxismo um momento de refluxo a nível mundial, hoje em dia quem é marxista pode aprofundar as suas ideias sem grande rebuliço, um pouco à semelhança do período em que Marx viveu. Existem pequenas guerras, independentismos, mas nada que se assemelhe à proximidade de uma revolução como a de 1917.

O capital tem a situação controlada. Dentro do marxismo, os adeptos da revolução permanente podem polemizar com os adeptos do comunismo num só país sem que venha grande mal ao mundo. As figuras tutelares morreram e a própria questão coloca-se hoje sob outros prismas que não os da URSS. A Catalunha, por exemplo, tem suscitado um amplo debate: como podem os internacionalistas apoiar a independência catalã? Não é o Estado-nação uma construção burguesa destinada a desviar o foco da luta de classes? Estando no Bloco, foi um debate que acompanhei com gosto, até por ser militante de base. Na base dos partidos temos sempre aqueles camaradas mais puros, que não afinam as suas opiniões pelas dos notáveis. Claro que chega o dia em que a festa acaba e a vitória cai para um dos lados. Enquanto a festa durou, vi pessoas frontalmente contra a independência catalã e outras que, sendo também elas internacionalistas, colocavam o direito dos povos à auto-determinação num patamar superior. Da minha parte, defendo a independência. Nem tanto pela auto-determinação, para mim a questão premente reside na força imprimida pelo capitalismo à sua globalização. Ainda assim, torna-se um exercício vagamente cómico, o de defender a independência de um povo que pretende ir logo a correr para os braços da União Europeia...

Um abraço, Fernando, e viva a Margem Sul :D

 

[Segue-se então a minha resposta, que já não fui a tempo de publicar...]

 

Olá outra vez, Francisco.

(Com a crescente escassez de recursos naturais e o sério impacto que tal irá ter na agricultura: http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=63630.msg900364#msg900364)

Os melhores sítios para se viver, no futuro próximo (e para os quais eu iria, se pudesse) serão os locais do Mundo ainda pouco populados, que têm solos férteis em grande quantidade e que são também ricos em água - como o Brasil (e restante América Latina) e, sim, também a Rússia. (Tanto o Brasil como a Rússia exportam muita comida. Por isso, são estes dois países onde as pessoas nunca deverão morrer de fome.)

Quanto à criação do Estado-Nação,

Ela não tem (nada) a ver com "desviar o foco da luta de classes" (pois, surgiu até muito antes que tal luta tivesse início, devido à publicação do "Manifesto Comunista" escrito pelo capitalista Friedrich Engels). Mas, é antes algo que surge como uma consequência da vontade de Desenvolvimento económico, motivada pelo ideal de Progresso, a todos os níveis (http://www.schillerinstitute.org/newspanish/InstitutoSchiller/Arte/GoyaLucesCarlosIII.html) - algo que as elites (i.e. os verdadeiros ricos e membros da dita nobreza) não querem (nem nunca quiseram) por gerar tal progresso económico também progresso cultural e tornar as pessoas mais difíceis de controlar e continuar a explorar.

E, o tentar colar algo de positivo a algo mau, através de falácias, é um truque muito usado pelos propagandistas do poder estabelecido (como me lembro de ler, da parte de um Professor seu, que me disse você ser um maçon, que usava num texto pró-UE o ridículo termo "o totalitarismo das nações" - como se ter um governo central europeu, que repetidamente proíbe os vários países de fazerem isto ou aquilo é que não fosse, antes isso mesmo, uma forma de totalitarismo). Sendo o melhor exemplo que conheço, de constantemente dar falsas explicações alternativas (sem argumentos que realmente as sustentem) para certos acontecimentos históricos (do que posso ler da descrição, pois recuso-me a ler tais obras) o livro "A People's History of the United States" do propagandista Howard Zinn.

Quanto ao Trotsky,

Não se tratava de um convergência de apenas alguns interesses comuns que tinha ele com alguns ultra-ricos. O jogo por ambos jogado é um que, certamente, não deve ser ensinado no tipo de cursos universitários sobre História e Política que você tirou - e que se chama "Dialética Hegeliana" (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=43336.0). Sendo que, o Trotsky estava tão interessado numa verdadeira Revolução Social quanto estão os seus discípulos, de hoje em dia, como são os dirigentes do Bloco de Esquerda (muito contentes em colaborar com o falso Partido Socialista português e ficar-se por aí).

