Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"Invista numa Economia em Colapso. Compre papel comercial."

18.10.19

Um anúncio dirigido a otários mal-informados, que nem ideia fazem do que aí vem - e que, para além disso, tenham a conhecida "memória de peixe" típica de quem repetidamente vota em partidos do sistema (e não se lembrem, por isso, de que esta é a mesma Mota-Engil cujas acções colapsaram, na Bolsa de Lisboa, em 2016).
Um segundo "caso BES" a ocorrer perante todos, que irá permitir aos actuais detentores do capital passarem a mais-que-prevista grande perda de valor - ou mesmo falência - para os novos, armados em capitalistas espertalhões, que queiram (supostamente) fazer dinheiro fácil à custa do trabalho dos outros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:26

Apenas um extra: Não existe tal coisa como uma "camada do ozono"

28.09.19

ozono.jpg

[Junção de dois comentários que fiz a uma notícia de que o "Buraco na camada de ozono está a ficar mais pequeno"...]

 

Não existe, nem nunca existiu, tal coisa como uma “camada de ozono” – i.e. a presença de ozono na atmosfera nunca foi uniforme: https://edisciplinas.usp .br/mod/resource/view.php?id=1616921

É mais uma falácia ambientalista. Esta, uma que surgiu porque as patentes para os gases de refrigeração que são outorgadas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) duram 20 anos. E, tendo as patentes dos CFC expirado nos anos 1980, foi preciso criar um pretexto para que as pessoas fossem obrigadas a usar novos gases de refrigeração (os HFC) e continuassem a pagar pela propriedade intelectual de tais gases.

(Oiçam e leiam o que têm a dizer, por exemplo, o climatologista Prof. Ricardo Felício ou o meteorologista Prof. Luiz Molion.)

As moléculas de CFC são mais pesadas do que o ar. E, por isso, tendem a descer aos níveis inferiores da troposfera. Ou seja, por serem demasiado pesadas, as moléculas de CFC não sobem até à estratosfera, onde está localizada a suposta “camada de ozono”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sindicalismo de curtos horizontes nunca irá resolver as coisas

22.08.19

greve-motoristas.jpg

(Óbvia justeza de, e óbvia solidariedade que se deve ter para com, as recente e futura greves deste sindicato de camionistas à parte... Venho só chamar a atenção de que,)

O sindicalismo reformista (em oposição ao revolucionário, praticado por comunistas e anarquistas, que pretende também implementar uma alternativa política) não resolve, nem nunca irá resolver, realmente os problemas...
Pois, todas as "conquistas" feitas são sempre meramente temporárias, podendo ser retiradas quando o Povo está desatento - sendo uma boa prova disso mesmo, o enorme retrocesso que houve após a privatização da Galp, com estes camionistas hoje, em pleno século XXI, a trabalhar em condições que mais fazem lembrar o século XIX.
Para além de que, por ser este tipo de sindicalismo praticado por pessoas que não têm verdadeira consciência política, há sempre toda uma outra série de maneiras através das quais os trabalhadores poderão ser atirados de volta para a miséria, das quais estes não têm conhecimento.
Segue-se um comentário que hoje deixei a mais uma colocação da historiadora Raquel Varela sobre a anunciada nova greve dos camionistas.

 

«E aqui reside toda a questão da justiça – para que serve um Estado se não é para garantir uma sociedade de bem-estar?»

O que ainda temos, serve claramente – tal como no caso dos regimes assumidamente fascistas – para que o Grande Capital possa, através desse mesmo Estado, melhor controlar as pessoas.

Mas, no regime neofeudalista que está planeado (pelo Clube Bilderberg e afins: https://twitter.com/EstulinDaniel/status/1096448713419964416) com as multinacionais a serem os novos senhores feudais, irá o Estado ser praticamente extinto, para que fiquem as pessoas quase totalmente à mercê dos seus novos senhores feudais – o que está a ser já conseguido através da falência propositada dos Estados, causada pela contracção de dívidas que toda a gente bem informada sabe serem impagáveis.

E, quando tal acontecer efectivamente, não irá haver leis do Estado às quais os trabalhadores explorados possam mais recorrer para se defender.

