Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A Fábrica de Nada

29.05.18



No decorrer de um inevitável processo de Colapso económico e desindustrialização (que está à beira de se tornar muito pior) e também já no início de uma era de transição para a mão-de-obra robótica em trabalhos fabris, parece este filme querer dar a dica (obviamente errada e tardia, que levará a um beco sem saída) de que, a maneira de se lidar com este inevitável Colapso industrial, é simplesmente entrar agora em autogestão nas várias fábricas, ignorando as actuais situação e evolução económicas, assim como a necessária adaptação à nova realidade tecnológica.
Como alguém que possui um passado anarquista, este filme provoca inevitavelmente em mim sentimentos mistos - pois, passando ao lado do seu modo de produção claramente não-anarquista e da altura em que este surge, tem também o próprio filme vários aspectos que considero negativos, maioritariamente associados à aplicação prática do conhecido (e notoriamente autodestrutivo) lema "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" (ou, neste caso, "Punk Rock").
Para além de que, parece esta obra criar uma atmosfera maioritariamente distópica e sombria.
E, o facto de ter sido este um filme que foi, muito estranhamente, premiado, bastante elogiado e até promovido internacionalmente pela imprensa controlada, leva-me logo a ficar "de perna atrás" com o mesmo e a suspeitar que possa este constituir uma tentativa de colar tais aspectos negativos à muito positiva experiência original, que o filme diz querer homenagear - ao mesmo tempo que, acima de tudo, seja este uma tentativa de promoção da subcultura decadente que retrata.
Também, logo a começar pela sua parcial origem duvidosa, num muito estranho e contraditório centro social que recebe dinheiro da Comissão Europeia (e onde se promovem conhecidos falsos movimentos controlados, a degradação cultural, a confusão sexual, uma sociedade pós-industrial, a abolição das fronteiras e se disseminam mentiras ecológicas, entre outros claros objectivos do poder estabelecido) inspira esta obra em mim tudo menos confiança e crença nas boas intenções de quem a criou.
No dia em que surga, em Portugal ou qualquer outro país do Mundo, um filme produzido de modo anarquista e que queira realmente promover o Anarquismo, retratando-o de modo essencialmente belo, funcional, verdadeiramente consciente, indubitavelmente sério e mesmo muito positivo, não associando esta ideologia e prática política a subculturas decadentes, poderei então eu encarar tal possível obra com outros olhos.
Até lá... É este filme, para mim, mais um que não tem valor e que assenta maioritariamente na negatividade e na crítica destrutiva e inconsequente, como tantos outros de natureza cínica que nos impinge a imprensa controlada - e também mais um que foi (quase certamente) feito com segundas intenções (que, infelizmente, quem aceitou nele participar e pensa estar a agir contra o "sistema" é incapaz de atingir - por não ter lido um muito importante livro).
Até o próprio nome do filme parece querer instilar a ideia inconsciente, entre quem o vê, de que o resultado final de quando se envereda por um modelo de autogestão é... "Nada".
(Vejam também este cartaz.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vale a pena sequer falar com alguém a partir de uma certa idade?

01.02.18

Cada vez mais dou razão a quem (já em círculos anarquistas eu ouvia o mesmo) diz que, a partir de uma certa idade, é mesmo muito difícil (ou quase impossível) conseguir fazer alguém "acordar" para o que realmente se passa à sua volta.
Há poucos dias escrevia Daniel Estulin no Twitter o seguinte.

morpheus.png

Parafraseado de uma parte do conhecido filme "Matrix", em que diz tal personagem:


"We have a rule. We never free a mind once it's reached a certain age. It's dangerous, the mind has trouble letting go."

Tal como respondia eu nos comentários a tal tweet, a parte que mais me dizia alguma coisa neste filme, é quando fala tal personagem no modo agressivo como reagem muitas pessoas, quando são confrontadas com factos ou argumentos que contradizem o em que acreditam. (Coisa que muito acontece, neste meu país de broncos...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 07:18

