Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Não foram as "vacinas" contra o sarampo que eliminaram a doença

18.04.17

measles.png

 

[Mais uma carta que hoje enviei, a quem me é próximo, por causa da propaganda que (por acaso) pude ontem ver ser emitida na televisão...]

 

Assunto: Para quem pense que o recente surto de sarampo é culpa da não vacinação

A propósito do que foi ontem noticiado em Portugal, sobre um surto de sarampo que ocorreu, venho partilhar convosco o seguinte.

Não foram as "vacinas" contra o sarampo que eliminaram esta doença. E, para o provar, envio (em anexo) uma fotografia de ecrã [imagem que está no início desta colocação], que tirei de uma parte de um documentário, que por enquanto ainda pode ser visto no YouTube. (Sendo o gráfico que apresento um relativo à realidade estadunidense, que, como todos sabem, tem uma população muito maior do que a portuguesa - sendo, por isso, os seus dados estatísticos muito mais correctos do que se a amostra fosse uma população muito menor.) E, para mais informações, podem vocês ver esse mesmo bom documentário - e clicar nas opções do YouTube para accionar as suas legendas em português: https://www.youtube.com/watch?v=8L7Aliz9U60


E, aqui vão também alguns extras:

1) Crianças que morrem por causa da "vacina" contra o sarampo: https://www.prisonplanet.com/over-100-measles-vaccine-deaths-zero-measles-deaths-since-04.html

2) A maior parte das crianças que apanham sarampo foram "vacinadas" contra o mesmo: https://www.prisonplanet.com/what-they-wont-admit-about-measles-outbreaks-most-children-who-catch-measles-were-already-vaccinated.html

(A constatação anterior foi exactamente a mesma que eu fiz relativamente ao tétano, quando - no decorrer de um trabalho de voluntariado que fiz - quiseram que eu me "vacinasse" contra o mesmo - tendo eu, na altura, constatado este mesmo tipo de incidência (em que, de entre as pessoas que tinham apanhado esta doença, a percentagem que tinha sido vacinada contra ela era sensivelmente a mesma que a de pessoas vacinadas na população, em geral - ou seja, a vacina era ineficaz) - após o cruzamento de várias informações a que tive acesso, com pesquisas na Internet, em artigos de revistas científicas, como a "New Scientist", e afins.)

Se acreditam que os nossos governos são incapazes de mentir sobre uma coisa destas, então estão ainda num nível de desenvolvimento, em termos de consciência social, semelhante ao das crianças que acreditam no Pai Natal...

«the broad masses (...) more readily fall victims to the big lie than the small lie, since they themselves often tell small lies in little matters but would be ashamed to resort to large-scale falsehoods. It would never come into their heads to fabricate colossal untruths, and they would not believe that others could have the impudence to distort the truth so infamously. Even though the facts which prove this to be so may be brought clearly to their minds, they will still doubt and waver and will continue to think that there may be some other explanation. For the grossly impudent lie always leaves traces behind it, even after it has been nailed down, a fact which is known to all expert liars in this world and to all who conspire together in the art of lying.»
--- Adolf Hitler, "Mein Kampf" (https://en.wikipedia.org/wiki/Big_lie)

Os casos do Sócrates, Ricardo Salgado e afins chegam a ser quase ridículos, pelo facto de serem apenas estas as pessoas que são apanhadas (http://blackfernando.mypress online.com/semanario_entrevista.html). E, se não acreditam no que eu digo, procurem por declarações por parte de quem investiga (a fundo) o fenómeno da corrupção em Portugal, a dizer a mesma coisa: https://www.google.pt/search?q=paulo+morais +corrupção&tbm=vid

Quando o governo e meios de comunicação de massas (ambos controlados pelos grandes interesses económicos) vierem demonizar quem recuse ser injectado - e recuse também que os seus filhos sejam injectados - com agentes patogénicos e substâncias altamente tóxicas, exijam sempre provas do que vos dizem estes, quando afirmam que é tudo culpa da não vacinação.

As hiperligações numeradas, que eu acima apresento, foram o resultado de uma pesquisa de apenas dois minutos, que fiz, usando o termo de procura "measles site:www.prisonplanet.com" (tendo como objecto de pesquisa um sítio na Internet, que já vos recomendei em carta anterior). E, se fui eu capaz de encontrar esta informação em tão pouco tempo, quem se preocupe mais com este assunto, muito mais poderá encontrar.

