Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A razão pela qual as próximas décadas vão ser mesmo muito más

06.07.17

georgia_guidestones.png

Um comentário que deixei num sítio na Internet sobre as novidades no campo da informática e também sobre novas tecnologias, que veio no seguimento de uma colocação que foi feita sobre a energia de fusão - no final da qual o autor perguntava às pessoas se achavam que iríamos ter este tipo de energia já disponível daqui a pouco mais de uma década.
Quem quiser, pode também consultar os restantes comentários à colocação em causa, para mais explicações, que eu lá deixei, sobre o que se passa em torno de tudo isto.

 

Fernando Negro 4 de Julho de 2017 às 16:07

«um pouco de pressão e uma competição saudável seria o necessário para ter a motivação suficiente para que este prazo se cumpra»

Mentira. A fusão nuclear já podia até ser uma realidade, não fosse o constante subfinanciamento consciente de projectos governamentais no Ocidente – e o encerramento dos mesmos, quando estes têm sucesso (https://www.youtube.com/watch?v=Wbtj29ERG-Y).

A fusão nuclear está a ser propositadamente adiada pelas mesmas pessoas que andam a propagandear a mentira do “aquecimento global” antropogénico (https://www.youtube.com/watch?v=bSAgCFLgaVI). E, o objectivo de ambas as acções é reduzir a população mundial para números que sejam mais fáceis de controlar (https://larouchepac.com/green-fascism).

Se os países BRICS (que não fazem parte deste conluio) tiverem possibilidades de investir dinheiro suficiente no projecto ITER (https://www.rt.com/shows/technology-update/new-energy-unlimited-power-710/), poderemos ter a fusão nuclear mais cedo. Caso contrário, só quando se acabar de destruir a sociedade que temos, para dar lugar à pretendida pelas elites ocidentais, é que irá aparecer a energia de fusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:11

Alegado bombista de Manchester é filho de um membro de grupo apoiado (apenas no passado?) pelos serviços secretos britânicos

29.05.17

abedi.jpg

 

(O grupo em causa, pertencente à al-Qaeda, é o cuja história é descrita <nesta> página da Wikipedia. E, no final desta colocação que estou a fazer, têm uma palestra do abaixo referido ex-espião do MI5, David Shayler, a contar o que sabia sobre este apoio.)

 

Blowback? Manchester bomber linked to terrorist group which UK allegedly backed

[RT] Published time: 25 May, 2017 12:24

Manchester suicide bomber Salman Abedi and his father, Ramadan, had long-standing links to a violent jihadist group which may have had British backing for the 2011 Libyan war and a 1996 attempt to kill then-Libyan leader Muammar Gaddafi.

The controversy centers on the role of the Libyan Islamic Fighting Group (LIFG), which was both an anti-Gaddafi and Al-Qaeda subsidiary in the North African state.

Many of the fighters which formed the group in the mid-90s were veterans of the Afghan-Soviet war from the 1980s. They went on to fight the Gaddafi regime in Libya itself.

The war saw the overthrow of the Gaddafi regime and the eventual murder of the leader himself after he was captured by opposition fighters. Since NATO’s intervention, Libya has been in chaos.

It has descended into a protracted civil war, is a major contributor to the international refugee crisis, has its own branch of Islamic State (IS, formerly ISIS/ISIL), and two opposing governments.

The elder Abedi was reportedly one of the LIFG fighters who fled Gaddafi’s response to the rebels, settling in London and, later, in Manchester.

The area of Manchester in which Salman Abedi grew up was home to a number of other LIFG members, including former senior commanders including Abd al-Baset Azzouz, who left Manchester to go to Libya and run a 200-300-strong militant network for Osama Bin Laden’s successor, Ayman al-Zawahiri. Azzouz is reported to be an expert bomb-maker.

In 2002, former MI[5] agent and whistleblower David Shayler accused the British spy agency of colluding with the jihadist group in a failed 1996 effort to kill Gaddafi, an allegation the British government strenuously denies.

Allegations have also emerged that in 2011, the UK may have relaxed restrictions on LIFG fighters based in the UK and helped them return to Libya to fight Gaddafi.

The UK was at that time engaged in fighting Gaddafi as part of a US-led NATO coalition. Former fighters interviewed by the Middle East Eye said that the UK actively supported the return of anti-Gaddafi dissidents, including those with Al-Qaeda links, to the North African state.

One fighter who spoke to the Middle East Eye said he had been interviewed by an MI5 agent who asked if he was “willing to go into battle?”

“While I took time to find an answer he turned and told me the British government have no problem with people fighting against Gaddafi,” the fighter said.

Others reported that when the war in Libya began, they looked into how to get fake documents, because their passports had been removed as part of restrictive control orders placed on them by the UK government.

One said that within days, the authorities had returned their passports, after which they headed straight to Libya to take on Gaddafi.

At the time of the war, current UK Prime Minister Theresa May was Home Secretary, with oversight of MI5 operations. It is not clear if she was aware of the decision to relax restrictions of jihadists and return their travel documents.

 

*

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para quem pense que a "sexualização das crianças" é uma paranoia

17.03.17

rainbow_flag_child.jpg

Quando falo de sexualizar as crianças e confundi-las quanto à sua sexualidade, ou orientação sexual, original, é disto que falo:

 

Number of children wanting to become opposite sex doubling each year in Sweden, say doctors

[RT] Published time: 16 Mar, 2017 11:17


The number of children feeling the anxiety of being trapped in the wrong body is doubling each year in Sweden, with children as young as six wanting to become the opposite sex, doctors have said, according to local media.

Last year, a Swedish gender investigation team saw some 197 children and young people keen to undergo analysis to determine their gender identity and become the opposite sex, Louise Frisen, child psychiatrist at the Astrid Lindgren Children’s Hospital in Stockholm, told Swedish daily Aftonbladet.

“There’s a 100 percent increase in numbers each year,” Frisen said.

“There [are] more and more young people, and more children coming at very young ages. The increase is identical on the adult side too,” she added.

The country has six clinics for people seeking gender investigation. The overall increase in the number of people who believe they were born in the wrong body indicates a "greater openness" in Swedish society, Cecilia Dhejne, chief of the gender identity investigation team at the Karolinska University Hospital, said.