Estupidez ao quadrado

30.01.18

aberto.png

Reparem neste mais recente exemplo da bela "tradição" portuguesa de calar aqueles que exprimem opiniões contrárias à nossa ou à suposta verdade oficial...
Distorce o autor do seguinte blogue, repetidamente, o que eu digo - e depois (não me concedendo o "direito à resposta" e tendo até ele feito uma pergunta) não me dá a oportunidade de fazer um comentário final, onde corrigia eu o que dizia ele sobre o que eu tinha escrito. (Ou seja, pode ele deixar um comentário final, mas eu não.) E, depois (não sei se para esconder a crítica implícita que lhe fazia eu, de me estar a ameaçar com censura, escreve ele (e apenas ele) ainda mais um comentário final, a falar em "respeito" (depois de ter cortado o discurso de outra pessoa!) fazendo com que quem leia o resultado final fique a pensar que fui eu é que faltei ao respeito a outrém. (Continuando, também, eu sem obter uma resposta e sem saber então em que é que criticar ou contra-argumentar o que dizem os outros constitui uma falta de "respeito"...)
Deixo então aqui aquele que foi o último que escrevi na seguinte <cadeia de comentários>, que o autor de tal publicação decidiu eliminar, para foleiramente escrever outra vez "THE END" por cima.

 

Fernando Negro - 30 de janeiro de 2018 às 05:59

Repito que as principais "provas" apresentadas pelo campo que diz que há aquecimento antropogénico foram invalidadas. E, por isso, deixaram de o ser. Enquanto que, no núcleo duro do campo oposto, continuam as provas deste à espera de ser desmentidas. (O que eu chamo a atenção para não são meras acusações. São provas irrefutáveis, confirmadas pelos autores das mesmas, que qualquer pessoa é capaz de ler e entender.) Mas, descreva a situação como quiser...

Já não tenho, então, mais nada a dizer.

[É uma regra pessoal minha não publicar comentários onde sei que os mesmos poderão ser alvo de censura (o que me acontece repetidamente em Portugal: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/e-mais-uma-vez-censurado-115908 + https://zap.aeiou.pt/os-islandeses-erradicaram-a-sindrome-de-down-171987#comment-271285 + http://blackfernando.blogs.sapo.pt/como-avisar-as-pessoas-disto-num-pais-94911). E, a simples ameaça (e confirmação da sua parte) de que tal pode acontecer nesta sua publicação, é razão suficiente para não querer eu mais deixar aqui quaisquer comentários. (Como sempre, quem fica a perder é quem engole as mentiras e se recusa a ler o contrário...)]

Disse.


(É o que eu digo repetidamente... Com mentalidades destas, ainda continuo eu a pensar que este país vai a algum lado...)
Tudo isto, da parte de um autor que escolhe como "belo" nome para a sua publicação o título de mais um violento e m**doso filme de Hollywood - que, entre outras coisas, normaliza a pedofilia (e que não fui eu capaz de ver mais do que os primeiros minutos de).
Mas, vá lá... Não liguem a estas coisas que andam alguns maluquinhos por aí a dizer na Internet...
Voltem mas é para os vossos smartphones (com um SO que não percebem, ou se interrogam sequer, vocês porque razão tem um nome referente a um humanóide) e usem e abusem dos mesmos.
("Já viram esta nova app para o Android? Oh, tão giro, para andar com o meu smartphone sempre ligado atrás de mim! Já repararam que também os novos carros vêm agora com localizadores GPS? Uau! Adoro toda esta nova geração de computadores, cheios de funcionalidades acrescidas!")

P.S. - Quando falo eu nos comentários de ter sido previamente censurado em tal sítio na Internet, lembro-me agora melhor de que, o comentário que lá deixei anteriormente nada tinha no texto que pudesse ser considerado indecente ou insultuoso. E, era apenas uma crítica (certamente séria, para se ter justificado eu escrevê-la) que contrariava ou corrigia o que dizia o autor do artigo em causa. Ou seja, a política de comentários em tal publicação é tal e qual como diz o autor da mesma. (Se o comentário contraria o que foi escrito no artigo, não é aprovado!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Presidente Marcelo sobre a possibilidade de vacinação obrigatória

