Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A agenda da redução populacional

06.12.14
"In the event that I am reincarnated, I would like to return as a deadly virus, to contribute something to solving overpopulation."
--- Príncipe Filipe, duque de Edimburgo

 

(Dito pelo marido de quem lidera esta conspiração da Nova Ordem Mundial, se a afirmação acima citada não vos preocupa, devia...)

Quem duvidar que as elites ocidentais planeiam realmente reduzir a população mundial, no futuro próximo - e em grandes números - pode ver o seguinte bom vídeo, onde o investigador Webster Tarpley cita várias passagens de um livro que foi escrito por um óbvio lacaio destas mesmas elites.



E, a acrescentar ao anterior vídeo, têm <este> muito bom artigo escrito por Paul Joseph Watson, do sítio PrisonPlanet.com, e <este><este> muito importantes artigos, resultantes de uma investigação feita por um outro colaborador do mesmo sítio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:24

Não vos disse eu que Abby Martin está "infiltrada" na RT?

24.09.14
(Agora que uma intervenção militar russa no sudeste da Ucrânia parece estar definitivamente afastada, aqui vai uma colocação que queria eu ter feito logo após tudo isto ter acontecido, mas que, por terem entretanto surgido outras coisas mais importantes, só agora é feita.)

Depois de, tal como eu chamei anteriormente a atenção para (numa colocação e num respectivo comentário que a ela deixei, nos quais os mais atentos saberão ler as "entrelinhas") ter andado esta pseudojornalista a fazer o seu trabalho de, entre outras coisas, fazer as críticas mais inócuas possíveis e também (para isto não chamei a atenção, na altura, mas aproveito para o referir agora) ter andado esta personagem a fazer o muito útil trabalho de chamar constantemente a atenção dos seus telespectadores para as muitas falsas organizações alternativas que o sistema monta, para desviar a atenção dos seus contestatários das que realmente o prejudicam, eis que deixou a personagem Abby Martin, finalmente, cair a sua máscara de uma maneira que já muitas pessoas deverão começar a ver esta pessoa pelo que ela verdadeiramente é.
Tentando (e muito mal, na minha opinião) atirar areia para os olhos dos seus telespectadores, dizendo que, como jornalista que é, pouco sabe sobre a Crimeia e a Ucrânia (e isto, apesar do canal para o qual trabalha ter repetidamente chamado a atenção para a história do primeiro território)...
Eis que, Abby Martin decide fazer uma declaração (que, inteligentemente, não colocou no guião, para que não soubessem as outras pessoas na sua estação antecipadamente o que iria ela dizer) num canal de notícias russo, de que, enviar tropas russas para proteger populações etnicamente russas é um crime horrendo, que lhe faz querer dizer algo que (diz ela) vem do "coração" (que nos quer ela convencer que tem)...
E, eu nem vou, nesta colocação, dizer muito mais sobre isto...
Apenas, irei acrescentar que, a maneira como primeiramente topei qual era a verdadeira natureza desta jornalista, nem foi pelas coisas que ela dizia. Mas, através de algo que aqui já tenho referido anteriormente - e que é, definitivamente, sempre a melhor maneira de avaliar alguém - que é a chamada "linguagem corporal". E, talvez um dia eu arranje paciência para elaborar mais sobre esta questão, de como se podem avaliar as pessoas através da mesma.
(A título de curiosidade, reparem só no constante piscar de olhos deste outro elemento do sexo feminino, quando fala também sobre a questão da Ucrânia.)
Mas, como isto é algo que, no meu caso, funciona muito de modo instintivo (e que foi claramente herdado de um dos lados da minha família) não sei até que ponto é que valerá a penar elaborar muito sobre isto...
Pois, quem não tenha naturalmente esta capacidade (o que, a avaliar pela quantidade de pessoas que votam nos políticos que mostram a sua cara na televisão, deverá ser uma esmagadora maioria da população) dificilmente deverá ser capaz de compreender tais explicações - que, como eu digo, no meu caso pessoal, funcionam muito a nível instintivo...
Mas, posso um dia, de qualquer modo, tentar fazer uma muito breve explicação.
De qualquer forma (e, por enquanto) para quem quiser tentar ver o de que estou eu a falar, no caso desta jornalista, em particular, a filmagem que vi da mesma, em que melhor topei a sua verdadeira natureza, foi a correspondente a esta conversa com um conhecido activista estadunidense - em que (e isto só deverá fazer sentido para muito poucos) através das suas expressões faciais, se nota, repetidamente, que tenta tal jornalista disfarçar um forte sentimento de antagonismo que, supostamente, não deveria existir entre pessoas que supostamente têm os mesmos ideais e objectivos. (Mas, que cada um veja o que for capaz de ver nesse filme...)
E, dito isto, passemos então ao que interessa...
Aqui vai, então, a declaração desta jornalista, que, só pela suposta lógica da mesma (de, como eu disse, tentar mandar areia para os olhos dos telespectadores, dizendo que, como jornalista que é, muito pouco sabe, ou quer saber, sobre a situação na Ucrânia e de tentar também, de um modo absurdo e ridículo, desvalorizar toda a história que está por trás do que se passa) - pelo menos, para mim - denuncia as reais intenções com que se juntou tal pessoa a este canal de televisão russo.



