Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Definitivamente, foi uma "nacionalização dos prejuízos" encoberta

17.02.19

Mais uma confirmação - esta definitiva - feita há poucos dias pelo Jornal de Negócios, de que os empréstimos feitos pela CGD, de que tanto se fala, foram uma maneira de passar para os (tão simpáticos, domesticados e obedientes) contribuintes portugueses os inevitáveis prejuízos que qualquer pessoa que saiba minimamente o que está a acontecer à Economia (i.e. inevitável Colapso Económico, tão denunciado por Daniel Estulin e outros tantos) sabe que iriam e irão ocorrer.

 

devedores.png

Paguem carneiros!

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

colocado por Fernando Negro às 20:16

Daniel Estulin entrevistado pelo "Jornal de Negócios"

16.02.19

[Entrevista ontem publicada, dada a propósito da aparente mudança de editora para (e do relançamento de) o seu livro sobre o Clube Bilderberg. Nesta entrevista é explicitamente denunciado o facto do Fascismo, na sua vertente económica, estar de volta a Portugal (aliás, qualquer pessoa minimamente atenta ao que se passa na sociedade há muito que terá reparado nisto). Até um meio de comunicação de massas o denuncia... E, cabe então agora aos filhos das gerações de Abril demonstrar de que fibra são (ou não são) feitos.]

 

negocios1.jpg

negocios2.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Urgências pediátricas nos hospitais que correm o risco de fechar

06.02.19

Dão milhões aos bancos privados (para "nacionalizar os prejuízos"), dão milhões a outras entidades privadas através da CGD (dizendo depois que foram empréstimos mal calculados)...
E, depois não há dinheiro para pagar salários decentes a médicos que são necessários.
Mas, o problema maior nem é o facto dos salários dos médicos terem muito baixado (lembrem-se que os salários referidos na seguinte notícia são salários líquidos e que a classe média alta é a que mais paga impostos: https://zap .aeiou.pt/crise-baixou-salarios-dos-medicos-mas-fez-crescer-os-dos-juizes-e-politicos-86618).
O que quase todos os médicos perguntam aos que já fugiram para o estrangeiro (tal como dizia pelo Skype, há uns anos, um médico português no estrangeiro, ao programa "Prós e Contras" da RTP) é em que condições é que se trabalha lá fora - pois, (tal como denuncia a seguinte notícia do jornal Correio da Manhã e muitos já saberão sobejamente) os meios materiais nos hospitais portugueses também começam a ser poucos.

 

Urgência pediátrica do Garcia de Orta corre risco de fechar à noite

 

childrens-care.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

Trabalhadores que têm de abandonar a zona de Lisboa por causa dos altos preços das rendas imobiliárias

29.01.19

rendas_lisboa.jpg

Soube há poucos dias que um casal de vizinhos meus, que trabalhava num conhecido parque de Lisboa e vivia (até recentemente) num T1, no mesmo bloco de apartamentos da cidade-dormitório de Lisboa onde vivo, teve de abandonar a zona de Lisboa e os seus empregos (temporariamente, com uma licença sem vencimento de um ano - período após o qual perderão os seus empregos, se não voltarem) por ter a renda do seu T1 subido para 600 euros.
Um mísero T1! No qual viviam duas pessoas, estando ambas a trabalhar...
(Pois, o agora elevado preço da renda deste T1 é demasiado grande, quando somado às normais despesas do dia-a-dia, para que possa este casal suportar tal renda.)
Ora, se nem um casal onde os dois trabalham consegue viver num T1, onde é que vão viver os trabalhadores da zona de Lisboa com menores rendimentos?
A dezenas de quilómetros de distância, para passarem horas em transportes públicos?
Um facto que aqui denuncio, para reflectirem sobre, para os que pensam que a presente grande procura por alojamento (temporário ou fixo) em Lisboa e seus arredores, devido ao grande aumento do turismo - que, de qualquer modo, é meramente temporária e será uma muito boa demonstração do que é uma "bolha imobiliária" - é algo de positivo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

Os gestores das entidades bancárias públicas são meros fantoches do Grande Capital, que usa estas entidades para roubar o Povo...