24.11.17

Porque há muita gente neste país que não prima pela inteligência, incapaz de pensar por si própria e para quem as únicas interpretações válidas da Lei são aquelas oriundas de figuras de autoridade, deixo aqui o seguinte vídeo, onde até um próprio membro do Clube Bilderberg, que tem como missão andar a destruir (entre outras coisas, intelectualmente) o seu próprio país, admite que o direito à integridade física (que é o que se estaria a violar, caso se quisesse injectar alguém com algo, contra a sua vontade) é simplesmente *inviolável*.
O seguinte trecho é tirado, não de uma notícia sobre vacinas, mas sobre uns episódios recentes de violência que ocorreram. Mas, obviamente que - sendo de direitos constitucionais que falamos - o que é a seguir dito aplica-se também a qualquer outra situação.
Também, o que este presidente-traidor afirma não é mais do que mero senso comum. Mas, como a degradação moralintelectual neste país vai atingindo níveis que começam a surpreender (e não faço eu ideia do quão se terá degradado este país, daqui a uns anos, se alguma vez ocorrer uma epidemia ou pandemia) achei por bem deixar isto aqui, uma vez mais, mesmo *muito claro*.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 11:43

Assim se vê o afundamento (ou suicídio?) político do PC

11.10.17

pcp.jpg

Concordem ou não as pessoas com as posições que, até recentemente, eram defendidas pelo PCP, uma coisa que ninguém podia negar (e isto, oiço até da parte de pessoas que me são próximas e que são fortemente anticomunistas) era que, ao menos, era este um partido formado por pessoas coerentes e fiéis aos seus princípios. Pois, por mais ou menos votos que tivessem (no passado recente, isto é) nunca abandonavam (e bem, na minha opinião) os seus princípios, continuando sempre a bater-se pelos mesmos.
Mas, eis que chegamos às últimas eleições legislativas, de 2015, e somos surpreendidos com a inédita atitude do PCP (a nível deste tipo de eleições nacionais) de formar uma coligação com o partido que toda a gente sabe ser centrista, mas dito "socialista", o PS.
Que já tinha havido anteriores tentativas, da parte do PS, Bloco de Esquerda e seus satélites, como o "Partido Livre", de formar uma suposta "união das esquerdas", sabia eu. Mas, o que pensei foi que o PCP fosse se manter coerente, como sempre, com os seus princípios - e que, consequentemente, não se fosse deixar levar por esta ideia, que toda a gente minimamente atenta e consciente politicamente sabe ser uma farsa, por não ser o PS (que privatiza empresas, em vez de nacionalizá-las, quando está no governo) um partido que se possa considerar de "esquerda" (sendo este também o caso do dito "Bloco de Esquerda", que mais recentemente já se começava a assumir antes como "social-democrata").
Pois, pelos vistos, estava enganado. E, a "tacanhez" e rigidez política da parte dos comunistas deste país, que sempre se limitaram a seguir fórmulas, que já vão a caminho de um século de existência (pelos fundadores do seu partido criadas), foi quebrada - mas, não para melhor... E, em vez de terem os militantes desta ideologia adoptado novos métodos de luta, adequados ao século XXI, que passem por novas fórmulas que não impliquem uma cedência dos seus princípios (ex: criar sítios de notícias e análise na Internet, do tipo Infowars.com ou GlobalResearch.ca, de orientação comunista ou socialista) decidem estes fazer o que era, até agora, impensável... Começar a trair (ou ceder em) os seus próprios princípios, no que toca à sua actividade política.
E, dito isto, tenho eu apenas a dizer o seguinte - que sei que não irá ser lido pelos militantes de tal partido, mas que aqui deixo, para saberem outras pessoas qual é a opinião que tem sobre isto alguém que ainda se assume como "socialista libertário", atento à corrupção que assola este país...


Militantes do PCP,

A partir do momento em que começa uma pessoa, grupo ou partido - por questões políticas ou para ganhar alguns (muito) pequenos avanços - a ceder nos seus princípios, deixa de haver (realmente) um limite para até onde poderá ir tal incoerência. Pois, a lógica que se adopta, desde o início, é sempre a mesma. Se se faz esta pequena cedência aqui, por causa disto, também se pode então fazer mais outra pequena cedência ali, por causa daquilo. E, passo a passo, quando derem por isso, já em muito se terão vocês desviado daquele que era o vosso caminho inicial. E, quando forem finalmente pôr as mãos na cabeça por causa disto, já não irão ser capazes de se reconhecer como eram dantes. Isto é, quando derem por vós, depois de irem fazendo pequena cedência após pequena cedência, irão estar transformados em algo que não era o que queriam ser, inicialmente. E, mesmo que decidam depois voltar atrás em tudo isto, quem vos garante que os vossos herdeiros políticos não irão enveredar outra vez por esse caminho? Afinal de contas, vocês já deram o (mau) exemplo. E, quando voltarem tais herdeiros políticos a enveredar por esse caminho, que garantia têm vós de que irão eles parar na mesma altura que vocês decidiram parar?

