Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Voltamos aos atentados de bandeira falsa em Itália

18.08.18

gladio.jpg

 

Far-Left Anarchist Extremists Take Credit For Bombing Italian Populist Party Office

 

A história é sempre a mesma...

  1. O motivo/alvo do ataque é algo de imensamente estúpido (como, pôr uma bomba numa igreja na véspera de Natal, ou neste caso pôr uma bomba numa sede de um partido político que, claramente, não é pior do que os outros - muito pelo contrário).
  2. E, quanto à autoria dos ataques, estes são sempre (a) ou reinvidicados por um qualquer grupo que ninguém (no meio anarquista) conhece (b) ou não são reinvidicados por ninguém, sendo alguns verdadeiros anarquistas acusados de e presos por isto (enquanto os média muito reportam tal coisa) e sendo posteriormente tais anarquistas ilibados disto (enquanto os média, convenientemente, mal reportam tal coisa).

E, reparem em como são os verdadeiros progressistas quem constitui o alvo deste atentado (muito a fazer lembrar o assassinato de Aldo Moro)...
Que sentido é que faria, para alguém que supostamente quer melhorar a sociedade, atacar logo os que querem também claramente fazê-lo, em vez de atacar os restantes?
A quem é que verdadeiramente interessa (ou, por outras palavras, quem é que realmente beneficia de) este atentado? (Lembrem-se de que o "Liga Norte" é indubitavelmente anti-sistema!)

Tenham sempre em mente o seguinte relatório, que eu parcialmente traduzi há uns bons anos, de cada vez que oiçam falar de atentados terroristas em Itália atribuídos a anarquistas.

 

Anarchists to be targeted as "terrorists" alongside Al Qaeda

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 04:57

O real objectivo da falsa esquerda (do Robles e amigos) que temos

03.08.18

martins_be.jpg

[Uma explicação por mim dada há dias, num blogue católico que descobri, que está muito atento à (e é crítica da) erosão e destruição que está a ser insidiosamente feita dos princípios católicos pelo próprio Vaticano (que, denuncia o Estulin, é feita pelos jesuítas, maçons e afins infiltrados neste).]

 

É mesmo de “baixo” que vem esta suposta esquerda…

(Provavelmente sem o saber totalmente, acertou o Basto mesmo “na muche”.)

A esquerda parlamentar que temos, na Europa e não só, é uma criação da sociedade secreta dos Illuminati – que se distingue das outras [entre outras coisas] por ser satânica.

Informem-se sobre que sociedade foi esta, não através dos livros fictícios e mirabolantes do Dan Brown, mas através de livros históricos, como este – http://www.sacred-texts.com/sro/pc/index .htm – que foi escrito no final do século XVIII, quando este sociedade secreta foi descoberta.

Se lerem esse livro, irão constatar que, os princípios defendidos pelos Illuminati eram os mesmos que, poucas décadas depois, foram regurgitados no conhecido “Manifesto Comunista”, escrito pelo capitalista Friedrich Engels e propagado pelo (denunciado há poucos anos, numa televisão estatal russa, como um agente da coroa britânica: https://www.youtube.com/watch?v =8VbI-t-HUuA) Karl Marx e seus descendentes familiares.

O objectivo da criação dos princípios socialistas nunca foi a verdadeira implementação dos mesmos. Mas, apenas que estes servissem de argumento retórico de oposição aos princípios capitalistas vigentes – para que, no uso da “Dialéctica Hegeliana”, da “Tese + Antítese = Síntese”, permitissem estes princípios socialistas a criação de uma nova sociedade, que não é nem socialista nem capitalista, mas neofeudalista (a fazer lembrar as sociedades fascistas, que combinavam elementos de ambos os lados do espectro político autoritário).

Exemplo 1: Os comunistas defendem a abolição da propriedade privada (Tese). Os capitalistas defendem a manutenção da mesma (Antítese). Resultante do debate parlamentar em torno do assunto, ambos os lados do debate (controlados pelos mesmos interesses) chegam a um meio-termo, em que a propriedade passa a ser, ao mesmo tempo, colectiva e privada, criando então um pretexto (supostamente legítimo, apoiado no princípio socialista) para impostos sobre a propriedade, porque esta supostamente também deve ser de todos (Síntese).

Exemplo 2: Os comunistas defendem a abolição do direito à herança… Seguindo o mesmo raciocínio, o objectivo é criar um pretexto para a criação de impostos sobre as heranças.