Dhejne warned, however, that healthcare resources are already overstretched. “The problem in Sweden is that there is a long queue for people both for initiating an investigation into their gender identity and for the different stages of treatment across the country. It is worrying.”

She added that waiting lists can be critical for young people. At a clinic in Lund, southern Sweden, people may have to wait for up to a year just to come and begin an investigation. “Having to go and wait aggravates the mental health of transgender people," Dhejne noted.

"You put the lives of young people on standby, and it's not good," she added.

Meanwhile, the country's public health minister, Gabriel Wikstrom, has promised more support for gender identity clinics.

“Deficiencies in care for transgender people at every stage of treatment are totally unacceptable,” he told Aftonbladet, adding that the waiting time is unnecessary.

The official pointed out that the government had set up a commission to keep close tabs on waiting times and gaps in care, noting that authorities “had no clue that there is a huge problem.”

Last year Gothenburg resident Charlie Lyrehed told the Local that he had been verbally abused and physically assaulted after two men saw his tattoo of a transgender symbol as he was heading home from the Stockholm Pride festival.

“Anyone who breaks what is seen as some kind of norm is a potential victim,” Lyrehed said.

“It points to a tendency of coldness, hatred, incomprehension and prejudice sweeping through our country right now.”

The American College of Pediatricians has meanwhile urged healthcare professionals and legislators to scrap all policies that condition children to "accept as normal" a life of "chemical and surgical impersonation of the opposite sex."

"Conditioning children into believing a lifetime of chemical and surgical impersonation of the opposite sex is normal and healthful is child abuse," the group said in an open letter.

"Endorsing gender discordance as normal via public education and legal policies will confuse children and parents, leading more children to present to 'gender clinics' where they will be given puberty-blocking drugs,” the statement said. That in return might result in “unnecessary surgical mutilation of their healthy body parts as young adults.”

 

Com a imprensa controlada a elogiar (e a incentivar) este tipo de comportamentos - http://24.sapo .pt/atualidade/artigos/gavin-o-rapaz-transgenero-que-luta-pelo-direito-de-usar-a-casa-de-banho-dos-homens - do que é que estão à espera?

(Se fosse este um fenómeno natural, a sua incidência não se alteraria ao longo do tempo...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 01:04

Editor de muito conhecido jornal alemão falecido o mês passado admitiu que são os média de massas quem emite "notícias falsas"

21.02.17

Editor of Major German Newspaper Says He Planted Stories for the CIA

By Ralph Lopez
Global Research, February 04, 2015
Reader Supported News

Becoming the first credentialed, well-known media insider to step forward and state publicly that he was secretly a “propagandist,” an editor of a major German daily has said that he personally planted stories for the CIA.

Saying he believes a medical condition gives him only a few years to live, and that he is filled with remorse, Dr. Udo Ulfkotte, the editor of Frankfurter Allgemeine Zeitung, one of Germany’s largest newspapers, said in an interview that he accepted news stories written and given to him by the CIA and published them under his own name. Ulfkotte said the aim of much of the deception was to drive nations toward war.

Dr. Ulfkotte says the corruption of journalists and major news outlets by the CIA is routine, accepted, and widespread in the western media, and that journalists who do not comply either cannot get jobs at any news organization, or find their careers cut short.

Dr. Ulfkotte is the author of a book currently available only in German, “Bought Journalists” (Kopp 2014). Aged 55, he was also once an advisor to the government of German Chancellor Helmet Kohl.

The book has become a bestseller in Germany but, in a bizarre twist which Ulfkotte says characterizes the disconnect caused by CIA control of the western media, the book cannot be reported on.

Ulfkotte says:

    “No German mainstream journalist is allowed to report about [my] book. Otherwise he or she will be sacked. So we have a bestseller now that no German journalist is allowed to write or talk about.”

Among the stories Ulfkotte says he was ordered to plant in his newspaper over the years was a story that Libyan President Moammar Gaddafi was building poison gas factories in 2011. Ulfkotte also says he was an eyewitness to Saddam Hussein’s use of poison gas against Iranians in the war between Iran and Iraq, but that the editors he worked for at the time were not interested, because Iraq was a US ally at the time.

Ulfkotte says he is better positioned to come forward than many journalists because he does not have children who could be threatened. Ulfkotte told the Russian newspaper Russian Insider (RI):

    “When I told the Frankfurter Allgemeine Zeitung (Ulfkotte’s nwspaper) that I would publish the book, their lawyers sent me a letter threatening with all legal consequences if I would publish any names or secrets – but I don’t mind. You see, I don’t have children to take care of. And you must know I was severely injured during the gas attack I witnessed in Iran in 1988. I’m the sole German survivor from a German poison gas attack. I’m still suffering from this. I’ve had three heart attacks. I don’t expect to live for more than a few years.”

Ulfkotte says that remorse of having “lied” to mass audiences over the years drove him to come forward. He told RI that he was:

    “taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”

Ulfkotte says:

    “I’m ashamed I was part of it. Unfortunately I cannot reverse this.”

Among the admissions that Ulfkotte makes in the interview are putting his own name to articles completely written by intelligence agencies. He said:

    “I ended up publishing articles under my own name written by agents of the CIA and other intelligence services, especially the German secret service.”

Ulfkotte detailed the pattern of cajolery and outright bribery used by the CIA and other US-allied intelligence agencies, for the purpose of advancing political agendas. Ulfkotte said:

    “once you’re connected, you make friends with selected Americans. You think they are your friends and you start cooperating. They work on your ego, make you feel like you’re important. And one day one of them will ask you ‘Will you do me this favor’…”

Ulfkotte noted that a journalists on international press trips paid for by organizations close to the government are unlikely to submit a storyline not favorable to the sponsor.

Of the gassing of Iranians he had witnessed in the Eighties, Ulfkoppe said:

    “they asked me to hand over the photo’s that I had made to the German association of chemical companies in Frankfurt, Verband der Chemischen Industrie. This poison gas that had killed so many Iranians was made in Germany.”

