Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O estado a que isto chegou (x2)

16.06.17

corrupção.jpg

[Quando as coisas estão de tal modo dominadas, que até o próprio conluio de grandes interesses económicos e classe política (sua fantoche) se pode gabar - perante a "massa suja" - do que faz - e continuar a roubar e a enganar o povo, de modo impune... Como digo, continuo sem perceber onde é que vão as pessoas inteligentes, honestas e decentes deste país buscar o seu optimismo...]

 

Não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal

Por ZAP - 11 Junho, 2017

O ex-Ministro da Economia Daniel Bessa considera que há um “sistema de incentivos e de administração” que leva a que não haja “razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal”.

Em declarações divulgadas pelo Jornal de Negócios e proferidas durante a participação num debate sobre competitividade, organizado pela Porto Business School, Daniel Bessa,  economista e professor universitário que foi Ministro da Economia do Governo de Guterres, considerou que “não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal”.

“Mesmo que venha a ser condenado judicialmente, para a cadeia não vai”, notou Daniel Bessa, realçando que “a coisa há-de prolongar-se o tempo suficiente até que morra. E isso é um tema de sistema de incentivos e de administração”, concluiu.

O ex-Ministro da Economia também responsabiliza os incentivos públicos por alguns erros do sector privado e fala em concreto do caso da electricidade, em Portugal, que é a quarta mais cara dos 28 países da União Europeia.

Grande peso na factura da luz têm os muito falados, nos últimos dias, Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual ou “rendas excessivas” que estão no centro das suspeitas em torno da EDP e que levaram à constituição de António Mexia como arguido.

O Expresso anunciou que a EDP foi deliberadamente beneficiada, pelos Governos no poder, em mais de mil milhões de euros, em prejuízo dos consumidores.

“Não há problema nenhum, é tudo legal”, ironiza Daniel Bessa a propósito da formação dos preços da energia.

“Há aqui uma questão que tem a ver com o sistema de incentivos, com uma série de interesses que condicionam a legislação e a administração no sentido de determinado tipo de investimento”, acrescenta ainda o economista.

Estas declarações surgem depois de António Costa ter dito que a EDP tem “manhas” e de o ex-Ministro Álvaro Santos Pereira ter referido que “o lóbi da energia é dos mais fortes em Portugal”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 07:34

Mais uma prova da (crescente) sexualização das crianças, à qual todos os pais que se preocupem com os filhos devem estar atentos

23.05.17

shinchan.png

 

(Têm mais informação sobre este fenómeno e também outros exemplos do mesmo, <nesta> minha anterior colocação e nos seus respectivos comentários. E, para saberem mais sobre a natureza destas e outras componentes nocivas, que estão agora repetidamente presentes na moderna "cultura popular" infantil, juvenil e não só - assim como, a razão de ser das mesmas - podem ler o livro do Daniel Estulin, para o qual aqui já chamei a atenção.)

 

Série do canal Panda Biggs considerada imprópria para crianças

Por ZAP - 16 Maio, 2017

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) considerou a série Shin Chan, que é exibida no canal Panda Biggs, pouco adequada para crianças mais novas e determinou que só poderá ser transmitida depois das 22h30.

deliberação surgiu depois de o regulador ter recebido, entre 6 de dezembro de 2016 a 24 de janeiro deste ano, 105 queixas de vários organismos e espectadores, contra um episódio destes desenhos animados japoneses.

O Instituto de Apoio à Criança, a Ordem dos Enfermeiros, o Projeto Criar e a Secretaria-Geral do Ministério da Saúde foram algumas das entidades que manifestaram preocupação com o capítulo em questão, afirmando que o mesmo poderia evocar atos de pornografia ou até pedofilia.

“Duas personagens vestidas como enfermeiras, no âmbito de uma unidade de saúde, realizam um exame ao ânus da criança de cinco anos, que passa por penetração com os dedos e sugestão de penetração com objetos, acompanhado de comentários sobre a alegada perfeição do ânus e imagens e sons de sofrimento da mesma criança”, destacou a Ordem dos Enfermeiros.

