Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


ONG financiadas por George Soros ajudam activamente africanos a imigrar ilegalmente para a Europa

16.04.17

(O vídeo acima colocado foi tirado desta reportagem.)

 

[Para quem duvidar do que eu já aqui denunciava, de que este fenómeno de imigração massiva de pessoas de culturas não europeias (i.e. africanas e asiáticas) para dentro da Europa é algo que muito interessa ao poder estabelecido ocidental, aqui fica a seguinte denúncia, por parte das autoridades italianas e europeia. À qual aproveito para acrescentar que: o termo "Fortaleza Europa", que é por vezes referido por alguma da suposta esquerda, não passa de um mito (muito provavelmente promovido por forças políticas controladas, com vista a promover uma ainda maior imigração) - pois, basta a qualquer pessoa visitar as várias metrópoles dos vários países europeus ocidentais, para constatar que já uma boa percentagem da população que nelas vive é de origem não europeia.]

 

‘Undesirable NGOs’ Fund ISIS-linked Refugee Boats to EU

By F. William Engdahl |
5 April 2017

Investigations by Italian authorities and others have found that NGOs funded by among others George Soros, are actively financing private ships to smuggle tens of thousands of illegal North African refugees into the EU via Southern Italy. The human trafficking is reportedly linked to ISIS smuggling networks. If confirmed by authorities, it could potentially open the NGOs to criminal charges.

Carmelo Zuccaro, the Chief Prosecutor of Catania, Sicily, has testified to a committee of the Italian Parliament in March that an official investigation into the funding of a fleet of modern refugee boats in the Mediterranean by private NGOs is warranted. He cited evidence that the human traffic smugglers in Libya and other North African coastal states, often reportedly linked to ISIS or other criminal bands, were coordinating the traffic into Italy of tens of thousands of illegal refugees. Zuccaro reported evidence that the human traffickers either on land, or on board smaller migrant boats, call the larger NGO-financed rescue vessels directly to arrange transfer of refugees. That implies a very close level of coordination between the human smuggler bands and the NGO-funded fleet of ships.

Zuccaro announced that his office is investigating what he called the “abnormal” amount of funds that allows even small agencies to hire ships. Italian authorities have so far uncovered at least ten private Non-Governmental Organizations involved, among them several NGOs financed by US hedge fund speculator George Soros’ Open Society Foundations.

Zuccaro also told Italian press that, “the facilitation of illegal immigration is a punishable offense regardless of the intention.” He said that Italy was also investigating Islamic radicalization occurring in prisons and camps where immigrants are hired, illegally or off the books. European Immigration Commissioner Dimitris Avramopoulos stated that some 80% of the North African migrants arriving in Italy had no legal right to asylum. Many were reportedly from criminal gangs that sprang up after the 2011 US-backed bombing of Libya and killing of Gaddafi that threw the country into anarchy.

Over the course of the past year as the refugee human trafficking route through Greece has been all but closed down, the route into the EU from North Africa has shifted to southern Italy and to use of modern chartered vessels to carry the thousands of refugees to Sicily and other parts of Southern Italy. In the first two months of 2017 illegal refugee inflows from Libya into southern Italy have risen by as much as 40% over the same period a year earlier.

NGO Human Trafficking

The official EU European Border and Coast Guard Agency, FRONTEX, in its 2017 Risk Analysis report, states that “the Central Mediterranean has become the main route for African migrants to the EU and it is very likely to remain so for the foreseeable future. Specifically, 89% of migrants arrived from Libya.”

The FRONTEX report went on to note a dramatic shift in 2016 from 2015. Earlier the major migration flow went from Turkey into Greece and the Balkan states on to Germany and other EU states: “NGO rescue operations (into southern Italy-w.e.) rose significantly to more than 40% of all incidents. Since June 2016, a significant number of boats were intercepted or rescued by NGO vessels without any prior distress call and without official information as to the rescue location.”

Frontex raised the possibility that traffickers were putting migrants out to sea in a prearranged collusion with the private NGO ships that recover them and then bring them to Italy “like taxis.” What the EU agency described is a human smuggling operation, in effect, operations of international criminal organizations including ISIS, being run by ships chartered or owned by various Non-Governmental Organizations among them Soros-financed NGOs.