Impostos atrás de impostos. O regresso da maior prática medieval de opressão, em que as elites governantes se arrogam ao “direito” de cobrar imposto atrás de imposto ilegítimo. (Impostos esses, que na sociedade que temos, não ficam no Estado – e, não são subsequentemente usados pelos cidadãos – mas que, servem antes para pagar as dívidas fictícias e fraudulentas contraídas pelos nossos governos perante os banqueiros internacionais – e que, deste modo, vão parar aos bolsos dos interesses privados, que controlam os nossos governos.)

Mais informação e explicações sobre isto nas seguintes hiperligações:

https://blackfernando.blogs.sapo.pt/primeira-e-talvez-unica-tentativa-seria-52674
[https://blackfernando.blogs.sapo.pt/portugueses-votai-55860]

 

[À qual depois acrescentei que...]

 

O facto do dinheiro dos nossos impostos servir para pagar dívidas fraudulentas (https://www.youtube.com/watch?v=JobaR9LLcfA) é apenas um dos propósitos de tal colecta de impostos (https://blackfernando.blogs .sapo.pt/os-antigos-e-que-sabiam-bem-julgar-80727) – para além de que, não é isto que acontece a todo o dinheiro que serve para pagar a dívida externa, pois há muitos países (que fazem parte do FMI) que criam o seu próprio dinheiro, em vez de o pedir emprestado aos privados, como fazem os EUA.

Outro, talvez ainda mais importante, propósito da colecta de impostos, é financiar o “Estado Social” (de que o Bloco de Esquerda tanto gosta) que serve como um mecanismo de controlo da população (permitindo ao Estado gerir o dinheiro que deveria ser das próprias pessoas) e como uma maneira de lentamente destruir a sociedade que temos (ao dar dinheiro a quem não trabalha, para desincentivar o trabalho). E, podem ler mais sobre o que quero eu dizer com isto, aqui: https://blackfernando.blogs.sapo.pt/atencao-aos-pseudo-esquerdistas-61558

 

[E também que...]

 

Para além de que, outra maneira através da qual o dinheiro de todos estes impostos vai parar ao bolso de privados, é quando (no meio de uma Economia que está claramente em Colapso desde 2008) os governos pegam no dinheiro deste “Estado Social”, com o pretexto de que querem rentabilizá-lo, e compram acções em certas companhias, pouco tempo depois essas acções desvalorizam imenso (https://ionline.sapo.pt/491541) e os privados que venderam tais acções vão-se embora todos contentes com o dinheiro dos contribuintes.

 

[Editado a 07/08/2018: E, obviamente que o último esquema que eu descrevi, através do qual o dinheiro cobrado nos impostos vai parar ao bolso de privados, é apenas um de vários que se sabe que existem - e em que isto pode ser claramente observado... (Sendo um outro tipo inteiro, o dos contratos feitos com condições e preços absurdos, que beneficiam imenso os contratados, quando o Estado contrata privados para serviços essenciais - como no caso das PPP ou mesmo do combate aos fogos, tal como denunciado numa reportagem da TVI para a qual eu chamei aqui a atenção.)]

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 11:53

Resposta que já não pude dar a um militante do Bloco de Esquerda

11.03.18

capa_podemos.png

Por, na altura (final do ano passado) andar eu concentrado noutras coisas mais importantes - e tal blogueiro demorar também muito tempo a responder aos comentários que deixavam as pessoas no seu blogue (por andar também ele ocupado com outros assuntos mais importantes) - não tive eu pressa em responder a um comentário que tinha sido por ele deixado em resposta a um meu (último este, que tinha eu deixado a uma colocação final, de despedida, no blogue de tal autor) após ter sido eu automaticamente notificado, por correio electrónico, da ocorrência do mesmo.
E, lembrado eu - pela natureza da última colocação no meu blogue - de que não tinha ainda escrito tal resposta... Quando fui, anteontem, tentar deixar uma em tal blogue alheio, também alojado aqui no SAPO, já não consegui mais aceder ao blogue de tal autor, por ter sido o mesmo "suspenso".
E, assim sendo, na vaga esperança de que esta minha resposta possa um dia ser lida pelo destinatário em causa - e, já agora, porque (sendo de comentários públicos que se tratam) também poderá ser do interesse de outros ler tal pequena troca de mensagens - aproveito então para publicar aqui, no meu próprio blogue, a resposta que já não fui a tempo de dar (e também para republicar o comentário ao qual se dirigia tal resposta, da autoria do blogueiro Francisco Freima, para o qual já uma vez aqui tinha chamado a atenção para).