O Panda Biggs acabou por se defender e afirmou que, naquele episódio, “o pai de Shin Chan é submetido a uma operação às hemorroidas e está muito queixoso, enquanto que o filho está sempre a fazer traquinices e a gozar com ele. O Shin Chan andava pela clínica a mostrar o rabinho a toda a gente, por isso a médica aproveitou o momento para analisar o rabo do rapaz”.

“O propósito da cena é submeter o Shin Chan ao mesmo tipo de análise que é realizada na clínica, a qual, não sendo agradável, serve de lição por causa das suas traquinices“, acrescentou fonte do canal temático infantil.

[Não vou colocar aqui o vídeo que estava embebido neste artigo. E, quem quiser vê-lo, que clique na hiperligação para a notícia original, que está no título desta citação que estou a fazer.]

Em resposta às queixas, a ERC emitiu um despacho no qual clarificava que a série Shin-chan não contem qualquer ato de pornografia ou pedofilia, mas determinou que a série só pode ser transmitida em Portugal a partir das 22:30.

“Não se poderá considerar que a cena em causa consista em abuso sexual ou pedofilia. No entanto, após a visualização da cena num contexto descontraído e humorístico de desenho animado, as crianças podem ser levadas a não encontrar diferenças relativamente a outros atos que, sendo aparentemente semelhantes, revestem-se das maiores diferenças, consistindo no abuso sexual de um menor”, destacou o regulador.

Os desenhos animados que estão a gerar polémica falam sobre o quotidiano de um rapaz japonês, Shinnosuke Nohara, que tem “um comportamento totalmente anormal” e é considerado um “mau exemplo” para crianças.

A série é considerada uma das mais longas do mundo, com mais de 2000 episódios traduzidos em mais de 30 línguas, e é constantemente uma das séries de anime com maior audiência no Japão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nem o Estado, nem ninguém têm o direito de introduzir quaisquer substâncias estranhas no nosso corpo, contra a nossa vontade!!!

22.04.17

De cada vez que apanho um autocarro, na minha localidade, que tem de passar pela principal estrada de accesso à mesma, passo sempre por um daqueles grandes cartazes que são colocados junto à estrada - este, por uma entidade pública - para serem vistos por quem por essa estrada de acesso circula. O cartaz, colocado pela minha Câmara Municipal, de orientação comunista, diz em letras bem grandes: "A vida humana é inviolável". Sendo que, tal como poderão ver na fotografia que abaixo coloco, o cartaz consiste claramente numa tentativa (ainda que subtil) de alertar e consciencializar as crianças de que nenhum adulto tem o direito de violar a sua integridade física.

 

a_vida_humana_é_inviolável.png


A frase que está neste cartaz, não é uma que foi criada apenas para tal campanha de consciencialização. Pois, para quem tiver um conhecimento mínimo daquela que é a nossa Constituição da República Portuguesa - à qual gostam (e muito bem) os comunistas de frequentemente recorrer - estas palavras deverão soar familiares.
A frase é tirada da seguinte componente deste documento, que se quer sagrado:

 

Artigo 24.º
Direito à vida

1. A vida humana é inviolável.

 

A qual é logo complementada pela componente seguinte:

 

Artigo 25.º
Direito à integridade pessoal

1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável.

 

Ora, com este Mais Fundamental dos Direitos bem explicitado na nossa Constituição, com que justificação, ou como, é que se atrevem os nossos políticos a querer sequer debater o mesmo, a propósito da paranóia em volta das vacinas?
(Se uma pessoa quer adoptar o que, supostamente, é um comportamento de risco, é problema dela. E, se representar tal pessoa um perigo para os outros por ter depois, em consequência disto, contraído uma doença, então nesse caso - e, apenas nesse caso - que, em última instância, se quarentene essa pessoa e se restringa o seu direito à liberdade de circulação - se for preciso, contra a vontade da mesma... Agora, tudo o resto que se venha querer defender, não passa de uma enorme Barbaridade, que nem acredito que possam sequer querer que seja discutida!)
O estar a injectar uma pessoa (ou algum menor que esteja sob a sua responsabilidade) com qualquer substância que seja (ou forçá-la a ingerir algo) contra sua vontade, é simplesmente uma das maiores transgressões e violações de um dos mais fundamentais Direitos Humanos que existem!
(Sendo que, estar a mexer com o próprio corpo físico de alguém, contra sua vontade, é ainda mais violento e transgressor do que impedir alguém de exercer o mais fundamental dos direitos que existem no domínio mental - que é o Direito à Liberdade de Expressão!)
A quem venha dizer que a Constituição também prevê, num dito "estado de emergência", a violação de (ou seja, o acto de "infringir" - e não apenas o acto de "restringir", como diz o Artigo 18.º) os mais fundamentais direitos por ela enunciados, tenho a chamar a atenção para a seguinte parte deste documento:

 

Artigo 19.º
Suspensão do exercício de direitos

6. A declaração do estado de sítio ou do estado de emergência em nenhum caso pode afectar os direitos à vida, à integridade pessoal, à identidade pessoal, à capacidade civil e à cidadania, a não retroactividade da lei criminal, o direito de defesa dos arguidos e a liberdade de consciência e de religião.

 

E, para aqueles que venham dizer que a Constituição, ao defender a "protecção da saúde" dos cidadãos, está a dar carta branca aos governos para infringir quaisquer outros direitos (defendendo um princípio tão absurdo e imensamente abusivo, como, por exemplo, estar a defender a castração de, ou já agora a implantação de microchips de rastreio em, pessoas sexualmente promíscuas, para o impedimento da transmissão de doenças sexualmente transmissíveis) publico a seguir o Artigo em causa, na sua totalidade, onde todos poderão ver que, em nenhuma parte é dito que, para "proteger" a saúde de outros, se pode violar a vida humana:

 

Artigo 64.º
Saúde

1. Todos têm direito à protecção da saúde e o dever de a defender e promover.

2. O direito à protecção da saúde é realizado:

a) Através de um serviço nacional de saúde universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito;
b) Pela criação de condições económicas, sociais, culturais e ambientais que garantam, designadamente, a protecção da infância, da juventude e da velhice, e pela melhoria sistemática das condições de vida e de trabalho, bem como pela promoção da cultura física e desportiva, escolar e popular, e ainda pelo desenvolvimento da educação sanitária do povo e de práticas de vida saudável.

3. Para assegurar o direito à protecção da saúde, incumbe prioritariamente ao Estado:

a) Garantir o acesso de todos os cidadãos, independentemente da sua condição económica, aos cuidados da medicina preventiva, curativa e de reabilitação;
b) Garantir uma racional e eficiente cobertura de todo o país em recursos humanos e unidades de saúde;
c) Orientar a sua acção para a socialização dos custos dos cuidados médicos e medicamentosos;
d) Disciplinar e fiscalizar as formas empresariais e privadas da medicina, articulando-as com o serviço nacional de saúde, por forma a assegurar, nas instituições de saúde públicas e privadas, adequados padrões de eficiência e de qualidade;
e) Disciplinar e controlar a produção, a distribuição, a comercialização e o uso dos produtos químicos, biológicos e farmacêuticos e outros meios de tratamento e diagnóstico;
f) Estabelecer políticas de prevenção e tratamento da toxicodependência.

4. O serviço nacional de saúde tem gestão descentralizada e participada.

 

Resumindo, a Constituição do Estado de Direito em que vivemos diz claramente que, em nenhum caso, pode o mais fundamental Direito à Inviolabilidade da Vida Humana, de cada cidadão, ser retirado, ou infringido.

 

*

 

[E aqui vai mais uma pequena nota, acrescentada apenas algumas horas depois de ter eu feito esta colocação, para possivelmente a tornar ainda mais clara...]

Sendo que, não falando sequer a Constituição em "infringir" quaisquer direitos (que seria no que se traduziria uma violação da vida humana), no que toca a "restringir" alguns (como limitar a liberdade de circulação e afins), esta é também bem clara, ao falar apenas em casos expressamente previstos na mesma - como é o dito "estado de emergência":

 

Artigo 18.º
Força jurídica

 

2. A lei só pode restringir os direitos, liberdades e garantias nos casos expressamente previstos na Constituição, devendo as restrições limitar-se ao necessário para salvaguardar outros direitos ou interesses constitucionalmente protegidos.