23.01.19

No seguimento da minha anterior colocação, venho partilhar aqui um comentário que deixei há pouco no Twitter (que, apesar de ter eu oficialmente abandonado, não tenho conseguido deixar, por vezes, de usar, para lá deixar comentários a importantes assuntos com que me deparo) sobre um dos factos que são denunciados numa incrível entrevista recente feita a Daniel Estulin - que é o facto de que, quem gere a maior parte das instituições bancárias públicas no Mundo obedece, na verdade, antes (e directamente) ao Grande Capital financeiro ocidental, que usa tais instituições para roubar dinheiro ao comum cidadão.
A entrevista em causa é esta. E, a parte na qual ele faz esta denúncia, relativamente ao caso específico da Rússia, tem início na marca dos 25m7s.

 

cgd_1200M.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 20:30

Sou eu o único a achar que isto se tratou, muito provavelmente, de mais uma "nacionalização dos prejuízos" encoberta?

23.01.19

cgd_lisboa.jpg

 

CGD perdeu 1200 milhões de euros em empréstimos de risco em 15 anos

 

(1) Que o Estado é usado pelo Grande Capital para "nacionalizar prejuízos" é um facto observável, através da notória e enorme quantidade de dinheiro dos contribuintes que foi usada para salvar bancos privados da falência.
(2) E, que o Estado mete dinheiro público em companhias privadas, que toda a gente que percebe minimamente de Economia (e sabe que o mercado das acções está destinado a enormes perdas, devido ao inevitável Colapso económico que já teve início) sabe que irão ser tudo menos bons investimentos, é também outro facto observável.

Ora, juntado estes pontos, não é de suspeitar que sabiam antecipadamente os fantoches estatais dos grandes interesses económicos que não iriam reaver boa parte do dinheiro que supostamente estavam a emprestar a (e, uma vez mais, a investir em) estas grandes entidades privadas?

(E, quanto aos supostos critérios usados para fazer este tipo de empréstimos... Afinal de contas, não foi com recusas de empréstimos, por parte dos bancos, a pequenos e médios empresários do sector fabril, que começou a onda de despedimentos de 2008? E isto, quando as companhias destes últimos estavam a produzir sem problemas e a conseguir escoar os seus produtos - sendo tais relativamente pequenos empréstimos muitíssimo mais seguros do que qualquer um destes grandes empréstimos que foram feitos, que tinham até pareceres contrários quanto a sua execução, por parte de um órgão da própria CGD?)

Uma coisa é certa...
A quem nada faz para impedir estas coisas de acontecer, ou que (ainda pior) vota nos partidos do sistema, para que estas coisas aconteçam, só tenho a dizer uma coisa...

 

Paguem carneiros!

 

[Acrescentado, poucas horas depois: Suspeita confirmada <aqui>, por coincidência apenas algumas horas depois de ter eu feito esta colocação... Lembrem-se de tudo isto, da próxima vez que forem a um hospital público - no qual nunca se irão cruzar com estes gestores e governantes, da mesma maneira que não se cruzam com os políticos do sistema, que gerem o SNS - de cada vez que se depararem com a falta de recursos, causada pela falta de dinheiro... Vivemos numa Democracia e não numa Ditatura. E, por isso, é a vocês mesmos - cidadãos panhonhas e cobardes que se deixam governar por corruptos - que têm a agradecer pelo "Estado a que isto chegou"...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

colocado por Fernando Negro às 12:53

Poderá Richard Stallman ser um novo Karl Marx?

03.01.19

stallman.png

Esta é uma dúvida, mesmo muito pertinente, que em mim surgiu, depois de ter eu constatado que a fórmula de falsos movimentos sociais (que visam controlar os insatisfeitos ou levar as pessoas a lutar por objectivos que acabam por favorecer o próprio sistema) também se aplica ao domínio ou mundo digital - tal como vejo ocorrer no meu próprio país...
Sendo, no entanto, uma dúvida que não deixa de ser tal, por muito que reflicta eu sobre o assunto em causa - pois, apesar do que a seguir exponho, o Software Livre é (independentemente de quaisquer possíveis dúvidas sobre a sua origem) um movimento que (em muito) deve ser apoiado e deve crescer, se é software que queremos continuar a utilizar, como muito boa criação da Humanidade que foi (independentemente dos seus presentes usos nefastos).
E, o que me faz ter tal dúvida (que exponho no título desta colocação) é, para além do que considero ser um comportamento típico de um "lavado ao cérebro" (de tentar, de qualquer modo, arranjar maus argumentos que contrariem algo que atenta contra o que em que se acredita, em vez de simplesmente julgar novos factos com que se depara de modo racional e despreconceituoso, deixando possíveis novas conclusões que daí advenham irem dar aonde forem dar - vulgo "pensamento livre", que deveria ser a norma em qualquer ser humano que se preze) muito pouco condicente com alguém que é muito inteligente e que muito lida com lógica, com que me deparei de cada vez que escrevi a Stallman a avisá-lo de factos políticos que invalidam algumas das crenças expostas no seu sítio pessoal na Internet, o seguinte...