In an interview with Russia Today, Ulfkotte said that it was “not right” what he had done, and that his fear was that politicians were actively driving the world toward war:

    “it is not right what I have done in the past, to manipulate people, to make propaganda against Russia, and it is not right what my colleagues do, and have done in the past, because they are bribed to betray the people not only in Germany, all over Europe. … I am very fearful of a new war in Europe, and I don’t like to have this situation again, because war is never coming from itself, there is always people who push for war, and this is not only politicians, it is journalists too. … We have betrayed our readers, just to push for war. … I don’t want this anymore, I’m fed up with this propaganda. We live in a banana republic, and not in a democratic country where we have press freedom…”

In his book “The CIA and the Media,” Watergate reporter Carl Bernstein quotes William B. Bader, former CIA intelligence officer, in his testimony before the Senate Intelligence Committee. Baeder said:

    “There is quite an incredible spread of relationships. You don’t need to manipulate Time magazine, for example, because there are [Central Intelligence] Agency people at the management level.”

Bernstein writes:

    “The Agency’s relationship with the Times was by far its most valuable among newspapers, according to CIA officials. From 1950 to 1966, about ten CIA employees were provided Times cover under arrangements approved by the newspaper’s late publisher, Arthur Hays Sulzberger. The cover arrangements were part of a general Times policy—set by Sulzberger—to provide assistance to the CIA whenever possible.”

Ulfkotte was on the staff of the Konrad Adenauer Foundation from 1999 to 2003, according to his Wikipedia entry. He won the civic prize from the Annette Barthelt Foundation in 2003.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:46

Primeiro sério questionamento sobre a origem do ideal anarquista

03.12.16

proudhon.jpg

Tal como eu aqui disse anteriormente, ainda que possa o ideal anarquista ter sido um criação da NOM, isso não o invalida necessariamente como forma de organização - pelo menos, para algumas das situações (como a muito boa do sindicalismo). E, ainda que venha eu a ter alguma certeza em relação a isto, no mínimo é este um ideal que, pelas suas bases ideológicas, constitui uma muito boa "escola" (pela qual todos deviam passar) no que toca ao constante questionar da autoridade - e desobediência à mesma, sempre que tal se mostre necessário ou se justifique.
Mas, como ainda não posso ter certezas em relação a isto, aqui fica esta colocação sob a forma de mera suspeita...
Os textos que a seguir publico, são dois comentários que fiz, há dois dias, a uma colocação no sítio do jornalista James Corbett, que simpatiza com o dito "anarco-capitalismo". E, o livro (interessante de se ler, por ser nele revelada parte da verdadeira natureza de Karl Marx) que menciono no meu primeiro comentário (como prova da amizade que existia entre o fundador do Marxismo e dois dos "pais fundadores" do Anarquismo) está traduzido para português, sob o título Jenny - A Mulher de Karl Marx, e foi publicado pela editora "Livros do Brasil".

 


Serious warning(s) to James Corbett, and everyone else:

1) The “anarcho-capitalist” branch (or supposed branch) of Anarchism is almost certainly a creation of the NWO. And, the so-called “anarcho-capitalists” repeatedly censor people who denounce it on their websites – like when I made the following comment: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/os-anarco-capitalistas-tambem-nao-sao-45837

2) Everyone that seriously researches the NWO conspiracy and the true origins of the Communist ideology (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=43336.0), comes to the conclusion that Karl Marx was most likely an agent of the British Empire (a.k.a. New World Order). And, if you don’t believe me, listen to what Webster Tarpley (https://www.youtube.com/watch?v=H4MahRKtM5s) and also Daniel Estulin (https://www.youtube.com/watch?v=8VbI-t-HUuA) have to say about it.

3) Mikhail Bakunin has been denounced by Daniel Estulin as a British/NWO agent, in his series of documentaries on the Spanish version of RT (https://www.youtube.com/watch?v=8VbI-t-HUuA).

4) Pierre-Joseph Proudhon was a personal (close) friend of Karl Marx and also Mikhail Bakunin (https://www.amazon.fr/gp/product/2221068084). And, his “questioning” of private property came at about the same time as Marx’s and Bakunin’s calls to abolish it.

Connect all the previous dots, and you might start getting a picture on what the true origins of the Anarchist ideology/ideal most probably are…

 


And, as an addendum (and, still as a serious warning that I make),

Concerning only the “anarcho-capitalist” branch (that I see that you, James Corbett, seem to be a fan of – and, that several of the people that you have interviewed are also promoters of)…

I have had someone high up in the LaRouche Movement (who are, by far, the best informed people there are about this whole NWO conspiracy) tell me, in a conversation, that the Libertarian Movement (obviously, the Austrian School/von Mises type of libertarianism – and, not the USA Founding Fathers’ type) is a creation of the British Empire.

But, again, if you don’t believe me, you can all listen to the same Webster Tarpley interview that I linked to in my previous comment, where he also talks about this exact same “synthetic ideology”: https://www.youtube.com/watch?v=H4MahRKtM5s

(And, what this all comes down to, is that: when you’re promoting “anarcho- -capitalism”, in the kind of planned economy capitalist society that we nowadays have – dominated and run by the Bilderbergers and the likes – you’re actually promoting the same type of neo-feudalist society that is the end goal of the NWO…)

Autoria e outros dados (tags, etc)

George W. Bush a festejar o novo "7 de Julho"

13.07.16



O homem da "Skull & Bones" que presidia os EUA aquando dos atentados de 11/9, apanhado a festejar durante a cerimónia fúnebre dos polícias que recentemente foram massacrados em Dallas, na maçónica/"iluminada" data de 7/7 e no que quase certamente terá sido mais uma operação governamental, com vista a demonizar a posse de armas e a criar divisões raciais nos EUA.
(Mais, sobre a importância das datas em que ocorrem este tipo de atentados, aqui e aqui.)