Disto (e doutras coisas) anda a avisar um conhecido investigador, cujo documentário até já passou na RTP: https://www.rtp.pt/programa/tv/p34917

Mas, como este tipo de sindicalistas ocupam os seus tempos livres a ver futebol, em vez de a informarem-se sobre o que é importante – ou a pensar em alternativas políticas...

(E, que tal nacionalizar a indústria petrolífera, para acabar de vez com estes problemas?)

...Boa sorte, a estes, para tentar impedir tal de acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 11:57

OTAN com (muita) dificuldade no recrutamento em Portugal

20.07.19

Chefe das Forças Armadas diz que a situação “é insustentável”

 

Como filho e neto de quem serviu nas Forças Armadas portuguesas (tendo inclusivamente ambos os meus antepassados mais recentes, na ascendência do meu cromossoma Y, sido condecorados em tal serviço) aproveito para (partilhar também, até porque sei que não sou, nem de perto, o único filho de um oficial militar que não quis ser também militar e que tem até uma impressão negativa das actuais Forças Armadas portuguesas, em particular) perguntar e dizer o seguinte:

1) De que maneira é que as Forças Armadas deste país nos protegem de invasores, quando temos uma base militar estrangeira em território nacional e já chegámos ao cúmulo de ter até uniformes de tropas portuguesas com descrições das unidades em língua estrangeira?

2) Proteger ou defender a Pátria, era o que se fazia antigamente, antes de nos termos tornado fantoches dos anglo-americanos - pois, por exemplo na Guerra do Ultramar (ou o que lhe quiserem chamar) ainda se podia justificar a mesma como sendo para defender o que era considerado território português de guerrilhas-fantoche de potências estrangeiras, que visavam o acesso aos recursos naturais de tal território. Servindo agora as presentes Forças Armadas, irónica e também traiçoeiramente, elas próprias como fantoches de uma dessas potências (os EUA, pela qual fomos parcialmente conquistados) no seguimento da mesma política de controlo de recursos naturais. (E, já o disse noutro sítio e repito aqui: "Patriota é quem defende o seu país de exércitos estrangeiros. Quem invade outros países não é patriota, é imperialista.")

3) Para além de algumas reservas de lítio significativas, Portugal não tem recursos naturais de interesse (o pouco petróleo que temos fica a dezenas de quilómetros da costa). E, como tal, ninguém quer invadir um (atraso de) país destes - e, com isso, estar a contrair uma dívida externa que é impagável. E, a melhor prova de que este é um país que não interessa a ninguém, está na quantidade de nativos que o têm abandonado nos últimos anos (um exemplo, dos enfermeiros).

4) Se fosse alguma vez instituído novamente o serviço militar obrigatório neste país, enquanto fizer o último parte da (agora ofensiva) OTAN e perseguir políticas (imperialistas) de ataques a países que não representam qualquer perigo para o nosso, prefiro ser FUZILADO a servir nas Forças Armadas da OTAN (que é do que estamos realmente a falar - pois, é praticamente apenas como dependência desta organização, essencialmente estadunidense, que as actuais Forças Armadas têm utilidade).

5) (Baixos salários e más condições de trabalho, que levam muitas pessoas a sair, à parte...) Enquanto não começarem a controlar o acesso à informação na Internet, esta tendência, de não querer ninguém servir nas Forças Armadas da OTAN, só irá aumentar. Visto que, com o muito maior acesso à informação alternativa, proporcionado pela Internet, já sabe muita gente das verdadeiras razões para as várias guerras da OTAN. Tendo sido até depois de ter visto, com os meus próprios olhos, (em 1999?) o famoso "Anexo B" do pretendido Acordo de Rambouillet, disponível na sua totalidade na Internet, que me dei conta da verdadeira natureza (assassina e ofensiva) da OTAN, que mata sem necessidade, para satisfazer propósitos ocultos.

E, depois de dito tudo isto...

