Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sem comentários

05.10.20

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manifestantes contra o Estado Policial na Europa não são fascistas

30.08.20

(E, mesmo que fossem, não seria necessariamente por isso que não poderiam ter razão, ao fazer protestos desta natureza específica...)

Para não variar (pois, isto não é novidade alguma para quem participa em manifestações "anti- -sistema" e depois lê relatos que contam até mentiras incríveis e descaradas sobre o sucedido) os média de massas mentiram sobre a natureza das manifestações ontem ocorridas, na Europa, de pessoas que são contra os confinamentos obrigatórios, por causa da suposta pandemia.

(Que tenham também participado fascistas nestas manifestações, não me surpreenderá, se tal for efectivamente verdade. Mas, daí a descrever todos os manifestantes, ou a maioria destes, como fascistas... É como estar a descrever as manifestações anti-austeridade, que ocorreram há alguns anos cá, nas quais o PNR também quis marcar presença, como manifestações de fascistas.)

E, para provar tal mentira, aqui ficam dois vídeos: um sobre a manifestação ocorrida na Alemanha; e outro sobre a manifestação ocorrida no Reino Unido.

No primeiro vídeo, temos um discurso de Robert F. Kennedy Jr., conhecido crítico das vacinas e membro da muito conhecida família Kennedy, que lutou contra o Fascismo na 2ª Guerra Mundial.



E, no segundo vídeo, podem ouvir e também ver discursar Piers Corbyn, conhecido denunciador da falsidade do "aquecimento global antropogénico" e (tal como o seu irmão, Jeremy Corbyn, que até recentemente era o líder do Partido Trabalhista britânico) um conhecido socialista.



E, já agora, porque os média de massas se queixaram de tal coisa...
O uso de máscaras (seja em espaços abertos ou até mesmo em espaços fechados) é praticamente desnecessário. E, como prova de tal, têm a seguinte compilação de artigos científicos: https://vaxxter.com/wp-content/uploads/2020/07/Masks-Final.pdf

Autoria e outros dados (tags, etc)

MUITO BOM debate sobre Islamismo, de visionamento obrigatório

25.02.20

(Sobre a importante questão relacionada da enorme imigração islâmica que tem ocorrido para a União Europeia, têm também aqui e aqui o que eu, pessoalmente, penso sobre este preocupante assunto.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por isto faz o Ocidente da Amazónia uma questão internacional

23.08.19

(A voz que se ouve no vídeo acima colocado é a do Dr. Enéas Carneiro. E, podem saber mais sobre como o Ocidente está de olho nas riquezas minerais do Brasil, através das ONG ocidentais ditas ecologistas, aqui.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:55

Mais uma suposta interferência russa, agora nas eleições europeias

18.06.19

russians.jpg

(E, porque a estupidez e a ignorância humanas não têm limites...)
Ainda que tenha sido há pouco tempo demonstrado que a anterior suposta interferência russa em eleições não era verdade... Porque há sempre quem acredite em tudo o que figuras de autoridade lhe dizem, é então de usar outra vez o mesmo tipo de mentira, por saber que a mesma irá pegar.
Segue-se um comentário que eu deixei à notícia de que a "Rússia usou as redes sociais para fomentar a abstenção nas Europeias".
Sendo que, se digo eu que o meu "desmentido" é ao estilo de imprensa controlada, como tal, não tenho de apresentar provas algumas do que digo - e é suposto as pessoas acreditarem nas várias afirmações que faço, só porque sim, ou porque muitas outras pessoas também o fazem.
E, se por acaso alguém for capaz de descobrir, por si próprio, provas que desmintam alguma das afirmações que faço, então esse alguém é, obviamente, um "teórico da conspiração".

 

Escassos meses depois de ter sido provado que a suposta interferência russa nas eleições estadunidenses não passava de uma enorme Mentira, eis que temos uma outra suposta interferência russa em eleições, relativamente à qual, uma vez mais, não são apresentadas provas...