Se alguma vez decidir você pesquisar seriamente sobre o que eu aqui denuncio, da verdadeira natureza deste tipo de líderes comunistas (deixo-lhe mais uma dica aqui: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/primeira-e-talvez-unica-tentativa-seria-52674) depois interrogue-se sobre porque razão andam os movimentos por eles criados a usar a mesma simbologia que é usada por outros movimentos, que toda a gente bem informada sabe serem controlados por conhecidos capitalistas: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/alguem-ainda-duvida-de-que-o-podemos-e-127764

Um abraço e Boa Sorte para o futuro próximo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:20

A verdadeira Greenpeace

15.02.18

greenpeace_brasil.jpg

Uma organização financiada pelas grandes fortunas que são do conhecimentos público (incluindo uma das maiores de todas, que é a da família Rockefeller) e pelos grandes interesses económicos (como a banca, a indústria farmacêutica e outras corporações de topo). Assim como, uma de várias organizações ditas ambientalistas que, não só propagandeiam a falsidade do "aquecimento global" como também, lutam por impedir o desenvolvimento de países emergentes - e ainda uma entidade relativamente à qual existem indícios de ser uma fachada para serviços secretos.
A seguinte é uma lista parcial de fundações que doam dinheiro à Greenpeace, que foi tirada daqui (sendo que, quem quiser, poderá parcialmente confirmar a mesma, indo aos sítios na Internet das próprias fundações que são listadas).

 

Gap Foundation
J. P. Morgan Charitable Trust
John Merck Fund
Levi Strauss Foundation
Merrill Lynch & Co. Foundation
New York Times Company Foundation
Pfizer Foundation
Rockefeller Brothers Fund
Rockefeller Family Fund
Rockefeller Foundation
Sun Microsystems Foundation
Turner Foundation

 

E, a seguinte notícia é sobre um relatório publicado pelos serviços secretos brasileiros, que é cada vez mais difícil de se encontrar na Internet - mas que, por enquanto, ainda é possível ser lida nesta página do sítio do Senado brasileiro.

 

ONGs são fachada para países ricos, diz relatório
O Estado de São Paulo, 08/05/2005, Nacional, p. A12

 

Causas ambientais e indigenistas seriam pretexto para que nações dominantes fujam ao controle do Estado

 

BRASÍLIA - O relatório da Abin diz que chega a 115 o número de organizações não-governamentais (ONGs) que atuam na Amazônia Ocidental e levanta suspeitas sobre os reais interesses dessas entidades. "Muitas vezes, a serviço de outras nações, valorizam o mapeamento detalhado das riquezas minerais, o acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade da região, sem o devido controle governamental", diz o relatório do coronel Gelio Fregapani. "Tudo indica que os problemas ambientais e indigenistas são apenas pretextos. Que as principais ONGs são, na realidade, peças do grande jogo em que se empenham os países hegemônicos para manter e ampliar sua dominação", alerta o texto. "Certamente servem de cobertura para seus serviços secretos."

De acordo com o documento, as ONGs contribuíram para a criação de extensas terras indígenas, áreas de proteção ambiental e corredores ecológicos que, atualmente, "sem dúvida alguma, dificultam e inibem a presença do Estado e (aplicação) dos programas de políticas públicas para a região". O documento ressalta que falta de controle reforça a suspeita de que as ONGs sejam utilizadas pelos países desenvolvidos para controlar os países emergentes e a riqueza de vastos territórios.

A Abin chama os movimentos ambientalistas de "Clube das Ilhas" e os classifica em três setores: um elabora as diretrizes gerais, outro planeja as operações e um terceiro, a chamada linha de frente, realiza a ação direta como uma "tropa de choque". No topo, estão a União Nacional para a Conservação da Natureza (UINC) e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), orientado pelo Príncipe Charles, do Reino Unido, e que teria entre seus dirigentes o banqueiro Joseph Safra.

Na área da reserva ianomâmi, colada à Raposa Serra do Sol, uma das ONGs com maior influência, segundo a Abin, é a Survival International (SI), cujo roteiro de atuação foi criado pelo Príncipe Philip, também do Reino Unido. A ONG internacional mais estruturada seria o grupo Greenpeace. As ações mais radicais seriam executadas pelo Greenpeace e Amigos da Terra.

