Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A principal razão (i.e. a razão de fundo e de a longo prazo) para a enorme fraude do suposto "aquecimento global" antropogénico

26.09.19

MarchaPeloControlo.png

[Um comentário que hoje deixei no blogue da historiadora Raquel Varela.]

 

(Embora a RTP 2 tenha já feito um muito discreto debate sobre o assunto, há uns bons anos: https://vimeo.com/6727986)

Aos mentirosos do “aquecimento global” obviamente que não interessa debater o assunto...

Pois, no dia em que o fizessem, perante todos, qualquer pessoa com um mínimo de formação científica (suponho até que, ao nível do 9º ano, que é comum para toda a gente) facilmente conseguiria perceber que tal suposto fenómeno não passa de uma *enorme mentira* (https://www.youtube.com/watch?v=bSAgCFLgaVI + https://controlc.com/6dbc7e9b). Não sendo por acaso que uma enorme quantidade de cientistas até quiseram processar o Al Gore: https://www.youtube.com/watch?v=fdRaxN5jUZE

(Ex: As análises a amostras de gelo colhidas na Antárctida *provam* que o aumento e a diminuição do CO2 na atmosfera ocorrem *posteriormente* e com um desfasamento de 800 anos relativamente ao aumento e à diminuição das temperaturas na Terra – ou seja, que são as variações na temperatura da Terra que causam variações na quantidade de CO2 na atmosfera, e não o inverso – https://www.youtube.com/watch?v=YrsUQ5jw_B4)

Quanto às alternativas energéticas,

A fusão nuclear já poderia até ser uma realidade, não fossem o consciente e propositado subfinanciamento do desenvolvimento da mesma e o cancelamento de projectos quando estes têm sucesso – tal como é denunciado na seguinte muito boa palestra: https://www.youtube.com/watch?v=Wbtj29ERG-Y

E, mesmo a fissão nuclear, não é perigosa como as pessoas pensam. Pois, o pior incidente de todos neste domínio foi, na verdade, resultante de um acto de sabotagem ocidental (http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=67.msg316313#msg316313) – tal como irá ser, ao de leve, indiciado numa série de televisão russa, que surgiu em resposta à recente série de televisão estadunidense: https://www.presstv.com/Detail/2019/06/08/597988/Russia-Chernobyl-HBO-US-CIA

O objectivo final de todas estas mentiras e sabotagens, é reduzir a população mundial (https://larouchepac.com/category/green-fascism) para níveis que sejam mais fáceis de controlar (https://c2.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/G851381ad/21026775_tNCDk.png). Pois, (tal como denunciam aqueles que têm fontes em serviços secretos e afins: https://twitter.com/search?q=proportional%20density%20from%3AEstulinDaniel) sabem os cientistas sociais ao serviço das elites que, o progresso e desenvolvimento de uma sociedade é directamente proporcional à densidade populacional da mesma. E, com tantas pessoas que vão surgindo no Planeta (agora com acesso à Internet e outros meios não controlados de disseminação da Informação, da Cultura e do Conhecimento) torna-se cada vez mais difícil às elites que gerem a sociedade controlar a mesma. [https://blackfernando.blogs .sapo.pt/o-acesso-a-cultura-e-ao-conhecimento-147909]

 

[Ao qual depois fiz um pequeno acrescento...]

 

(E, sendo você, Dra. Varela, também uma cientista social, se duvida do que eu digo no meu último parágrafo, pare para pensar...)

O resultado final das medidas políticas de suposto combate ao dito “aquecimento global” irá ser, obviamente, ficar toda a gente mais pobre... Ora, não é muito mais fácil controlar trabalhadores e restante “arraia-miúda” da sociedade se estiverem estes com problemas pessoais e sociais, subnutridos e sem dinheiro para acesso à Internet, livros e afins?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A tecnologia avançada que é de nós escondida

07.03.19

unknown_tech.jpg

Um outro comentário que fiz, numa publicação sobre novidades tecnológicas, a um artigo no qual o autor português ridicularizava Donald Trump, por sugerir o último que se implementasse tecnologia de telemóveis de 6ª geração.