E, sobre a muito forte suspeita (se lhe quiserem assim chamar, mas que é uma certeza, da minha parte) que estou eu a levantar...
Quem duvidar que os diferentes média são, de facto, constantemente infiltrados por agentes do poder estabelecido ocidental, pode espreitar esta colocação recente, feita no blogue do meu amigo Dr. Octopus, e espreitar também os comentários - [1] [2] - que eu deixei à mesma.
Reparem em como foi esta personagem alegremente dizer, para a imprensa ocidental, que este canal estatal russo "não é diferente" da imprensa corporativa estadunidense, em termos de propaganda - quando, toda a gente bem informada e honesta (como, supostamente, é o caso de Abby Martin) sabe muito bem que a RT, ao contrário da imprensa controlada ocidental, não mente.
Quem pensar que sou eu o único a dizer isto sobre esta jornalista, oiça o que tem o conhecido autor Webster Tarpley agora a dizer sobre esta personagem.
E, notem também um aspecto muito importante, que foi o facto de que a RT, mantendo o seu muito "alto nível" e mantendo-se fiel aos seus princípios, não inventou uma qualquer desculpa, depois deste episódio, para despedir ou impedir a actividade desta jornalista (como, constantemente, faz a imprensa ocidental, quando surgem conflitos entre jornalistas e editores).
E, ainda dentro deste tipo de assuntos...
Também de interesse assinalar, foi uma resignação recente que ocorreu na RT.
Esta, causada por um episódio indecente, que ocorreu perante as câmaras (para dar mais impacto) e em directo (para que não fosse a pessoa em causa impedida de proporcionar tal espectáculo) - que foi o caso da jornalista Liz Wahl (que pareceu até querer tentar fingir que, só ao fim de uns anos é que percebeu que o "R", em "RT", quer dizer "Rússia" - e que tal canal pertence ao governo russo).
A qual, não só, na própria declaração - em que criticava, sem quaisquer argumentos, a suposta política editorial da RT - afirmou (1) ser casada com alguém que trabalha para as nada imperialistas forças armadas norte-americanas e (2) ser também filha de um veterano de guerra - que, a julgar pela idade desta jornalista, não deverá ser da Segunda Guerra Mundial (e, portanto, antes de alguma(s) das muitas guerras de agressão, injustificadas e imperialistas, em que os EUA, desde então, estiveram envolvidos) - como disse também, numa entrevista logo posterior, (3) que estava disponível para ir trabalhar para a CNN.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 11:34