Italian admiral Enrico Credendino, commander of the EU’s anti-trafficking Operation Sophia, said the NGOs’ ships come close to the Libyan shore to attract migrant boats in the dark. “At night they use large floodlights; the traffickers see them and send the dinghies (carrying migrants) towards the lights,” he stated. Then they are taken aboard the larger NGO ships for the journey to Italy.

Soros NGOs working with ISIS?

If the Italian investigations into the NGO funding of the fleet of charter ships are confirmed, this would suggest that the NGOs, several of them linked to foundations or organizations financied or controlled by George Soros, are colluding illegally with human trafficker bands, in many cases bands controlled by ISIS in Libya.

A 2017 report by Quilliam, a private UK think-tank, claims that ISIS or the Islamic State (IS) is involved in the human trafficking operations into Italy. Their report states: “While some refugees may have to pay smugglers up to $560 for passage towards the Mediterranean coast, IS, capitalising on this route, offer free passage to those willing to join IS…To those reaching the Mediterranean coast, IS offer potential recruits up to $1,000 to join the organisation. ” Not exactly humanitarian.

US human rights investigator and lawyer William Craddick has discovered that several of the NGOs chartering the human smuggling boats ware linked to financial patronage of George Soros

and his Open Society Foundations including avaaz.org of the Soros-funded Moveon.org; Save the Children, and Médicins Sans Frontiéres (MSF) which charters a Mediterranean ship called Aquarius.

International Migration Initiative

Soros’ Open Society Foundations, which also has been reported to receive money from the US Government through the CIA-linked USAID, also funds something it calls the International Migration Initiative, an NGO Soros’ Open Society Foundations set up in 2010. Clearly the idea behind creation of Soros’ IMI was done with an eye to what would soon unfold in Europe as well as the USA refugee crises. The website of the Soros International Migration Initiative openly states that it has a “strategic corridor approach, facilitating coordinated action in countries of origin, transit, and destination.” The same website identifies what it terms three strategic migration corridors: Asia/Middle East, Central America/Mexico, and Eurasia, which centers on Central Asia into Russia. That almost sounds like a geopolitical grand design of someone.

In September 2016 the same George Soros announced he was “donating” $500 million to the European and US refugee cause. He declined to say where and how the money would be used. Was part of that earmarked for financing the fleet of modern NGO ships that bring tens of thousands of refugees from Libya? A relevant question to be sure for the Italian and other investigations.

In August, 2016 DCLeaks, a US website similar to Wikileaks, released 2,576 files predominately related to George Soros’ Open Society Foundations. One memo by the Soros foundation dated May 10, 2016, argued that Europe’s refugee crisis should be accepted as a “new normal,” and that the crisis means, “new opportunities” for Soros’ foundations to influence immigration policies on a global scale.

Soros and the ‘Merkel Plan’

The pawprints of Soros’ foundations are all over the EU refugee crisis that is upending social and economic stability across Europe since August 2015 when German Chancellor Angela Merkel surprised many even in her own party by declaring in a comment since become infamous, “we can do it,” followed by her decision on September 5, 2015 to accept thousands of refugees who had set out to walk from Keleti Station in Budapest to Germany, announcing that all refugees were welcome with open arms, no questions asked, no limit set. More than one million refugees, not only from Syria, flooded into Germany and other EU countries. As domestic opposition mounted against Merkel, in late 2015 Merkel went on a popular German TV talk show where she announced, “I have a plan.”

Indeed she did. It was even named by its architects, “The Merkel Plan.”

The plan was drawn up by a think tank with offices in Berlin, Brussels and Istanbul by the name The European Stability Initiative (ESI). Under that Merkel Plan, in addition to the over 1 million refugees of 2015, in 2016 Germany should, “agree to grant asylum to 500,000 Syrian refugees registered in Turkey over the coming 12 months.”

The Merkel Plan for accepting hundreds of thousands of refugees without question into Germany and other EU states with no number limit, “the new normal,” the term used by Soros’ International Migration Initiative website, was a product of the Soros networks as well. The author of the Merkel Plan and head of the ESI is an Austrian sociologist, Gerald Knaus. Knaus is a member of the George Soros-financed European Council on Foreign Relations (ECFR), and an Soros’ Open Society Fellow. Knaus’ European Stability Initiative was financed, according to the German Die Zeit, by among others the Rockefeller Foundation, and the Washington-based German Marshall Fund, as well as Soros’ Open Society Foundations.