 

No que toca à tecnologia informática, e não só, a que já foi desenvolvida e é secretamente usada pelo governo estadunidense (sabe quem está bem informado) está sempre cerca de duas décadas à frente da que é do conhecimento público e é usada pelo comum cidadão.

Alguém aqui sabe, por exemplo, que o governo dos EUA já desenvolveu a Fusão a Frio – e que poderá tornar tal tecnologia pública se o preço do petróleo subir para valores demasiado elevados? (https://www.youtube.com/watch?v=mbMnsNuXhJo)

Alguém aqui sabe, por exemplo, que o mesmo tipo de Inteligência Artificial imensamente poderosa, cuja uma variante é hoje usada para gerir todas as máquinas de ATM do Mundo em tempo real e ao mesmo tempo, já existia desde os anos 1970 – e que, desde a criação da Internet tal IA é usada para vigiar tudo o que nesta última rede se passa? (https://trisquel.info/en/forum/sentient-code-inside-look-stephen-wolframs-utterly-new-insanely-ambitious-computational-paradi#comment-46043 + https://www.wook.pt/livro/conspiracao-octopus-daniel-estulin/10636938)

(E, a título de grande curiosidade, alguém aqui já se deu alguma vez ao trabalho de ler o que têm a dizer aqueles que dizem que as imagens que nos mostraram da alunagem de 1969 são falsas? Quem conhece pessoalmente astronautas estadunidenses, diz que foi para não revelar a tecnologia avançada que já na altura o governo dos EUA possuía: [vídeos censurados pelo YouTube: https://www.infowars.com/update-youtube-bans-alex-jones-channel/])

Por isso, das duas uma:

1) Ou Donald Trump está apenas a fazer uma afirmação que visa apelar a um mais acelerado desenvolvimento tecnológico.

2) Ou, de facto, “Donald Trump sabe mais do que diz sobre o 6G”...

Autoria e outros dados (tags, etc)

O futuro distópico que nos espera?

06.03.19

blade_runner_2049.png

 

Um comentário que deixei à notícia, dada num sítio português, de que a nova corrida à Lua (desta vez, com motivações económicas) já teve início.

 

Toda a gente que sabe o que se passa nos bastidores políticos (ouvir, por exemplo, os webcasts do movimento LaRouche) há uns bons anos que sabe que existe uma (muito discreta) corrida para extrair o precioso hélio-3 da Lua, para ser usado na Fusão Nuclear, que se espera que seja desenvolvida dentro de duas décadas. Razão pela qual até já a “pobre” Índia tem missões lunares – https://en.wikipedia.org/wiki/Chandrayaan-2 – e Fusão Nuclear essa, que (a longo prazo) será necessária para que se possa ter energia suficiente para viagens para fora do Sistema Solar.

(Aliás, há até pelo menos um filme de “ficção científica”, daqueles que aparentam ser feitos para mentalizar as pessoas para o que aí vem, chamado Moon – O Outro Lado da Lua, que retrata exactamente este tipo de operações na Lua.)

Agora, no que toca ao Ocidente e falando das perspectivas a *longo prazo*, o que fica em aberto é: Que tipo de desenvolvimento espacial teremos?

1) Um regresso ao uso de agências estatais, como a NASA, em que a exploração e o desenvolvimento espaciais sejam feitos de modo colectivo?

2) Ou, como começa a ser o modelo adoptado – e é referido neste artigo – um desenvolvimento feito por empresas privadas (i.e. elites económicas) que dê origem ao que se chama uma “Breakaway Civilization” por parte das elites, em que partirão estas para o Espaço, acompanhadas dos seus robots e andróides, enquanto a restante população humana fica apenas a olhar – e para trás, na Terra – tal como é retratado no filme Elysium?

(Vejam também, por exemplo, o filme Blade Runner 2049 – feito também pelos grandes interesses económicos ocidentais. O projecto ocidental é ficar a restante Humanidade para trás, enquanto o Espaço fica reservado para as elites.)