Aproveito para desejar QUE SE AFUNDE A OTAN, na sua falta de efectivos - sentida, aliás, também já noutros países da Europa. (Aproveitando também para repetir que, nem na melhor das minhas condições físicas, contassem alguma vez comigo.) Pois, se é para ser:

(a) "carne para canhão" de políticos corruptos, ao serviço do Grande Capital (ver o muito explícito exemplo das multinacionais que retomaram a exploração dos campos petrolíferos da Líbia);
(b) protector de campos de cultivo do ópio (no Afeganistão) e criador de rotas do tráfico de droga;
(c) ou, ainda pior, responsável pelo cerco militar do quase único país decente da Europa (a Rússia, que nunca se rendeu à Nova Ordem Mundial) tendo como consequência, cada vez mais provável, uma Guerra Nuclear que irá resultar na destruição física do Ocidente (causando a morte de quase todos aqueles que supostamente estariam a defender tais Forças Armadas)

...Não, obrigado.

No dia em que quiserem expulsar os EUA da ilha Terceira e deixaram de ser vassalos da (imperialista) OTAN, contudo, podem contar com a minha ajuda.

E, já agora...

VIVA O BRAVO E PATRIOTA POVO RUSSO QUE CONTINUA A RESISTIR EM DONBASS!

(No que toda a gente bem informada sabe ser uma guerra encoberta da OTAN.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Treta da TVI

13.04.19

pinhal.jpg

Faz hoje um ano que a reportagem da TVI intitulada "A Máfia do Pinhal" (na qual é dito que o grande incêndio ocorrido no Pinhal de Leiria, em 2017, terá sido obra da indústria madeireira) foi exibida.
E, passado um ano inteiro, nenhum caso de Justiça surgiu em consequência do que é supostamente denunciado nesta reportagem...
Sou eu o único a achar que a jornalista Ana Leal, da TVI (que, ao aceitar trabalhar para uma estação de televisão destas, revela logo possuir uma inteligência limitada) foi enganada com o que serão falsos testemunhos, de pessoas que (muito convenientemente) não dão a cara e que contam uma história com várias inconsistências?
(Afinal de contas, os supostos testemunhos são material suficiente para um caso que acabe em Tribunal. Logo, por que razão não temos tal caso a surgir na Justiça? Por acaso, foram tais supostas testemunhas entretanto mortas, por terem sido estúpidas ao ponto de anunciar previamente o que podiam também denunciar às entidades judiciais? Por que razão denunciam elas isto à estação de televisão TVI - mas, aparentemente, não à Justiça?)
Sou também eu o único a achar que tudo isto terá sido uma maneira de desviar a atenção do conteúdo da anterior boa reportagem que a mesma jornalista da TVI fez - essa sim, que aponta o dedo aos que deverão ser os verdadeiros culpados de grande parte desta série de incêndios?
(E, sobre o outro maior incêndio que ocorreu no mesmo ano... Que conveniente foi que tenham as autoridades decidido esperar 2 horas(!) antes de accionar os meios aéreos em Pedrógrão Grande - dando tempo ao fogo para muito se alastrar e consequentemente necessitar de um muito maior trabalho de combate ao mesmo... Também, que conveniente foi que a Polícia Judiciária se tenha logo apressado a apontar uma causa falsa para tal grande fogo - e tenha, deste modo, evitado o que teria sido uma enorme revolta popular, face a um incêndio que se insere numa já cansativa série de fogos florestais que toda a gente sabe serem na sua maioria de origem criminosa...)

 

[Nota importante: Eu não enuncio, propositadamente, as restantes inconsistências na reportagem de que falo (para além das principais e muito óbvias, relativas aos supostos testemunhos, que menciono) para com isto tentar estimular alguns neurónios e desenvolver algum sentido crítico, entre quem isto leia. Mas, como é num país de gente muito [explícito] que sei que vivo, já sei que quase ninguém irá ser capaz de topar as mesmas - e também que iremos eternamente assistir a este estranho fenómeno de quem, por sua livre vontade, vota em quem é claramente cúmplice em atentados contra o património nacional e, muito mais importantemente, contra a vida de todos.]

 

tweets_fogos.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 14:06

O meu parecer relativo à polémica sobre equipamentos da Huawei

31.03.19

huawei_reuters.jpg

[Dois comentários que deixei a esta notícia. Aos quais acrescento já que, sobre a questão da possível espionagem, é minha crença que as "portas dos fundos" existentes neste tipo de equipamentos (sejam elas a nível de hardware ou de software) serão partilhadas entre os vários governos em causa...]

 

«Estarão estes estudos a tentar descredibilizar propositadamente a Huawei?»

Muito provavelmente...

