Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Muito estúpido ataque à Síria por parte de Donald Trump

08.04.17

war_lies.jpg

[Quem pense que o perigo de uma Terceira Guerra Mundial foi eliminado com a não eleição de Hillary Clinton, desengane-se... Pois, com alguém que não prima pela sanidade mental e com notórios complexos de grandeza na presidência dos EUA, que não pensa duas vezes antes de "premir o gatilho", é este um perigo que irá estar sempre presente.]

 

 

Peligro y estúpido ataque a Siria: los británicos y neoconservadores engañaron a Trump

[LaRouche PAC] 7 de abril de 2017 — El ataque con misiles crucero ordenado por el Presidente Trump contra la base aérea siria fue un acto “estúpido”, con base en mentiras descaradas que le vendieron a Trump los británicos y los neoconservadores que han penetrado su gobierno, y que no quieren ver que surja una alianza entre Estados Unidos, Rusia y China. Esta fue la evaluación de Lyndon LaRouche y de Helga Zepp LaRouche, quienes destacaron que la escandalosa y peligrosa violación del derecho internacional que le endosar a Trump, es parte también de la “revolución de color” que está ya a todo vapor, el golpe de Estado de Wall Street diseñado para tumbar su gobierno.

“Los británicos pusieron en movimiento esto contra toda la especie humana”, señaló Lyndon LaRouche específicamente.

Los ataques comenzaron a las 00:45 GMT del 7 de abril, en el momento en que se iniciaba el banquete oficial del Presidente Trump al mandatario visitante de China, Presidente Xi Jinping, luego de la primera fase de su reunión en la residencia de Mar-a-Lago, Florida. Después de la cena, Trump se retiró para hacer la declaración oficial del ataque contra Siria.

La acción que se calificó oficialmente como un ataque de “solo una vez”, se realizó desde los buques de la armada de Estados Unidos estacionados en el Mediterráneo, que lanzaron 59 cohetes crucero Tomahawk contra la Base Aérea de al-Shairat en Homs, Siria. El Departamento de Estado emitió una declaración en la que dice que se le dio aviso previo a Rusia en el contexto del acuerdo existente para evitar conflictos. Siria no fue informada directamente, pero se podría esperar que Rusia informó a Siria. El gobierno sirio informó que 6 soldados sirios fueron asesinados en el ataque.

En el anuncio de los ataques, el Presidente Trump estableció como un hecho supuestamente probado que “el dictador sirio Bashar al-Assad lanzó un horrible ataque con armas químicas contra civiles inocentes... No puede haber ninguna discusión sobre que Siria utilizó armas químicas prohibidas”. Estas son aseveraciones sin prueba que le pasaron a Trump como hechos, antes de que se realizara ninguna investigación competente por parte de la ONU o de ningún otro organismo. Diversas fuentes de inteligencia bien informadas le han dicho a EIR que la Fuerza Aérea Siria realizó realmente un ataque aéreo contra lo que ellos consideran un depósito de armas del Estado Islámico (EIIS), que resultó que tenía armas químicas pertenecientes a los terroristas, y que estos hechos son conocidos por las agencias de inteligencia de Estados Unidos, pero que no fueron reportadas verazmente al Presidente Trump.

En su breve anuncio Trump dijo también que “es del interés vital de la seguridad nacional de Estados Unidos prevenir y disuadir el empleo de armas químicas letales... Esta noche, llamo a todas las naciones civilizadas a unirse a nosotros en el objetivo de acabar la masacre y el baño de sangre en Siria”.

El Secretario de Estado, Rex Tillerson, alegó que Rusia no había cumplido en implementar el acuerdo de 2013 para destruir las armas químicas de Siria. “Es claro que Rusia ha fallado en cumplir con ese compromiso de 2013”, le dijo Tillerson a los periodistas en Florida. “Así que, o Rusia ha sido cómplice o Rusia ha sido incompetente en su capacidad de cumplir... Nosotros sentimos que el ataque fue proporcional”, agregó.

“Esto indica de manera clara que el Presidente está dispuesto a tomar acciones decisivas cuando sea necesario”, alegó Tillerson. “En ningún modo intentaría extrapolar que eso es un cambio en nuestra política o en nuestra postura con relación a nuestras actividades militares en Siria hoy. No ha habido ningún cambio en ese estatus”, agregó.