 

Ao qual aproveito para acrescentar outro comentário, de que...
Os maiores fãs de ficção científica sabem que os filmes da série Blade Runner e da série Alien pertencem ao mesmo universo.
E, para os que estiverem mal informados sobre questões político-económicas, se querem saber por que razão foi escolhido o título Prometheus para um dos últimos filmes da série Alien (e daí poderem inferir o sentido, ou o significado, oculto do filme) a palavra-chave é também "LaRouche".

E, a finalizar, deixo-vos também com um excerto de uma entrevista de 2014 feita a Daniel Estulin:

 

Now, in one of the biggest breakthroughs in recent history, scientists have created a synthetic genome that can self-replicate. They have taken a cell and modified the genes of a cell by inserting DNA from another organism. And the bacteria replicated itself thus creating a second generation of the synthetic DNA. The organism will do exactly what the scientist intended: a living thing, but under the control of Man.
If the 19th century was all about the revolution of harnessing energy from fossil fuels, and the 20th century was about exploiting the power of data, this century will be about controlling biology.
What’s amazing is that the cell was assembled and sparked into life in a laboratory. This technology takes mankind across a threshold. A turning point that marked a coming of age of a new science called synthetic biology, founded on the ambition that one day it will be possible to design and manufacture a human being.
In other words, you can get DNA of anything here on Earth and create organisms that never before existed entirely from non-living materials. Scientists are creating new life forms that the human immune system and the world have never so far experienced. As such, it will revitalise perennial questions about the significance of life – what it is, why it is important and what role humans should have in its future.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A razão pela qual as próximas décadas vão ser mesmo muito más

06.07.17

georgia_guidestones.png

Um comentário que deixei num sítio na Internet sobre as novidades no campo da informática e também sobre novas tecnologias, que veio no seguimento de uma colocação que foi feita sobre a energia de fusão - no final da qual o autor perguntava às pessoas se achavam que iríamos ter este tipo de energia já disponível daqui a pouco mais de uma década.
Quem quiser, pode também consultar os restantes comentários à colocação em causa, para mais explicações, que eu lá deixei, sobre o que se passa em torno de tudo isto.

 

Fernando Negro 4 de Julho de 2017 às 16:07

«Um pouco de pressão e uma competição saudável seria o necessário para ter a motivação suficiente para que este prazo se cumpra.»

Mentira. A fusão nuclear já podia até ser uma realidade, não fosse o constante subfinanciamento consciente de projectos governamentais no Ocidente – e o encerramento dos mesmos, quando estes têm sucesso (https://www.youtube.com/watch?v=Wbtj29ERG-Y).

A fusão nuclear está a ser propositadamente adiada pelas mesmas pessoas que andam a propagandear a mentira do “aquecimento global” antropogénico (https://www.youtube.com/watch?v=bSAgCFLgaVI). E, o objectivo de ambas as acções é reduzir a população mundial para números que sejam mais fáceis de controlar (https://larouchepac.com/green-fascism).

Se os países BRICS (que não fazem parte deste conluio) tiverem possibilidades de investir dinheiro suficiente no projecto ITER (https://www.rt.com/shows/technology-update/new-energy-unlimited-power-710/), poderemos ter a fusão nuclear mais cedo. Caso contrário, só quando se acabar de destruir a sociedade que temos, para dar lugar à pretendida pelas elites ocidentais, é que irá aparecer a energia de fusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:11

A história do "aquecimento global" é uma enorme mentira (x2)

30.11.15

(Repetindo o título de uma colocação que fiz neste blogue, há um ano - na conclusão de uma série de colocações que fiz, a propósito do 5º aniversário do escândalo "Climategate" - venho aqui deixar um comentário por mim feito, há poucos dias, no sítio do jornalista James Corbett.)

environmentalmovement.png

Completando o que digo eu neste comentário...
Têm, por exemplo, <aqui> e <aqui> o que as mencionadas fontes têm a dizer sobre isto.
E, quem quiser saber mais sobre esta história, pode usar a etiqueta "alterações climáticas" deste blogue - de cuja uma das colocações eu extraio a seguinte (muito boa) palestra.