Já repararam até na coincidência de que tudo isto surge logo depois de que a Huawei destronou a estadunidense e ocidental Apple do lugar de segunda maior vendedora mundial de telemóveis?

Querem-nos fazer crer que a concorrência também não terá tantos ou mais problemas quanto os que foram identificados?

A Huawei, pela sua superior qualidade dos equipamentos (e também melhor relação qualidade-preço) sempre esteve destinada a chegar ao topo. E, disto me apercebi eu logo quando, por meros acaso e coincidência, o meu primeiro smartphone foi exactamente um Huawei, que muito me impressionou pela sua qualidade.

(Reparem em como quase metade dos telemóveis, e outros equipamentos, que são lançados pela estadunidense Apple, têm sempre problemas. Ou, comparem um ecrã IPS do último modelo “iPad mini” da Apple com um ecrã IPS dos primeiros modelos de smartphones da Huawei – e vejam quais é que, depois de todos estes anos, ainda continuam a ter uma qualidade superior.)

Os governos ocidentais têm acordos secretos com as companhias de telecomunicações, que obrigam estas companhias a cumprir certos requisitos para poderem vender nos países de tais governos. Por exemplo, nos telefones analógicos antigos, era obrigatório deixar dentro dos mesmos espaço suficiente para a colocação de aparelhos de escuta, caso fosse necessário. Ora, acham que se representassem estes equipamentos de telecomunicações de multinacionais estrangeiras algum perigo para a segurança dos países em causa, os governos de tais países alguma vez teriam deixado tais marcas venderem equipamentos no seu território? E que, a detectarem realmente tais governos qualquer problema sério, não poderiam obrigar as marcas em causa a resolvê-lo – e que tais marcas não o fariam prontamente, para não perderem o tão grande mercado em causa?

Ora, na falta de uma real razão para poderem correr com as *concorrentes* chinesas Huawei e ZTE, que lhes têm vindo a conquistar uma grande fatia do mercado, têm então os grandes interesses económicos ocidentais, que controlam os nossos governos e média de massas: (1) ou de se ficar pelo mero lançamento de suspeitas; (2) ou, no caso dos EUA, ir até mais longe, sem nunca poderem então apresentar provas das suas alegações...

 

*

 

Ainda, sobre o que dizia eu de que “os governos ocidentais têm acordos secretos com as companhias de telecomunicações, que obrigam estas companhias a cumprir certos requisitos para poderem vender nos países de tais governos”,

Se alguém duvida do que eu digo, tem no seguinte pequeno trecho de vídeo uma prova disto mesmo: https://cld.pt/dl/download/a0c3f4c1-09d1-4308-ad08-d2702c7304ec/la_huida.mp4

(Obviamente que, as “portas dos fundos” e afins, que venham nos equipamentos de telecomunicações, serão partilhadas com os governos dos países onde tais equipamentos são vendidos...)

 

[Acrescentado, algumas horas depois: E, tendo alguém feito um comentário a tal notícia, ao qual eu entretanto também respondi, aqui fica mais algo que gostaria de acrescentar...]

 

«...existência de backdoors nos produtos da Huawei. A confirmar-se, é grave.»

*Todos* os smartphones vêm com “portas dos fundos” incluídas.

(Não faria sentido algum aos governos dos vários países, que é sabido quererem espiar os seus cidadãos, permitir a venda de equipamentos que garantissem uma real privacidade dos seus utilizadores.)

Apple, Samsung, Xiaomi, Google... Todas vendem (também) equipamentos, ou sistemas operativos, com “portas dos fundos” incluídas: https://www.gnu.org/proprietary/proprietary-back-doors.en.html

(“Divirtam-se” a consultar a extensa e elucidativa lista, para a qual aponta a última hiperligação...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Confirmação de que a radiação dos telemóveis é cancerígena

30.03.19

Se estão à espera de que seja o próprio poder económico-político estabelecido (que tanto gosta desta tecnologia, usada para vigiar as pessoas) a admitir tal coisa, podem esperar sentados.
Restando a nós inferir esta relação: ou a partir de observações próprias; ou então ouvindo o que têm a dizer alguns cientistas independentes, a partir dos muito limitados meios ao seu dispor.

