Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Como confiar na Polícia, neste país?

18.04.18

Respeito e consideração é algo que, logo por volta dos meus 14 anos, perdi pelas várias polícias deste país - não só pelas histórias que ouvia eu, do que fazia a Polícia na minha freguesia, como também devido ao que eu próprio, enquanto adolescente, não só testemunhei mas também fui vítima de. (E, de modo algum deixaram este tipo de histórias negativas de chegar ao meu conhecimento, através de pessoas próximas, depois de ter eu entrado em plena idade adulta.*)
E, saber de um polícia que mente em Tribunal não é para mim novidade alguma. Mas, sendo o seguinte um caso que é do conhecimento público, torna-se então agora este um fenómeno que passa a ser do conhecimento geral - e sobre o qual posso aqui elaborar um pouco...
A sorte dos agredidos, neste caso, foi que as agressões foram gravadas em vídeo. E, assim sendo, sobre as agressões em si, não pode a Polícia mentir. Mas, se não pode a Polícia, neste caso, mentir sobre as agressões, pode sempre inventar uma desculpa ridícula para o sucedido.
E, reparem bem no posto da entidade em causa: este não é um polícia qualquer - mas, antes um subcomissário desta instituição. E, se isto é como se comporta um subcomissário... Podem todos facilmente deduzir como se comporta toda a instituição.

 

 

Subcomissário alega ter sentido “medo” para justificar agressões a adeptos em Guimarães

 

* (E isto, já para não falar do caso específico da polícia de choque e de vários conhecidos episódios de cargas policiais gratuitas - incluindo espancamentos - que é sabido terem ocorrido neste país.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

colocado por Fernando Negro às 01:45


3 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Negro a 18.04.2018 às 02:47

E, não é apenas isto...

De várias vezes que sei que foram polícias apanhados a abusar de, ou a espancar, pessoas de modo gratuito, a reacção dos mesmos foi ameaçar as vítimas ou testemunha para não contarem a ninguém o sucedido.

Na minha família e amigos próximos da mesma, de entre os oficiais militares de topo que fazem parte de tal círculo, só oiço falar (muito) mal da Polícia.

O avô do meu melhor amigo de adolescência, que era pai de uma conhecida figura neste país, era uma pessoa que odiava polícias.

E, de cada vez que me é relatado, por alguém próximo, um episódio de interpelação policial - ou até mesmo de um pedido de ajuda a polícias - a maioria das vezes é mais uma história negativa que oiço.

Eu sei que há polícias honestos, que têm respeito pelas pessoas e que fazem o que é suposto. Mas, infelizmente, da maior parte das vezes que me são contados episódios de interacção com os mesmos, a avaliação final é a que já se sabe...

(Mas, também, num país de "panhonhas" como este - em que ninguém refila por causa de nada - o que era de esperar? Obviamente que se sente este tipo de gente à vontade para abusar dos outros...)
Imagem de perfil

De Fernando Negro a 18.04.2018 às 15:25

Um outro exemplo de Polícia que não faz o que é suposto:

https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/909816216834990080

Se não serve a Polícia para prender os criminosos relativamente aos quais toda a gente sabe, antecipadamente, que vão cometer mais crimes... Então serve para quê?
Imagem de perfil

De Fernando Negro a 22.04.2018 às 18:39

Respondendo eu próprio à questão que fazia no comentário anterior - e, sabendo que há polícias honestos, mas que (tal como digo eu, numa outra colocação que acabei de fazer: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/como-confiar-na-justica-neste-pais-136989) "se reprime a Justiça [ou sistema judicial] criminosos que também têm como vítimas os cidadãos comuns, é porque esses criminosos representam também um perigo para as elites que beneficiam deste sistema", deixo também aqui uma outra citação do que já dizia eu, no passado, enquanto jovem que tinha acabado de despertar a sério para as questões políticas:

"A polícia não protege os cidadãos. Vigia-os a reprime-os para proteger sim, os interesses e impor as vontades das elites."

comentar colocação