[Acrescentado a 23/07/2016: E, reparem na data em que ocorreu o tiroteio em Munique, ainda no decorrer deste mês... "22 de Julho" (ou seja, 22/7). O mesmo dia exacto dos atentados na Noruega que, há cinco anos, mataram 77 pessoas. Mais uma vez, espreitem <esta> hiperligação. As assinaturas estão à vista de todos. E só não as vê quem é ignorante nestes assuntos.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 15:47

Porque não se deve acreditar nos média de massas ocidentais

31.08.15

Numa Europa onde já qualquer pessoa, hoje em dia, pode ter um smartphone barato com câmara incorporada (nem que seja um em segunda mão, não me venham com histórias) e com o mesmo fotografar ou filmar os tão falados soldados e veículos militares russos que, a mando do governo do seu país, supostamente combatem o exército ucraniano na Bacia do Donets, lá continuam os média de massas, sem reais provas de tal, a insistir na mentira de que o exército russo está a lutar contra o ucraniano em território alheio.
E, perante a repetida falta de provas concretas que sustentem tal afirmação, o que fazem esses mesmos média?... Ora, arranjam mais umas provas falsas e remetem a origem das mesmas para publicações que nem sequer existem.
O vídeo que se segue, é apenas mais uma prova (esta real) de que, sejam as principais publicações económicas, sejam algumas generalistas que possam ser já consideradas como algo "alternativas" - como o jornal The Independent do conhecido correspondente de guerra, Robert Fisk - ou mesmo os principais canais de televisão portugueses, que têm conhecidos correspondentes que falam russo (um exemplo), todos estes média de massas mentem, repetidamente, relativamente à situação na Ucrânia. (E não só - mas, tenho mais que fazer do que estar para aqui sempre a desmenti-los...)


Autoria e outros dados (tags, etc)

O Caso AMIA argentino foi também um atentado de bandeira falsa

21.01.15

AMIA.jpg

 

É isso mesmo que lêem. E, este tipo de ocorrências só poderão talvez um dia terminar, se o poder estabelecido ocidental que nos governa for destronado.
O recente quase certo assassinato do procurador argentino Alberto Nisman, serve obviamente para perpetuar o mito de que (tal como no caso de um outro ataque à bomba, ocorrido também na Argentina) foram os iranianos os responsáveis por tal atentado e também para deixar o governo argentino (não alinhado com o Ocidente) mal visto.
A ser verdade o que dizia tal procurador e a ter sido a morte deste obra do governo argentino, isso seria o acto mais estúpido que tal governo poderia ter feito, se a intenção do último fosse "abafar" este caso... Sendo tudo isto muito mais condizente com este muito provável assassinato ter sido obra de uma agência ocidental ou israelita (com a qual, quase certamente, terão colaborado traidores dentro dos próprios serviços secretos e polícia argentinos) feita com o objectivo de deixar Cristina Kirchner e o seu governo mal vistos.
Segue-se um artigo publicado, há mais de 2 anos, pelo conhecido analista político argentino, Adrian Salbuchi, que denuncia o modo como foram feitas as "investigações" do Caso AMIA - artigo este, no qual o procurador Alberto Nisman era já denunciado como um lacaio (que, com isto, passa a ser mais útil morto do que vivo) dos interesses estadunidenses e israelitas.

 

Cristina Kirchner, Irán y el atentado a la AMIA

Publicado: 2 oct 2012 15:41 GMT | Última actualización: 16 oct 2014 15:41 GMT

Adrian Salbuchi


Durante la Reunión Anual de la Asamblea General de las Naciones Unidas en Nueva York, la presidenta argentina, Cristina Kirchner, anunció que su Gobierno flexibizará su hasta ahora rígida e irreductible posición hacia Irán, país al que acusa de haber perpetrado el peor ataque terrorista en suelo argentino hace ya más de 18 años y que tuvo como blanco la sede de las asociaciones judeo-sionistas AMIA y DAIA en pleno centro de Buenos Aires.

Inmediatamente, el ministro de Relaciones Exteriores argentino, Héctor Timerman, se reunió con su par iraní, Ali Akbar Salehi, con el propósito declarado de “alcanzar la verdad”.

Verdades Peligrosas

Las críticas sionistas no se hicieron esperar.  Desde la estadounidense Roberta Jackson del Departamento de Estado, quien declaró que “las relaciones con Irán nunca son benignas”; pasando por la de los presidentes de la DAIA (Delegación de Asociaciones Israelitas Argentinas), Aldo Donzis, y de la AMIA (Asociación Mutual Israelita Argentina), Guillermo Bolger, quiénes dijeron que la propuesta de diálogo iraní “es una burla que ofende a la justicia argentina” dado que “Irán no es confiable”; hasta la del Gobierno israelí que condenó la reunión de cancilleres aún antes de que se produjera.

La realidad es que el caso de la poderosa bomba que destruyó la sede de AMIA el 18 de julio de 1994 causando 86 muertos y más de 200 heridos, hoy, luego de 18 años, sigue sin resolverse, los responsables del atentado jamás fueron identificados y sus víctimas no han tenido justicia.

El Ataque

Desde el mismo día del atentado, el 'Caso AMIA' sufrió las más descaradas y flagrantes interferencias de los Gobiernos de Estados Unidos e Israel.  El entonces presidente argentino, Carlos Menem, –quien se ufanaba de haber logrado que Argentina mantuviera “relaciones carnales” con EE.UU.- permitió que agencias de inteligencia norteamericanas e israelíes, notablemente el FBI y el Mossad, tuvieran acceso irrestricto y participación fundamental en las investigaciones del hecho.

Fue precisamente un oficial de inteligencia militar israelí quien halló entre los escombros del 'ground zero' de la AMIA un pequeño trozo de metal que resultó pertenecer al motor de una 'van' Trafic que, “por suerte” (para los israelíes), contenía el número de fabricación de ese vehículo.  Ello permitió armar la teoría de un supuesto “coche-bomba” por más que ese vehículo jamás fue hallado ni tampoco existen testigos que declaren haberlo visto.

La investigación del 'Caso AMIA' pasó por siete juzgados federales y está plagada de mentiras, corrupción y encubrimientos. Tras erráticas marchas y contramarchas, hoy el Gobierno Kirchner acusa formalmente a la República Islámica de Irán de ser culpable del ataque.

Obviamente, existe enorme interés por parte de EE.UU. e Israel de que esta acusación prospere, pues le aportaría más “evidencias” que sirvan de excusa para lanzar su reiteradamente anunciado ataque militar unilateral contra Irán. En momentos en que EE.UU. e Israel atraviesan una creciente crisis de credibilidad en sus amenazas contra Irán por su plan nuclear, una “prueba de culpa” iraní en el atentado a la AMIA les vendría como anillo al dedo.