 

(E, não sei o que mais tenho de dizer, para demonstrar o quão absurda é toda esta situação, de quererem injectar pessoas à força... Isto é ainda muito mais grave do que estar a defender que, agora para "proteger a saúde" dos cidadãos, vai o Estado começar a limitar a liberdade de expressão e a liberdade de circulação de quem é crítico das vacinas!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

E, mais uma vez, omitem os média o que realmente se passou...

20.04.17

agenda_setting.png

[Aqui deixo mais uma carta que enviei, a algumas pessoas, sobre o surto de sarampo que ocorreu no nosso país - esta, uma que fala especificamente sobre a cobertura mediática deste acontecimento.]

 

Assunto: Jovem de 17 anos que morreu com sarampo tinha sido internada por causa de uma mononucleose

(Porque pude eu constatar que, nas várias notícias televisivas que vi sobre o sucedido, era sempre - muito convenientemente - omitido este muito importante facto, venho só informar-vos do seguinte...)

A jovem que morreu em Portugal neste surto de sarampo, não era uma mera jovem que apanhou esta doença no decorrer da sua normal actividade. O vírus do sarampo que apanhou foi contraído no Hospital, onde estava ela já internada (i.e. em estado muito grave) por causa de uma mononucleose que tinha apanhado. Mononucleose essa, que (tal como diz um médico entrevistado sobre isto: http://www.sabado.pt/portugal/detalhe/medico-jose-vera-a-questao-do-contagio-e-relativamente-irrelevante) lhe deprimiu o sistema imunitário.

Ora, se esta pessoa em idade de ter uma sistema imunitário forte morreu por causa de uma doença cuja taxa de mortalidade nos países desenvolvidos anda na ordem dos 0.2% (https://www.cdc.gov/vaccines/pubs/pinkbook/meas.html), é óbvio que, quase certamente, terá sido exactamente por ter o seu sistema imunitário enfraquecido (e não por não ter sido "vacinada" - pois, como digo, as ditas vacinas em nada ajudam a imunizar uma pessoa contra as doenças).

Todos os anos morrem também pessoas no decorrer dos surtos de gripe. E, a esmagadora maioria das pessoas que morrem, são invariavelmente pessoas idosas (http://news.nationalpost.com/news/world/the-reason-older-people-die-from-the-flu-isnt-the-virus-study-suggests-its-their-immune-response) que têm o seu sistema imunitário enfraquecido (e que, se não fosse por causa da gripe, facilmente poderiam também ter morrido por causa de uma outra doença).

E, penso que não preciso de dizer mais nada sobre isto...

(Para além de aproveitar para vos avisar de que, a mentira é apenas uma das maneiras que os meios de comunicação de massas têm de enganar as pessoas. E, um método que é muito mais usado do que esta, é a simples omissão de (muito) importantes factos, que permitem uma leitura diferente dos acontecimentos. E, se querem estar bem informados sobre o que acontece no mundo à vossa volta, o melhor é começarem a procurar por fontes de informação alternativas: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/sitios-recomendados-68840)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:24

Não foram as "vacinas" contra o sarampo que eliminaram a doença

18.04.17

measles.png

 

[Mais uma carta que hoje enviei, a quem me é próximo, por causa da propaganda que (por acaso) pude ontem ver ser emitida na televisão...]

 

Assunto: Para quem pense que o recente surto de sarampo é culpa da não vacinação

A propósito do que foi ontem noticiado em Portugal, sobre um surto de sarampo que ocorreu, venho partilhar convosco o seguinte.

Não foram as "vacinas" contra o sarampo que eliminaram esta doença. E, para o provar, envio (em anexo) uma fotografia de ecrã [imagem que está no início desta colocação], que tirei de uma parte de um documentário, que por enquanto ainda pode ser visto no YouTube. (Sendo o gráfico que apresento um relativo à realidade estadunidense, que, como todos sabem, tem uma população muito maior do que a portuguesa - sendo, por isso, os seus dados estatísticos muito mais correctos do que se a amostra fosse uma população muito menor.) E, para mais informações, podem vocês ver esse mesmo bom documentário - e clicar nas opções do YouTube para accionar as suas legendas em português: https://www.youtube.com/watch?v=8L7Aliz9U60