 

Francisco Freima respondeu ao seu comentário no post Adeus, pessoal (um adeus pessoal) às 02:31, 30/11/2017:

[...]

Por acaso nunca pensei muito na América Latina como região para viver, embora não me importasse de ir para a zona dos Andes. Se me dessem a escolher um país em todo o mundo, penso que iria para a Rússia. Adoro a cultura deles, sendo também um adepto do frio (e, lendo a teoria de Mackinder acerca do Heartland, percebemos que a Rússia será sempre importante).

Rússia que entronca no outro tema abordado pelo Fernando: os apoios dados a Trotsky por parte de Wall Street. Já tinha lido sobre isso, mas tendo sempre a relativizar. Não me choca que Trotsky tenha tido esse t ipo de ajudas, até porque existe o tal ponto de confluência que é o internacionalismo. Infelizmente, a política tem algumas zonas cinzentas onde um Ribbentrop e um Molotov podem negociar um pacto de não-agressão ou, voltando aos tempos da I Guerra Mundial, Lenine ser ajudado pelos alemães no seu regresso do exílio. Quando forças opostas convergem é sempre na esperança de enganarem o parceiro de ocasião. Escusado dizer, os povos ficam à porta de tais considerações.

Para mim, a importância de Trotsky está mais nas suas teorias da revolução permanente ou do desenvolvimento desigual e combinado do que propriamente nas suas acções enquanto indivíduo/actor político. Talvez, pela época em que viveu, ele não pudesse ter agido de outra forma; talvez, tendo sido um homem ambicioso, aquilo que resulta numa falha ética grave fosse apenas um meio para atingir um fim; na pior das hipóteses, mesmo que ele não acreditasse em nada, ou acreditasse apenas no intern acionalismo (capitalista ou socialista), a verdade é que as suas obras são lidas por muitas pessoas que defendem o internacionalismo socialista sem quaisquer concessões aos interesses capitalistas. É o que eu chamo de triunfo dos ingénuos: vivendo o marxismo um momento de refluxo a nível mundial, hoje em dia quem é marxista pode aprofundar as suas ideias sem grande rebuliço, um pouco à semelhança do período em que Marx viveu. Existem pequenas guerras, independentismos, mas nada que se assemelhe à proximidade de uma revolução como a de 1917.

O capital tem a situação controlada. Dentro do marxismo, os adeptos da revolução permanente podem polemizar com os adeptos do comunismo num só país sem que venha grande mal ao mundo. As figuras tutelares morreram e a própria questão coloca-se hoje sob outros prismas que não os da URSS. A Catalunha, por exemplo, tem suscitado um amplo debate: como podem os internacionalistas apoiar a independência catalã? Não é o Estado-nação uma construção burguesa destinada a desviar o foco da luta de classes? Estando no Bloco, foi um debate que acompanhei com gosto, até por ser militante de base. Na base dos partidos temos sempre aqueles camaradas mais puros, que não afinam as suas opiniões pelas dos notáveis. Claro que chega o dia em que a festa acaba e a vitória cai para um dos lados. Enquanto a festa durou, vi pessoas frontalmente contra a independência catalã e outras que, sendo também elas internacionalistas, colocavam o direito dos povos à auto-determinação num patamar superior. Da minha parte, defendo a independência. Nem tanto pela auto-determinação, para mim a questão premente reside na força imprimida pelo capitalismo à sua globalização. Ainda assim, torna-se um exercício vagamente cómico, o de defender a independência de um povo que pretende ir logo a correr para os braços da União Europeia...

Um abraço, Fernando, e viva a Margem Sul :D

 

[Segue-se então a minha resposta, que já não fui a tempo de publicar...]

 

Olá outra vez, Francisco.

(Com a crescente escassez de recursos naturais e o sério impacto que tal irá ter na agricultura: http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=63630.msg900364#msg900364)

Os melhores sítios para se viver, no futuro próximo (e para os quais eu iria, se pudesse) serão os locais do Mundo ainda pouco populados, que têm solos férteis em grande quantidade e que são também ricos em água - como o Brasil (e restante América Latina) e, sim, também a Rússia. (Tanto o Brasil como a Rússia exportam muita comida. Por isso, são estes dois países onde as pessoas nunca deverão morrer de fome.)