De acuerdo a un funcionario de la defensa de Estados Unidos, a quien cita la agencia Reuters, Trump preguntó primero el 5 de abril cuáles serían las posibles acciones militares, después de que las agencias de inteligencia le habían dado la línea de que las naves sirias estacionadas en la Base Aérea de el-Shairat habían lanzado gas sarín contra civiles.

No se ha presentado ninguna “prueba” pública. La única información pública se origina de los llamados “Cascos Blancos”, un grupo financiado por los británicos y con conocidos nexos con el Estado Islámico.

 

*

 

LPAC Statement on Syria bombing: Fraud Against the President; Fraud Against the Nation

April 7, 2017 — In reviewing the Syria bombing ordered by President Donald J. Trump yesterday, Lyndon and Helga LaRouche condemned it in the strongest terms possible. President Trump received a fraudulent briefing on the event itself – asserting that Bashar al-Assad was responsible for a chemical weapons attack on his own population – despite the fact that U.S. military forces on the ground in Syria knew that the chemicals came from an Al-Qaeda base, as stated by Russia and Syria. President Trump was lied to by individuals in his national security/intelligence chain of command. The sources utilized to claim Syrian culpability for the attack are exclusively British, the same people who are coordinating the international attack on Trump’s Presidency, in an effort to destroy any positive potential for relationships with Russia and China to rebuild the U.S. and world economy. This was a violation of international law. Trump was setup. “The British set this in motion against the entire human race,” Lyndon LaRouche emphasized.

LaRouche said the Trump must immediately seek out those responsible for the fraud and fire them. A United Nations investigation of the incident must occur immediately. Following both, a war crimes prosecution would be appropriate. The President should never listen to the British. It is not accidental that this setup occurred right when the President was meeting with China’s President Xi Jinping – a meeting which has the British and their Wall Street allies completely apoplectic – a meeting which could portend a new and peaceful paradigm for economic and scientific progress.

LaRouche PAC is coordinating a national mobilization against this fraud, telling the President to fire those responsible, and return to the sound American system premises of his Presidency, not the World War III policies of Barack Obama and Hillary Clinton. Nothing less than the continued viability of his presidency is at stake. We are also demanding that the United Nations immediately investigate.

According to numerous intelligence community sources who have commented or who have been interviewed by LaRouche PAC, active duty U.S. forces on the ground in Syria knew that this was not a Syrian government chemical attack. The Syrians hit an Al-Qaeda base which was storing chemical weapons used by the terrorists. U.S. forces on the ground reported that it was not a Syrian chemical weapons attack up the chain of command. The United States had been notified of the Syrian mission before it took place and knew about the Syrian targeting. Someone either deliberately lied to the President about this information or kept it from him.

The on the ground intelligence purporting to document a chemical weapons attack by the Syrian Air Force came from the White Helmets group, created by the British, financed by the British Defense Ministry, and totally penetrated by and supporting ISIS and Al Nusra terrorists. The other cited “proof” comes from the Syrian Human Rights Observatory which consists of a single individual, residing in London, who is notorious for widely disseminating inaccurate information.

The President needs to hear from those who voted for him and other patriots who are not interested in World War III or perpetual war in the Middle East. The swamp which needs draining is the Wall Street/London/Washington D.C. neo-conservative, liberal interventionist swamp which has squandered the nation’s wealth, and involved our youth in fraudulent wars destroying the morale of an entire generation. Mr. President, find, fire, and prosecute those responsible for this.

Call the White House comment line at 202-456-1111 Monday-Friday or call switchboard at 202-456-1414.
You can write a message to the White House at whitehouse.gov/contact
You can tweet the President at @realDonaldTrump.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 18:29

Editor de muito conhecido jornal alemão falecido o mês passado admitiu que são os média de massas quem emite "notícias falsas"

21.02.17

Editor of Major German Newspaper Says He Planted Stories for the CIA

By Ralph Lopez
Global Research, February 04, 2015
Reader Supported News

Becoming the first credentialed, well-known media insider to step forward and state publicly that he was secretly a “propagandist,” an editor of a major German daily has said that he personally planted stories for the CIA.

