Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A liberdade de pensamento defendida pelo Bloco de Esquerda

22.03.19

Fotografia de ecrã de um comentário que fiz há pouco no Twitter.
(A primeira hiperligação, para a notícia de uma publicação do BE, é esta. E, a hiperligação que eu deixo no meu comentário, é <esta>.)

 

esquerda_net.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

O número 11 como assinatura codificada

03.01.19

ParcGuellOkupas.jpg

Quem tenha lido algumas das colocações neste blogue, sobre a forte presença do número 11 na escolha de importantes datas, já deverá ter concordado que, de facto, há aqui algo que pode, no mínimo, ser considerado mesmo muito suspeito.
Mas, quantos de vós é que já repararam na presença do mesmo, sob a forma de letra?
"Ku Klux Klan", movimento "okupa"...
Se considerarmos cada letra do alfabeto como equivalente a um número, temos A=1, B=2, C=3 etc e... K=11.
Ora, não é claramente o nome escolhido para o grupo "KKK" o resultado da vontade de alguém de que as três iniciais do nome de tal grupo fossem a letra K?
Afinal de contas, "Ku" não quer dizer nada, "Klux" também não e "Klan" não se escreve com K.
A óbvia explicação para isto, está no facto de que quem fundou este grupo foi um conhecido maçom de 33º grau, chamado Albert Pike - conhecido até por ter reformulado alguns dos rituais da (muito presente, na sociedade ocidental) Maçonaria.
Devendo também esta ser a razão pela qual a letra K aparece 3 vezes e a razão pela qual o grupo por este maçom formado tem como símbolo um muito discreto 6 (adoptado também pela multinacional britânica Vodafone) - que, quando repetido também 3 vezes, resulta num número satânico.
O objectivo da criação de tal grupo ou movimento?
Também óbvio: criar divisões raciais nos EUA, no seguimento da máxima "dividir para reinar".
Ora, tornando-se mesmo muito suspeito (ou óbvio) que a presença da letra K em movimento sociais não esteja lá por acaso e que seja uma assinatura oculta...
O que pensar então do movimento "okupa" no nosso país vizinho?
Qualquer pessoa que tenha tido contacto com este movimento, saberá que se distingue o mesmo dos reais movimentos sociais pela sua inconsequência política, promoção de um estilo de vida alternativo (em detrimento de um real e forte activismo social - o que, no que toca a movimentos anarquistas, é conhecido por "lifestyle anarchism" em países anglo-saxónicos) e pela promoção de estéticas e formas de "arte" normalmente feias e degradantes (sugiro a visita a um destes "centros sociais okupados" para o constatar ou, em alternativa, podem procurar por fotografias dos mesmos na Internet) sempre associadas ao consumo de drogas - sejam estas leves ou duras (álcool incluído).
Ora, sabendo isto, não será de suspeitar que também que este movimento "okupa" tenha sido uma criação do próprio poder estabelecido, para desviar as poucas energias que restem (após o consumo das referidas drogas, isto é) por parte dos seus adeptos para formas de "luta" (quando puderem estas sequer ser consideradas como tal) ineficazes e inconsequentes, no seguimento do mesmo princípio sobre o qual elaborava eu <aqui> e também <aqui>?
(Comparem, por exemplo, a quantidade e acima de tudo a qualidade do material - de natureza política e não só - produzido por uma redacção de um qualquer jornal, ou de um qualquer departamento de um serviço secreto, com a quantidade e a qualidade do material produzido pelo mesmo número de integrantes de um qualquer destes centros sociais "okupados"...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Homem que esfaqueou Bolsonaro tem ligações ao tráfico de droga

23.10.18

Polícia Federal encontra laços do PCC com esfaqueador de Bolsonaro

 

(E toda a gente bem informada sabe quem é que controla, no topo, o tráfico de droga internacional e as principais organizações criminosas do mundo.)

rotas_pcc.png

(Imagem tirada deste artigo brasileiro. Têm também nesta grande reportagem mais recente, da agência noticiosa russa Sputnik, alguns desenvolvimentos sobre este grupo criminoso.)