Quanto à criação do Estado-Nação,

Ela não tem (nada) a ver com "desviar o foco da luta de classes" (pois, surgiu até muito antes que tal luta tivesse início, devido à publicação do "Manifesto Comunista" escrito pelo capitalista Friedrich Engels). Mas, é antes algo que surge como uma consequência da vontade de Desenvolvimento económico, motivada pelo ideal de Progresso, a todos os níveis (http://www.schillerinstitute.org/newspanish/InstitutoSchiller/Arte/GoyaLucesCarlosIII.html) - algo que as elites (i.e. os verdadeiros ricos e membros da dita nobreza) não querem (nem nunca quiseram) por gerar tal progresso económico também progresso cultural e tornar as pessoas mais difíceis de controlar e continuar a explorar.

E, o tentar colar algo de positivo a algo mau, através de falácias, é um truque muito usado pelos propagandistas do poder estabelecido (como me lembro de ler, da parte de um Professor seu, que me disse você ser um maçon, que usava num texto pró-UE o ridículo termo "o totalitarismo das nações" - como se ter um governo central europeu, que repetidamente proíbe os vários países de fazerem isto ou aquilo é que não fosse, antes isso mesmo, uma forma de totalitarismo). Sendo o melhor exemplo que conheço, de constantemente dar falsas explicações alternativas (sem argumentos que realmente as sustentem) para certos acontecimentos históricos (do que posso ler da descrição, pois recuso-me a ler tais obras) o livro "A People's History of the United States" do propagandista Howard Zinn.

Quanto ao Trotsky,

Não se tratava de um convergência de apenas alguns interesses comuns que tinha ele com alguns ultra-ricos. O jogo por ambos jogado é um que, certamente, não deve ser ensinado no tipo de cursos universitários sobre História e Política que você tirou - e que se chama "Dialética Hegeliana" (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=43336.0). Sendo que, o Trotsky estava tão interessado numa verdadeira Revolução Social quanto estão os seus discípulos, de hoje em dia, como são os dirigentes do Bloco de Esquerda (muito contentes em colaborar com o falso Partido Socialista português e ficar-se por aí).

Se alguma vez decidir você pesquisar seriamente sobre o que eu aqui denuncio, da verdadeira natureza deste tipo de líderes comunistas (deixo-lhe mais uma dica aqui: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/primeira-e-talvez-unica-tentativa-seria-52674) depois interrogue-se sobre porque razão andam os movimentos por eles criados a usar a mesma simbologia que é usada por outros movimentos, que toda a gente bem informada sabe serem controlados por conhecidos capitalistas: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/alguem-ainda-duvida-de-que-o-podemos-e-127764

Um abraço e Boa Sorte para o futuro próximo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:20

Alguém ainda duvida de que o Podemos é movimento controlado?

09.03.18

Reparem, não só no símbolo do "punho erguido" que repetidamente aparece no seguinte vídeo, mas também no conhecido gesto de fazer um triângulo com as mãos, tão usado pelos "artistas" do novos estilos de música, criados por uma conhecida sociedade secreta.



(Por estas e por outras, é que eu digo o que digo sobre este tipo de "esquerda" europeia...)

falsa_esquerda.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

O verdadeiro Che Guevara

13.02.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:30

A tão falada "Guerra Fria" foi, em grande parte, um enorme teatro

10.11.17

Para entenderem o seguinte trecho (tirado deste filme de espiões, de um diálogo entre dois personagens que são agentes do KGB, no início dos anos 60) terão de consultar <esta> colocação anterior, que já fiz há uns anos. E, para complementar o que dizia eu em tal fórum (ao qual vai ultimamente parar a última hiperligação) têm os seguintes tweets recentes do agente do FSB, Daniel Estulin, através dos quais fiquei eu a saber mais sobre isto...

 

tweet_22oct_1of3.pngtweet_22oct_2of3.pngtweet_22oct_3of3.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 20:35

Revolução Bolchevique foi financiada (e apoiada) por Wall Street

07.11.17

wall-st-bolshevik-cover.jpg

Isto é algo que foi descoberto e <denunciado> (em língua inglesa) há já 43 anos, por um conhecido investigador nos EUA, chamado Antony C. Sutton - cujas obras são até recomendadas por alguns dos mais importantes lacaios das elites.
Assim como, é algo que é muito sabido (e tem sido, desde então, falado) por quem tem maior consciência política do outro lado do Atlântico.