E, aqui vão também alguns extras:

1) Crianças que morrem por causa da "vacina" contra o sarampo: https://www.prisonplanet.com/over-100-measles-vaccine-deaths-zero-measles-deaths-since-04.html

2) A maior parte das crianças que apanham sarampo foram "vacinadas" contra o mesmo: https://www.prisonplanet.com/what-they-wont-admit-about-measles-outbreaks-most-children-who-catch-measles-were-already-vaccinated.html

(A constatação anterior foi exactamente a mesma que eu fiz relativamente ao tétano, quando - no decorrer de um trabalho de voluntariado que fiz - quiseram que eu me "vacinasse" contra o mesmo - tendo eu, na altura, constatado este mesmo tipo de incidência (em que, de entre as pessoas que tinham apanhado esta doença, a percentagem que tinha sido vacinada contra ela era sensivelmente a mesma que a de pessoas vacinadas na população, em geral - ou seja, a vacina era ineficaz) - após o cruzamento de várias informações a que tive acesso, com pesquisas na Internet, em artigos de revistas científicas, como a "New Scientist", e afins.)

Se acreditam que os nossos governos são incapazes de mentir sobre uma coisa destas, então estão ainda num nível de desenvolvimento, em termos de consciência social, semelhante ao das crianças que acreditam no Pai Natal...

«the broad masses (...) more readily fall victims to the big lie than the small lie, since they themselves often tell small lies in little matters but would be ashamed to resort to large-scale falsehoods. It would never come into their heads to fabricate colossal untruths, and they would not believe that others could have the impudence to distort the truth so infamously. Even though the facts which prove this to be so may be brought clearly to their minds, they will still doubt and waver and will continue to think that there may be some other explanation. For the grossly impudent lie always leaves traces behind it, even after it has been nailed down, a fact which is known to all expert liars in this world and to all who conspire together in the art of lying.»
--- Adolf Hitler, "Mein Kampf" (https://en.wikipedia.org/wiki/Big_lie)

Os casos do Sócrates, Ricardo Salgado e afins chegam a ser quase ridículos, pelo facto de serem apenas estas as pessoas que são apanhadas (http://blackfernando.mypress online.com/semanario_entrevista.html). E, se não acreditam no que eu digo, procurem por declarações por parte de quem investiga (a fundo) o fenómeno da corrupção em Portugal, a dizer a mesma coisa: https://www.google.pt/search?q=paulo+morais +corrupção&tbm=vid

Quando o governo e meios de comunicação de massas (ambos controlados pelos grandes interesses económicos) vierem demonizar quem recuse ser injectado - e recuse também que os seus filhos sejam injectados - com agentes patogénicos e substâncias altamente tóxicas, exijam sempre provas do que vos dizem estes, quando afirmam que é tudo culpa da não vacinação.

As hiperligações numeradas, que eu acima apresento, foram o resultado de uma pesquisa de apenas dois minutos, que fiz, usando o termo de procura "measles site:www.prisonplanet.com" (tendo como objecto de pesquisa um sítio na Internet, que já vos recomendei em carta anterior). E, se fui eu capaz de encontrar esta informação em tão pouco tempo, quem se preocupe mais com este assunto, muito mais poderá encontrar.

Aproveitem, enquanto podem, para se informarem sobre isto. Pois, tudo o que é conteúdo mais incómodo no YouTube já começou a ser escondido (https://www.youtube .com/watch?v=7bnQrajRfTM) - e poderá (leia-se deverá) no futuro próximo ser também eliminado. Ao poder estabelecido não interessa nada que as pessoas saibam desta enorme mentira (e daí a já existente - e também crescente - demonização de pessoas que, como eu, sabem e denunciam a Verdade sobre este fenómeno). Se as pessoas começarem a questionar a veracidade do que lhes dizem sobre este assunto e procurarem informar-se, por si próprias, sobre o mesmo, dando-se conta do enorme logro de que foram vítimas, sabe-se lá o que mais é que poderão começar a questionar e sobre o que mais é que poderão começar a procurar a Verdade sobre (por si próprias). Isto é... O que eu aqui denuncio, e ao qual vos apelo, uma vez mais (nas entrelinhas), é algo de *imensamente subversivo* - e que pode, em vós, instilar muito maus hábitos (do ponto de vista de quem governa)...