 

A meu ver, o que se terá passado foi que, se tivesse o poder estabelecido morto Bolsonaro, criavam com isso um mártir no seu campo político - e o resultado seria imensamente contraproducente.
(Como dizem alguns, "Bolsonaro foi atacado pelo [a criminalidade] que está a tentar combater!")
Assim sendo, ao "apenas" ferir gravemente este candidato, permite tal poder estabelecido com isto que Bolsonaro continue a sua acção política, sim, mas possivelmente enfraquecido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 01:26

O "Admirável Mundo Novo" do Bloco de Esquerda

07.08.18

(Que, para além de ser a favor da União Europeia - que toda a gente bem informada sabe ser um prelúdio para um Governo Mundial - quer pôr o próprio Estado a distribuir droga!)

 

"Para nós, o toxicodependente não é um caso de polícia mas de saúde pública. E é indispensável admitir a necessidade de se ir mais longe, até à legalização do consumo e à distribuição pelo Estado e sob controlo médico, das drogas duras."
--- "Manifesto fundador do BE"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para que serve a Polícia? (x2, versão curta e grossa)

13.06.18

Um comentário que deixei anteontem a uma colocação num blogue, a propósito das manifestações que têm ocorrido no Reino Unido, por causa da detenção de Tommy Robinson pela Polícia, por ter este conhecido activista simplesmente reportado sobre o veredicto de um julgamento de um caso de proxenetismo, violações, raptos e tráfico de crianças por parte de um grupo de muçulmanos.

 

"NWA was right". :)

Loved that particular tag (the same way I loved their well-known song, when I found out about it - after years of personally witnessing Police abuse and hypocrisy).

The Police *never* served the interests of the common citizen. Their real function is to protect the interests and impose the will of the ruling class. And, if they indeed imprison some criminals, that's because those criminals also represent a danger to that same ruling class. Since, the root cause of most criminal activity that affects the common citizen (drug dealing) is never really combated - but, actually protected by the Police (https://www.youtube .com/watch?v=UT5MY3C86bk + https://www.amazon.co.uk/Shadow-Masters-Governments-Intelligence-Terrorists/dp/0979988616/).

(If you're talking about sheriffs - who are elected officials - then that's a different story... But, when it comes to the regular police force, who obeys the State, that's always the case. Even if most police officers are not aware of such, and sometimes also protect some common citizens - when those common citizens are not opposing the ruling class, that is.)

 

Comentário esse, ao qual aproveito para acrescentar um vídeo de (apenas) parte do que mais faz a Polícia a este activista, ao ponto de afectar até a família do último. (Vejam o vídeo e possivelmente interroguem-se: Quem é que está a Polícia a proteger, no seguinte que é um claro caso de assédio?)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Fábrica de Nada