Aproveitem, enquanto podem, para se informarem sobre isto. Pois, tudo o que é conteúdo mais incómodo no YouTube já começou a ser escondido (https://www.youtube .com/watch?v=7bnQrajRfTM) - e poderá (leia-se deverá) no futuro próximo ser também eliminado. Ao poder estabelecido não interessa nada que as pessoas saibam desta enorme mentira (e daí a já existente - e também crescente - demonização de pessoas que, como eu, sabem e denunciam a Verdade sobre este fenómeno). Se as pessoas começarem a questionar a veracidade do que lhes dizem sobre este assunto e procurarem informar-se, por si próprias, sobre o mesmo, dando-se conta do enorme logro de que foram vítimas, sabe-se lá o que mais é que poderão começar a questionar e sobre o que mais é que poderão começar a procurar a Verdade sobre (por si próprias). Isto é... O que eu aqui denuncio, e ao qual vos apelo, uma vez mais (nas entrelinhas), é algo de *imensamente subversivo* - e que pode, em vós, instilar muito maus hábitos (do ponto de vista de quem governa)...

E, o que posso acrescentar ao que já vos tenho dito sobre este assunto, é que as verdadeiras razões que se escondem por trás desta enorme mentira não são meramente lucrativas - e eu não vos estou a dizer o que de pior sei sobre esta história das vacinas...

 

[Ao qual aproveitei para fazer o seguinte acrescento.]

 

Assunto: Para quem pense que o recente surto de sarampo é culpa da não vacinação (adendo)

Também, outra coisa que aproveito para acrescentar, é que...

Eu não nego - nem nunca neguei - o (sobejamente) conhecido facto de que (pelo menos no caso de alguns agentes patogénicos) se uma pessoa apanhar uma doença e conseguir vencer a mesma, dificilmente deverá apanhá-la uma outra vez - por ter, neste processo, criado anticorpos contra a mesma.

Este é um facto científico que já está mais do que estabelecido - e a razão pela qual (tal como dizem os médicos) há até doenças que convém apanhar-se quando se é pequeno. Assim como, terá certamente sido este facto que serviu de inspiração para a criação das vacinas.

O que se passa, é que ser-se "vacinado" contra uma doença não é o mesmo que apanhá-la.

As diferenças exactas entre estes dois fenómenos não as conheço eu, por não ser bioquímico, nem ter paciência para estar quase a tirar um curso nesta área científica, só para os compreender. Mas, o que suspeito que aconteça, é o que a seguir transcrevo, de um comentário recente que fiz, sobre esta história das vacinas, ao qual depois acrescentei um outro:

O próprio cientista que as inventou (Edward Jenner) reconheceu mais tarde que as mesmas não funcionavam.
As razões pelas quais várias doenças foram erradicadas, a nível mundial, não foi por causa da introdução das vacinas, mas sim devido a melhorias nas condições de higiene e nutrição (que, respectivamente, diminuíram a exposição aos agentes patogénicos e fortaleceram o sistema imunitário das pessoas, em geral).
O que, na melhor das hipóteses, uma "vacina" faz, é expor as pessoas a uma versão modificada de um vírus ou bactéria - e não ao verdadeiro agente patogénico em si. Sendo que, as defesas que poderão ser formadas, são contra a versão modificada de tal agente e não contra o verdadeiro.
--- http://blackfernando.mypressonline.com/apodrecetuga_censurado.html

Sobre o que dizia eu do próprio inventor das mesmas ter depois dito que elas não funcionavam, não me preocupo sequer em providenciar hiperligações. Pois, nem é preciso ir mais longe do que a própria página na Wikipedia sobre este cientista para constatar isto:
(https://en.wikipedia.org/wiki/Edward_Jenner#Later_life) "Returning to London in 1811, Jenner observed a significant number of cases of smallpox after vaccination."
Sendo o que é dito logo depois - "He found that in these cases the severity of the illness was notably diminished by previous vaccination" - algo que, para mim: (1) não faz sentido, porque as pessoas são diferentes umas das outras, em termos de resistência às doenças, e não há maneira de averiguar tal coisa para uma mesma pessoa; e (2) ou uma tentativa de "salvar a face", da parte de alguém que constatou que tinha seriamente posto o "pé na poça", ou na melhor das hipóteses (3) mais uma conclusão errada da parte de alguém que já comprovadamente tinha tirado conclusões erradas (que levaram à introdução das vacinas)...
--- http://blackfernando.mypressonline.com/apodrecetuga_censurado.html