Também, muito importante, com que cara, orgulho e coerência é que, a partir de agora, poderão vocês continuar a assumir-se como um partido dito "revolucionário" - depois de, não só serem cúmplices com, como serem até autores ou proponentes de medidas reformistas? A vossa reputação política fica, com isto, em muito manchada, perante quem é verdadeiramente socialista e revolucionário. Pois, o "PS" a quem se decidiram aliar, não só é uma farsa de partido - que de "socialista" apenas tem o nome - como (toda a gente bem informada sabe) está feito com os grandes interesses económicos que dominam a nossa sociedade.

E, ainda mais importante de notar, é o seguinte... Esta iniciativa de "unir" as supostas esquerdas, partiu de partidos que não o vosso - que foram o Bloco de Esquerda mais o seu satélite "Partido Livre" e o próprio PS. Ora, se foi a própria falsa esquerda quem teve esta ideia de vos meter no mesmo saco do que a mesma, é porque certamente, de algum modo, isto é vantajoso e benéfico para a mesma (deixo neste texto, mais abaixo, uma dica para a explicação) - e não para vocês, que (supostamente) defendem ideias opostas a ela. Ou seja, se foi a falsa esquerda quem teve e vos propôs esta ideia, é porque é ela quem irá usar-vos na implementação de e ganhar com a mesma - e não o contrário. (E, isto é da mais simples e elementar lógica que qualquer pessoa minimamente inteligente deve ser capaz de recorrer a e reparar em.) E, não será a vossa inteligência capaz de perceber que, se teve esta "união das esquerdas" como resultado expectável a desilusão da parte dos vossos militantes mais fiéis aos princípios comunistas (que obviamente se traduziu num abandono do apoio por partes destes e numa redução dos seus votos) terá sido tal resultado também um dos objectivos de quem teve a ideia desta suposta "união"?

Também, que história é esta de, em vez de defenderem ideias mais coerentes com os vossos princípios revolucionários, de tornar os salários menos desiguais, em termos do valor recebido, são vocês próprios quem sugere ideias típicas da falsa esquerda, de insentar de impostos as pessoas que menos ganham, em vez de lutar pela subida dos salários das mesmas, para que possam estas pagar confortavelmente tais impostos? Estar a fazer quem mais estuda e trabalha ter de pagar por quem menos o faz é estar a pôr trabalhadores a serem roubados por outros trabalhadores. E, não deveria o dinheiro de tais impostos, através da subida dos salários de quem menos ganha, ser antes pago (originalmente) pelas entidades empregadoras - isto é, pelos capitalistas, vossos supostos inimigos (e não pelos trabalhadores, vossos supostos protegidos)?

E, depois admiram-se de perder Câmaras Municipais, por ter uma boa parte desses trabalhadores não gostado destas vossas (inusitadas e incoerentes) tomadas de posição e (manifestamente injustas) medidas reformistas de carácter de "Estado Social", típicas da falsa esquerda (que o que quer é desincentivar o progresso na sociedade - ao roubar, cada vez mais, de quem mais se esforça por fazer avançar a mesma)?

Obviamente que, no infeliz panorama político que temos, pouca gente que seja socialista gostará que vocês percam votos. Mas... Associam-se aos corruptos e depois não querem ser vistos também como mais uma farsa de partido?


Pois mal, PCP. De progressistas sempre tiveram vocês pouco. Mas, parece que agora também de coerentes vão tendo cada vez menos...