 


Para quem se interroge sobre por que razão estão, então, regimes não controlados pelo Ocidente a alinhar nesta farsa... A explicação para tal estará, muito provavelmente, no que já dizia eu, numa outra colocação, há 7 anos, quando falava numa "camouflage they [are] building for the Peak Oil phenomenon, in order not to scare people about the huge problems this last fact will bring"... (Se quiserem saber que grandes problemas são esses - causados pelo facto de que o petróleo e o gás natural estão a acabar - podem espreitar esta colocação. E, para mais informação sobre este último fenómeno e suas consequências, podem clicar nas etiquetas deste blogue denominadas "pico do petróleo" e "colapso".)
Quanto à mencionada "Fusão Nuclear"... O problema é que o uso da mesma, para produção contínua de energia, está (tal como poderão constatar, se virem esta palestra) ainda a algumas décadas de distância. E, até que esta alternativa energética seja (muito possivelmente) desenvolvida, ainda muitas coisas más irão acontecer...

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 16:23

A solução é "criar todo um novo patamar para a Humanidade"

24.12.14

(Intervenção de Benjamin Deniston, na última edição da sessão de informação e de esclarecimentos do Comité de Acção Política de Lyndon LaRouche, conhecido como "LaRouche PAC".)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 14:52

Breve colocação que fiz no sítio na Internet (de e para activistas) onde, no passado, praticava eu o chamado "jornalismo cidadão"

18.12.14

Há uma maneira de resolver os actuais problemas energéticos e também de eliminar a pobreza e a fome na Terra

Enviado a 17 Dez 2014, por Fernando Negro

Chama-se "Energia de Fusão", é a forma de energia nuclear que ainda falta dominar e não tem a perigosidade que tem a fissão nuclear, que é usada nas actuais centrais. E, se nunca ouviram falar da mesma, há uma muito boa razão para isso...

Para além do facto de estarem quase todos os média de massas controlados pelos grandes interesses económicos, o que se passa, é que o moderno movimento activista (global) foi vítima de um grande embuste - que foi o surgimento do suposto "movimento ambientalista", que é, na verdade, uma criação das elites governantes, que querem: reduzir a população mundial; salvaguardar os preciosos recursos naturais limitados que restam para elas próprias; e impedir o progresso e o desenvolvimento descontrolados na sociedade, por porem estes em perigo o seu domínio sobre a sociedade.

(Informem-se sobre quem criou e quem financia grupos como a WWF, a Greenpeace, ou até mesmo o português "GAIA"...)

O que as elites governantes querem, é um mundo de pobres e ignorantes, que não tenham condições materiais, ou sequer mentais, para avançar com soluções para os problemas que enfrenta a nossa sociedade. Sendo esta a razão pela qual a mesma está a ser destruída, *de propósito*, enquanto se adia o surgimento da mencionada possível alternativa energética.

E, se andam alguns activistas ainda a lutar pelo empobrecimento geral da sociedade, através de campanhas pseudo-ecológicas - como a do suposto combate à farsa do "aquecimento global", que não se verifica - é porque foram os mesmos bem-sucedidamente lavados ao cérebro pelos média de massas e pelos falsos movimentos activistas, criados pelas próprias elites.

Activistas portugueses e outros que leiam isto: quem vos escreve, é alguém que também já foi um activista no passado, mas que infelizmente já não tem grande paciência para explicações. E, se querem saber mais do que falo, podem começar por aqui: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/a-grande-luz-ao-fundo-do-tunel-70302

É esta a minha primeira e última colocação, na nova forma deste sítio na Internet.

Vocês foram avisados.