De qualquer modo, não preciso eu de saber exactamente como funciona o processo de imunização. Pois, basta-me olhar para os dados estatísticos da incidência de várias doenças, antes e depois da introdução das supostas "vacinas" - tal como os que são mostrados no documentário de que já vos falei (https://www.youtube.com/watch ?v=8L7Aliz9U60) - para saber que estas injecções (pelo menos, tal como são elas, hoje em dia, dadas à população, em geral) em nada ajudam a prevenir as doenças que supostamente combatem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 14:52

A credibilidade de Daniel Estulin

17.07.16

estulin_tweet_f6.png

Tal como podem ver na fotografia de ecrã, o tweet foi feito em Dezembro do ano passado, 7 meses antes de tal ocorrer - e sem que alguém nos média de massas nos tivesse avisado disto.

Quem quiser, tem também aqui o mesmo investigador, no início de 2008, a avisar que o preço do barril de petróleo iria atingir cerca de 150 dólares no final desse ano. (O actual vídeo no YouTube foi recarregado pelo entrevistador em 2012, depois de censuras no YouTube relativas à banda sonora do vídeo - mas, eu lembro-me perfeitamente de ver tal entrevista na primeira metade de 2008, antes de alguém conseguir prever que o preço do petróleo poderia atingir preços tão altos.)

Apenas dois exemplos, que servem de prova do quão boa é esta fonte, que é nada mais do que um ex-agente dos serviços secretos militares russos.

A sua actual conta no Twitter é esta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:27

Mudei-me, definitivamente, para o/a SAPO

07.11.14

sapo.png

Depois de uma precipitada mudança para um servidor russo, à procura de refúgio da censura e vigilância por parte da Google/NSA/CIA...
Venho informar os meus seguidores que, decidi antes assentar no serviço de alojamento de blogues da SAPO - e por aqui ficar, na esperança de que esteja aqui mais seguro, de intrusões de agentes norte-americanos na minha publicação.
Como tal, já corrigi a colocação onde anunciava eu a mudança de endereço do blogue. E, aproveito para acrescentar que, após tudo isto, irei também abandonar a última conta que ainda uso da Google - que é a conta que tenho no YouTube (no qual, para além dos vários episódios de censura, já pude observar também "estranhas ocorrências", num vídeo meunoutro de um activista britânico) - e irei, antes, passar a usar o serviço de partilha de vídeos também da SAPO.
Assim sendo, a minha actividade escrita, a começar por este blogue (e vamos aguardar para ver o que irá mais a SAPO oferecer, em termos de alojamento de páginas), a minha actividade de partilha de imagens, de vídeos e de ficheiros (alojados na "nuvem"), irá passar a ser toda feita em serviços pertencentes, ou ligados, à SAPO - e, como tal, alojados em servidores portugueses.
O serviço de blogues aqui, pode não ser tão completo quanto o da Blogger - em termos de personalização do aspecto das publicações - mas, tem também algumas vantagens - como permitir usar mais etiquetas nas colocações. E, irei tentar, dentro do possível, alterar aos poucos a apresentação da minha publicação, para a tornar o mais agradável possível de se ler. Mas, não prometo grande coisa, dadas as (muito) limitadas opções que tenho à minha disposição.
Também, outra coisa da qual vos quero, desde já, notificar é que: para um serviço que supostamente quer fazer a diferença de ser especificamente português... A linguagem, por norma, aqui utilizada, é de "ir aos arames"... "Tags" em vez de "etiquetas", "posts" em vez de "colocações", "links" em vez de "ligações", enfim...
Suponho que seja mais uma manifestação da falta de valores das novas gerações de gente acéfala e amoral, que não se preocupa em defender o que quer que seja - incluindo a sua própria cultura, que tão rica é (e que tanta pena mete que esteja a ser simplesmente ignorada e abandonada).

Vamos então às colocações finais, que ainda quero fazer...