Indaguemos, sin embargo, un poco más a fondo evaluando dos posibles “escenarios”:

Escenario 1.- Una supuesta 'Pista Iraní'

En el 'Caso AMIA' ha habido todo tipo de manoseo en las máximas instancias judiciales y diplomáticas.  Uno condujo a la destitución y posterior juicio político a un juez en la causa, Jorge Galeano, por haber autorizado el pago de un soborno por 400.000 dólares a un detenido por tráfico de vehículos robados de nombre Carlos Telleldín, para que prestara falso testimonio que sustentara una ficticia “pista sirio-iraní”.

Los fondos para ese soborno los proveyó Rubén Beraja, a la sazón presidente de la DAIA y dueño del Banco Mayo, cuya posterior quiebra fraudulenta lo llevó a pasar varios años en la cárcel. Pero en aquellos años 90, Beraja era una prestigiosa figura en círculos sionistas internacionales llegando a integrar en 1996 la Comisión de Personas Notables elegidas y presididas por Paul Volcker, ex gobernador del Banco de la Reserva Federal de EE.UU., para investigar cuentas inactivas de víctimas judías en bancos suizos, operativo que obligó a la banca suiza a aportar 1.250 millones de dólares a las arcas de las organizaciones sionistas mundiales.

Un importante hito se produjo el 21 de septiembre de 2006, cuando el presidente Néstor Kirchner, acompañado de su canciller Jorge Taiana y la primera dama y entonces senadora Cristina Kirchner participaron de una reunión secreta en el Hotel Waldorf-Astoria de Nueva York con ocho de las más importantes organizaciones sionistas pro-Israelíes: el Congreso Judío Norteamericano, el Congreso Mundial Judío, la logia B’nai B’rith y la ADL entre otras.

Se desconoce a ciencia cierta qué discutieron, pero menos de un mes después Kirchner despachó al fiscal especial Alberto Nisman a los EE.UU. para reunirse con la CIA y el Mossad israelí.

A su regreso, Nisman -sionista militante- lanzó una acusación formal contra el ex-presidente iraní Ali Rafsanjani y siete miembros de su gabinete, incluyendo a Ahmad Vahidi, luego ministro de Defensa del presidente Mahmoud Ahmadinejad.  Se los sindicaba de haber financiado y planificado el ataque a la AMIA a través de Hezbolá.

Esta noticia fue primera plana en los diarios argentinos e inspiró al rabino Israel Singer, director político del Congreso Mundial Judío, a “felicitar al Gobierno argentino”, por formalizar “la denuncia contra Irán”, pues con ello se “confirmó el compromiso asumido por el presidente Kirchner en aquella reunión”.

Estas acusaciones argentinas se basaron exclusivamente en “inteligencia” proporcionada por la CIA y el Mossad, que insisten en la teoría de la 'van' Trafic como coche-bomba que hizo explotar la AMIA.

Las presiones sobre la justicia argentina han sido tales que se llegó a sostener el absurdo de que jamás se hallaron otros restos del elusivo coche-bomba porque “la violencia de la explosión lo enterró debajo de la entrada a la AMIA”.  El Dr. Juan Gabriel Labaké, abogado defensor del único imputado local en la Causa AMIA, solicitó a la justicia que ordenara excavar la entrada de la AMIA para hallar de una vez por todas los restos del “coche-bomba”, mas el juzgado reiteradamente no lo permitió…

Pero si los iraníes y los sirios en connivencia con Hezbolá y Hamás no fueron autores del atentado, entonces, ¿quiénes fueron los responsables del mismo?

Escenario 2.- Ajuste de cuentas: ¿Una Pista Israelí?

El 'Caso AMIA' cobra nueva dimensión cuando se interpreta dentro del marco de lo que ocurría en Israel en aquellos años 90. En 1991, había comenzado la Conferencia de Paz de Madrid que buscaba resolver el conflicto palestino-israelí, que avanzó rápidamente tras la victoria electoral en junio de 1992 del general Isaac Rabin, convertido en primer ministro.

Rabin buscaba llegar a un acuerdo con los palestinos, lo que requería detener y desmantelar gran parte de los asentamientos ilegales del movimiento de colonos armados ultraderechistas del fundamentalismo sionista. Éstos sostienen que ceder un centímetro de la "sagrada tierra de Israel" es traición.

Sin embargo, Rabin siguió adelante con el proceso de paz.  En septiembre 1993 se produjo el famoso apretón de manos entre Rabín y Yasser Arafat bajo la mirada atenta de Bill Clinton en el jardín de la Casa Blanca. Poco tiempo después, Rabin llega a un principio de acuerdo con Siria sobre la devolución de los Altos del Golán y también con Jordania.

A principios de julio de 1994, Rabin permite que Arafat regrese a Palestina tras 27 años de exilio. Los colonos sionistas estaban locos de furia; literalmente pues ya en febrero de ese año, un sionista militante neoyorquino perteneciente al grupo Kach, de nombre Baruch Goldstein, irrumpió en una mezquita en Hebrón abriendo fuego con su ametralladora asesinando a más de 40 musulmanes mientras oraban.  Nadie se explica cómo pudo Goldstein, portando una ametralladora, atravesar la fuerte seguridad israelí…  Goldstein resultó muerto por los palestinos luego del ataque, pero luego su tumba se convirtió en lugar de peregrinaje para el movimiento de colonos.

Dentro del marco de esta secuencia cronológica se produce el 18 de julio de 1994 la voladura de la AMIA, precisamente en un punto sumamente crítico de la lucha intestina intra-sionista y dentro del propio Israel.

Por entonces, la conducción de la AMIA apoyaba el proceso de paz de Rabin, por lo que este atentado bien pudo haber sido un “disparo de advertencia” de la extrema derecha sionista contra Rabin para que cesara en sus esfuerzos de lograr la “paz por territorio” con los palestinos.