 

poverty-wmd.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 21:32

Os "extraterrestres" vamos ser nós

02.12.14

Depois de uma breve troca de palavras com o autor Daniel Estulin, sobre um assunto secundário, através de uma conta que criei no Twitter (só para receber, por correio electrónico, as colocações deste autor e do jornalista Frederico Duarte Carvalho) não resisto a repartilhar um dos vários vídeos que Estulin (também ele, alguém com os olhos postos no Futuro, consciente do grande potencial que tem a mente humana e um entusiasta da exploração espacial) partilhou recentemente na sua conta no Twitter.
É isto o que, de mais espectacular (e para o qual o Movimento LaRouche, repetidamente, chama a atenção) o possível desenvolvimento da energia de fusão irá possibilitar.
Uma outra Nova Era, esta uma de exploração espacial, criada por novas tecnologias e por uma nova forma de energia, que poderão ser desenvolvidas no futuro próximo.
Um grande salto evolutivo, tal como o que foi dado pelos navegadores portugueses, que - através do uso da ciência e da criação de novas naves marítimas - conseguiram chegar onde nunca ninguém tinha chegado antes e fazer o que, até a aquela altura, parecia ser impossível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 04:01

A grande "luz ao fundo do túnel"?

26.11.14

ITER.jpg

Que o petróleo e os restantes hidrocarbonetos estão a acabar, é um facto aparente...
E, que isto representa um sério problema, cujos efeitos já se começam a sentir, é também um facto que, para além de aparente, é mesmo muito preocupante.
Mas, quer isto dizer que os próximos tempos não poderão ser outra coisa, que não negros?
Não exactamente...
Existe uma possível fonte de energia alternativa, mesmo muito rica - e que recorre a fontes abundantes - que, embora seja há já muito tempo conhecida, não foi ainda dominada, ou controlada - mas, na qual muita gente deposita a sua esperança. E, a fonte de que falo, é a chamada "energia de fusão".

Fazendo uma breve introdução a este tema...
Existem dois tipos de reacções nucleares que libertam uma energia imensa. E, são estas: a fissão nuclear (quando se dividem/quebram os núcleos dos átomos em partes mais pequenas) e a fusão nuclear (quando se unem/fundem núcleos de átomos, para formar novos átomos maiores).
Quanto à fissão, foi a reacção que foi usada nas primeiras bombas nucleares (que foram lançadas em Hiroshima e Nagasaki) e é a reacção que é usada nas actuais centrais nucleares.
No que toca à fusão, para além de ser a reacção que está na origem do calor e da luz solares que recebemos na Terra (em que átomos de hidrogénio, no Sol, estão constantemente a fundir-se, formando novos átomos de hélio) é a reacção que é actualmente usada na nova geração de armas nucleares (que usam uma mistura de reacção de fissão seguida de uma de fusão - e que faz com que actualmente o nome para designar tais armas seja "termonucleares") enquanto que, no que toca ao uso desta reacção para fins de produção controlada e contínua de energia, ao contrário da fissão, é este um processo que não foi ainda conseguido, ou dominado.
Mas, quanto ao qual muita gente pensa ser possível fazê-lo - e, muito mais importantemente, relativamente ao qual já tem havido alguns sérios progressos.
Sendo de assinalar, para além da recente intenção declarada da Rússia, de construir uma nova geração de centrais que utilizam, ao mesmo tempo, fissão e fusão nucleares no seu processo de produção de energia, o recente anúncio, da parte de um dos mais importantes fabricantes estadunidenses de armamento militar, do possível fabrico de um reactor de fusão já na próxima década e o muito interessante projecto internacional, que já teve início, chamado ITER (do inglês "International Thermonuclear Experimental Reactor"), sobre o qual o canal televisivo RT fez uma grande reportagem.

Se quiserem uma introdução mais elaborada sobre este assunto, podem ver a seguinte palestra, dada numa recente conferência do Instituto Schiller, do Movimento LaRouche, ou então espreitar esta série de dois pequenos vídeos.



E, se quiserem algumas explicações mais detalhadas sobre a ciência que está por trás disto, podem espreitar os vários vídeos que a equipa científica deste movimento tem no seu canal no YouTube.

