Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fahrenheit 451

01.07.18

conhecimento.png

Pois é... E, é por isso mesmo é que a Internet, tal como a conhecemos, tem os seus dias contados. Para além de que, até no que toca aos próprios livros, tudo o que é informação está a ser movido para computadores e formatos electrónicos que possam ser acedidos (i.e. vigiados e controlados) através da Internet.
(Fotografia de ecrã tirada deste trecho de promoção.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:42

Dois melhores exemplos de como conseguem os média controlados alterar eficazmente a percepção de factos entre as novas gerações

28.06.18

(Três tweets que fiz no passado - em resposta a um outro de um conhecido autor - seguidos de um muito bom vídeo que hoje descobri no YouTube.)

reps+dems+nazis.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:16

O que realmente aconteceu a Anthony Bourdain

19.06.18

Assunto: Anthony Bourdain foi morto

(Estava prestes a usar a sua série de televisão para denunciar tráfico sexual de crianças - no qual as elites estão, por norma, envolvidas: https://www.zerohedge.com/news/2017-01-25/clinton-silsby-trafficking-scandal-and-how-media-attempted-ignorecover-ithttps://twitter.com/EstulinDaniel/status/926957171564167168https://twitter.com/EstulinDaniel/status/926958967904911360https://sputniknews.com/europe/201508051025409195/ + http://www.dailymail.co.uk/news/article-4238188/Sir-Edward-Heath-paedophile-says-police-chief.html)


A seguinte entrevista foi feita a um radialista com 24 anos de carreira - e que é descrito pelo próprio Donald Trump como tendo uma "reputação fantástica" (https://www.youtube.com/watch?v=FJqLAleEnKw).



(No fundo, é uma história semelhante à que conta este radialista acerca do realizador Stanley Kubrick - https://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=157208.msg935683#msg935683 - de quem tal muito conhecido apresentador é amigo de uma das filhas: https://www.youtube .com/watch?v=UoDKg8nHI1U#t=8m23s)

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Morte"

02.06.18

death.png

Um pormenor em que reparei melhor, depois de ter hoje arranjado tempo para ver, uma segunda vez, o filme A Fábrica de Nada, à procura de possíveis "assinaturas" e também de pormenores que me tivessem escapado.
(Reparem, sobretudo, em como o "A" da palavra foi convenientemente convertido em triângulo...)
O cartaz em causa faz-me lembrar (em muito) um outro, presente num outro filme onde também se fala português.
Sendo de um cartaz de promoção de um filme que se trata, suponho que tenha sido o colectivo de realizadores quem escolheu incluir o mesmo na cena.
Também, desta segunda vez, pude reparar que (muito discretamente, em letras muito pequenas) é mesmo no final do genérico dito que esta obra foi financiada pela "RTP" e pelo "Instituto do Cinema e Audiovisual" (ambas instituições sob a alçada do Ministério da Cultura).
A escolha do cartaz ainda posso admitir que se trate de mera coincidência... Mas, o referenciado "apoio financeiro" da parte do próprio Estado, tirou em mim quaisquer dúvidas que ainda pudesse eu ter quanto à verdadeira natureza deste filme.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Fábrica de Nada