29.05.18



No decorrer de um inevitável processo de Colapso económico e desindustrialização (que está à beira de se tornar muito pior) e também já no início de uma era de transição para a mão-de-obra robótica em trabalhos fabris, parece este filme querer dar a dica (obviamente errada e tardia, que levará a um beco sem saída) de que, a maneira de se lidar com este inevitável Colapso industrial, é simplesmente entrar agora em autogestão nas várias fábricas, ignorando as actuais situação e evolução económicas, assim como a necessária adaptação à nova realidade tecnológica.
Como alguém que possui um passado anarquista, este filme provoca inevitavelmente em mim sentimentos mistos - pois, passando ao lado do seu modo de produção claramente não-anarquista e da altura em que este surge, tem também o próprio filme vários aspectos que considero negativos, maioritariamente associados à aplicação prática do conhecido (e notoriamente autodestrutivo) lema "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" (ou, neste caso, "Punk Rock").
Para além de que, parece esta obra criar uma atmosfera maioritariamente distópica e sombria.
E, o facto de ter sido este um filme que foi, muito estranhamente, premiado, bastante elogiado e até promovido internacionalmente pela imprensa controlada, leva-me logo a ficar "de perna atrás" com o mesmo e a suspeitar que possa este constituir uma tentativa de colar tais aspectos negativos à muito positiva experiência original, que o filme diz querer homenagear - ao mesmo tempo que, acima de tudo, seja este uma tentativa de promoção da subcultura decadente que retrata.
Também, logo a começar pela sua parcial origem duvidosa, num muito estranho e contraditório centro social que recebe dinheiro da Comissão Europeia (e onde se promovem conhecidos falsos movimentos controlados, a degradação cultural, a confusão sexual, uma sociedade pós-industrial, a abolição das fronteiras e se disseminam mentiras ecológicas, entre outros claros objectivos do poder estabelecido) inspira esta obra em mim tudo menos confiança e crença nas boas intenções de quem a criou.
No dia em que surga, em Portugal ou qualquer outro país do Mundo, um filme produzido de modo anarquista e que queira realmente promover o Anarquismo, retratando-o de modo essencialmente belo, funcional, verdadeiramente consciente, indubitavelmente sério e mesmo muito positivo, não associando esta ideologia e prática política a subculturas decadentes, poderei então eu encarar tal possível obra com outros olhos.
Até lá... É este filme, para mim, mais um que não tem valor e que assenta maioritariamente na negatividade e na crítica destrutiva e inconsequente, como tantos outros de natureza cínica que nos impinge a imprensa controlada - e também mais um que foi (quase certamente) feito com segundas intenções (que, infelizmente, quem aceitou nele participar e pensa estar a agir contra o "sistema" é incapaz de atingir - por não ter lido um muito importante livro).
Até o próprio nome do filme parece querer instilar a ideia inconsciente, entre quem o vê, de que o resultado final de quando se envereda por um modelo de autogestão é... "Nada".
(Vejam também este cartaz.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para que serve a Polícia (neste país e não só)?

10.05.18

policias.jpg

Um comentário que acabei de deixar, a uma pouco inspirada demonstração de apreço pelo trabalho da Polícia, em Portugal, hoje feita num outro blogue aqui do SAPO.

 

Fernando Negro / 10.05.2018 - 22:25

Essencialmente,


Irás ser um agente de vigilância do Estado, ao serviço dos corruptos que o lideram e encarregue de manter esta podre ordem das coisas, e não irás combater a principal causa da criminalidade no país - o tráfico de droga, com o qual és conivente, deixando até os traficantes (repetidamente) assediar quem não quer consumir as drogas que mantêm uma boa parte da população subserviente.

(Que o consumo de drogas está na origem da maior parte da criminalidade, é do conhecimento geral. Mas, quem duvidar do que eu aqui digo, de que o tráfico de droga faz-se de maneira maioritariamente impune em Portugal, vá passar umas noites ao Bairro Alto, em Lisboa.)

http://blackfernando.blogs.sapo.pt/como-confiar-na-policia-neste-pais-136755
https://www.wook.pt/livro/os-senhores-da-sombra-daniel-estulin/10118671

 

[Editado a 12/05/2018: Comentário esse, que inesperadamente obteve uma resposta por parte da autora de tal blogue - a qual, muito surpreendentemente, revelou ser ela própria uma agente de polícia - tendo tal resposta dada origem a uma interessante troca de mais alguns comentários.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assassinato de bandeira falsa?