No "Twitter" também se passam coisas interessantes

21.08.14
Por ser uma pessoa mesmo muito anti-social, pessoalmente, nunca fui grande fã desta "mini-rede social"(?), onde várias pessoas constantemente partilham pequenos pensamentos, que vão tendo, e vão também fazendo outras pequenas partilhas, e repartilhas, de coisas que vão descobrindo na Internet.
Pois, para além da esmagadora maioria das pessoas raramente ter alguma coisa de interessante a dizer, sei de vários casos de censura (ler o 1º comentário a esta colocação) e até de, muito suspeitas, colocações falsas (um exemplo) que têm ocorrido nesta rede, que me fazem logo não querer participar na mesma. 
(Assim como, a simbologia por esta utilizada e óbvio propósito da mesma, são algo que não me agrada mesmo nada...)
Mas, (1) depois de terem as colocações da primeira pessoa, nesta mais pequena rede, deixado de aparecer no seu blogue, (2) depois de ter a segunda pessoa terminado com a conta que tinha, nesta rede, e ter recentemente criado uma nova e (3) depois de ter eu prestado alguma atenção ao que a terceira pessoa vai colocando na sua conta (e que também aparece no seu sítio na Internet)...
Dei-me, recentemente, conta de que, por não estar a consultar as contas destas pessoas, nesta rede social "Twitter", tenho andado a perder muitas coisas importantes...
E, por isso, venho só chamar a atenção para o que tem sido, e continua a ser, colocado nas contas dos jornalistas e autores (1) Frederico Duarte Carvalho, (2) Daniel Estulin e (3) Webster Tarpley.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os "anarco-capitalistas" também não são vossos amigos

11.06.14

Mais um comentário meu que foi censurado num sítio "anarco-capitalista", onde escreve alguém que foi entrevistado/a pelo jornalista James Corbett (que, ultimamente, muito tem andado a falar sobre "anarco-coisas") mas que, até agora, não foi apagado na correspondente página do vídeo em causa, no YouTube.

[Editado a 03/12/2016: Mais de dois anos depois de ter eu feito esta colocação - e, apesar de ter eu confirmado que o meu comentário não tinha aparecido, quando fiz a colocação, e ter eu também algumas semanas depois voltado a confirmar isto mesmo - constatei que o meu comentário agora já aparece. Podendo isto ter sido o resultado, (1) ou de o mesmo ter ido parar à caixa de "Spam" e ter depois sido descoberto, (2) ou de ter o mesmo sido convenientemente escondido, até uma altura em que já quase ninguém fosse consultar tal página e comentários lá deixados... De qualquer modo, a essência desta minha colocação, no meu blogue, mantém-se.]

(As declarações em causa, de Webster Tarpley, sobre este movimento, podem ser ouvidas <aqui>.)

Como podem constatar, Tarpley pode não acertar em todas... (Coisa que nunca vi, até hoje, algum autor fazer - incluindo eu próprio.) Mas, ainda assim, é uma excelente fonte de informação, para quem quiser compreender toda esta história da Nova Ordem Mundial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Syriza não é vosso amigo

02.06.14
A versão grega do reformista Bloco de Esquerda - que é também imensamente a favor deste megaprojecto capitalista, chamado União Europeia - é, também ela, controlada pelos mesmos capitalistas e banqueiros internacionais aos quais se diz opor.
(Mas, para alguém se dar conta de - e ser capaz de perceber - isto, é preciso estudar muito e também puxar pelos neurónios...)
Segue-se um comentário que deixei a um recente vídeo, de uma breve entrevista feita ao autor Webster Tarpley.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um para a colecção

09.03.14
Para quem a recente descoberta, de que o episódio das mortes que ocorreram na Praça da Independência de Kiev teve por trás atiradores furtivos (directa ou indirectamente) ligados aos interesses ocidentais, constituir uma surpresa, deixo <aqui> a hiperligação para uma muito boa e algo extensa lista de episódios semelhantes e também <aqui> uma outra sobre um dos episódios mais recentes, que ocorreram antes deste, na Síria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Abby Martin, do "Breaking the Set" da RT, a pseudocriticar a Nestlé (e a mentir sobre a já provada fraude do "aquecimento global")