Pero parece que Rabin “no entendió el mensaje”, y así se llega al clímax de este oscuro proceso el 4 de noviembre de 1995 –poco más de un año después del ataque a la AMIA– cuando el primer ministro Isaac Rabin es asesinado al “estilo John Kennedy” en la vía pública en Tel-Aviv, ya no por un fundamentalista islámico o por algún neonazi, sino por Ygal Amir, joven estudiante ultraderechista miembro del movimiento de colonos sionistas en Israel, y relacionado con el servicio de seguridad interior Shin Beth, organización que estaba siendo reorganizada por Rabin.

Muerto Isaac Rabin, lo sucede Shimon Peres en un breve interregno de siete meses hasta que en las elecciones de 1996, Benjamín Netanyahu es elegido primer ministro y los laboristas son mayormente barridos del escenario político israelí. Desde entonces, a través de Ehud Barack, Ariel Sharon, Ehud Olmert, y hoy nuevamente Netanyahu, el sionismo militante monopoliza el poder en Israel.

Ahora, en vísperas de la anunciada guerra de EE.UU., Israel y el Reino Unido contra Irán, pareciera que Cristina Kirchner -sea por prudencia o por pánico- se quiere “sentar a conversar con Irán”.

¿En qué consistirán esas conversaciones? En poco, seguramente, ya que la grosera posición argentina es insostenible.

¿Qué harán las organizaciones sionistas que detentan poder determinante en la Argentina?

¿Qué harán 'las embajadas' (de EE.UU. e Israel, se entiende) para presionar?

Todas son preguntas en un tablero de ajedrez mundial crecientemente complejo que, conociendo la recurrente falta de idoneidad, planeamiento y consistencia con que Argentina viene manejando el 'Caso AMIA' desde 1994, augura un mal pronóstico para la Argentina.
 

Adrian Salbuchi para RT

­Adrian Salbuchi es analista político, autor, conferencista y comentador de radio y televisión en Argentina. www.proyectosegundarepublica.com.ar
 

Las declaraciones y opiniones expresadas en este artículo son de exclusiva responsabilidad de su autor y no representan necesariamente el punto de vista de RT.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A RT no seu pior

26.12.14

Um miniconcerto de péssima música rock, com profanidades à mistura, intercalado por uma entrevista aos membros da banda em causa, na qual se tenta defender tais estilo de música criado pelo Instituto Tavistock e linguagem de baixo nível como algo de "progressista"...



Foi a segunda parte de uma recente edição do programa "Breaking the Set", com que me deparei, por acaso. Sendo que, o que vi, na altura, foi ainda "melhor" do que isto. Pois, ao mesmo tempo que o programa era emitido, era exibido no canto inferior direito um rectângulo que transmitia uma cobertura em directo das manifestações "Black Lives Matter", nos EUA.
(Manifestações estas, para mim, claramente organizadas pelo próprio poder estabelecido, para desviar a atenção da violência e estado policiais em si e tentar ridiculamente criar divisões raciais no país - sem que tenha havido indícios, nos casos reportados, de que o racismo é sequer um problema - ao mesmo tempo que, mais uma vez, se apontam as pessoas para formas de "luta" que não levam a lado nenhum e, através da violência instigada em tais protestos, se criam pretextos para um ainda maior estado policial.)
É este o tipo de coisas de que falo, quando digo nas entrelinhas que Abby Martin é, para mim, claramente o que se chama uma "gatekeeper" - que está constantemente a desviar a atenção dos contestatários à actual situação para as menos danosas críticas que se podem fazer e para os menos danosos críticos que existem.
(Um exemplo: ó para ela, recentemente a entrevistar e a promover o autor Nafeez Ahmed - que, embora seja uma pessoa muito bem informada sobre os atentados de 11 de Setembro e de 7 de Julho, nunca diz que se trataram estes de auto-atentados. E que, no início do documentário Zero até nem consegue esconder um sorriso furtivo, quando fala sobre o 11/9.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 15:32

A grande "luz ao fundo do túnel"?

26.11.14

ITER.jpg

Que o petróleo e os restantes hidrocarbonetos estão a acabar, é um facto aparente...
E, que isto representa um sério problema, cujos efeitos já se começam a sentir, é também um facto que, para além de aparente, é mesmo muito preocupante.
Mas, quer isto dizer que os próximos tempos não poderão ser outra coisa, que não negros?
Não exactamente...
Existe uma possível fonte de energia alternativa, mesmo muito rica - e que recorre a fontes abundantes - que, embora seja há já muito tempo conhecida, não foi ainda dominada, ou controlada - mas, na qual muita gente deposita a sua esperança. E, a fonte de que falo, é a chamada "energia de fusão".

Fazendo uma breve introdução a este tema...
Existem dois tipos de reacções nucleares que libertam uma energia imensa. E, são estas: a fissão nuclear (quando se dividem/quebram os núcleos dos átomos em partes mais pequenas) e a fusão nuclear (quando se unem/fundem núcleos de átomos, para formar novos átomos maiores).
Quanto à fissão, foi a reacção que foi usada nas primeiras bombas nucleares (que foram lançadas em Hiroshima e Nagasaki) e é a reacção que é usada nas actuais centrais nucleares.
No que toca à fusão, para além de ser a reacção que está na origem do calor e da luz solares que recebemos na Terra (em que átomos de hidrogénio, no Sol, estão constantemente a fundir-se, formando novos átomos de hélio) é a reacção que é actualmente usada na nova geração de armas nucleares (que usam uma mistura de reacção de fissão seguida de uma de fusão - e que faz com que actualmente o nome para designar tais armas seja "termonucleares") enquanto que, no que toca ao uso desta reacção para fins de produção controlada e contínua de energia, ao contrário da fissão, é este um processo que não foi ainda conseguido, ou dominado.
Mas, quanto ao qual muita gente pensa ser possível fazê-lo - e, muito mais importantemente, relativamente ao qual já tem havido alguns sérios progressos.
Sendo de assinalar, para além da recente intenção declarada da Rússia, de construir uma nova geração de centrais que utilizam, ao mesmo tempo, fissão e fusão nucleares no seu processo de produção de energia, o recente anúncio, da parte de um dos mais importantes fabricantes estadunidenses de armamento militar, do possível fabrico de um reactor de fusão já na próxima década e o muito interessante projecto internacional, que já teve início, chamado ITER (do inglês "International Thermonuclear Experimental Reactor"), sobre o qual o canal televisivo RT fez uma grande reportagem.