 

  1. Richard Stallman é originário do MIT - uma instituição privada e elitista, que faz claramente parte do poder estabelecido, no que toca a moldar e a controlar quem nela ingressa e, acima de tudo, uma instituição que é de onde muito do desenvolvimento informático e tecnológico (que depois é usado para servir interesses do sistema) é originário de. Isto é, uma instituição que serve para a pesquisa e o desenvolvimento de projectos tecnológicos do próprio poder estabelecido - tendo Richard Stallman chegado longe dentro desta instituição (onde, certamente, por norma - mas, não exclusivamente - é a quem estiver feito com certos interesses que tal é mais permitido ocorrer) e feito parte de um destes projectos (de criação de Inteligência Artificial, em termos genéricos, que é hoje usada, em termos muito específicos, com propósitos de vigilância).
  2. A Free Software Foundation - e, acima de tudo, o (inadvertido) subproduto pelo movimento do Software Livre criado, a Linux Foundation - é financiada por várias grandes corporações - e, no caso da Linux Foundation, a última é até financiada por multinacionais (Microsoft incluída!) claramente pertencentes a este mesmo poder estabelecido ocidental e não só (as quais depois combinam os resultados deste movimento do Software Livre com software proprietário - algum do qual é também notoriamente usado com propósitos de vigilância, como é o caso do conhecido sistema operativo Android) - sendo que o uso de Software Livre é até promovido por algumas destas multinacionais.
  3. Richard Stallman já foi até convidado para participar na Web Summit (uma cimeira claramente organizada pelo próprio poder estabelecido).
  4. Richard Stallman é apoiante do Partido Democrata e do Partido Verde, nos EUA - tudo instituições imensamente controladas (ou até criadas) por interesses nefastos (e até com finalidades ocultas, no caso do Partido Verde) - sendo, com isto, um apoiante de causas antiprogressistas (ainda que travestidas de rótulos contrários) tal como pode ser constatado no seu sítio pessoal na Internet.
  5. Richard Stallman tem uma nota no final da página inicial do seu sítio na Internet relativa a uma fotografia onde aparece a "tocar música para a borboleta" (um animal genericamente usado como símbolo de controlo mental).
  6. Richard Stallman (e este é que é o aspecto que considero verdadeiramente suspeito em - e que me deixa "de perna atrás" com - o mesmo) é um "anti-religioso militante". Isto é, mais do que ser meramente ateu[?], faz uma discreta campanha contra o Cristianismo, no seu país e não só (ver a fotografia que acompanha esta colocação). E, porquê a necessidade de atacar as crenças pessoais dos outros, no decorrer da sua actividade pública? Se é até o Cristianismo a razão pela qual o Ocidente é muito mais civilizado do que o restante Mundo? Para além de que a Religião nada tem a ver com a sua missão de espalhar a ideologia do Software Livre?
  7. Elaborando mais sobre o ponto 2 desta lista... O interesse que poderia ter o próprio sistema no desenvolvimento do Software Livre está até à vista de todos, na quantidade de equipamentos e respectivos firmwares que compramos, hoje em dia - nos quais vem assinalada, na documentação que os acompanha, a presença de componentes de licença "GNU GPL". Ou seja, o Software Livre tem sido um óptimo acrescento que o próprio sistema tem usado, no desenvolvimento dos seus próprios programas de código-fonte fechado. E, se tão útil é este Software Livre para (e tão grande interesse tem notoriamente) o próprio sistema (em utilizar tais produtos)... Não é de suspeitar que tivesse o próprio poder estabelecido tido todo o interesse em criar mais este grande movimento do Software Livre (entre tantos outros que já criou)?