Mas, sendo este nosso um país de ignorantes... E, a julgar pelo tempo que demoram a cá chegar e serem verdadeiramente compreendidos outros importantes conhecimentos políticos, como a Democracia... Talvez só lá para o ano 2172 é que deverá um número significativo de pessoas saber também disto num país atrasado chamado Portugal.

(Também, quem quiser saber de mais assuntos interessantes com este relacionados, pode espreitar aqui e aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tentativa de "revolução colorida" nos EUA começa hoje

04.11.17

[Quem pense que é só em países não ocidentais que esta fórmula é aplicada, lembre-se de - ou aprenda sobre - a tentativa de derrube do general Charles de Gaulle, em França, nos anos 60.]

110117nytimesad.jpg

(Fotografia tirada deste artigo do sítio PrisonPlanet.com, no qual se denuncia que é o mesmo "ex"-colaborador nazi húngaro de sempre quem está por trás deste movimento.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 09:31

Assim se vê o afundamento (ou suicídio?) político do PC

11.10.17

pcp.jpg

Concordem ou não as pessoas com as posições que, até recentemente, eram defendidas pelo PCP, uma coisa que ninguém podia negar (e isto, oiço até da parte de pessoas que me são próximas e que são fortemente anticomunistas) era que, ao menos, era este um partido formado por pessoas coerentes e fiéis aos seus princípios. Pois, por mais ou menos votos que tivessem (no passado recente, isto é) nunca abandonavam (e bem, na minha opinião) os seus princípios, continuando sempre a bater-se pelos mesmos.
Mas, eis que chegamos às últimas eleições legislativas, de 2015, e somos surpreendidos com a inédita atitude do PCP (a nível deste tipo de eleições nacionais) de formar uma coligação com o partido que toda a gente sabe ser centrista, mas dito "socialista", o PS.
Que já tinha havido anteriores tentativas, da parte do PS, Bloco de Esquerda e seus satélites, como o "Partido Livre", de formar uma suposta "união das esquerdas", sabia eu. Mas, o que pensei foi que o PCP fosse se manter coerente, como sempre, com os seus princípios - e que, consequentemente, não se fosse deixar levar por esta ideia, que toda a gente minimamente atenta e consciente politicamente sabe ser uma farsa, por não ser o PS (que privatiza empresas, em vez de nacionalizá-las, quando está no governo) um partido que se possa considerar de "esquerda" (sendo este também o caso do dito "Bloco de Esquerda", que mais recentemente já se começava a assumir antes como "social-democrata").
Pois, pelos vistos, estava enganado. E, a "tacanhez" e rigidez política da parte dos comunistas deste país, que sempre se limitaram a seguir fórmulas, que já vão a caminho de um século de existência (pelos fundadores do seu partido criadas), foi quebrada - mas, não para melhor... E, em vez de terem os militantes desta ideologia adoptado novos métodos de luta, adequados ao século XXI, que passem por novas fórmulas que não impliquem uma cedência dos seus princípios (ex: criar sítios de notícias e análise na Internet, do tipo Infowars.com ou GlobalResearch.ca, de orientação comunista ou socialista) decidem estes fazer o que era, até agora, impensável... Começar a trair (ou ceder em) os seus próprios princípios, no que toca à sua actividade política.
E, dito isto, tenho eu apenas a dizer o seguinte - que sei que não irá ser lido pelos militantes de tal partido, mas que aqui deixo, para saberem outras pessoas qual é a opinião que tem sobre isto alguém que ainda se assume como "socialista libertário", atento à corrupção que assola este país...