E, como sempre, temos também toda uma enorme quantidade de massa humana que nunca questiona nada do que o poder estabelecido lhe diz – pois, todos sabem que a classe política nunca mente.

Mas, já agora, para essa mesma gente, aqui vai alguma “verificação de factos”, ao estilo de imprensa controlada:

– Quanto mais centralizado o poder estiver, mais democrático este é. E, esta é uma verdade universal.
– É no Parlamento Europeu que está o verdadeiro poder. A não eleita Comissão Europeia decide sobre assuntos meramente secundários.
– Viriato era um agente russo. E, já nas primeiras resistências dos ascendentes dos portugueses e outros povos à primeira versão do Império Romano, houve manipulação russa dos povos europeus por trás.
– O facto do Tratado de Roma (fundador da União Europeia) ter sido assinado, não só nesta cidade, mas também especificamente no local da cidadela dos primeiros romanos, foi fruto do mero acaso.
– A União Europeia não é de origem parcialmente nazi. Para começar, o facto desta poder ser vista como um IV Reich é pura coincidência. Segundo, o movimento nazi desapareceu completamente e não foi evacuado para a América Latina. E, para além disso, o ouro nazi, de paradeiro oficialmente desconhecido, não foi usado para fundar o Clube Bilderberg, nem este último clube tem alguma coisa a ver com a União Europeia. Também, o facto de já ter sido reportada na imprensa ocidental a presença de nazis em reuniões do Clube Bilderberg é desinformação russa.

Por isso, toca a abdicar da independência nacional e de todos os valores que as gerações anteriores consideravam positivos, pois: tais antepassados morreram para nada; não temos nós obrigação moral alguma de honrar tais antepassados; não foi depois da criação dos estados- -nação, derivada do conceito de Bem-Estar Comum, que se deu a grande melhoria das condições de vida; e cabe a nós fazer antes o contrário do que os nossos antepassados fizeram e deixar aos nossos descendentes uma sociedade (notavelmente) pior do que a que recebemos (tal como já estamos a demonstrar ser capazes de fazer).

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 21:59

Colónias nazis na América Latina

09.04.19

Toda a gente sabe que vários dos oficiais de topo nazis, aquando do final da Segunda Grande Guerra, fugiram para a América Latina, é certo. E, quem tiver lido o que (o coronel dos serviços secretos militares russos) Daniel Estulin tem também "tweetado" sobre este assunto, saberá que não foram apenas alguns militares de topo que foram evacuados para tal continente, mas também o ouro que estes andaram a pilhar durante toda a guerra - assim como (e ainda mais importante) algumas das mais poderosas pessoas, com muito dinheiro, que suportavam (e tinham criado) o regime nazi.
Ora, de acordo com uma investigação recente feita para o Canal de História, esta história tem muito mais que se lhe diga... Pois, não foram só uns poucos nazis de topo que escaparam - mas, toda uma imensa quantidade de importantes e poderosos adeptos desta ideologia, que formaram colónias na América do Sul, em cujos descendentes dos fundadores ainda hoje são adeptos desta ideologia.
A seguinte é uma entrevista feita a um dos autores desta série de documentários.

(E, se procurarem no YouTube, poderão lá encontrar vários trechos de promoção desta série.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando são os próprios editores dos média de massas (ou imprensa dita de referência) que admitem que as suas publicações mentem

21.03.19

corporate_media.png

 

Dois comentários que fiz à notícia de que Apple se juntou recentemente à campanha de tentativa de desacreditação da informação não emitida pelos grandes interesses económicos.
(Sendo que, se consultarem os outros comentários que deixei a tal notícia - de resposta a comentários de outras pessoas - poderão ver como me defendi eu do que outros diziam.)
A primeira citação é de um caso para o qual aqui já chamei a atenção. E, a segunda citação é de uma situação específica no campo científico (que, obviamente, se pode estender ao restantes ramos deste campo do conhecimento) que eu citava em correspondência privada, quando avisava os outros da propaganda mentirosa sobre vacinas.