 

Cancer Cluster At California Elementary School Results In Removal Of Sprint Cell Phone Tower

 

radiation_tower.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 18:47

Assim se chega ao topo e se vence no mercado internacional

15.03.19

huawei_patente.jpg

 

Um comentário que deixei há pouco, sobre a queixa, por parte dum inventor português, de que a Huawei supostamente (pois, está ainda por averiguar o quão genérico terá sido o uso de tal ideia) roubou dele uma patente relativa a um acessório para smartphones.

 

«Um caso que em nada engrandece a imagem pública da 2ª maior fabricante mundial de smartphones.»

(E, sabem lá vocês o que estas multinacionais – chinesas e não só – mais fazem, que não é do conhecimento público... Em que condições é que pensam vocês que são obtidas, em África, as matérias-primas necessárias ao fabrico dos vossos telemóveis?)

Numa sociedade capitalista, de competição entre vários grupos, a maneira de se chegar ao topo é não ter tantos “valores” como a concorrência... Pois, o quão mais baixo se estiver disposto a ir (i.e. quanto mais golpes baixos, ou truques sujos, se estiver disposto a recorrer a) mais “cartas do baralho” ou “trunfos” se possui na mão – e, consequentemente, muito maiores são as hipóteses de ganhar o jogo.

Não foi, por exemplo, o vice-presidente da Samsung recentemente preso?

Quanto ao que a Huawei especificamente fez com este inventor português,

Foi o mesmo “truque” que a Xiaomi usou com o líder da Meizu (https://www.techinasia.com/xiaomi-vs-meizu). Fingir-se de interessada em colaborar com outra pessoa, para saber o maior número de pormenores possível sobre o que criou e faz tal pessoa, e depois usar tal informação para benefício próprio.

 

[Acrescentado, no dia seguinte: E, já agora, deixo aqui mais um outro comentário sobre o mesmo assunto - que deixei na mesma publicação no dia seguinte - este, a propósito da notícia de que a Huawei está agora a ponderar instaurar um contraprocesso contra tal inventor português.]

 

Se tiver a Huawei apenas usado a ideia genérica do inventor português, vai o último certamente perder o caso dele em Tribunal...

E, eu não estou a ver a Huawei a arriscar uma enorme perda económica, e também a sua grande imagem pública, só por causa de um (único) acessório para smartphones – isto é, muito provavelmente, uma tão grande empresa como a Huawei tomou as necessárias precauções para não vir a ser (bem-sucedidamente) processada.

Esta é uma prática comum que é feita desde, pelo menos, o início do século passado – e cujo um membro da família Ford até ensinou uma vez a um dos dois grupos de inventores que concorriam para fabricar os primeiros aviões.

Estuda-se o que a concorrência já fez, de modo a perceber a lógica de como funcionam os seus mecanismos, e depois aplica-se o mesmo princípio, mas com um mecanismo alterado apenas o suficiente de modo a poder ser considerado diferente do mecanismo original. E, deste modo, por ser um mecanismo diferente que apenas desempenha a mesma função genérica, não se pode ser processado por roubo de patentes.

É a mesma história de que com a Pepsi-Cola e a Coca-Cola, por exemplo...

Um dos mais velhos truques capitalistas, que este ingénuo inventor português, aparentemente, desconhece.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E assim se engana o "zé povinho" que ocupa os seus tempos livres a informar-se sobre futebol (americano, europeu) ou sobre o que quer que este, na sua infinita sabedoria, acha mais importante...

11.03.19

O primeiro comentário que fiz à notícia em causa é mais informativo. Mas, como o segundo que fiz, mais curto (por pensar que o primeiro tinha sido censurado) acaba por evidenciar melhor a piada de que são alvo todos os ignorantes que ainda se dão ao trabalho de ler o que têm a dizer os políticos dos partidos do sistema - e porque qualquer pessoa inteligente consegue do segundo comentário deduzir o que mais se passa, em termos mais abrangentes - partilho então esta última versão, da minha resposta à notícia de que uma senadora do Partido Democrata estadunidense diz que quer acabar com os monopólios (económicos) existentes no sector informático.

 

blackrock.png

Elizabeth Warren, a senadora que andou a mentir sobre a sua suposta ascendência ameríndia, quer agora pintar de novo as fachadas dos vários apartamentos do mesmo prédio, para convencer as pessoas de que não pertencem todos ao mesmo bloco.