Saying he believes a medical condition gives him only a few years to live, and that he is filled with remorse, Dr. Udo Ulfkotte, the editor of Frankfurter Allgemeine Zeitung, one of Germany’s largest newspapers, said in an interview that he accepted news stories written and given to him by the CIA and published them under his own name. Ulfkotte said the aim of much of the deception was to drive nations toward war.

Dr. Ulfkotte says the corruption of journalists and major news outlets by the CIA is routine, accepted, and widespread in the western media, and that journalists who do not comply either cannot get jobs at any news organization, or find their careers cut short.

Dr. Ulfkotte is the author of a book currently available only in German, “Bought Journalists” (Kopp 2014). Aged 55, he was also once an advisor to the government of German Chancellor Helmet Kohl.

The book has become a bestseller in Germany but, in a bizarre twist which Ulfkotte says characterizes the disconnect caused by CIA control of the western media, the book cannot be reported on.

Ulfkotte says:

    “No German mainstream journalist is allowed to report about [my] book. Otherwise he or she will be sacked. So we have a bestseller now that no German journalist is allowed to write or talk about.”

Among the stories Ulfkotte says he was ordered to plant in his newspaper over the years was a story that Libyan President Moammar Gaddafi was building poison gas factories in 2011. Ulfkotte also says he was an eyewitness to Saddam Hussein’s use of poison gas against Iranians in the war between Iran and Iraq, but that the editors he worked for at the time were not interested, because Iraq was a US ally at the time.

Ulfkotte says he is better positioned to come forward than many journalists because he does not have children who could be threatened. Ulfkotte told the Russian newspaper Russian Insider (RI):

    “When I told the Frankfurter Allgemeine Zeitung (Ulfkotte’s nwspaper) that I would publish the book, their lawyers sent me a letter threatening with all legal consequences if I would publish any names or secrets – but I don’t mind. You see, I don’t have children to take care of. And you must know I was severely injured during the gas attack I witnessed in Iran in 1988. I’m the sole German survivor from a German poison gas attack. I’m still suffering from this. I’ve had three heart attacks. I don’t expect to live for more than a few years.”

Ulfkotte says that remorse of having “lied” to mass audiences over the years drove him to come forward. He told RI that he was:

    “taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”

Ulfkotte says:

    “I’m ashamed I was part of it. Unfortunately I cannot reverse this.”

Among the admissions that Ulfkotte makes in the interview are putting his own name to articles completely written by intelligence agencies. He said:

    “I ended up publishing articles under my own name written by agents of the CIA and other intelligence services, especially the German secret service.”

Ulfkotte detailed the pattern of cajolery and outright bribery used by the CIA and other US-allied intelligence agencies, for the purpose of advancing political agendas. Ulfkotte said:

    “once you’re connected, you make friends with selected Americans. You think they are your friends and you start cooperating. They work on your ego, make you feel like you’re important. And one day one of them will ask you ‘Will you do me this favor’…”

Ulfkotte noted that a journalists on international press trips paid for by organizations close to the government are unlikely to submit a storyline not favorable to the sponsor.

Of the gassing of Iranians he had witnessed in the Eighties, Ulfkoppe said:

    “they asked me to hand over the photo’s that I had made to the German association of chemical companies in Frankfurt, Verband der Chemischen Industrie. This poison gas that had killed so many Iranians was made in Germany.”

In an interview with Russia Today, Ulfkotte said that it was “not right” what he had done, and that his fear was that politicians were actively driving the world toward war:

    “it is not right what I have done in the past, to manipulate people, to make propaganda against Russia, and it is not right what my colleagues do, and have done in the past, because they are bribed to betray the people not only in Germany, all over Europe. … I am very fearful of a new war in Europe, and I don’t like to have this situation again, because war is never coming from itself, there is always people who push for war, and this is not only politicians, it is journalists too. … We have betrayed our readers, just to push for war. … I don’t want this anymore, I’m fed up with this propaganda. We live in a banana republic, and not in a democratic country where we have press freedom…”

In his book “The CIA and the Media,” Watergate reporter Carl Bernstein quotes William B. Bader, former CIA intelligence officer, in his testimony before the Senate Intelligence Committee. Baeder said:

    “There is quite an incredible spread of relationships. You don’t need to manipulate Time magazine, for example, because there are [Central Intelligence] Agency people at the management level.”