29.05.18



No decorrer de um inevitável processo de Colapso económico e desindustrialização (que está à beira de se tornar muito pior) e também já no início de uma era de transição para a mão-de-obra robótica em trabalhos fabris, parece este filme querer dar a dica (obviamente errada e tardia, que levará a um beco sem saída) de que, a maneira de se lidar com este inevitável Colapso industrial, é simplesmente entrar agora em autogestão nas várias fábricas, ignorando as actuais situação e evolução económicas, assim como a necessária adaptação à nova realidade tecnológica.
Como alguém que possui um passado anarquista, este filme provoca inevitavelmente em mim sentimentos mistos - pois, passando ao lado do seu modo de produção claramente não-anarquista e da altura em que este surge, tem também o próprio filme vários aspectos que considero negativos, maioritariamente associados à aplicação prática do conhecido (e notoriamente autodestrutivo) lema "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" (ou, neste caso, "Punk Rock").
Para além de que, parece esta obra criar uma atmosfera maioritariamente distópica e sombria.
E, o facto de ter sido este um filme que foi, muito estranhamente, premiado, bastante elogiado e até promovido internacionalmente pela imprensa controlada, leva-me logo a ficar "de perna atrás" com o mesmo e a suspeitar que possa este constituir uma tentativa de colar tais aspectos negativos à muito positiva experiência original, que o filme diz querer homenagear - ao mesmo tempo que, acima de tudo, seja este uma tentativa de promoção da subcultura decadente que retrata.
Também, logo a começar pela sua parcial origem duvidosa, num muito estranho e contraditório centro social que recebe dinheiro da Comissão Europeia (e onde se promovem conhecidos falsos movimentos controlados, a degradação cultural, a confusão sexual, uma sociedade pós-industrial, a abolição das fronteiras e se disseminam mentiras ecológicas, entre outros claros objectivos do poder estabelecido) inspira esta obra em mim tudo menos confiança e crença nas boas intenções de quem a criou.
No dia em que surga, em Portugal ou qualquer outro país do Mundo, um filme produzido de modo anarquista e que queira realmente promover o Anarquismo, retratando-o de modo essencialmente belo, funcional, verdadeiramente consciente, indubitavelmente sério e mesmo muito positivo, não associando esta ideologia e prática política a subculturas decadentes, poderei então eu encarar tal possível obra com outros olhos.
Até lá... É este filme, para mim, mais um que não tem valor e que assenta maioritariamente na negatividade e na crítica destrutiva e inconsequente, como tantos outros de natureza cínica que nos impinge a imprensa controlada - e também mais um que foi (quase certamente) feito com segundas intenções (que, infelizmente, quem aceitou nele participar e pensa estar a agir contra o "sistema" é incapaz de atingir - por não ter lido um muito importante livro).
Até o próprio nome do filme parece querer instilar a ideia inconsciente, entre quem o vê, de que o resultado final de quando se envereda por um modelo de autogestão é... "Nada".
(Vejam também este cartaz.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O conceito de "bugdoor" explicado num filme da série "Star Wars"

20.05.18

bugdoors.png

 

Há anos que eu ando a avisar a comunidade e o movimento do Software Livre de que, o facto do código-fonte dos vários programas e sistemas operativos ser aberto não é, por si só, uma garantia de relativa segurança... Pois, se o facto de ser conhecido o código-fonte de um software elimina praticamente a possibilidade de se colocarem nele "portas dos fundos" (ou "backdoors") sem estas serem detectadas, ainda que seja todo o código capaz de ser inspeccionado, isso não quer dizer que não possa o mesmo ter grandes falhas de segurança.
O que eu estou aqui a dizer não é propriamente uma novidade, é certo. Pois, sejam elas pequenas ou grandes, falhas de segurança são repetidamente descobertas, por terem sido inadvertidamente criadas pelos autores do Software Livre em causa.
Mas, e se forem tais falhas criadas propositadamente?
É aqui que entra o conceito de "bugdoor" (em oposição ao de mero "bug").
Imaginemos que somos alguém que quer sabotar o seguro funcionamento de um sistema operativo ou mero programa, mas não podemos simplesmente colocar uma "backdoor" no mesmo, por ser o código-fonte passível de ser inspeccionado por quem vai usar tais sistema operativo ou programa.
Não há então possibilidade de se instalar uma "backdoor" sem esta ser detectada?
Muito bem, cria-se então uma "bugdoor"...
Isto é, cria-se (propositadamente) uma falha algures no sistema que queremos tornar vulnerável - mas, uma falha quase que escondida numa parte particularmente complexa do software, que torne a sua detecção tão difícil quão complexa seja essa mesma parte do software.
Soa rebuscado?
Não sou apenas eu que consigo pensar numa coisa destas (e, recorrendo à lógica elementar, concluir que, se consigo eu lembrar-me disto, certamente que conseguem também os inimigos da Privacidade e da Segurança fazer o mesmo). Pois, este mesmo exacto conceito acaba de ser revelado num filme de ficção, que faz parte de uma muito conhecida série de cinema.
E, assim sendo, convido então todos os que queiram saber mais do que estou eu a falar a verem (ou se informarem sobre a essência da história de) o filme Rogue One: Uma História de Star Wars - e a compararem depois o que nele é descrito com os avisos que já fazia eu <aqui>, <aqui><aqui> e também <aqui>.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O filme "Amerigeddon" num dos canais da TV por cabo em Portugal