Militantes do PCP,

A partir do momento em que começa uma pessoa, grupo ou partido - por questões políticas ou para ganhar alguns (muito) pequenos avanços - a ceder nos seus princípios, deixa de haver (realmente) um limite para até onde poderá ir tal incoerência. Pois, a lógica que se adopta, desde o início, é sempre a mesma. Se se faz esta pequena cedência aqui, por causa disto, também se pode então fazer mais outra pequena cedência ali, por causa daquilo. E, passo a passo, quando derem por isso, já em muito se terão vocês desviado daquele que era o vosso caminho inicial. E, quando forem finalmente pôr as mãos na cabeça por causa disto, já não irão ser capazes de se reconhecer como eram dantes. Isto é, quando derem por vós, depois de irem fazendo pequena cedência após pequena cedência, irão estar transformados em algo que não era o que queriam ser, inicialmente. E, mesmo que decidam depois voltar atrás em tudo isto, quem vos garante que os vossos herdeiros políticos não irão enveredar outra vez por esse caminho? Afinal de contas, vocês já deram o (mau) exemplo. E, quando voltarem tais herdeiros políticos a enveredar por esse caminho, que garantia têm vós de que irão eles parar na mesma altura que vocês decidiram parar?

Também, muito importante, com que cara, orgulho e coerência é que, a partir de agora, poderão vocês continuar a assumir-se como um partido dito "revolucionário" - depois de, não só serem cúmplices com, como serem até autores ou proponentes de medidas reformistas? A vossa reputação política fica, com isto, em muito manchada, perante quem é verdadeiramente socialista e revolucionário. Pois, o "PS" a quem se decidiram aliar, não só é uma farsa de partido - que de "socialista" apenas tem o nome - como (toda a gente bem informada sabe) está feito com os grandes interesses económicos que dominam a nossa sociedade.

E, ainda mais importante de notar, é o seguinte... Esta iniciativa de "unir" as supostas esquerdas, partiu de partidos que não o vosso - que foram o Bloco de Esquerda mais o seu satélite "Partido Livre" e o próprio PS. Ora, se foi a própria falsa esquerda quem teve esta ideia de vos meter no mesmo saco do que a mesma, é porque certamente, de algum modo, isto é vantajoso e benéfico para a mesma (deixo neste texto, mais abaixo, uma dica para a explicação) - e não para vocês, que (supostamente) defendem ideias opostas a ela. Ou seja, se foi a falsa esquerda quem teve e vos propôs esta ideia, é porque é ela quem irá usar-vos na implementação de e ganhar com a mesma - e não o contrário. (E, isto é da mais simples e elementar lógica que qualquer pessoa minimamente inteligente deve ser capaz de recorrer a e reparar em.) E, não será a vossa inteligência capaz de perceber que, se teve esta "união das esquerdas" como resultado expectável a desilusão da parte dos vossos militantes mais fiéis aos princípios comunistas (que obviamente se traduziu num abandono do apoio por partes destes e numa redução dos seus votos) terá sido tal resultado também um dos objectivos de quem teve a ideia desta suposta "união"?

Também, que história é esta de, em vez de defenderem ideias mais coerentes com os vossos princípios revolucionários, de tornar os salários menos desiguais, em termos do valor recebido, são vocês próprios quem sugere ideias típicas da falsa esquerda, de insentar de impostos as pessoas que menos ganham, em vez de lutar pela subida dos salários das mesmas, para que possam estas pagar confortavelmente tais impostos? Estar a fazer quem mais estuda e trabalha ter de pagar por quem menos o faz é estar a pôr trabalhadores a serem roubados por outros trabalhadores. E, não deveria o dinheiro de tais impostos, através da subida dos salários de quem menos ganha, ser antes pago (originalmente) pelas entidades empregadoras - isto é, pelos capitalistas, vossos supostos inimigos (e não pelos trabalhadores, vossos supostos protegidos)?

E, depois admiram-se de perder Câmaras Municipais, por ter uma boa parte desses trabalhadores não gostado destas vossas (inusitadas e incoerentes) tomadas de posição e (manifestamente injustas) medidas reformistas de carácter de "Estado Social", típicas da falsa esquerda (que o que quer é desincentivar o progresso na sociedade - ao roubar, cada vez mais, de quem mais se esforça por fazer avançar a mesma)?

Obviamente que, no infeliz panorama político que temos, pouca gente que seja socialista gostará que vocês percam votos. Mas... Associam-se aos corruptos e depois não querem ser vistos também como mais uma farsa de partido?


Pois mal, PCP. De progressistas sempre tiveram vocês pouco. Mas, parece que agora também de coerentes vão tendo cada vez menos...

P.S. - Essa história do vosso partido satélite "Os Verdes" continuar a falar em "aquecimento global" antropogénico - quando já toda a gente bem informada sabe que isso é uma enorme mentira - gostava eu um dia de entender...

Autoria e outros dados (tags, etc)