Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Não serás nunca esquecido, herói dos tempos modernos, Ruppert

20.04.14
"Why do we go through this stuff?... And, the answer that I keep coming to, is something that I wrote on Facebook, a couple of months ago... Someone went, 'Why just we don't roll up, and die now, and give up?'... And, I said, 'A warrior in times of great stress, like this, and when facing imminent death' - and, these are my words - 'continues with the daily routines, and the daily rituals, as if there will be a tomorrow, because it holds open the possibility of Victory'."

"And, if I'm happier, now (...) You have to allow me... That I've spent a lifetime earning the right to smile, when I realize that I'm not alone, and I see other really exceptional people rising up, and be innovating, and kicking ass, and
leading..."

"There are people who would lay down, and die. Well, that's not a warrior's path. (...) The warrior's way... You fight until the last minute."


--- Michael C. Ruppert (1951-2014)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 20:46


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Fernando Negro a 20.04.2014 às 21:56

E, como poderão ver, se clicarem na hiperligação que se encontra no final da colocação...

As citações que fiz, são tiradas de um documentário, lançado no início deste ano, onde se pode ver tal autor a falar sobre o quão feliz estava finalmente a conseguir ser - e a falar também sobre como a "maré" está a mudar e muitas pessoas estão a começar a "acordar".

O simplesmente achar que um "fim de vida" - individual ou colectivo - poderá estar iminente, não é razão para alguém não querer viver mais... Muito pelo contrário, faz até muitas pessoas quererem aproveitar (ainda mais) o pouco tempo que cá estão...

Que somos todos mortais e que todos iremos um dia morrer, é uma certeza. Mas, não é o saber que o fim poderá estar mais ou menos próximo, que nos faz ter um maior ou menor grau de felicidade momentânea ou duradoura - das tantas de que é feita a Vida.

O ano mais feliz da minha vida, até, passei-o eu (também rodeado de Natureza, na sua maior parte, e) também numa altura em que estava eu convencido de que o Mundo, tal como o conhecemos, estava, em grande parte, à beira de um "fim". (Sabendo eu, no entanto, agora, de algumas "luzes ao fundo do túnel", que indicam que não é possivelmente esse o caso...)

Vejam, até, o caso de tanta gente a quem é diagnosticada uma doença mortal e da atitude que tem a esmagadora maioria delas, de aproveitar ao máximo a sua vida e dizer aos outros que façam sempre o mesmo.

A atitude de Ruppert era, claramente, esta... E, pode-se ver que, mesmo dentro da sua visão pessimista do Mundo, estava ele a conseguir encontrar a felicidade - ao lado, até, de uma companheira.

Tudo isto, juntamente com a sua declarada intenção de nunca desistir - tal como é claramente expressa nas citações que eu incluo, na colocação que fiz - não encaixa bem com uma qualquer decisão de querer agora, simplesmente, desistir de tudo - mudando de personalidade e de atitude que sempre teve - e querer morrer.

comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.