Se quiserem uma introdução mais elaborada sobre este assunto, podem ver a seguinte palestra, dada numa recente conferência do Instituto Schiller, do Movimento LaRouche, ou então espreitar esta série de dois pequenos vídeos.



E, se quiserem algumas explicações mais detalhadas sobre a ciência que está por trás disto, podem espreitar os vários vídeos que a equipa científica deste movimento tem no seu canal no YouTube.

Quanto às implicações do desenvolvimento desta tecnologia...
Elas vão muito mais além de poderem resolver os actuais problemas energéticos.
A ser bem-sucedida a tentativa de desenvolver tal forma de energia, será o princípio de uma Nova Era para a Humanidade.
Uma espectacular e maravilhosa Nova Era em que se poderá eliminar a pobreza e a fome na Terra, assim como quase todos os problemas relacionados com a falta de recursos. Pois, com uma fonte de energia tão rica, poderia, por exemplo, facilmente converter-se água do mar em água potável, levar água a zonas onde actualmente não é possível praticar a agricultura, resolver quase todos os problemas de poluição, através da decomposição dos elementos poluentes, resolver o problema da escassez de outros recursos, através da criação artificial dos mesmos... Enfim. Seria o princípio de uma verdadeira utopia de energia imensamente abundante e um enorme empurrão para o espectacular desenvolvimento científico e tecnológico que se adivinha...

(Já repararam em como em alguns filmes de "ficção científica", que aparentam ser feitos para "mentalizar" as pessoas para o que aí vem, se começam a fazer referências a esta forma de energia?... Não deverá esta componente lá estar por acaso... E, se quem quase tudo controla - incluindo a indústria cinematográfica - e de tudo está a par, no topo, coloca este tipo de elementos nos argumentos, não deverá ser por serem tais pessoas propriamente cépticas em relação a isto...)

Sobre a mais abrangente questão energética em que se insere o possível surgimento desta nova alternativa e os problemas que existem com a manifesta falta de vontade de desenvolvimento da mesma (pelas suas óbvias implicações imensamente libertadoras), podem ver a muito boa palestra que se segue, onde é mencionado o muito importante facto de haver um subfinanciamento propositado da pesquisa sobre esta forma de energia, por parte de organismos públicos, e na qual é denunciado que "há cientistas que perdem o seu financiamento por serem bem-sucedidos na fusão" e que "há tecnologia que é tornada secreta". O que leva a concluir que o facto de a mesma não ter sido ainda desenvolvida pelos governos ocidentais "é uma intenção política e não um desafio científico", tal como é dito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A história do "aquecimento global" é mais uma enorme mentira

21.11.14

(Copiando para aqui, e reeditando agora, o que escrevi numa série de comentários, há uns anos, para a qual chamei a atenção numa das primeiras colocações que fiz neste blogue e onde explicava eu as razões de ser desta fraude, o que realmente se passa, é o seguinte...)

 

O mundo em que vivemos está neste momento a viver apenas o princípio do que irá ser um Enorme Colapso Económico. Um colapso derivado do facto dos limitados recursos energéticos que até agora tornaram possível o tão apregoado "crescimento económico" estarem neste momento prestes a entrar em declínio.

Não existe, presentemente, uma solução para este problema e temos todos de nos preparar, nem que seja apenas mentalmente, para enfrentá-lo.

À excepção da energia nuclear, que parece ser relativamente rentável e que será apenas uma solução temporária (pois, o urânio é um recurso finito e que está dependente do petróleo e afins para ser extraído e transportado), as energias alternativas não irão resolver o sério problema energético com que nos iremos deparar, pois são apenas capazes de produzir uma pequena fracção da energia que, hoje em dia, temos ao nosso dispor.

Não existe no mundo nenhuma fonte de energia tão rentável (falando da relação que existe entre a energia que se investe ao extrair um recurso e a energia que se obtém em retorno a partir do mesmo) quanto o petróleo. E nenhuma combinação de energias renováveis chega aos joelhos da energia que se obtém a partir da utilização dos hidrocarbonetos.

O hidrogénio é uma anedota - pois, não é uma fonte de energia em si e é maior a energia que se investe a produzi-lo do que a energia que se obtém a partir do mesmo - e, pessoalmente, ainda estou à espera de saber que baterias são estas, que existem para carros eléctricos, que sejam diferentes das baterias dos telemóveis e dos computadores portáteis que têm de ser frequentemente substituídas... (Será viável ter carros cujas baterias precisam de ser constantemente substituídas?)

Os diferentes limitados recursos energéticos irão todos entrar (ou estão neste momento prestes a entrar) em declínio neste século. E com isto irão arrastar toda a sociedade de volta a algo próximo da situação em que estávamos antes da Revolução Industrial.

[Nota importante: Sobre a inexistência de alternativas viáveis e de uma possível resolução para este problema, descobri entretanto um novo, e muito importante, facto, do qual irei falar numa colocação seguinte...]

É por isso é que estamos já a assistir ao colapso da civilização tal como a conhecemos.
Por, ao que tudo indica, o petróleo estar prestes a entrar em declínio e por estarem as elites a destruir a economia mundial de propósito, seguindo o mesmo princípio das avalanches controladas, ao tentar causar um colapso controlado da economia, de modo a evitar que este ocorra de forma descontrolada.

Mas há mais. E é aí que entra o mentiroso do Al Gore e as coisas se tornam ainda mais incríveis. Este hipócrita é um lacaio ao serviço da conspiração política conhecida como "Nova Ordem Mundial". É um agente de desinformação que tem como missão andar a espalhar mentiras sobre "alterações climáticas" com vista a criar um pretexto para uma rápida desindustrialização da sociedade.

As elites que nos governam nos bastidores, de cujos políticos que vocês vêm na televisão são meros fantoches, querem preservar para si os valiosos recursos naturais que temos ao nosso dispor no planeta.