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:55

Como se podem também vocês livrar (em boa parte) da Google

13.05.13

No final das alterações e operações de manutenção que tinha a fazer nos computadores cá de casa, decidi - por ter sido repetidamente censurado, quer no YouTube (onde agora, aparentemente, todos os comentários que eu lá deixe são escondidos, pouco tempo depois de serem publicados) quer na Blogger (onde comentários que eu deixe noutros blogues, que não o meu, desaparecem quase instantaneamente) e também por não querer eu que o Grande Irmão norte-americano ande a espreitar a minha caixa de correio, de cada vez que lhe apeteça, nem gostar eu do facto de estar a utilizar um motor de busca que é usado para traçar o meu perfil psicológico e para apresentar publicidade que varia consoante as minhas buscas recentes - deixar de utilizar, dentro do possível, tudo o que sejam serviços da Google e suas empresas subsidiárias.

(Aproveitando eu para acrescentar que, relativamente a este blogue e à minha conta no YouTube - que é utilizada, essencialmente, para publicar vídeos que eu, por vezes, aqui quero partilhar - como já disse, estes já não deverão ser utilizados por muito mais tempo. Devendo estes, no final do seu período de utilização, ser simplesmente abandonados e tencionando eu aqui e lá deixar todos os seus conteúdos, até à altura publicados, para quem ainda esteja interessado nos mesmos.)

Mas, porque não é minha vontade (pelo menos, por enquanto) abandonar toda a Internet, enquanto for ainda possível utilizá-la de modo decente, mas sim, continuar a utilizá-la para coisas que eu considere úteis, tentando (dentro do possível) proteger (o que resta de) a minha (já muito pouca) privacidade, vim convosco partilhar duas simples coisas que todos podem também fazer, caso tenham por hábito utilizar os mesmos serviços que eu.

A primeira, caso pertençam também alguns de vós ao grupo de (muitas) pessoas, neste Planeta, que têm uma caixa de correio no Gmail, uma muito boa alternativa ao mesmo (que, espero eu, não venha a ser controlada pelos mesmos interesses) é o serviço Mail.ru. O qual, apesar de ser mais direccionado para a comunidade russa, pode ser utilizado em inglês ou castelhano.
Para criar uma conta de correio neste serviço, numa língua que não a russa, só têm de ir à sua página inicial, https://mail.ru, clicar na frase "Регистрация в почте" ("Registar-se no correio electrónico") na respectiva janela de registo/entrada, que se encontra no canto superior esquerdo da página, e, na página do registo para a qual são direccionados, no canto inferior direito da mesma, alterar a língua em que é apresentado o interface, de russo ("русский") para a que quiserem (inglês ou castelhano, deverão ser as duas únicas opções viáveis) e passar então a utilizar tal serviço numa língua que entendam.
(O interface, para além de ser, na minha opinião, mais simples e agradável de utilizar do que o do Gmail, tem quase tudo traduzido. E, relativamente às muito poucas mensagens que ainda não aparecem traduzidas, podem sempre facilmente traduzi-las, recorrendo a um "copiar-colar" para um qualquer tradutor electrónico, disponível na Internet.)
E, a partir daqui, podem então: ou utilizar este interface simples, no vosso navegador de Internet; ou configurar um qualquer cliente de correio electrónico, à vossa escolha - e não ter, subsequentemente, de recorrer mais a tal página na Internet, escrita em russo.
(Poderão também ainda aparecer, no cliente de correio electrónico que utilizem, uma ou outra pasta com a sua designação em russo, mas, caso não descubram uma maneira de alterar tais palavras no vosso cliente, estar a decorar apenas uma ou outra, neste língua, não deverá constituir um esforço significativo...)
Caso queiram transferir todo o correio que tenham na vossa conta antiga, no Gmail, para a nova que tenham no Mail.ru, podem utilizar a opção das configurações no Mail.ru que permite aceder a outras caixas de correio ("Mail from other mailboxes") e, depois de autorizar tal operação na vossa caixa no Gmail (a maneira mais simples deverá ser: tentar, sem sucesso, fazer a primeira "colheita" a partir da conta no Mail.ru e, depois de tal não ser autorizada, ir à vossa caixa no Gmail e autorizá-la, através do aviso que lá aparece) passar a ter toda a vossa correspondência arquivada também na vossa nova caixa no Mail.ru.
Após isto, podem, se quiserem, apagar a correspondência que tenham no Gmail (façam sempre cópias de segurança, com um qualquer cliente de correio electrónico, antes de tentar qualquer uma destas operações, caso alguma coisa corra mal) que, pela minha experiência, tal não faz com que esta seja, consequentemente, apagada também na vossa conta no Mail.ru.
E se, por uma qualquer razão, quiserem manter ainda activa a vossa antiga conta no Gmail, para que seja reenviada, para a vossa nova conta no Mail.ru, qualquer carta que ainda possam receber na caixa no Gmail, o melhor será, depois de terem desactivado o acesso do Mail.ru à vossa conta no Gmail (através do qual fizeram a "colheita" das mensagens - apesar de que, podem mantê-lo, se quiserem, e usar a conta no Mail.ru como um cliente de correio electrónico da vossa conta no Gmail, mas penso que seja melhor, e mais simples de operar com, a opção que a seguir sugiro) configurar a vossa antiga conta no Gmail (na parte das "Definições") seleccionando na secção "Encaminhamento e POP/IMAP" a opção "Encaminhar uma cópia do e-mail recebido para" a vossa nova conta no Mail.ru e, assim, receberem na vossa nova conta no Mail.ru qualquer carta que ainda possa alguém (que não tenham avisado da mudança) querer enviar para a vossa antiga conta no Gmail (como, por exemplo, algum serviço no qual se tenham esquecido de alterar o vosso endereço electrónico, para a recepção de avisos e mensagens importantes).
E, a finalizar, sobre as diferenças pelas quais se caracteriza este serviço alternativo de correio electrónico, uma nota importante, em termos de privacidade (e disponibilidade)...
O Mail.ru não vos obriga a dar um número de telemóvel.