Segundo a Abin, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), da Igreja Católica, principal defensor da "autonomia e da autodeterminação dos indígenas", teria recebido, entre 1992 e 1994, US$ 85 milhões da Fundação Nacional para a Democracia, dos Estados Unidos, mantida pelo governo e dirigida pelo Congresso americano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E assim se impede o desenvolvimento tecnológico de todo um país

08.12.17

othon.jpg

[Uma notícia do movimento LaRouche que aqui deixo, para quem tenha ainda dúvidas de que o golpe recentemente ocorrido no Brasil foi uma acção ordenada por interesses estrangeiros...]

 

"Minha prisão é um ataque aos BRICS": polemiza o legendário Almirante Othon da Silva

16 de novembro (EIRNS) - Nas últimas três semanas, o Almirante aposentado Othon Luiz Pinheiro da Silva, conhecido como "o pai do programa nuclear brasileiro", falou pela primeira vez desde que foi condenado - aos 76 anos - a 43 anos de prisão através de falsas acusações de corrupção, identificando seus inimigos como o "sistema internacional" que é inimigo de seu país.

Perguntado pelo semanário brasileiro Carta Capital sobre quem estava interessado em sentenciá-lo em 43 anos de prisão, o Almirante Othon respondeu: "Certamente, interessa ao sistema internacional preocupado com o fortalecimento de um dos países integrantes dos BRICS. Os brasileiros transnacionais, muito provavelmente, ficaram satisfeitos com o meu processo e a minha saída do cenário. Considero como brasileiros transnacionais aqueles que, embora tenham nascido neste belo país, gostariam de ser cidadãos de outros países, em particular dos Estados Unidos. Não dão importância aos grandes problemas e desafios nacionais, não se preocupam em resolvê-los e, às vezes, em proveito próprio, não se importam em agravá-los".

Em entrevistas posteriores para a Folha de São Paulo, em 7 de novembro, e ao Brasil 247, em 13 de novembro, o Almirante Othon disse estarem os Estados Unidos por trás de sua prisão, comentando que por "EUA" ele entende o "sistema que explora" o povo americano.

O Almirante foi sentenciado a morrer na prisão em 4 de agosto de 2016, menos de duas semanas antes da votação pelo senado brasileiro pelo impeachment da presidenta legítima do país, Dilma Rousseff, como parte da operação Lava-Jato, dirigida pela City de Londres e Wall Street no mesmo modelo feito com a operação Mãos Limpas, na Itália, que destruiu o sistema político daquele país, jogando aos chacais financeiros toda sua população.

Na entrevista com Carta Capital, o Almirante Othon se defende com maestria contra as ridículas acusações de corrupção, baseadas no "ouvir dizer" de testemunhas em delações premiadas, temerosas de irem para a cadeia. Ele contou sobre suas décadas de trabalho científico e de engenharia em prol de seu país, coordenando o "programa de desenvolvimento tecnológico que assegurou ao Brasil, com esforço nacional, o domínio das tecnologias de todos os aspectos estratégicos da energia nuclear", durante o qual ele estabeleceu o programa de treinamento que dotou centenas de engenheiros e cientistas nucleares para o Brasil. Na mesma época em que foi condenado aos 76 anos de idade, ele estava supervisionando a criação de um sistema de armazenagem de combustível nuclear altamente reativo desenhado por ele; participando de pesquisas para identificar vários tipos de novas usinas nucleares que o Brasil precisaria construir e, em fins de semana e feriados, trabalhando no desenvolvimento de uma familia de hidroturbogeradores integrados para muito baixas quedas-d’água.

O Almirante respondeu por escrito às perguntas de Carta Capital, logo após a Justiça Federal ordenar sua prisão domiciliar em 11 de outubro, em razão de seu delicado estado de saúde e uma operação recente contra um câncer de pele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E, mais uma vez, censurado pela Blogger

10.07.17

(É por estas e por outras é que abandonei eu tal serviço e me mudei para o SAPO...)
O seguinte, é um comentário que (foi feito de modo apressado e sem grande paciência, mas que, ainda assim) foi repetidamente censurado - [1] [2] [3] - que tentei deixar num recém-criado blogue do mesmo autor da (relativamente conhecida) conta no Twitter "Crimes of Britain", em que se propõe tal autor a denunciar o que chama o "conluio" que existe entre o governo britânico e alguns grupos terroristas a operar em países muçulmanos.
Para melhores esclarecimentos (mais cuidados e elaborados) sobre os assuntos de que a seguir falo, deixo também aqui as seguintes hiperligações - [1] [2] [3] - para colocações minhas anteriores.