Bernstein writes:

    “The Agency’s relationship with the Times was by far its most valuable among newspapers, according to CIA officials. From 1950 to 1966, about ten CIA employees were provided Times cover under arrangements approved by the newspaper’s late publisher, Arthur Hays Sulzberger. The cover arrangements were part of a general Times policy—set by Sulzberger—to provide assistance to the CIA whenever possible.”

Ulfkotte was on the staff of the Konrad Adenauer Foundation from 1999 to 2003, according to his Wikipedia entry. He won the civic prize from the Annette Barthelt Foundation in 2003.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:46

A mentira com que nos tentaram convencer da necessidade duma intervenção militar ocidental na Síria (inclui filmagens chocantes)

18.10.13


Como os serviços secretos ocidentais fabricaram o "ataque químico" de Ghouta

REDE VOLTAIRE | DAMASCO (SÍRIA) | 11 SETEMBRO 2013


Thierry Meyssan analisa as contradições e as incoerências dos serviços secretos estadunidenses, britânicos e franceses a propósito do suposto massacre químico de Ghouta.


Thierry Meyssan: Os serviços secretos ocidentais estão seguros, a 100%, de coisas que não são lógicas:
  1. Eles pensam que os gases de combate podem descriminar entre homens e mulheres.
  2. Eles observaram a preparação de gases de combate, mas não interviram para impedir o seu uso. Pelo contrário, propuseram punir aqueles que os usaram.
  3. Eles explicam que as crianças foram mortas no dia 21 de Agosto, enquanto os vídeos são anteriores e as crianças provêm de famílias que apoiam o Estado sírio e o governo de Bashar al-Assad.
  4. Eles dizem dispor de intercepções telefónicas. Mas, não são eles que fazem essas intercepções telefónicas.
  5. E, finalmente, o caso da "linha vermelha". Visto que, de acordo com o chefe do Comité Conjunto dos Serviços Secretos britânico, Jon Day, a Síria teria usado, anteriormente, 14 vezes gases de combate. Mas, sem isto ter sido claramente documentado. Porquê 14 vezes antes? Porque, 14 vezes é o número de uso, pelos EUA, de armas químicas no Iraque, em 2003-2004. E, evidentemente, esta seria simplesmente a 15ª vez que permitiria atravessar a famosa "linha vermelha" que necessita de uma resposta da parte das grandes potências.


O massacre de Ghouta
As contradições dos serviços secretos ocidentais

TM: O governo dos EUA e também a França asseguram que o exército árabe sírio - o exército legítimo do Estado sírio - procedeu a um massacre químico nos arredores de Damasco, na cintura agrícola - a Ghouta - que rodeia Damasco, no anterior dia 21 de Agosto.
Então, vou-vos mostrar que tal afirmação é completamente fabricada e que em nada corresponde à realidade. Para isso, vou-me basear em documentos publicados, muito oficialmente, pelos governos dos EUA, Reino Unido e França.


1 - O número de vítimas varia na proporção de 1 para 5

TM: Na nota de informação que foi publicada pelos EUA, podemos ler que tal ataque causou a morte de, pelo menos, 1429 pessoas.
Mas, quando vemos o documento francês equivalente, já se trata de apenas 281 mortos, que foram contados, observando vídeos na Internet. Esses mesmos documentos precisam que uma "Organização Não Governamental" (é preciso usar o termo entre aspas), os Médicos Sem Fronteiras, contou, pelo governo francês, 355 mortos em hospitais na região de Damasco.
Portanto, a diferença de avaliação do problema varia, de um a cinco, consoante a fonte.
Depois, uns e outros fazem referências aos vídeos, para atestar a veracidade dos factos.
E, estes mesmos vídeos, não estão de acordo quanto ao número. De acordo com os documentos dos EUA, há uma centena. Enquanto que, de acordo com o governo francês, há apenas 47.


2 - Paris e Washington validaram os vídeos anteriores a 21 de Agosto

TM: Quando vemos estes vídeos, podemos constatar que alguns são anteriores ao massacre.
Com efeito, se vocês os virem no YouTube, verão que eles foram publicados no dia 20 de Agosto. Poderia ser o dia anterior - mas não necessariamente - dada a diferença horária de 9:00 horas entre a Síria e a Califórnia, onde se encontram os servidores do YouTube. Contudo, podem constatar que, nas cenas exteriores, o Sol está no seu zénite.
Pelo que, é cerca de meio-dia. E isto não pode ter sido publicado no dia 21 de Agosto. Teve, necessariamente, de ser registado antes desta data.
É, portanto, em provas sem valor que se fundamentam os serviços secretos dos EUA e da França.