A segunda coisa, de que me lembrei, foi de que, caso não queiram, tal como eu, continuar a utilizar (dentro do possível) o mais conhecido motor de busca da Internet - que, para além de, notoriamente, manipular resultados, escondendo aqueles dos quais não querem que tenhamos conhecimento e promover também tudo o que são sítios notoriamente controlados, incluindo os de suposta denúncia (acreditem em mim, quando faço esta última afirmação, pois tenho utilizado muito tal motor de busca para pesquisas sobre assuntos "incómodos"), é também (como digo acima) usado pelo Grande Irmão norte-americano para tentar "entrar dentro da nossa mente" - e também, caso não se deixem enganar pela óbvia publicidade enganosa de um outro conhecido motor de busca que, note-se, é recomendado pela imensamente honesta União Europeia e que diz ter apenas uma ténue ligação à Google, existe também uma boa alternativa, oriunda do único grande país que não está, definitivamente, controlado pela NOM. Sendo essa, o sítio Yandex.com, que constitui uma implementação, em língua inglesa, do conhecido motor de busca Yandex (.ru). Tendo este motor também buscas especializadas em imagens e vídeos, e também um tradutor electrónico próprio, entre outras coisas.
Se utilizam também o navegador de Internet "Mozilla Firefox" e quiserem adicionar este motor de busca à vossa lista dos restantes, apenas têm de visitar o sítio em causa e, na vossa pequena janela de buscas, no canto superior direito do vosso navegador, clicar na lista de motores de busca, para adicionar este, que aparece lá listado, para poder ser acrescentado, quando se visita a sua página.

E, sobre estas pequenas mudanças, que se podem fazer...
Não é que estas vos garantam muito mais privacidade. Pois, haverão certamente programas de inteligência artificial que, pelo simples registo do vosso tráfego na Internet consigam, à mesma, fazer as suas muitas interpretações. E é também sabido que todo o tráfego na Internet pode ser interceptado e analisado, incluindo quaisquer trocas de correio electrónico que sejam consideradas de interesse. (E as hiperligações que disponibilizo, para argumentar o que digo, são apenas sobre o que era do conhecimento público, há uns anos...)
E é também preciso notar que, de cada vez que façam uma qualquer pesquisa no YouTube e afins, estão, à mesma, a ter estas vossas pesquisas gravadas e interpretadas.
Mas, para quem, por uma questão de princípio, não queira facilitar o trabalho a quem a todos nos quer escravizar, aqui ficam estas dicas sobre o que podem fazer.