E, o que posso acrescentar ao que já vos tenho dito sobre este assunto, é que as verdadeiras razões que se escondem por trás desta enorme mentira não são meramente lucrativas - e eu não vos estou a dizer o que de pior sei sobre esta história das vacinas...

 

[Ao qual aproveitei para fazer o seguinte acrescento.]

 

Assunto: Para quem pense que o recente surto de sarampo é culpa da não vacinação (adendo)

Também, outra coisa que aproveito para acrescentar, é que...

Eu não nego - nem nunca neguei - o (sobejamente) conhecido facto de que (pelo menos no caso de alguns agentes patogénicos) se uma pessoa apanhar uma doença e conseguir vencer a mesma, dificilmente deverá apanhá-la uma outra vez - por ter, neste processo, criado anticorpos contra a mesma.

Este é um facto científico que já está mais do que estabelecido - e a razão pela qual (tal como dizem os médicos) há até doenças que convém apanhar-se quando se é pequeno. Assim como, terá certamente sido este facto que serviu de inspiração para a criação das vacinas.

O que se passa, é que ser-se "vacinado" contra uma doença não é o mesmo que apanhá-la.

As diferenças exactas entre estes dois fenómenos não as conheço eu, por não ser bioquímico, nem ter paciência para estar quase a tirar um curso nesta área científica, só para os compreender. Mas, o que suspeito que aconteça, é o que a seguir transcrevo, de um comentário recente que fiz, sobre esta história das vacinas, ao qual depois acrescentei um outro:

O próprio cientista que as inventou (Edward Jenner) reconheceu mais tarde que as mesmas não funcionavam.
As razões pelas quais várias doenças foram erradicadas, a nível mundial, não foi por causa da introdução das vacinas, mas sim devido a melhorias nas condições de higiene e nutrição (que, respectivamente, diminuíram a exposição aos agentes patogénicos e fortaleceram o sistema imunitário das pessoas, em geral).
O que, na melhor das hipóteses, uma "vacina" faz, é expor as pessoas a uma versão modificada de um vírus ou bactéria - e não ao verdadeiro agente patogénico em si. Sendo que, as defesas que poderão ser formadas, são contra a versão modificada de tal agente e não contra o verdadeiro.
--- http://blackfernando.mypressonline.com/apodrecetuga_censurado.html

Sobre o que dizia eu do próprio inventor das mesmas ter depois dito que elas não funcionavam, não me preocupo sequer em providenciar hiperligações. Pois, nem é preciso ir mais longe do que a própria página na Wikipedia sobre este cientista para constatar isto:
(https://en.wikipedia.org/wiki/Edward_Jenner#Later_life) "Returning to London in 1811, Jenner observed a significant number of cases of smallpox after vaccination."
Sendo o que é dito logo depois - "He found that in these cases the severity of the illness was notably diminished by previous vaccination" - algo que, para mim: (1) não faz sentido, porque as pessoas são diferentes umas das outras, em termos de resistência às doenças, e não há maneira de averiguar tal coisa para uma mesma pessoa; e (2) ou uma tentativa de "salvar a face", da parte de alguém que constatou que tinha seriamente posto o "pé na poça", ou na melhor das hipóteses (3) mais uma conclusão errada da parte de alguém que já comprovadamente tinha tirado conclusões erradas (que levaram à introdução das vacinas)...
--- http://blackfernando.mypressonline.com/apodrecetuga_censurado.html

De qualquer modo, não preciso eu de saber exactamente como funciona o processo de imunização. Pois, basta-me olhar para os dados estatísticos da incidência de várias doenças, antes e depois da introdução das supostas "vacinas" - tal como os que são mostrados no documentário de que já vos falei (https://www.youtube.com/watch ?v=8L7Aliz9U60) - para saber que estas injecções (pelo menos, tal como são elas, hoje em dia, dadas à população, em geral) em nada ajudam a prevenir as doenças que supostamente combatem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 14:52