P.S. - Essa história do vosso partido satélite "Os Verdes" continuar a falar em "aquecimento global" antropogénico - quando já toda a gente bem informada sabe que isso é uma enorme mentira - gostava eu um dia de entender...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conheçam o canal do YouTube "BanTheBBC"

22.08.17

A propósito da notícia (e reacções à mesma) - [1] [2] - de que o maior órgão de propaganda do Império Britânico, a BBC, iniciou a sua maior expansão de sempre desde a década de 1940, deixo aqui uma colectânea de vídeos do que fazem alguns cidadãos britânicos que não querem ser lavados ao cérebro pelo mesmo - e que, por isso, se recusam a pagar o equivalente ao nosso imposto de Contribuição Audiovisual (que, no Reino Unido, só paga quem vir este lixo de canais televisivos).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Portugal é o 2º país da Europa com maior percentagem de borregos

04.07.17

sheep.jpg

 

Portugal é o segundo país da Europa onde mais se confia nas notícias

[BOM DIA] Quinta-feira, 22 de junho de 2017, às 09:49

Portugal é o segundo país europeu onde mais se confia nas notícias, a seguir à Finlândia, apresentando uma percentagem de confiança a rondar os 58%, revela um estudo divulgado esta quinta-feira.

De acordo com o Digital News Report 2017, realizado pelo Reuters Institute for the Study of Journalism, a confiança nos media varia de forma significativa nos 36 países analisados, sendo a Finlândia o país onde a confiança atinge a percentagem mais elevada (62%), enquanto a Grécia e a Coreia do Sul são os países com o nível de confiança mais baixo (23%).

A confiança desce sete pontos percentuais, para 43%, desde o referendo do ‘Brexit’.

Quase um terço da amostra (29%) afirma que evita as notícias frequentemente ou por vezes e destes, quase metade (44%) diz fazê-lo porque as notícias têm um efeito negativo no seu humor e um terço (33%) diz que não confia na veracidade das notícias.

O estudo revela ainda que em Portugal, as três marcas offline mais usadas como fonte de notícias são a SIC, a TVI e a RTP, enquanto no online as mais citadas são o Notícias ao Minuto, o Sapo e a SIC Notícias.

O relatório traça também o perfil de tendência política dos respondentes relacionando-o com os órgãos de comunicação social, concluindo, por exemplo, que o Diário de Notícias é mais lido por pessoas com tendência ideológica mais de esquerda, enquanto o Observador é mais lido por pessoas com tendência mais de direita.

O relatório, baseado num inquérito online a 70 mil pessoas, em 36 países, sublinha que mais de metade dos respondentes (54%) utilizam as redes sociais como fonte de notícias, mas salienta um declínio no uso do Facebook nalguns países onde aumentou a popularidade das “apps de messaging”.

Relativamente ao papel das redes sociais, apenas um quarto (24%) acreditam que as redes sociais fazem um bom trabalho na separação dos factos da ficção, comparando com os 40% que acham que os media fazem um bom trabalho.

Em países como os Estados Unidos, a probabilidade de alguém acreditar mais nos media é duas vezes superior (20%/38%) e a Grécia surge como o único país onde as pessoa acreditam num melhor trabalho das redes sociais, porque a confiança nos órgãos de comunicação social é muito baixa (28%/19%).

O estudo conclui também que as plataformas estão a evoluir, graças ao aumento das aplicações e dos smartphones, tornando-se uma forma predominante de aceder às notícias.

De uma maneira geral, os alertas de notícias nos telemóveis estão a transformar-se numa das formas mais importantes de descobrir notícias, com a Suécia, os Estados Unidos (EUA) e a Coreia do Sul a mostrar um grande aumento na percentagem de pessoas que acedem às notícias desta forma.

O relatório refere que vários órgãos de comunicação social procuram atingir receitas online sustentáveis, assistindo-se a um aumento considerável de pessoas disponíveis para pagar por notícias online nos EUA, com um crescimento dos 9% para os 16%.

No entanto, entre todos os países, apenas um em cada dez paga por notícias online, sendo que esta é uma tendência mais predominante nos países nórdicos, como a Noruega (26%) e a Suécia (20%).

Mais de metade dos utilizadores de internet dos 36 países (54%) afirmam que usam as redes sociais como uma fonte de notícias, a cada semana, mas isso varia entre os 76% no Chile e os 29% no Japão e Alemanha. Um em cada dez afirma que as redes sociais são a sua principal fonte de notícias.

O relatório refere que a preocupação com a baixa qualidade das notícias e com as ‘fake news’ oferece às organizações de media a oportunidade de demonstrar o valor do jornalismo de qualidade, já que o inquérito demonstrou que “elevados níveis de falta de satisfação em relação à qualidade das notícias e comentário, em geral, e nas redes sociais em particular”.