 

Fernando Negro 30 June 2017 at 05:29

It's not "collusion" that we're talking about... It's "creation" and "command & control".

The name "al-Qaeda" means "the Base" - and, it comes from the computer/IT term "database" (http://www.globalresearch.ca/al-qaeda-the-database-2/24738). This supposed organization is actually just a list/"database" of Muslim fanatics who are, unknowingly, being used by Western (i.e. UK + USA) intelligence agencies - including on Western soil. And, as even the official History admits, "al-Qaeda" is a creation of the CIA.

Former MP Robin Cook called people's attention to the origin of such supposed organization (https://www.theguardian.com/uk/2005/jul/08/july7.development) a day after the 7/7 terrorist attacks, and appeared dead less than a month afterwards.

The recent change, in name, from "al-Qaeda" to "ISIS", most probably came as a result of the (at the time, increasingly) apparent contradiction, that was becoming too noticeable or obvious, that such supposed organization was actually being supported by the West (for example, in Lybia: http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8391632/Libya-the-West-and-al-Qaeda-on-the-same-side.html) while, at the same time, it was, supposedly, its enemy nº 1.

(And, even if you consider ISIS to be a separate organization from al-Qaeda - which is not, since that, its members are the same: http://tarpley.net/isis-same-fanatics-nato-armed-in-libya-and-syria/ - again, there are also proofs of a Western hand behind the appearance of such supposed organization: http://www.wnd.com/2014/06/officials-u-s-trained-isis-at-secret-base-in-jordan/)

Al-Qaeda/ISIS is just a tool of British and American intelligence agencies, that serves a variety of purposes. And, when it comes to terrorist attacks on Western soil, its purpose is (1) to create a pretext to invade countries in the Middle East, that are rich in natural resources, and (2) to create a pretext for a Police State in the West (in which the ruling elites, who ultimately give orders to our governments, can better control the ignorant masses).

Notice, for example, how the most important terrorist attacks on Western soil (the ones that cause more victims, and require serious planning) always happen on days or months 7, 11 and 22 (i.e. dates with Masonic numbers).

Please, take a look at the following great lecture, given in 2002, by Prof. Michel Chossudovsky, editor of the well-known "Centre for Research on Globalization" (GlobalResearch.ca), for an introduction to what I'm talking about.



And, please also take a look at the following sources, for more information about this: https://www.infowars.com/https://twitter.com/EstulinDanielhttp://www.globalresearch.ca/https://www.corbettreport.com/http://tarpley.net/http://www.voltairenet.org/enhttp://www.larouchepub.com/ + http://www.tenc.net/

With all due respect, to know what you're (really) talking about, you should first do some serious reading of the above-mentioned sources... Otherwise, you'll just write tons and tons of wrong/incorrect analysis of what's (really) going on - and you'll possibly only realize some years from now how wrong/incorrect you were about this particular subject.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:32

A razão pela qual as próximas décadas vão ser mesmo muito más

06.07.17

georgia_guidestones.png

Um comentário que deixei num sítio na Internet sobre as novidades no campo da informática e também sobre novas tecnologias, que veio no seguimento de uma colocação que foi feita sobre a energia de fusão - no final da qual o autor perguntava às pessoas se achavam que iríamos ter este tipo de energia já disponível daqui a pouco mais de uma década.
Quem quiser, pode também consultar os restantes comentários à colocação em causa, para mais explicações, que eu lá deixei, sobre o que se passa em torno de tudo isto.

 

Fernando Negro 4 de Julho de 2017 às 16:07

«Um pouco de pressão e uma competição saudável seria o necessário para ter a motivação suficiente para que este prazo se cumpra.»

Mentira. A fusão nuclear já podia até ser uma realidade, não fosse o constante subfinanciamento consciente de projectos governamentais no Ocidente – e o encerramento dos mesmos, quando estes têm sucesso (https://www.youtube.com/watch?v=Wbtj29ERG-Y).