19.03.18

marielle_franco.jpg

Assassinada uma vereadora brasileira que era uma forte crítica da actuação da Polícia Militar (PM) nas favelas do Rio de Janeiro. Reacção imediata da parte de quase todos? Suspeitar da PM como autora de tal assassinato. Mas, será a realidade assim tão simples?
Primeiro que tudo, analizemos o que teria a PM a ganhar com isto...
Calar uma voz dissidente? Imensa gente, no Rio de Janeiro, é crítica (e com razão) da actuação desta polícia - por ser a mesma notoriamente desrespeitadora dos direitos civis e humanos. O que ganharia então a PM em calar uma única voz crítica, quando milhares de outras continuarão activas e poderão tomar o lugar mediático e/ou político desta?
A reacção imediata de quase toda a gente (que não pára para pensar) perante um assassinato destes, é (obviamente) suspeitar imediatamente da PM como autora do mesmo. Ora, o que teria a PM a ganhar em manchar (ainda mais e muito) a sua imagem pública - e, em consequência de um acontecimento destes, ter possivelmente as pessoas a criticá-la de um modo ainda mais forte?
(A ser a PM a responsável por uma coisa destas, tal seria uma acção imensamente estúpida e claramente contraproducente da sua parte.)
Quem é que ganha, então, realmente com isto?
(Para quem souber o que se passa por trás de toda esta guerra ao tráfico de drogas no Brasil e não só, a resposta é óbvia...)
A serem levadas estas fortes críticas (que certamente muito aumentarão com este assassinato) às suas últimas consequências possíveis, no que isto se poderá traduzir, é num retirar das forças policiais e militares das favelas desta cidade.
E, quem é que (ultimamente, ou mais) ganhará com tal retirada?
As favelas do Rio de Janeiro (toda a gente sabe) são a fonte de droga desta enorme metrópole, onde vivem mais de 12 milhões de pessoas. E, o tráfico de drogas (saberão os melhor informados) é algo de imensamente importante para o poder económico estabelecido ocidental e não só (i.e. as multinacionais que controlam os nossos governos e seus serviços secretos - assim como os bancos que lavam o dinheiro de tal tráfico - que dependem até do lucro oriundo deste mesmo tráfico para se manterem em actividade).
Ora, se se acabar com o combate ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro, quem é que ultimamente beneficia com tal termo?
Reparem na intensidade e na rapidez com que a imprensa controlada portuguesa, não só cobriu este caso, como tratou logo de promover as manifestações organizadas em torno do mesmo: https://www.publico.pt/2018/03/15/mundo/noticia/vereadora-critica-da-policia-militar-assassinada-no-rio-de-janeiro-1806715
(E, quando lerem a anterior notícia, reparem também em como até o poder político português quis logo usar este mesmo caso para fazer pressão sobre as autoridades brasileiras...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Patriotismos da tanga

02.12.17

Dois comentários que não resisti a deixar a um vídeo no YouTube - que encontrei a propósito do <comentário> que deixei à minha última colocação - seguidos de um interessante vídeo.
A hiperligação incluída no primeiro comentário é <esta>. (E, quem duvidar de que os afegãos nem sequer sabem o que foi o 11 de Setembro, tem <esta> notícia.)
Quem quiser ver as provas de que as plantações de ópio, não só não diminuiram, como continuam a bater recordes - não "apesar" da presença de tropas ocidentais, mas obviamente por causa das mesmas - tem <esta> notícia.
E, têm também <aqui> uma série de belas fotografias, demonstradoras da "passividade" das tropas ocidentais perante as plantações de ópio no Afeganistão.

 

(Podem clicar na imagem, para ler melhor.)

comandos.png

 

 

[Aos quais aproveito para deixar aqui uma pergunta retórica...]

 

Militares das Forças Armadas portuguesas,

A necessidade de pegar em armas (na altura, para defender a população de ataques de guerrilhas criadas por potências estrangeiras, no que era ainda considerado território português) acabou há mais de 40 anos.
Ninguém, no seu perfeito juízo, vai querer invadir um (atraso de) país destes (nem que seja apenas porque não quer contrair uma dívida equivalente a 130% do PIB e que deverá crescer).
O nosso país está, neste momento, a ser destruído - não pela via militar e física, mas pela via política e económica - por interesses estrangeiros (nomeadamente, através de traidores no governo, que servem os mesmos).
Assim sendo, que tal largarem as armas e os muito dispendiosos veículos e equipamentos (que, aparentemente, muito gostam de usar) e adoptarem antes formas efectivas de luta pelo bem-estar do vosso país, lutando social e politicamente contra a destruição que está em curso e os traidores responsáveis pela mesma?

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 02:17