3 - Um gás que poupa as mulheres

TM: Nesses documentos, dizem-nos que a maior parte das vítimas são crianças.
Efectivamente, se virmos estes vídeos, podemos ver que muitas das crianças estão a agonizar. São todas crianças da mesma idade. Há também adultos, mas os adultos são todos homens, geralmente, de idade de combate.
Não há mulheres. Com duas excepções, não há mulheres entre as vítimas anunciadas. Das 1429 vítimas contadas pelos Estados Unidos, não haverá mais de duas mulheres.
Esta seria a primeira vez em que gases descriminam as pessoas de acordo com o seu sexo.


4 - As vítimas são prisioneiros dos jihadistas

TM: Quando estas imagens são difundidas, a primeira coisa que sobressai é que estas crianças não estão acompanhadas.
Isto é muito chocante, de acordo com a cultura do Médio Oriente, porque, jamais se deixam os corpos dos mortos sem estarem acompanhados, especialmente, quando se tratam de crianças.
Portanto, estas crianças estão sem os pais.
E vemo-las nas mãos de pessoas, que são apresentadas como auxiliares de acção médica a tentar salvá-las. Mas, não compreendemos bem o que esses auxiliares de acção médica estão a fazer.
De facto, há uma razão muito simples... Que é que, estas crianças não são vítimas de ataques químicos.
São crianças que foram raptadas há duas semanas, no princípio de Agosto, na região de Latakia, a 200 km de Ghouta.
Foram raptadas durante um ataque dos jihadistas contra aldeias alauítas fiéis ao governo. A maior parte das famílias foi massacrada. Alguns sobreviveram. Nos sepulcros em redor de Latakia, houve mais de um milhar de mortos.
E estas crianças, das quais estivemos sem notícias, durante duas semanas, reaparecem nestes vídeos.
Aquelas que têm familiares ainda vivos foram reconhecidas por eles e essas famílias apresentaram queixa por assassinato porque, se não perceberam, nos vídeos, o cuidado que lhes está a ser prestado é, simplesmente, que elas não sejam ajudadas.
Estão-lhes a dar injecções intravenosas de venenos, para as assassinar em frente às câmaras.


5 - Os serviços secretos teriam um meio secreto de analisar amostras humanas

TM: Os estadunidenses, britânicos e franceses dizem que as vítimas foram gaseadas com gás sarin, com uma mistura de gases que inclui gás sarin. E, para isso, baseiam-se em análises feitas pelos seus próprios laboratórios a partir das suas próprias amostras, colhidas no sítio.
O que é totalmente impossível, porque a ONU também foi a esse local, colheu amostras e precisa de mais doze dias suplementares para poder cultivar os tecidos humanos, que foram colhidos, e ser capaz de os analisar.
Portanto, dizem-nos que os EUA, França e Reino Unido têm métodos secretos de investigação, totalmente desconhecidos do mundo científico, que permitem, instantaneamente, cultivar tecidos humanos e saber o que daí advém.


6 - Os Estados Unidos terão observado a preparação do crime, durante quatro dias, sem terem interferido

TM: Ainda mais estranho, na nota de James Clapper, Director dos Serviços de Informações estadunidenses, aprendemos que, como prova final, os EUA terão observado, durante os quatro dias anteriores, o exército sírio a misturar os componentes de gás sarin e a preparar o veneno mortal para uso imediato.
Mas, o que não compreendemos é que, se viram isso durante quatro dias porque não disseram nada e porque não interviram?


7 - Uma intercepção telefónica fornecida por Israel

TM: Da mesma maneira, os EUA, Reino Unido e França afirmam, cada um, ter interceptado conversas telefónicas entre um alto funcionário do Ministério da Defesa sírio e o chefe das unidades que lidam com gases de combate, em que o Ministério sírio terá entrado em pânico devido ao uso desses gases. Isto, seriam mais provas da responsabilidade síria.
Mas, estas provas não foram colhidas por tais serviços secretos. Foram-lhes fornecidas pela Unidade 8200 da Mossad israelita, tal como anunciou, perante tais serviços secretos, a televisão israelita...