A fusão nuclear está a ser propositadamente adiada pelas mesmas pessoas que andam a propagandear a mentira do “aquecimento global” antropogénico (https://www.youtube.com/watch?v=bSAgCFLgaVI). E, o objectivo de ambas as acções é reduzir a população mundial para números que sejam mais fáceis de controlar (https://larouchepac.com/green-fascism).

Se os países BRICS (que não fazem parte deste conluio) tiverem possibilidades de investir dinheiro suficiente no projecto ITER (https://www.rt.com/shows/technology-update/new-energy-unlimited-power-710/), poderemos ter a fusão nuclear mais cedo. Caso contrário, só quando se acabar de destruir a sociedade que temos, para dar lugar à pretendida pelas elites ocidentais, é que irá aparecer a energia de fusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:11

Muito estúpido ataque à Síria por parte de Donald Trump

08.04.17

war_lies.jpg

[Quem pense que o perigo de uma Terceira Guerra Mundial foi eliminado com a não eleição de Hillary Clinton, desengane-se... Pois, com alguém que não prima pela sanidade mental e com notórios complexos de grandeza na presidência dos EUA, que não pensa duas vezes antes de "premir o gatilho", é este um perigo que irá estar sempre presente.]

 

 

Peligro y estúpido ataque a Siria: los británicos y neoconservadores engañaron a Trump

[LaRouche PAC] 7 de abril de 2017 — El ataque con misiles crucero ordenado por el Presidente Trump contra la base aérea siria fue un acto “estúpido”, con base en mentiras descaradas que le vendieron a Trump los británicos y los neoconservadores que han penetrado su gobierno, y que no quieren ver que surja una alianza entre Estados Unidos, Rusia y China. Esta fue la evaluación de Lyndon LaRouche y de Helga Zepp LaRouche, quienes destacaron que la escandalosa y peligrosa violación del derecho internacional que le endosar a Trump, es parte también de la “revolución de color” que está ya a todo vapor, el golpe de Estado de Wall Street diseñado para tumbar su gobierno.

“Los británicos pusieron en movimiento esto contra toda la especie humana”, señaló Lyndon LaRouche específicamente.

Los ataques comenzaron a las 00:45 GMT del 7 de abril, en el momento en que se iniciaba el banquete oficial del Presidente Trump al mandatario visitante de China, Presidente Xi Jinping, luego de la primera fase de su reunión en la residencia de Mar-a-Lago, Florida. Después de la cena, Trump se retiró para hacer la declaración oficial del ataque contra Siria.

La acción que se calificó oficialmente como un ataque de “solo una vez”, se realizó desde los buques de la armada de Estados Unidos estacionados en el Mediterráneo, que lanzaron 59 cohetes crucero Tomahawk contra la Base Aérea de al-Shairat en Homs, Siria. El Departamento de Estado emitió una declaración en la que dice que se le dio aviso previo a Rusia en el contexto del acuerdo existente para evitar conflictos. Siria no fue informada directamente, pero se podría esperar que Rusia informó a Siria. El gobierno sirio informó que 6 soldados sirios fueron asesinados en el ataque.

En el anuncio de los ataques, el Presidente Trump estableció como un hecho supuestamente probado que “el dictador sirio Bashar al-Assad lanzó un horrible ataque con armas químicas contra civiles inocentes... No puede haber ninguna discusión sobre que Siria utilizó armas químicas prohibidas”. Estas son aseveraciones sin prueba que le pasaron a Trump como hechos, antes de que se realizara ninguna investigación competente por parte de la ONU o de ningún otro organismo. Diversas fuentes de inteligencia bien informadas le han dicho a EIR que la Fuerza Aérea Siria realizó realmente un ataque aéreo contra lo que ellos consideran un depósito de armas del Estado Islámico (EIIS), que resultó que tenía armas químicas pertenecientes a los terroristas, y que estos hechos son conocidos por las agencias de inteligencia de Estados Unidos, pero que no fueron reportadas verazmente al Presidente Trump.

En su breve anuncio Trump dijo también que “es del interés vital de la seguridad nacional de Estados Unidos prevenir y disuadir el empleo de armas químicas letales... Esta noche, llamo a todas las naciones civilizadas a unirse a nosotros en el objetivo de acabar la masacre y el baño de sangre en Siria”.

