Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O meu parecer relativo à polémica sobre equipamentos da Huawei

31.03.19

huawei_reuters.jpg

[Dois comentários que deixei a esta notícia. Aos quais acrescento já que, sobre a questão da possível espionagem, é minha crença que as "portas dos fundos" existentes neste tipo de equipamentos (sejam elas a nível de hardware ou de software) serão partilhadas entre os vários governos em causa...]

 

«Estarão estes estudos a tentar descredibilizar propositadamente a Huawei?»

Muito provavelmente...

Já repararam até na coincidência de que tudo isto surge logo depois de que a Huawei destronou a estadunidense e ocidental Apple do lugar de segunda maior vendedora mundial de telemóveis?

Querem-nos fazer crer que a concorrência também não terá tantos ou mais problemas quanto os que foram identificados?

A Huawei, pela sua superior qualidade dos equipamentos (e também melhor relação qualidade-preço) sempre esteve destinada a chegar ao topo. E, disto me apercebi eu logo quando, por meros acaso e coincidência, o meu primeiro smartphone foi exactamente um Huawei, que muito me impressionou pela sua qualidade.

(Reparem em como quase metade dos telemóveis, e outros equipamentos, que são lançados pela estadunidense Apple, têm sempre problemas. Ou, comparem um ecrã IPS do último modelo “iPad mini” da Apple com um ecrã IPS dos primeiros modelos de smartphones da Huawei – e vejam quais é que, depois de todos estes anos, ainda continuam a ter uma qualidade superior.)

Os governos ocidentais têm acordos secretos com as companhias de telecomunicações, que obrigam estas companhias a cumprir certos requisitos para poderem vender nos países de tais governos. Por exemplo, nos telefones analógicos antigos, era obrigatório deixar dentro dos mesmos espaço suficiente para a colocação de aparelhos de escuta, caso fosse necessário. Ora, acham que se representassem estes equipamentos de telecomunicações de multinacionais estrangeiras algum perigo para a segurança dos países em causa, os governos de tais países alguma vez teriam deixado tais marcas venderem equipamentos no seu território? E que, a detectarem realmente tais governos qualquer problema sério, não poderiam obrigar as marcas em causa a resolvê-lo – e que tais marcas não o fariam prontamente, para não perderem o tão grande mercado em causa?

Ora, na falta de uma real razão para poderem correr com as *concorrentes* chinesas Huawei e ZTE, que lhes têm vindo a conquistar uma grande fatia do mercado, têm então os grandes interesses económicos ocidentais, que controlam os nossos governos e média de massas: (1) ou de se ficar pelo mero lançamento de suspeitas; (2) ou, no caso dos EUA, ir até mais longe, sem nunca poderem então apresentar provas das suas alegações...

 

*

 

Ainda, sobre o que dizia eu de que “os governos ocidentais têm acordos secretos com as companhias de telecomunicações, que obrigam estas companhias a cumprir certos requisitos para poderem vender nos países de tais governos”,

Se alguém duvida do que eu digo, tem no seguinte pequeno trecho de vídeo uma prova disto mesmo: https://cld.pt/dl/download/a0c3f4c1-09d1-4308-ad08-d2702c7304ec/la_huida.mp4

(Obviamente que, as “portas dos fundos” e afins, que venham nos equipamentos de telecomunicações, serão partilhadas com os governos dos países onde tais equipamentos são vendidos...)

 

[Acrescentado, algumas horas depois: E, tendo alguém feito um comentário a tal notícia, ao qual eu entretanto também respondi, aqui fica mais algo que gostaria de acrescentar...]

 

«...existência de backdoors nos produtos da Huawei. A confirmar-se, é grave.»

*Todos* os smartphones vêm com “portas dos fundos” incluídas.

(Não faria sentido algum aos governos dos vários países, que é sabido quererem espiar os seus cidadãos, permitir a venda de equipamentos que garantissem uma real privacidade dos seus utilizadores.)

Apple, Samsung, Xiaomi, Google... Todas vendem (também) equipamentos, ou sistemas operativos, com “portas dos fundos” incluídas: https://www.gnu.org/proprietary/proprietary-back-doors.en.html

(“Divirtam-se” a consultar a extensa e elucidativa lista, para a qual aponta a última hiperligação...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:28


1 comentário

Imagem de perfil

De Fernando Negro a 16.05.2019 às 14:40

E, para quem pense que os propostos acordos de não espionagem (que mencionei no meu anterior comentário) possam contradizer o que eu disse, na minha colocação original, sobre "portas dos fundos" presentes nestes equipamentos, venho só acrescentar que,

O que eu suspeito, é também que as "fechaduras" de tais portas possam ser modificadas pelos governos dos países onde estes equipamentos são vendidos, de modo a que só estes tenham as "chaves" em causa (embora, como em tudo, haja sempre o risco de tais "portas dos fundos" serem usadas por outros).

Não me parece que o uso, em si, de tais "portas dos fundos" seja partilhado - e que os governos em causa permitam que potências estrangeiras espiem livremente nos seus países.

Mas, como não tenho fontes privilegiadas neste caso, tudo isto é especulação da minha parte...

comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.