18.05.18

amerigeddon.png

(Tendo eu visto este filme anteontem, quem tiver também caixas de televisão da NOS e uma assinatura que inclua o canal de TV em causa, "AMC", ainda vai a tempo de ver o filme, pelo menos, nos próximos 5 dias.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 08:27

Isto é o que acontecerá ao Mundo em caso de uma Guerra Nuclear

14.04.18

nuclear_tweet.png

O seguinte é um trecho de promoção da melhor versão (a de 2000 e não a de 1959) do melhor filme que já vi, sobre a possibilidade de uma guerra nuclear neste mundo, que possui o mesmo título do livro em que se baseia, On the Beach.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dunquerque e Segunda Guerra Mundial explicadas em 5 "tweets"

13.03.18



(Por ser este um filme que ainda não passou nos canais de cinema da TV por cabo, ainda não o vi. Mas, tendo sido realizado por Christopher Nolan, arrisco-me já a "pré-recomendá-lo" - por pensar que será, certamente, mais um bom filme deste realizador, que estou muito curioso em ver.)

Deixo então aqui, a propósito desta obra e da temática de uma colocação que fiz há poucos dias, uma pequena série de 5 tweets que fiz, em resposta a um outro da conta "Crimes of Britain" que se referia à famosa retirada de Dunquerque como um episódio cobarde, por parte dos britânicos.

(Já agora, o que é dito por vários historiadores, que Hitler "deixou" que os britânicos fugissem, é um mito. Pois, tal como melhor explica o historiador David Irving, o que aconteceu foi que, vendo os britânicos encurralados e não como um obstáculo, estavam os alemães mais preocupados em prosseguir com a Blitzkrieg na restante França e deixaram a luta com os britânicos para mais tarde. Pois, não esperavam os alemães que os britânicos fossem retirar, por pensarem que os britânicos estavam realmente interessados em combater os alemães naquela altura. Mas, o que já muita gente sabe, actualmente, é que não era essa a intenção, a médio prazo, dos britânicos... E, quem duvidar do que eu digo nos seguintes tweets, que espreite então o que é dito neste vídeo.)

https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/861314311372902400
https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/861314994067177473
https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/861315833129312258
https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/861327915375636485
https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/861329486406615041

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 16:21

Negação

07.03.18



Neguei-me a ver mais do que os primeiros 5 minutos(?) deste filme...
Pois, com o autor em causa a ser logo retratado como uma pessoa sorrateira e inconveniente (que fala - e em tom agressivo - com quem não quer falar com ele) a distorção dos factos, logo no início do filme, foi tanta, que não fui capaz de assistir a mais.
Quem quiser ouvir o que tem este historiador a dizer sobre a confrontação que é retratada no início do filme, pode ver o seguinte vídeo.



O homem nem sequer nega o que a maior parte das pessoas se refere a como o Holocausto, ou que tenham sido pessoas mortas por gás.
Apenas, é um historiador sério e honesto que, para além de ter descoberto várias mentiras sobre e também muito importantes omissões em o que, ainda hoje, é a história oficial da Segunda Guerra Mundial, após 30 livros publicados sobre a mesma, descobriu uma grande mentira sobre o que é dito às pessoas que se passou no conhecido campo de concentração de Auschwitz.
Não se fiquem, por isso, por apenas alguns vídeos que podem encontrar no YouTube e vejam tantos quanto puderem. Pois, irão ficar a saber de muitos aspectos interessantes sobre o que realmente se passou nesta muito marcante guerra.
O sítio oficial deste (ultrademonizado pela imprensa controlada) muito bom historiador é <este>.

Autoria e outros dados (tags, etc)