 

Certamente, uma iniciativa de treta...

Em que, como fontes “credíveis” que sirvam para averiguar a veracidade dos factos, serão usados os média de massas (ou serviços de “verificação de factos”, controlados pelos mesmos grandes interesses económicos) – esses sim, os maiores mentirosos que existem:

“...taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”
--- Dr. Udo Ulfkotte, ex-editor do Frankfurter Allgemeine Zeitung (a descrever como a classe jornalística ocidental *mente* e escreve o que o poder estabelecido lhe diz para escrever – admissão esta, feita quando sabia ele que já lhe restavam poucos meses de vida)

 

*

 

Sobre as questões mais científicas, relativamente às quais só quem tiver conhecimentos específicos suficientes é que poderá estar em posição de avaliar a credibilidade ou não do que é reportado... Podemos confiar nas mais conhecidas publicações dos respectivos ramos?

“It is simply no longer possible to believe much of the clinical research that is published, or to rely on the judgment of trusted physicians or authoritative medical guidelines. I take no pleasure in this conclusion, which I reached slowly and reluctantly over my two decades as an editor of The New England Journal of Medicine.”
--- https://en.wikipedia.org/wiki/Marcia_Angell

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 23:24

Mais uma prova de que os média de massas emitem notícias falsas

20.12.18

der_spiegel.jpg

 

Fraud ‘on grand scale’: Top journalist at reputable German magazine faked his stories for YEARS

[RT] 19 Dec, 2018

One of Germany’s most popular papers, Der Spiegel, has found itself at the center of a scandal involving one of its top reporters who was caught fabricating elements of his stories.

Claas Relotius, who worked at Der Spiegel as a freelancer for 6 years until receiving a staff position in 2017, seemed to be a paragon of modern journalism. The 33-year-old has received numerous prestigious journalism awards, both in Germany and abroad.

Just this December he was awarded a prize by the German reporter’s association for his story about the life of a child in Syria. In 2014, Relotius was warmly welcomed by CNN who named him ‘Journalist of the Year.’

However, his seemingly brilliant career has turned out to be a house of cards that is now falling apart, just as it had with Stephen Glass, a former staff writer at the New Republic who authored one of the most spectacular fabrication campaigns in the history of American journalism.

It was recently revealed that Relotius literally made up details in his stories and even “invented protagonists” – people he had never met in person.

One of his colleagues who was working with Relotius on a story about the situation on the US-Mexican border grew suspicious of some of the details in the journalist’s report. The man then tracked down two alleged sources Relotius quoted extensively in his text, only to find out that none of them ever actually met him.

The subsequent investigation by Der Spiegel into Relotius’ activities also uncovered that he fabricated details in another story including a claim that he had seen a sign in a US town that read: “Mexicans keep out.” When faced with the incriminating evidence, the journalist confessed to faking elements of his texts – not just in one story, but in a number of them.

So far, at least 14 stories out of almost 60 pieces the journalist wrote for Der Spiegel’s print and online editions turned out to contain fake details, the magazine said, adding that that figure might potentially be higher, and warning that other media outlets might also be affected.

Over the years, Relotius worked for about a dozen German news outlets, including the well-known Die Welt, Die Zeit and Financial Times Germany. Notably, the list of his stories that were proven to be at least partially fake included several pieces that had won journalism awards, including stories about Iraqi children kidnapped by Islamic State and prisoners in Guantanamo.

In a lengthy article which serves as both a clarification of the case and an apology, Der Spiegel said it was “shocked” by the discovery and offered an apology to its readers along with all those affected by Relotius’ articles. It also described the situation as "a low point in Der Spiegel's 70-year history."

Relotius, who resigned after the fraud came to light, told Der Spiegel that he regretted his actions and felt “deeply ashamed.” Meanwhile, the magazine’s management has set up a special investigative commission consisting of what it calls “experienced internal and external persons” to look through all of the journalist’s pieces and prepare recommendations to improve “safety mechanisms.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:05