Desindustrializando a sociedade mais rápido do que o necessário, não só irão guardar para si algumas destas verdadeiras fontes de riqueza num mundo de recursos limitados, como, em consequência da destruição que irão causar, para além do que é necessário, da economia, irão dificultar imenso o acesso à cultura - e à informação por elas não controlada - e finalizar a destruição, já em curso, da chamada "classe média", que é quem mais dispõe de recursos monetários para poder fazer frente à ditadura mundial que está planeada.

Têm uma explicação minha mais detalhada aqui, da qual tiro a seguinte citação:


«This Committee of 300 told a man called Aurelio Peccei to form this Club of Rome with the main object of bringing down the industries and the agricultural development of the United States. He immediately wrote a paper in which he said there are too many people on the Earth. And that the United States with its industrial development, its agricultural development, is responsible for this curse of overpopulation. And he picked up the documentation for his work from Lord Bertrand Russel, a senior statesman of the Committee of 300. And Lord Bertrand Russel had written a work called "The Impact of Science on Society". And if you can ever secure a copy of that book, which I doubt you’ll be able to get, you will see in there that he said the world is grossly overpopulated and we have to get rid of, at least, half of the world’s population. And it doesn’t matter how we do it. So the Club of Rome was instituted and organized to start an attack on the world’s population using the United States as a whipping boy. And they came up with a paper called "The Zero-Growth Post-Industrial Plan for Industry and Agriculture for the United States of America". Three days after that plan was accepted as official United States policy by James Earl Carter, I was able to, through my intelligence people, get a copy of this insidious document. Basically what it said was that the middle class in the United States of America had to be destroyed. Because in the coming push to a World Order, the middle class would be the stumbling block. Because History had shown that the peasant class, in ancient days, when they had revolted, was just easily crushed. There was no resistance. But now had grown a new superclass of people in the United States, called the middle class, who had long-term employment, who had job security, who were well-paid, who could afford to buy the products that were made by the United States and didn’t need to buy products from China or anywhere else. And the Club of Rome "Post-Industrial Zero-Growth" paper said this has got to stop. We have to bring down the middle class of the United States. And the way that we will do this, the way that we will accomplish this task, is by crushing their industries.»

--- Dr. John Coleman, https://www.youtube.com/watch?v=2qv2bXejwdM#t=32m58s

Esta fraude do "aquecimento global provocado pela actividade humana" já tem sido mais que denunciada na imprensa alternativa e não só. E quem ainda se dá ao trabalho de ouvir o que o agressor sexual do Al Gore tem para dizer é porque está muito mal informado.

Esta semana celebra-se o aniversário do escândalo "Climategate". Não deixemos que o trabalho de quem tem exposto, e expôs, este importantíssimo facto tenha sido em vão e estejamos ao menos bem informados sobre a verdadeira história por trás desta fraude do "aquecimento global".

(Se quiserem saber mais do que falo, leiam e oiçam Michael C. Ruppert e Richard Heinberg sobre o Fim da Era do Petróleo e a viabilidade das possíveis alternativas energéticas, Christopher Monckton sobre os pormenores científicos desta fraude do "aquecimento global" e John Coleman - o ex-agente dos serviços secretos britânicos - sobre as razões que se escondem por trás desta impostura científica.)

Eu próprio também caí que nem um patinho nesta mentira, durante 10 anos. Mas, por estar atento à imprensa alternativa, não demorei muito a perceber que esta era mais uma de várias escandalosas mentiras com que os políticos e média de massas, seus aliados, enganam as pessoas.

Contudo, de tão grande escândalo que foi o "Climategate", até mesmo os média de massas foram forçados a falar no assunto. A maioria tentou deturpá-lo, mas, surpreendentemente, ainda há quem, apesar de trabalhar num órgão de comunicação de massas controlado, seja honesto e tenha feito uma cobertura decente do assunto. (Cliquem na hiperligação do "Daily Telegraph" que deixei.)

Pena é que não haja em Portugal pessoas tão bem informadas como lá fora - e que o Al Gore não tenha tido uma recepção deste tipo quando por cá passou:




Alguns extras:


Uma interessante notícia na RT sobre esta temática das "alterações climáticas". 1, 23 ilustrações políticas, retratando o Sr. Al "Mentiroso" Gore. E a actual crise económica mundial, explicada por Daniel Estulin.

E um acrescento:


Quando falo que "nenhuma combinação de energias renováveis chega aos joelhos da energia que se obtém a partir da utilização dos hidrocarbonetos", estou a falar em termos de média global. Pois, tal como poderão constatar se pesquisarem sobre a situação portuguesa, no nosso caso até que não estamos propriamente mal. Visto que, dependendo do quanto chove (e quão usadas são as barragens) num dado ano, próximo de 1/3 da energia que consumimos anualmente é proveniente de energias renováveis.

[Editado a 18/02/2016: Os dados sobre energias renováveis que referia eu, na altura em que escrevi esta série de comentários, eram relativos a uma pesquisa que fiz em 2003, quando me andei a informar seriamente sobre a questão do Pico do Petróleo. Felizmente, a situação evoluiu para muito melhor, desde então. E, hoje em dia, já quase 2/3 da electricidade produzida em Portugal é de origem renovável.]

Com uma redução obrigatória de 2/3 da população (seguindo a média global) de volta ao nível sustentável dos cerca de 3 milhões de pessoas que éramos antes do início da Revolução Industrial, não ficaremos tão mal como isso... O problema será esta mesma fase de transição... (Caso não percebam do que estou eu a falar e ainda não o tenham lido, por favor leiam isto.)

E, ainda sobre o modo como a escassez de petróleo e afins irá afectar os diferentes países, uma situação que será certamente interessante observar será a da França, onde quase 80% da energia consumida é de origem nuclear e onde, até que o urânio entre também em declínio, haverá uma larga margem de manobra para lidar com este sério problema energético.

Onde eu gostava de estar neste momento, era na Venezuela... Um país que, sendo um produtor de petróleo, será um dos últimos a ser afectado por este problema. E um país onde, não só o seu povo foi capaz de pôr no poder um governo progressista, que verdadeiramente serve os seus interesses, e que combate activamente a pobreza e o desemprego, como um país onde poderia, se neste momento lá vivesse, encher o depósito inteiro do meu carro por apenas
50 cêntimos...

(Leiam mais sobre as razões para o elevado preço da gasolina em Portugal, aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)