Televisão israelita: "As forças armadas israelitas afirmam ter interceptado comunicações do governo sírio que demonstram que o regime de Bashar al-Assad é responsável pelo recente ataque químico que causou centenas de mortos, entre civis, num país devastado pela guerra."


8 - Ausência de sintomas causados por gás sarin

TM: Nos vídeos, as vítimas têm tremores e babam-se. Isso é muito característico, normalmente, das intoxicações com gases de combate.
Excepto que, o gás sarin não causa uma baba branca, mas uma baba amarela. E não é isso que vemos nesses vídeos. Por isso, não pode ter sido gás sarin que foi usado para intoxicar as pessoas que morreram.


Os dirigentes dos Estados Unidos, Reino Unido e França são passíveis de ter de enfrentar o Tribunal Penal Internacional

TM: Em conclusão... Este caso é totalmente fabricado. Emerge da propaganda de guerra. E a propaganda de guerra é, de acordo com o Direito Internacional, um crime muito grave, porque é um crime contra a Paz, o qual permite a perpetração de outros crimes, incluindo crimes contra a Humanidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

CNN desmascarada

02.06.13
A minha história favorita relativa à CNN continua a ser esta. E, se quiserem ver uma linda "troca" de palavras, entre Alex Jones e este canal de televisão (que, obviamente, não foi emitida) têm este - [1] [2] - excelente vídeo. Quem quiser saber de uma das últimas (boas) provas do quão controlado é este órgão de propaganda norte-americano, tem os dois vídeos que se seguem.



Autoria e outros dados (tags, etc)

É este o futuro que querem para os vossos filhos?

29.12.12

Um vídeo - claramente, pró-NOM - que já muitos deverão ter visto mas que, ainda assim, poderão querer rever mais umas quantas vezes, talvez em ecrã inteiro, para que possam reparar em todos os pormenores - e interpretá-los da maneira que bem entendam.
É este o estado a que chegou todo o chamado mundo ocidental... Chegámos a um ponto tal em que até quem na destruição da sociedade que temos e no fenómeno da manipulação das massas está envolvido se pode gabar, perante todos, sobre o que nos está a fazer.
Serão as pessoas capazes de inverter o sentido em que vão as coisas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

E para quem duvidar de algo que eu anteriormente aqui disse...

29.07.12
(Se há sítios na Internet que quem não consulta, anda a perder coisas mesmo muito importantes, no topo da lista destes - e também no topo da lista dos que aqui recomendo - estão, definitivamente, os do Alex Jones... O - por vezes, demasiado energético, mas, definitivamente - mais conhecido e imensamente determinado lutador contra a NOM, que incansavelmente se dedica a esta Luta, a 110% - como ele diz - e que muitas pessoas tem acordado e muito tem alcançado no decorrer da mesma. E bem a propósito disto, aqui vão algumas coisas que têm sido expostas nos seus sítios...)

Talvez um dia eu elabore um pouco mais sobre a importância da chamada linguagem corporal. E também sobre o quão importante é, num mundo baseado na Mentira, que reparemos nesta e aprendamos a filtrar as pessoas segundo a mesma. Mas, por enquanto, fica aqui apenas a nota feita de que foi, uma vez mais, deste modo que pude, numa análise feita numa colocação anterior que aqui fiz, perceber que estava, mais uma vez, perante uma das muitas mentiras com que, constantemente, nos bombardeiam os média de massas...

Para quem tenha duvidado da - para mim, óbvia - cena fictícia, para a qual chamava a atenção numa colocação anterior, em que um conhecido proponente sírio do bombardeamento do seu país natal nos apresentava um conjunto de crianças que dizia terem sido atingidas por uma bomba, aqui vão algumas confirmações de outras mentiras do mesmo género, que foram expostas nos conhecidos órgãos de imprensa alternativa do Alex Jones que mencionava.

(Para quem já for, há um número de anos suficiente, leitor de imprensa alternativa, nada disto será surpreendente... Pois, como muitas pessoas saberão já, a propaganda, em tempo de guerra, é quase uma condição sine qua non para que se faça uma, perante uma população ocidental que possa ter alguma relutância em fazer as mesmas e que seja fácil de enganar... E exemplos disto são muitos, relativamente a guerras anteriores. Mas é apenas sobre esta que agora aqui falo.)