O estudo será apresentado em Portugal em setembro, altura em que serão revelados dados mais específicos sobre o país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 09:01

E assim se cala esta amostra de povo

30.06.17

Um sistema de emergência (montado por mais uma "parceria público-privada") que, repetidamente, não funciona e que tem agora como resultado (visível) uma grande tragédia.
Um grande falhanço (e consciente negligência) da parte do poder estabelecido, que resulta num grande número de mortos.
Uma onda de revolta, por parte de quem é vítima (de facto e potencial) de tudo disto?
Não, nada disso... Pois, o povo é manso, fácil de enganar e distrai-se com outras coisas.
Produz-se um relatório, da parte da própria entidade que falhou, a dizer que nada de grave se passou e publicam-se também os resultados de um suposto estudo, feito pelo próprio governo por isto responsável, a dizer que a população continua a apoiar o governo.
(Tudo análises de inquestionáveis imparcialidade e veracidade, reportadas por uma imprensa que sempre estará longe de chamar a atenção para o ridículo destas publicações...)
Do lado "racional" estão as coisas "resolvidas". Passemos então ao lado emocional.
Toca a emitir reportagem atrás de reportagem televisiva, de estilo semelhante a um "docudrama", a focar-se no lado emocional da tragédia - includindo a grande onda de compaixão e solidariedade que esta catástrofe gerou - para, deste modo, calar o (muito indesejável) lado racional (que estaria realmente interessado em saber quem, e o que é, que falhou, para apurar responsabilidades) e toca a organizar também um grande concerto musical, que inclua uma grande operação de angariação de fundos, para ser transmitido por todos os principais canais televisivos nacionais, a apelar repetidamente ao cultivo deste lado emocional, para que se sobreponha a tudo o resto.
Pronto, já está. Os portugueses são um povo muito solidário e devem sentir-se muito bem por isso.
Continuem a roubar e a enganar o povo, nem que daí venham mais mortes.
Venham as próximas tragédias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O estado a que isto chegou

19.03.17

ps_voto.jpg

 

PS aprova moções sobre legalização da eutanásia, prostituição e drogas leves

Por Lusa - 5 Março, 2017


A Comissão Nacional do Partido Socialista aprovou este sábado, no Porto, nove moções, entre as quais a da “Eutanásia”, “Regulamentar a prostituição” e “Legalização e regulação do mercado das drogas leves em Portugal”.

A moção “Eutanásia – um debate sobre a vida” foi aprovada com três votos contra e cinco abstenções num total de 202 membros que votaram na reunião da Comissão Nacional do Partido Socialista, informou fonte oficial do partido.

As moções “Regulamentar a prostituição – uma questão de dignidade” e “Legalização e regulação do mercado das drogas leves em Portugal” também foram aprovadas, embora nesta última tenha sido retirada o ponto que referia que o “Partido Socialista deverá promover a apresentação de iniciativas que visem, nomeadamente, a legalização do consumo e produção da canábis em Portugal”.

“Fazer a diferença nas comunidades”, “Dar força à economia social”, “Autarquias locais: proposta de criação de lei-quadro e correção dos erros da agregação de freguesias”, “Reestruturar as secções e concelhias”, “Limitar proporcionalmente os salários – uma questão de igualdade” e “Em defesa dos jovens do interior de Portugal” foram as outras seis moções aprovadas.

A Comissão Nacional do PS é composta por 251 membros, mas este sábados apenas votaram 202 elementos, acrescentou a mesma fonte do partido.

A primeira subscritora da moção “Eutanásia – um debate sobre a vida”, Maria Antónia Almeida Santos, declarou aos jornalistas, antes da votação, que a eutanásia não é uma “cultura da morte”, mas uma “valorização” da autonomia da pessoa.

“Não há nenhuma cultura de morte, muito pelo contrário, é uma questão de valorizar mais a autonomia da pessoa, a autonomia dos valores que defendemos e, principalmente, perceber a quem é que se dirige esta questão da morte assistida ou da legalização da eutanásia”, disse Maria Antónia Almeida Santos, que é também uma das autoras da moção.

Inicialmente estava prevista a apresentação de dez moções na reunião, mas acabaram por ser votadas nove porque uma delas – “Novas propostas para a Justiça” -, não chegou a ser apresentada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:56