Quanto às implicações do desenvolvimento desta tecnologia...
Elas vão muito mais além de poderem resolver os actuais problemas energéticos.
A ser bem-sucedida a tentativa de desenvolver esta forma de energia, tal será o princípio de uma Nova Era para a Humanidade.
Uma espectacular e maravilhosa Nova Era em que se poderá eliminar a pobreza e a fome na Terra, assim como quase todos os problemas relacionados com a falta de recursos. Pois, com uma fonte de energia tão rica, poderia, por exemplo, facilmente converter-se água do mar em água potável, levar água a zonas onde actualmente não é possível praticar a agricultura, resolver quase todos os problemas de poluição, através da decomposição dos elementos poluentes, resolver o problema da escassez de outros recursos, através da criação artificial dos mesmos... Enfim. Seria o princípio de uma verdadeira utopia de energia imensamente abundante e um enorme empurrão para o espectacular desenvolvimento científico e tecnológico que se adivinha...

(Já repararam em como em alguns filmes de "ficção científica", que aparentam ser feitos para "mentalizar" as pessoas para o que aí vem, se começam a fazer referências a esta forma de energia?... Não deverá esta componente lá estar por acaso... E, se quem quase tudo controla, no topo - incluindo a indústria cinematográfica - e de tudo está a par, coloca este tipo de elementos nos argumentos, não deverá ser por serem tais pessoas propriamente cépticas em relação a isto...)

Sobre a mais abrangente questão energética em que se insere o possível surgimento desta nova alternativa e os problemas que existem com a manifesta falta de vontade de desenvolvimento da mesma (pelas suas óbvias implicações imensamente libertadoras) podem ver a muito boa palestra que se segue, dada numa outra conferência do Instituto Schiller, onde é feita a muito importante revelação de que há um subfinanciamento propositado da pesquisa sobre esta forma de energia, por parte de organismos públicos, e na qual é denunciado que "há cientistas que perdem o seu financiamento por serem bem-sucedidos na fusão" e que "há tecnologia que é tornada secreta".
O que leva a concluir que o facto de a mesma não ter sido ainda desenvolvida pelos governos ocidentais "é uma intenção política e não um desafio científico", tal como é dito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem melhor explica a actual situação política internacional

07.08.14

Acabaram por ser a última muito boa fonte que descobri, no meu processo de procura por fontes credíveis e de qualidade que denunciem o projecto da Nova Ordem Mundial e são, ao mesmo tempo - e de longe - a melhor de todas as fontes que conheço, no que toca a fazer um constante apanhado geral sobre o que, de mais e de muito importante, se passa e tem passado, neste incrível Mundo em que vivemos - e sobre o que o Império Britânico, que ainda opera nas sombras (como, mais correctamente, gostam eles de chamar ao movimento da NOM) vai fazendo, para tentar dominar este Planeta.
São o Movimento LaRouche, que é descrito como tendo os melhores serviços secretos privados do mundo. E, para constatar a inegável qualidade do seu trabalho, não é preciso ir mais longe do que um texto que eu traduzi e publiquei, há uns meses, neste meu blogue.
Querem saber por que razão está o Ocidente a tentar provocar uma guerra nuclear com a Rússia e seus aliados? Por que razão não falam os média de massas sobre o programa espacial chinês e o objectivo do último? Que possível alternativa promissora existe aos actuais problemas energéticos com que nos deparamos? O quão promissora é a aliança BRICS? Que alternativas económicas viáveis existem para mitigar o processo de Colapso que estamos a experienciar?
Então, só têm de estar atentos às muito boas publicações e sessões de esclarecimento que este movimento vai lançando e organizando.
O que se segue, é a mais recente dessas sessões de esclarecimento, que são semanalmente emitidas via Internet e que este movimento vai também publicando no seu canal no YouTube.

(Aqui esta mesma emissão dobrada em castelhano - e aqui o correspondente canal no YouTube nesta língua.)

Autoria e outros dados (tags, etc)