Supostas vítimas de um massacre a prepararem-se para uma cena que irá ser filmada:



Morto que pisca os olhos:



E, o meu vídeo favorito... Morto que ressuscita no final da filmagem da elegia:



Podem ver aqui mais vídeos que expõem mentiras deste tipo, assim como outros vídeos que os média controlados, convenientemente, não vos mostram, sobre o que os rebeldes sírios andam a fazer. E podem também constatar aqui que também a própria BBC, por exemplo, anda a mentir sobre estes massacres.
Sobre a veracidade e autoria destes, podem consultar as seguintes hiperligações: [1] [2] [3] [4].
E quem duvidar da mão da NOM por trás deste conflito e pense que os rebeldes sírios - que andam, conjuntamente com as tropas da OTAN estacionadas neste território, a cometer estes massacres - constituem uma alternativa melhor ao regime que presentemente governa o seu país, pode ler isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Oh... As crianças..."

18.03.12

A propósito de um outro vídeo, publicado noutro blogue, em que se fala de um personagem, também já referenciado nos sítios do Alex Jones, que ultimamente tem aparecido nos vários média controlados, a fazer campanha por uma intervenção ocidental na Síria e que, visivelmente, se esforça ocasionalmente para não se partir a rir enquanto o faz (vejam o vídeo de que falei, aquando dos 5m e 15s), não quis deixar de chamar aqui a atenção para um vídeo, este último, ainda mais revelador do grau de cinismo e insidiosidade a que é capaz de chegar a propaganda feita para a imprensa controlada.

(Vejam o vídeo que se segue mais do que uma vez, se quiserem, para repararem bem no que falo.)

Reparem na ausência de feridas visíveis nas crianças, no quão descontraídas estas estão, na clara ausência de medo por parte destas e na ausência de expressões faciais que revelem algum trauma ou que estejam estas em "estado de choque". Observem isto e depois reflictam seriamente sobre se esta é uma cena genuína ou não...



(Só para verem o quão cínica pode ser esta gente e o nível de mentira com que nos bombardeiam, quase todos os dias...)

E uma nota.
Eu não irei, ao contrário do que ocasionalmente fazia no passado, estar aqui neste blogue a denunciar as várias mentiras, ou propaganda embebida nas supostas notícias ("Não façam nada... Deixem-se ser destruídos...") dos média de massas, de que me vou apercebendo. (Também, cada vez menos, por ser, cada vez menos, capaz de ver telejornais, dada a quantidade dessas mesmas mentiras e propaganda e a incrível e desmesurada atenção que é dada a eventos desportivos, enquanto toda a sociedade continua em Colapso...)
Pois, se o fizesse, teria de estar aqui constantemente a fazer colocações, as quais ofuscariam os assuntos mais importantes dos quais quero aqui estar a falar e também porque, acima de tudo, não tenho mesmo paciência para, e coisas melhores que fazer do que, andar a corrigir quem se deixa enganar por órgãos de comunicação de massas, que tem a obrigação de saber estarem controlados.
Assim como não irei também estar aqui sempre a comentar o que vejo nos olhos de cada político nacional no governo, de cada vez que vejo um desses seres abjectos numa televisão.
("Quem quiser comprar a banha da cobra, que compre...")
Mas dado o grau de cinismo deste vídeo em particular, não resisti a esta partilha.

E a finalizar... Quem tiver sabido de um massacre de mulheres e crianças, que ocorreu na Síria, que foi reportado esta última semana, prontamente atribuído pela imprensa às forças do regime (que obviamente, querem-nos fazer crer, têm todo o interesse em andar a matar os seus próprios cidadãos inocentes desta maneira...) lembre-se, ou saiba: que os países da OTAN têm já tropas colocadas na Síria; que foi emitido um aviso, há semanas, de um ataque desta natureza que iria ser erradamente atribuído ao regime sírio; e que não é fenómeno raro as tropas dos países da OTAN fazerem este e outro tipo de coisas.

Mas... "Oh... Ajudem as crianças..."

Autoria e outros dados (tags, etc)