 

Como digo, esta é apenas uma dúvida, ou possível suspeita, que tenho (e que continua a não deixar de o ser) - mas, que achei que era de interesse partilhar com os demais...
Quem não entenda a referência que faço a Karl Marx, pode perceber a mesma lendo <esta> minha anterior colocação.
E, atenção que, mesmo que tal suspeita minha possa corresponder à verdade... Da mesma maneira que o facto de Karl Marx ou Mikhail Bakunin terem inventado duas formas de Socialismo não invalida o Socialismo, em si, nada disto invalida o movimento do Software Livre, em si - que, como disse e repito, é um movimento que muito deve ser cultivado entre quem produz e entre quem usa software, pelas razões que tanto são referidas pelos seus adeptos.

[Acrescentado a 09/01/2019: Tal como denuncio nos comentários posteriores que fiz a esta colocação, o facto de ter eu entretanto constatado que Richard Stallman afinal só saiu efectivamente do MIT em 1998, tendo continuado até ao referido ano a trabalhar para o seu laboratório de Inteligência Artificial, financiado pela DARPA, acabou por promover uma mera possibilidade que levantava eu nesta colocação a uma agora forte suspeita que tenho, quanto aos reais propósitos do movimento informático por esta conhecida figura criado...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

A mais revoltante peça de distorção dos factos que alguma vez vi!

26.12.18

Jornal Público chama "assassínios em massa" a execuções de terroristas do Estado Islâmico.

 

As prisões da Síria estão a ser esvaziadas por assassínios em massa

 

Centenas de milhares de mortos, o país destruído e pessoas a passar fome em consequência de tudo isto... E querem que o dinheiro dos impostos das pessoas vá para alimentar os *terroristas* responsáveis por isto e por algumas das maiores barbáries dos tempos modernos?
Isto é o cúmulo da estupidez, na constante tentativa de distorcer os factos, para convencer os leitores de que é o regime de Assad o grande vilão.
Mas quem é que ainda lê um jornal tão revoltante, estúpido e nojento como este?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obviamente, tratar-se-á de mais um "movimento colorido"

01.12.18

coletes_amarelos.jpg

 

Assunto: O movimento dos "coletes amarelos" é certamente um movimento controlado

(Estando eu a enviar esta mensagem a quem vive ou tem vivido em cidades que estão a ser afectadas por este movimento...)

Venho só informar-vos de que,

O a que estamos a assistir com este movimento dos "coletes amarelos", obviamente que (para qualquer pessoa bem informada) nada mais é do que a aplicação da velha fórmula das "revoluções coloridas" (https://pt.wikipedia.org/wiki/Revoluções_coloridas) que tem sido usada para derrubar governos democraticamente eleitos que não alinham com certos interesses ocidentais (https://www.theguardian.com/world/2004/nov/26/ukraine.usa).

Pois, o que se passa agora no Ocidente é que - tal como tem denunciado o agente dos serviços secretos russos, Daniel Estulin, na sua conta no Twitter e denuncia também este no seu último livro que já foi publicado em Portugal (https://www.wook.pt/livro/nos-bastidores-de-trump-da-russia-e-do-mundo-daniel-estulin/21876488) - a eleição do Donald Trump e o Brexit são duas manifestações de uma divisão que ocorreu entre as elites ocidentais, com uma facção que quer implementar um novo modelo económico que sirva de substituto ao que já entrou em Colapso (formada pela velha oligarquia europeia e outros, na qual se incluiu a monarquia britânica) e outra facção que continua a insistir neste modelo económico sem futuro - que é a facção que ainda controla a União Europeia e a grande maioria dos média de massas (incluindo as redes sociais) e que é formada essencialmente por uma grande parte dos chamados banqueiros internacionais.

Ora, o Macron antes de ser Presidente de França trabalhava para a família Rothschild. E, a família Rothschild é uma conhecida família de "sócios" da família real britânica (ex: http://kontrainfo.com/capitulo-5-la-casa-rothschild-sionismo-financiero-estado-israel/). E, como tal, o Macron tem sido repetidamente denunciado pelo autor Daniel Estulin como um agente britânico, tal como foi o Napoleão III (https://twitter.com/search?q=macron napoleon from:EstulinDaniel).