El Secretario de Estado, Rex Tillerson, alegó que Rusia no había cumplido en implementar el acuerdo de 2013 para destruir las armas químicas de Siria. “Es claro que Rusia ha fallado en cumplir con ese compromiso de 2013”, le dijo Tillerson a los periodistas en Florida. “Así que, o Rusia ha sido cómplice o Rusia ha sido incompetente en su capacidad de cumplir... Nosotros sentimos que el ataque fue proporcional”, agregó.

“Esto indica de manera clara que el Presidente está dispuesto a tomar acciones decisivas cuando sea necesario”, alegó Tillerson. “En ningún modo intentaría extrapolar que eso es un cambio en nuestra política o en nuestra postura con relación a nuestras actividades militares en Siria hoy. No ha habido ningún cambio en ese estatus”, agregó.

De acuerdo a un funcionario de la defensa de Estados Unidos, a quien cita la agencia Reuters, Trump preguntó primero el 5 de abril cuáles serían las posibles acciones militares, después de que las agencias de inteligencia le habían dado la línea de que las naves sirias estacionadas en la Base Aérea de el-Shairat habían lanzado gas sarín contra civiles.

No se ha presentado ninguna “prueba” pública. La única información pública se origina de los llamados “Cascos Blancos”, un grupo financiado por los británicos y con conocidos nexos con el Estado Islámico.

 

*

 

LPAC Statement on Syria bombing: Fraud Against the President; Fraud Against the Nation

April 7, 2017 — In reviewing the Syria bombing ordered by President Donald J. Trump yesterday, Lyndon and Helga LaRouche condemned it in the strongest terms possible. President Trump received a fraudulent briefing on the event itself – asserting that Bashar al-Assad was responsible for a chemical weapons attack on his own population – despite the fact that U.S. military forces on the ground in Syria knew that the chemicals came from an Al-Qaeda base, as stated by Russia and Syria. President Trump was lied to by individuals in his national security/intelligence chain of command. The sources utilized to claim Syrian culpability for the attack are exclusively British, the same people who are coordinating the international attack on Trump’s Presidency, in an effort to destroy any positive potential for relationships with Russia and China to rebuild the U.S. and world economy. This was a violation of international law. Trump was setup. “The British set this in motion against the entire human race,” Lyndon LaRouche emphasized.

LaRouche said the Trump must immediately seek out those responsible for the fraud and fire them. A United Nations investigation of the incident must occur immediately. Following both, a war crimes prosecution would be appropriate. The President should never listen to the British. It is not accidental that this setup occurred right when the President was meeting with China’s President Xi Jinping – a meeting which has the British and their Wall Street allies completely apoplectic – a meeting which could portend a new and peaceful paradigm for economic and scientific progress.

LaRouche PAC is coordinating a national mobilization against this fraud, telling the President to fire those responsible, and return to the sound American system premises of his Presidency, not the World War III policies of Barack Obama and Hillary Clinton. Nothing less than the continued viability of his presidency is at stake. We are also demanding that the United Nations immediately investigate.

According to numerous intelligence community sources who have commented or who have been interviewed by LaRouche PAC, active duty U.S. forces on the ground in Syria knew that this was not a Syrian government chemical attack. The Syrians hit an Al-Qaeda base which was storing chemical weapons used by the terrorists. U.S. forces on the ground reported that it was not a Syrian chemical weapons attack up the chain of command. The United States had been notified of the Syrian mission before it took place and knew about the Syrian targeting. Someone either deliberately lied to the President about this information or kept it from him.

The on the ground intelligence purporting to document a chemical weapons attack by the Syrian Air Force came from the White Helmets group, created by the British, financed by the British Defense Ministry, and totally penetrated by and supporting ISIS and Al Nusra terrorists. The other cited “proof” comes from the Syrian Human Rights Observatory which consists of a single individual, residing in London, who is notorious for widely disseminating inaccurate information.

The President needs to hear from those who voted for him and other patriots who are not interested in World War III or perpetual war in the Middle East. The swamp which needs draining is the Wall Street/London/Washington D.C. neo-conservative, liberal interventionist swamp which has squandered the nation’s wealth, and involved our youth in fraudulent wars destroying the morale of an entire generation. Mr. President, find, fire, and prosecute those responsible for this.

Call the White House comment line at 202-456-1111 Monday-Friday or call switchboard at 202-456-1414.
You can write a message to the White House at whitehouse.gov/contact
You can tweet the President at @realDonaldTrump.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 18:29