08.08.13
"Fra Paolo Sarpi, the dominant figure of the Venetian intelligence establishment of his time, advised the Venetian senate that the best way to defeat anti-Venetian propaganda was indirectly. He recommended the method of saying something good about a person or institution while pretending to say something bad. An example might be criticizing a bloody dictator for beating his dog - the real dimensions of his crimes are thus totally underplayed."
--- Webster Tarpley, in "How to Identify a CIA Limited Hangout Operation"

 

Quando, num comentário anterior neste blogue, dizia eu que havia uma pessoa mais na RT que me despertava suspeitas quanto às suas verdadeiras intenções, falava eu da jornalista Abby Martin... E, sobre esta, irei apenas chamar a atenção para o seguinte...
Informem-se sobre o currículo desta (que inclui, nomeadamente, uma posição de destaque num órgão de imprensa que é elogiado pela conhecida imprensa controlada), vejam o quão não aprendem (de importante) com o seu programa (e aprendem com outros), o tipo de pessoas e organizações que esta elogia (em detrimento doutras), este tipo de críticas (de treta, cheias de forma, mas vazias de conteúdo) que ela faz, a atenção (e consequente publicidade) que a esta pessoa é dada (e consequentemente feita) pelo poder instituído (e que não é dada - e feita - a outras pessoas neste meio) e a (pelo menos uma) grande mentira (que deixo num dos vídeos que se seguem) que esta jornalista, já por (pelo menos) duas vezes, tentou fazer passar no seu programa.



(Para quem não sabe, o maior crime pelo qual a Nestlé é responsável - e pelo qual esta é muito mais conhecida no meio activista, de que esta jornalista diz fazer verdadeiramente parte - é o facto de - consciente dos seus efeitos - vender esta empresa um suposto substituto de leite materno, em países de Terceiro Mundo, que resulta na morte de crianças. Mas... Fala extensivamente, esta jornalista, sobre este facto, nas suas denúncias?... Não... Decide, antes, tal pessoa concentrar-se na "imensamente danosa" crítica a esta empresa que é o facto desta... engarrafar água...)

Segue-se uma das vezes em que pôde esta mesma pessoa ser vista a mentir sobre a já conhecida fraude do "aquecimento global causado pela actividade humana".



E mais coisas existem, que poderia eu aqui estar a dizer sobre esta mesma personagem...
Mas, acima de tudo, por ter eu, neste momento, mesmo muito pouca paciência para andar a expor pseudojornalistas e também por a maior parte do que mais teria eu a dizer passar muito pela chamada "linguagem corporal" - que já sei que muito poucos sabem ler ou entendem - por aqui irei ficar...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bakunin, um agente britânico?

04.03.13

A afirmação foi feita no último episódio da série de documentários de Daniel Estulin, que é exibida na versão em castelhano do canal internacional de notícias RT.
E, dada a importância desta mesma afirmação, decidi cortar e republicar aqui o trecho com a parte em que este menciona tal facto(?).



Que o Marx era um agente britânico, era algo do qual eu já sabia... E para o qual já tinha deixado as dicas aqui, aqui e aqui. (E também algo que, pelo menos para mim - apesar de inicialmente surpreendente - pelas razões que enuncio nas hiperligações anteriores, faz todo o sentido.)
Mas, realmente... Do que já tinha folheado dos livros e monografias do Dr. John Coleman, que tenho andado a acumular, já tinha visto referências ao Anarquismo na mesma linha do Marxismo, em que este autor apresenta a promoção destas duas ideologias como acções desestabilizadoras, por parte da sociedade dos Illuminati, com o objectivo de subverter o modelo de sociedade nacionalista que havia, numa maneira que convinha a quem liderava (e lidera) o movimento da NOM - pessoas essas, que o Daniel Estulin descreve como "sinarquistas".
Mas, no que toca ao Anarquismo, sempre pensei que se tratasse de uma má interpretação, por parte do Dr. Coleman (que, aproveito para dizer que, apesar da sua visão da espécie humana que roça o racismo e da sua crença religiosa cristã, é, para mim, tão credível quanto o Daniel Estulin) da verdadeira natureza da ideologia anarquista...