Tendo então estalado uma guerra interna entre as elites ocidentais, entre quem está do lado dos britânicos e outros interesses que se tornaram nacionalistas e quem está do lado dos liberais-financeiros, que insistem na União Europeia, obviamente que não é do interesse do sector liberal-financeiro ter um presidente como o Macron a comandar os destinos de um tão grande e importante país como França. E, tendo este sector liberal o controlo das redes sociais (o Facebook e afins são empresas de fachada da CIA - https://blackfernando.blogs.sapo.pt/ja-aderiram-ao-facebook-49568 - ainda sob o controlo de tal sector)... Não é preciso puxar muito pelos neurónios para perceber o que se passa agora nas ruas de França.

Tudo o que é oriundo de "redes sociais" é sinónimo de movimento controlado. Pois, primeiro que tudo, são estas redes imensamente populadas pelo fenómeno dos "trolls", que são (tal como tem sido repetidamente denunciado também na imprensa portuguesa: https://zap.aeiou.pt/sporting-meio-milhao-blogs-contas-falsas-209537 + http://videos.sapo.pt/osVD6KZEr9jc8zwnbAKm) pessoas que são pagas pelo poder estabelecido para emitir certo tipo de críticas, pontos-de-vista e propaganda nestas redes. E, segundo, qualquer pessoa que seja verdadeiramente "anti-sistema" e use este tipo de redes controladas para difundir mensagens que não interessam a esse mesmo sistema, é por norma censurada e alvo de golpes baixos, que visam impedir a difusão de tais mensagens (tal como tem acontecido ao autor Daniel Estulin, a inúmeros apoiantes do Donald Trump nos EUA e até a mim próprio, quando denunciava coisas mais incómodas - razão pela qual já não uso mais as minhas contas na Google/YouTube/Blogger ou no Twitter: https://www.rt.com/usa/441075-facebook-twitter-banned-accounts/).

E, por isso, venho avisar-vos...

Razões legítimas que possam haver para certos protestos (que normalmente há - e é exactamente por se usarem as mesmas é que este tipo de "movimentos coloridos" têm tido o sucesso que têm tido: https://blackfernando.blogs.sapo.pt/que-se-fa-a-constituicao-38423?thread=72983#t72983) à parte, desconfiem de tudo o que lêem nas ditas redes sociais para o qual não sejam apresentadas provas. E, tenham consciência de que estas redes são imensamente usadas, através de perfis falsos, para tentar manipular as pessoas e espalhar desinformação.

E, se não querem estar possivelmente a ser constantemente manipulados por estes ou aqueles interesses que desconhecem, se alguma vez se quiserem envolver em actividades políticas, informem-se primeiro sobre quem são e o que fazem os actores deste teatro, para que não sejam enganados pelos mesmos - podendo vós, para isso, começar por recorrer às melhores fontes de informação que existem, para as quais eu tenho chamado a atenção no meu blogue (ex: https://twitter.com/BlackFerdyPT/status/934827651533099009 + https://www.globalresearch.ca/cia-backed-color-revolutions/5611641 + https://blackfernando.blogs.sapo.pt/o-celebre-maio-de-68-explicado-em-muito-78960).

 

*

 

Assunto: O movimento dos "coletes amarelos" é certamente um movimento controlado - adendo

No fundo, trata-se este movimento de um do mesmo tipo do que ocorreu em Portugal, nos anos 90 junto à Ponte 25 de Abril, para derrubar o que a imprensa controlada chamava de "Cavaquistão".

O Cavaco Silva é um de dois ou três Presidentes da República que tivemos que não estava sob o controlo dos grandes interesses económicos - e a prová-lo está (para além do facto de ainda hoje ser ele imensamente denegrido por esta mesma imprensa controlada) o facto de ter sido Cavaco Silva quem nomeou a Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, responsável pela prisão de várias altas figuras da corrupta sociedade que temos - e que o actual Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, obviamente tratou de correr do seu cargo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para a História: Com a ajuda do PCP, que faz este Governo possível

22.11.18

[Governo ordena que Polícia retire trabalhadores do Porto de Setúbal, com contratos incrivelmente precários, que tentam impedir a entrada de fura-greves...]

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 14:46