Somos governados por pedófilos

10.04.17

[Um bom apanhado de alguns conhecidos casos, que serve de bom complemento ao que eu já denunciava <aqui>. Mas, atenção que, relativamente ao caso específico português "Casa Pia", as indicações são todas de que Carlos Cruz é mesmo inocente - [1] [2] - (sendo este um dos mencionados "numerosos escândalos de pedofilia que foram provados ser falsos") e que a destruição da imagem pública e o encarceramento deste conhecido apresentador se tratará de uma vingança pessoal, por causa de algo que esta figura fez a uma muito poderosa pessoa em Portugal.]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dias maçónicos de ocorrência de atentados

23.03.17

(E, bem a propósito do que ontem aconteceu...)
Aqui vai uma carta electrónica que enviei, na passada semana, a algumas pessoas.
(Supondo eu que, se poderá acrescentar aos locais "perigosos" que menciono também as imediações de parlamentos - e apenas estas, pois, estando os verdadeiros mandantes destes atentados lá dentro, deverão tais parlamentos ser espaços seguros...)

 

Assunto: Dias do mês em que não convém utilizar aeroportos

Mais um (possivelmente importante) aviso que faço, este de natureza mais "esotérica".

(Independentemente de acreditarem, ou não, no que vos digo eu acerca de quem realmente está por trás destes acontecimentos...)

Se repararem nas datas em causa, irão constatar que existe claramente uma forte incidência de certos dias em que é *muito* mais provável haver (1) golpes de estado e (2) atentados terroristas, do que nos restantes dias do mês. E, são os de que falo, os dias 7, 11 e 22.

Relativamente a (1) golpes de estado, podemos observar: o "11 de Março", que ocorreu em Portugal durante o PREC; o "11 de Setembro" de 1973, que ocorreu no Chile (e pôs Pinochet no poder); ou, por exemplo, a mais conhecida Revolução Bolchevique, que (no calendário ocidental) ocorreu no dia "7 de Novembro" (7/11).

Mas, muito mais importante do que isto, é reparar nos dias em que têm ocorrido (2) os principais atentados terroristas no Ocidente:

- "11 de Setembro" nos EUA
- "7 de Julho" (7/7) foi o dia em que ocorreram os atentados nas estações de Metro e num autocarro em Londres
- "11 de Março" foi o dia em que rebentaram as bombas na estação de comboios de Madrid
- "22 de Julho" (22/7) foi o dia em que Anders Breivik matou 77 pessoas na Noruega
- "22 de Março" foi o dia em que ocorreram os ataques em Bruxelas

Enfim... Só quem não estiver a prestar atenção às datas é que pode dizer que não há aqui algo de, no mínimo, mesmo muito coincidente... E, apesar de ter havido atentados noutras datas (com preferência para os meses 7 e 11), os principais ataques parecem seguir este padrão (oculto).

E, por isso, é só para vos avisar de que,

Se acham que eu poderei ter alguma razão no que digo, evitem ao máximo passar por aeroportos (i.e. viajar) e estar junto de grandes multidões nos (maçónicos) dias 7, 11 e 22 de cada mês.

 

 

Carta esta, à qual aproveito para acrescentar um comentário que fiz, há exactamente um ano, no blogue do meu amigo Dr. Octopus, a propósito dos atentados que tinham ocorrido em Bruxelas - para que saibam as pessoas no que me estou a basear, quanto faço este tipo de ilações.

 

E, reparem na assinatura maçónica... Dia 22.

7, 11, 22 e 33 são números maçónicos*.

7 de Julho, 11 de Março, 11 de Setembro, agora 22 de Março... Só não acontece nada a um dia ou mês 33 porque estes não existem.

13 de Novembro, em Paris = "sexta-feira 13" do mês 11. Sendo que, provavelmente, a "sexta-feira 13" (de significado cristão) terá a ver com qualquer elemento e significado satânico dos "iluminados" da maçonaria. (O que parece ser corroborado pelo facto de que o ataque ao concerto da banda de [suposto] death metal ocorreu no preciso momento em que tal banda tocava uma música de culto (explícito) a Satanás.)