Mas, ter agora o Estulin a nomear especificamente o Mikhail Bakunin, é que foi algo que verdadeiramente me surpreendeu... Ainda que fosse - do que já pude, um pouco, ler do Dr. Coleman - uma possibilidade para a qual já tinha aberto a minha mente - a qual, aproveito também para dizer, estará sempre aberta a qualquer Verdade que seja, desde que esta o seja, realmente, e vá esta dar onde for...
(Mas, ora aqui está algo sobre o qual terei ainda muito de me informar e que, definitivamente, me fará pensar mesmo muito nos próximos tempos... Pois, terei então de saber se o Bakunin seria, de facto, um agente - e se isto não se tratará de uma interpretação abusiva dos factos - e se, a ser um agente, este o era consciente ou inconscientemente, em toda esta conspiração... Assim como, se (consequentemente) a vertente socialista do Anarquismo que este defendia, enquanto ideologia, surgiu, tal como o Comunismo, por vontade da NOM, ou se foi apenas algo do qual este último movimento se aproveitou, subverteu e usou, segundo lhe conveio...)
Sei, por exemplo, que o Webster Tarpley, quando diz também que o Marx era um agente britânico, fala em "tese". Mas, tal como se pode entender nas dicas que deixo no início deste texto, pelo menos para mim (que já estou relativamente bem informado sobre a componente comunista) no caso do Marx, isto é algo que é imensamente sugerido pelos factos históricos que são bem conhecidos e que são factos confirmados. Mas, quanto aos conhecidos pensadores anarquistas, ainda não vi nada que o sugerisse fortemente...
Se bem que, por outro lado, e falando no caso específico do Bakunin, também sei que ele faz, num dos seus livros, uma estranha referência a Satã como "o eterno revoltado, o primeiro livre- -pensador e o emancipador dos mundos! Ele faz o homem se envergonhar de sua ignorância e de sua obediência bestiais; ele o emancipa, imprime em sua fronte a marca da liberdade e da humanidade, levando-o a desobedecer e a provar do fruto da ciência", sei que ele era um defensor da violência em actos revolucionários (algo com o qual eu não concordo, sendo eu apenas defensor da autodefesa, quando se atinja uma maioria de população que esta alternativa queira seguir - alinhando-me eu mais, nesse aspecto, com o mais conhecido anarquista de todos, ainda que tal escritor não se assumisse como tal) e sei também que uma das coisas que ele fez foi andar por vários países a instigar revoltas, no decorrer da chamada "Primavera dos Povos" - por trás da qual (sabem hoje as pessoas bem informadas) esteve o Império Britânico. (Leiam Webster Tarpley.)

Mas, se Bakunin foi um agente britânico... Então e o Kropotkin, já agora? Que terminou os seus dias em solo britânico, foi lá bem acolhido e que escrevia até para uma das mais importantes publicações do poder estabelecido nesse país? Mudou ele apenas de liderança real e era também ele um agente da coroa britânica?!... E o Nestor Makhno?... Que se dizia anarquista, mas não se comportava como tal, liderou um exército que lutava a favor dos bolcheviques (e cujo modo de actuar faz lembrar os corsários e as supostamente independentes milícias paramilitares latino- -americanas, que servem para fazer os "trabalhos sujos" e esconder/negar a autoria governamental dos mesmos) e que, quando chegou a altura destes seus "aliados" exterminarem tal organização menos obediente, foi um dos muito poucos que escapou a tal purga?... Parece que há aqui mais coisas para as quais se pode olhar de modo suspeito(!)...