Os monopólios já existem – mas, são partilhados (entre vários bancos, grupos económicos e sociedades) e estão ocultos. E, a “concorrência” que existe, é entre diferentes linhas de produtos, ou modalidades de serviços, que ultimamente são detidos pelos mesmos grupos económicos.

Um exemplo: Tenha a esmagadora maioria dos leitores desta publicação comprado um smartphone com o sistema operativo Windows (da Microsoft), iOS (da Apple) ou Android (da Google), deram todos dinheiro ao mesmo banco BlackRock, que detém acções em todas estas companhias que produzem sistemas operativos para os seus telemóveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:59

O futuro distópico que nos espera?

06.03.19

blade_runner_2049.png

 

Um comentário que deixei à notícia, dada num sítio português, de que a nova corrida à Lua (desta vez, com motivações económicas) já teve início.

 

Toda a gente que sabe o que se passa nos bastidores políticos (ouvir, por exemplo, os webcasts do movimento LaRouche) há uns bons anos que sabe que existe uma (muito discreta) corrida para extrair o precioso hélio-3 da Lua, para ser usado na Fusão Nuclear, que se espera que seja desenvolvida dentro de duas décadas. Razão pela qual até já a “pobre” Índia tem missões lunares – https://en.wikipedia.org/wiki/Chandrayaan-2 – e Fusão Nuclear essa, que (a longo prazo) será necessária para que se possa ter energia suficiente para viagens para fora do Sistema Solar.

(Aliás, há até pelo menos um filme de “ficção científica”, daqueles que aparentam ser feitos para mentalizar as pessoas para o que aí vem, chamado Moon – O Outro Lado da Lua, que retrata exactamente este tipo de operações na Lua.)

Agora, no que toca ao Ocidente e falando das perspectivas a *longo prazo*, o que fica em aberto é: Que tipo de desenvolvimento espacial teremos?

1) Um regresso ao uso de agências estatais, como a NASA, em que a exploração e o desenvolvimento espaciais sejam feitos de modo colectivo?

2) Ou, como começa a ser o modelo adoptado – e é referido neste artigo – um desenvolvimento feito por empresas privadas (i.e. elites económicas) que dê origem ao que se chama uma “Breakaway Civilization” por parte das elites, em que partirão estas para o Espaço, acompanhadas dos seus robots e andróides, enquanto a restante população humana fica apenas a olhar – e para trás, na Terra – tal como é retratado no filme Elysium?

(Vejam também, por exemplo, o filme Blade Runner 2049 – feito também pelos grandes interesses económicos ocidentais. O projecto ocidental é ficar a restante Humanidade para trás, enquanto o Espaço fica reservado para as elites.)

 

Ao qual aproveito para acrescentar outro comentário, de que...
Os maiores fãs de ficção científica sabem que os filmes da série Blade Runner e da série Alien pertencem ao mesmo universo.
E, para os que estiverem mal informados sobre questões político-económicas, se querem saber por que razão foi escolhido o título Prometheus para um dos últimos filmes da série Alien (e daí poderem inferir o sentido, ou o significado, oculto do filme) a palavra-chave é também "LaRouche".

E, a finalizar, deixo-vos também com um excerto de uma entrevista de 2014 feita a Daniel Estulin:

 

Now, in one of the biggest breakthroughs in recent history, scientists have created a synthetic genome that can self-replicate. They have taken a cell and modified the genes of a cell by inserting DNA from another organism. And the bacteria replicated itself thus creating a second generation of the synthetic DNA. The organism will do exactly what the scientist intended: a living thing, but under the control of Man.
If the 19th century was all about the revolution of harnessing energy from fossil fuels, and the 20th century was about exploiting the power of data, this century will be about controlling biology.
What’s amazing is that the cell was assembled and sparked into life in a laboratory. This technology takes mankind across a threshold. A turning point that marked a coming of age of a new science called synthetic biology, founded on the ambition that one day it will be possible to design and manufacture a human being.
In other words, you can get DNA of anything here on Earth and create organisms that never before existed entirely from non-living materials. Scientists are creating new life forms that the human immune system and the world have never so far experienced. As such, it will revitalise perennial questions about the significance of life – what it is, why it is important and what role humans should have in its future.

Autoria e outros dados (tags, etc)