Coincidência ou não, a explosão que ocorreu na zona dos edifícios da União Europeia, foi às 9:11. (Uma vez mais, a combinação "9-11" do 11 de Setembro estadunidense, da linha de emergência nos EUA etc. - https://www.youtube.com/watch?v=1Kk22CeJ2WY#t=5m56s)

O número do voo do avião que iniciou os ataques de 11 de Setembro foi o "11". John F. Kennedy foi morto no dia 22/11. Etc...

---
* (O uso do 11 e múltiplos deste, toda a gente tem a obrigação de saber. Mas, para quem desconheça o uso do 7, deixo a seguinte fonte: https://web.archive.org/web/20150601090304/http://www.danielestulin.com/2011/11/16/tavistock-el-poder-de-una-imagen-i-parte/)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A classe política portuguesa vista por um criminologista

21.03.17

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 05:42

O estado a que isto chegou

19.03.17

ps_voto.jpg

 

PS aprova moções sobre legalização da eutanásia, prostituição e drogas leves

Por Lusa - 5 Março, 2017


A Comissão Nacional do Partido Socialista aprovou este sábado, no Porto, nove moções, entre as quais a da “Eutanásia”, “Regulamentar a prostituição” e “Legalização e regulação do mercado das drogas leves em Portugal”.

A moção “Eutanásia – um debate sobre a vida” foi aprovada com três votos contra e cinco abstenções num total de 202 membros que votaram na reunião da Comissão Nacional do Partido Socialista, informou fonte oficial do partido.

As moções “Regulamentar a prostituição – uma questão de dignidade” e “Legalização e regulação do mercado das drogas leves em Portugal” também foram aprovadas, embora nesta última tenha sido retirada o ponto que referia que o “Partido Socialista deverá promover a apresentação de iniciativas que visem, nomeadamente, a legalização do consumo e produção da canábis em Portugal”.

“Fazer a diferença nas comunidades”, “Dar força à economia social”, “Autarquias locais: proposta de criação de lei-quadro e correção dos erros da agregação de freguesias”, “Reestruturar as secções e concelhias”, “Limitar proporcionalmente os salários – uma questão de igualdade” e “Em defesa dos jovens do interior de Portugal” foram as outras seis moções aprovadas.

A Comissão Nacional do PS é composta por 251 membros, mas este sábados apenas votaram 202 elementos, acrescentou a mesma fonte do partido.

A primeira subscritora da moção “Eutanásia – um debate sobre a vida”, Maria Antónia Almeida Santos, declarou aos jornalistas, antes da votação, que a eutanásia não é uma “cultura da morte”, mas uma “valorização” da autonomia da pessoa.

“Não há nenhuma cultura de morte, muito pelo contrário, é uma questão de valorizar mais a autonomia da pessoa, a autonomia dos valores que defendemos e, principalmente, perceber a quem é que se dirige esta questão da morte assistida ou da legalização da eutanásia”, disse Maria Antónia Almeida Santos, que é também uma das autoras da moção.

Inicialmente estava prevista a apresentação de dez moções na reunião, mas acabaram por ser votadas nove porque uma delas – “Novas propostas para a Justiça” -, não chegou a ser apresentada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:56

E ainda continuo eu (ingenuamente) a acreditar(?) no Anarquismo

15.03.17

Um comentário que deixei (através de uma conta temporária, que criei apenas para o efeito) na página no Facebook de um "Colectivo Estudantil Libertário", a propósito da recente polémica do cancelamento de uma conferência-debate na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa, organizada por um núcleo de estudantes (aparentemente, de inspiração fascista), depois de ter lido <este> comunicado da autoria do primeiro colectivo.

colestlib.png

Comentário este, ao qual não obtive resposta - sendo que, a um comentário anterior (que entretanto desapareceu) que falava de "moções contra a liberdade de expressão", estava lá uma resposta de tal colectivo a dizer qualquer coisa como que "não se tratou de um acto de censura, mas apenas da não cedência de uma sala" (como que o segundo acto, neste caso, não constituísse uma forma do primeiro).

Quem tiver dúvidas sobre o sucedido, pode ver a seguir a moção em causa - na qual se pode constatar que este episódio se tratou claramente de uma tentativa (ou acto) de censura de tal evento.

aefcsh.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)