É preciso, no entanto, ter em conta que, ainda que isto seja verdade, tal não desvaloriza, necessariamente, o Anarquismo, em si - ou faz desta ideologia uma alternativa inválida. Pois, não foi esta ideologia criada apenas por Mikhail Bakunin, nem foi sequer ele o primeiro a apelidar-se como "anarquista". E não digo isto apenas por me considerar ainda anarquista, mas por - depois de já me ter deparado, antes de ter visto este documentário, com algumas afirmações do Dr. Coleman a dizer algo no mesmo sentido - ser isto algo sobre o qual já reflecti anteriormente e não ver numa alternativa de sociedade anarquista - que funcione séria a verdadeiramente como tal (com as devidas excepções, onde este ideal não possa ser implementado) - algo que seja benéfico, de algum modo, para o poder (agora já bem) estabelecido - muito pelo contrário. Pois, ainda que esta seja aplicada apenas em parte (no mesmo sentido em que foi criado o Marxismo) não vejo, mais uma vez, nisso algo que beneficie o poder estabelecido, visto que a síntese que vejo que daí resultaria, seria então uma sociedade "minarquista", tal como defendem os chamados "libertários" norte-americanos - os quais são até dos maiores opositores a este projecto da NOM.
Pelo que diz o Estulin neste trecho - e a ser verdade(?) o que ele diz - o que entendo é que o Anarquismo, tal como era defendido por Bakunin, tenha sido então inventado como uma mera fachada, para nunca ser verdadeiramente aplicada(?), a qual era usada por este e outras pessoas controladas pelo Império Britânico - que eram, na verdade, niilistas e - que queriam apenas desestabilizar os países onde instigavam revoltas(?). Mas, nesse caso, já não é então de Anarquismo que estamos a falar - mas sim de niilismo...
Por outras palavras, entendo que o Anarquismo que defendia Bakunin tenha sido então criado com a mera intenção de subverter a ordem nacionalista que, na altura, existia e como uma alternativa que seria apenas temporaria e parcialmente criada, para depois ser "corrigida" pela alternativa final pretendida por quem lidera o movimento da NOM. (E que seria, numa das etapas - e já o é, nos dias de hoje - o tal superestado europeu defendido pelo, também mencionado pelo Estulin e conhecido amigo de Bakunin, Mazzini, que também já eu sabia, através do Dr. Coleman, que fazia parte de toda esta conspiração.)
Mas, caso tenha sido, de facto, este o objectivo com que foi criado o tipo específico de Anarquismo que era defendido por Bakunin, tal como disse anteriormente para o caso do Anarquismo, na sua forma genérica, isso não faz - para mim, pelo menos - desse modelo específico uma alternativa inválida, nem quer sequer, necessariamente, dizer que não seja este uma (muito) boa ideia...
(Ainda que possa ter sido, então, originalmente criado com o mero objectivo de subverter, e destruir por dentro, os diferentes Estados-Nação existentes, no decorrer da guerra, que já dura há séculos, entre este tipo de organizações e as forças sinarquistas e internacionalistas da NOM.)
Enfim... Enquanto não souber mais nada sobre isto, só posso especular. E, como não tenho eu acesso a fontes dentro dos vários serviços secretos ocidentais, nem tempo ou dinheiro para passar literalmente anos de volta do arquivo histórico do Museu Britânico e outras grandes bibliotecas - tal como têm e fazem o Dr. John Coleman e o Daniel Estulin - para saber e tentar perceber o que se passou naquela altura, terei de aguardar até saber de mais coisas da parte destes.
(Enviei até uma mensagem ao Estulin, a pedir para ele, um dia, elaborar mais sobre o assunto, num dos seus trabalhos, e, dado que ele quer claramente contar tudo o que sabe sobre isto, estou esperançoso que um dia ele o possa explicar melhor.)
De qualquer modo, quanto a tirar - dentro do possível e antes de tal ocorrer - as dúvidas que agora se levantam sobre tudo isto, isso será algo que, da minha parte, só irei tentar fazer quando terminar a série de colocações que ainda quero fazer neste blogue e terminar também - pelo menos, no que toca à controlada - a minha presença na blogosfera.