E, ainda... Se, por uma qualquer razão, se virem forçados a (ou quiserem, ainda assim) criar uma conta no YouTube (por exemplo, para subscreverem um qualquer canal), podem sempre criar uma conta na Google só para isso e escolher, na parte do endereço de correio electrónico a essa conta associado, o endereço da vossa conta no Mail.ru. E ficam, desta maneira, pelo menos livres da experiência desagradável de ter de estar sempre a entrar e a sair de uma conta na Google.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mimi al-Laham

20.03.13
Mais conhecida por "Syrian Girl" (que é o pseudónimo por ela utilizado no YouTube) é esta muito inteligente e muito bem esclarecida rapariga um muito bom exemplo da qualidade que pode ter o chamado "jornalismo cidadão", tornado possível pelos meios, hoje em dia, ainda disponíveis a muitos, que permitem ao comum cidadão oferecer uma alternativa às constantes mentiras e propaganda emitidas pelos média de massas, contando as coisas como elas realmente são e expondo pontos-de-vista diferentes do que são as narrativas oficiais dos média controlados pelos mesmos interesses que, nos bastidores, fazem acontecer o que é reportado.
Entrevistada no mais conhecido sítio da imprensa alternativa, por outros jornalistas cidadãos, também nos canais de notícias internacionais Press TV e Russia Today e já convidada até para um debate sobre a situação que se vive no seu país natal, num conhecido programa de um canal de televisão australiano.
O endereço do seu primeiro canal no YouTube, onde se encontram vários vídeos interessantes, é: youtube.com/SyrianGirlpartisan. Mas, dada a censura de que tem sido alvo este canal, criou ela recentemente um outro, no mesmo sítio, cujo endereço é: youtube.com/SyrianGirlNews.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:51

Como o YouTube censura os meus comentários

14.03.13

Se, até recentemente, tinha eu apenas uma forte suspeita relativamente à Blogger, tive, há poucos dias, a confirmação de que, de facto, esta empresa censura comentários meus.
E, se já tinha eu visto indícios de censura também no YouTube - [1] [2] [3] (as hiperligações anteriores são para ser vistas em sequência) - tive também, há poucos dias, a confirmação de que tal acontece nesta outra subsidiária da Google/NSA/CIA - pois, foi a mim que, desta vez, calhou acontecer.
Seguem-se as fotografias de ecrã que mostram o que se passou, relativamente aos comentários que deixei a este vídeo, em particular.

 

 


Explicando o que se passou, e passa, com estes comentários (que consistiram em várias tentativas de publicar o mesmo)...
Se estiver eu a utilizar a minha conta no YouTube, consigo ver os comentários que deixei.
Mas, se entro eu com uma outra conta, ou se não estiver eu a utilizar conta nenhuma, não consigo mais ver os meus comentários.
(Cuja presença, apesar disto, é, em qualquer um dos casos, acusada pelo número registado de comentários - o qual não se altera.)
Ou seja, os meus comentários são "escondidos" de um modo a que só eu os consigo ver, quando estou a utilizar a minha conta, mas a que mais ninguém os consegue ver.
Tendo sido as fotografias, que deixei acima, tiradas sem que estivesse eu a utilizar qualquer conta no YouTube - e, por isso, algo a que qualquer outra pessoa poderá também ter assistido.
Curiosamente (ou talvez não, para quem tem, por hábito, ver vídeos de conteúdo incómodo) de cada uma das várias vezes que fui espreitar a página do vídeo em causa (para ver se tinha, mais uma vez, desaparecido o meu comentário) a contagem de visualizações não se alterava, mantendo-se sempre num número que terminava em qualquer coisa como "699".
E, mais curioso ainda, talvez, é que tudo isto tenha acontecido depois de ter sido eu alvo do que me pareceu soar como uma ameaça velada(?)...


...após ter eu, uma vez mais, exposto alguém nos comentários ao vídeo em causa como sendo uma pessoa que andava a espalhar desinformação...


...e também que, poucos dias após tais denúncias, me tenham sido retiradas cerca de 100 visualizações do contador deste vídeo, em particular, (também sobre o 11/9) que coloquei no YouTube - tendo eu, em consequência disto, cometido a proeza de ultrapassar, por duas vezes, a barreira do total de 12.000 visualizações totais dos vídeos que tenho em partilha neste sítio.

Autoria e outros dados (tags, etc)