("Viva a Anarquia"?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há 5 anos, o Mundo esteve à beira de uma Guerra Nuclear

15.12.12

(E, como em Portugal quase ninguém lê a imprensa internacional e alternativa, naturalmente, muito pouca gente disto deve saber...)






"The Kennebunkport Warning And The Rogue B-52 – Confirmation With A Vengeance"



(Quem quiser saber o quão próximo poderemos estar, outra vez, de uma - e, pelo menos desta vez, a nível mundial - pode começar por aqui, aqui e aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 11:23

11/9: A falha na resposta aérea

11.09.12
Quem quiser, tal como eu, tirar quaisquer dúvidas que tenha sobre o assunto e ficar apenas com uma certeza sobre quem é que realmente fez estes atentados, pode consultar as colocações anteriores que aqui fiz sobre este tema, nas quais creio que deixei dicas suficientes para que alguém se inicie numa pesquisa, com referências a bons documentários que foram produzidos e outros bons livros que foram escritos, por investigadores sérios, sobre os atentados.
O motivo desta colocação é apenas chamar a atenção para a actualização de um dos conjuntos de descobertas mais reveladores de toda esta trama.
E o que a seguir apresento é, então, o mais recente somatório final do que, até hoje, foi descoberto sobre uma componente, muito em particular, destes ataques.
Para quem, tal como eu, tenha achado muito estranha a falta de resposta aérea no fatídico dia dos atentados, aqui vai a mais recente lista, elaborada pelo investigador Webster Tarpley - tal como é apresentada na mais recente versão actualizada do seu livro 9/11 Synthetic Terror: Made in USA - dos vários factos que provam, entre outras, três coisas muito importantes.
  • Primeiro, que, ao contrário do que quem estava à frente deste disse, a possibilidade de tais ataques não era nada no qual o governo dos EUA não tivesse já pensado. Pois, foram vários os exercícios de simulação de tais ocorrências (de preparação para a possibilidade das mesmas) que este governo fez, aos longos dos anos que precederam tais ataques.
  • Segundo, que as defesas aéreas, logo naquele dia, estavam invulgar e imensamente diminuídas.
  • E terceiro, também que, logo por coincidência - e em contradição com as referidas afirmações do governo, de que nunca tal cenário lhes tinha passado pela cabeça - foram, para esse dia, agendados exercícios de simulação de cenários do tipo dos que realmente aconteceram, que, muito convenientemente, confundiram os controladores aéreos, deixando-os sem conseguir distinguir os exercícios de simulação do que realmente estava a acontecer.
Que tais decisões tenham sido tomadas, perante o no mínimo - se mais nada, ingenuamente, soubermos acerca disto - mais que provado conhecimento prévio, por parte do governo, de que algo iria acontecer naquela semana, com aviões, na cidade de Nova Iorque...
Bem... Deixo ao senso comum de cada um, o julgamento de tais actos.
E muito mais se podia dizer sobre estes acontecimentos. Mas, como disse, o propósito desta colocação é apenas chamar a atenção para esta lista, em particular, que sumariza muito bem tudo o que, no mínimo estranho, se sabe que aconteceu naquele dia, em termos de resposta aérea.
Ao que acrescento também que, para quem não sabe, no espaço de um ano anterior a estes ataques, foram lançados aviões militares por 67 vezes, para inspeccionar ocorrências suspeitas de serem algo deste tipo.
A terminar, deixo aqui duas muito interessantes entrevistas ao brilhante autor dos mencionados livro e lista, em que este elabora mais sobre o assunto - [1] [2].

Autoria e outros dados (tags, etc)