Rome on brink of War

The recent explosion of illegal refugees into Southern Italy, aided by a fleet of ships chartered by NGOs linked to Soros and others, is no innocent humanitarian good samaritan deed. In December 2016 Virginia Raggi, the Mayor of Rome, said that the city was on the verge of a “war” between migrants and poor Italians. In southern Italy, the Sicilian Cosa Nostra had declared a “war on migrants” in 2016 amid reports that the Italian mafia had begun fighting with North African crime gangs who entered the EU among migrant populations.

The allegations of Soros NGO financing of a fleet of boats to illegally smuggle refugees or other migrants from North Africa into the EU suggested at the very least that the Washington-tied Soros networks were doing more than charity. It suggested that his NGOs were at least indirectly complicit in projects that were destroying the social stability of the EU much as Soros’ NGOs did in Ukraine in 2014 and before.

The impression is difficult to avoid that the entire current mass refugee phenomenon, together with the NATO wars that trigger them in places like Afghanistan, Syria, Libya, is part of a far larger and far more sinister design and that the money of George Soros, the character behind virtually every US State Department and CIA-backed Color Revolution since the 2000 toppling of Slobodan Milosevic in Belgrade, is right in the middle of it.

Little wonder that the foundations and operations of “philanthropist” Soros are increasingly under attack around the world, including in Viktor Orban’s Hungary, Soros’ country of birth.

F. William Engdahl is strategic risk consultant and lecturer, he holds a degree in politics from Princeton University and is a best-selling author on oil and geopolitics, exclusively for the online magazine “New Eastern Outlook”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Editor de muito conhecido jornal alemão falecido o mês passado admitiu que são os média de massas quem emite "notícias falsas"

21.02.17

Editor of Major German Newspaper Says He Planted Stories for the CIA

By Ralph Lopez
Global Research, February 04, 2015
Reader Supported News

Becoming the first credentialed, well-known media insider to step forward and state publicly that he was secretly a “propagandist,” an editor of a major German daily has said that he personally planted stories for the CIA.

Saying he believes a medical condition gives him only a few years to live, and that he is filled with remorse, Dr. Udo Ulfkotte, the editor of Frankfurter Allgemeine Zeitung, one of Germany’s largest newspapers, said in an interview that he accepted news stories written and given to him by the CIA and published them under his own name. Ulfkotte said the aim of much of the deception was to drive nations toward war.

Dr. Ulfkotte says the corruption of journalists and major news outlets by the CIA is routine, accepted, and widespread in the western media, and that journalists who do not comply either cannot get jobs at any news organization, or find their careers cut short.

Dr. Ulfkotte is the author of a book currently available only in German, “Bought Journalists” (Kopp 2014). Aged 55, he was also once an advisor to the government of German Chancellor Helmet Kohl.

The book has become a bestseller in Germany but, in a bizarre twist which Ulfkotte says characterizes the disconnect caused by CIA control of the western media, the book cannot be reported on.

Ulfkotte says:

    “No German mainstream journalist is allowed to report about [my] book. Otherwise he or she will be sacked. So we have a bestseller now that no German journalist is allowed to write or talk about.”

Among the stories Ulfkotte says he was ordered to plant in his newspaper over the years was a story that Libyan President Moammar Gaddafi was building poison gas factories in 2011. Ulfkotte also says he was an eyewitness to Saddam Hussein’s use of poison gas against Iranians in the war between Iran and Iraq, but that the editors he worked for at the time were not interested, because Iraq was a US ally at the time.

Ulfkotte says he is better positioned to come forward than many journalists because he does not have children who could be threatened. Ulfkotte told the Russian newspaper Russian Insider (RI):

    “When I told the Frankfurter Allgemeine Zeitung (Ulfkotte’s nwspaper) that I would publish the book, their lawyers sent me a letter threatening with all legal consequences if I would publish any names or secrets – but I don’t mind. You see, I don’t have children to take care of. And you must know I was severely injured during the gas attack I witnessed in Iran in 1988. I’m the sole German survivor from a German poison gas attack. I’m still suffering from this. I’ve had three heart attacks. I don’t expect to live for more than a few years.”

Ulfkotte says that remorse of having “lied” to mass audiences over the years drove him to come forward. He told RI that he was:

    “taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”

Ulfkotte says:

    “I’m ashamed I was part of it. Unfortunately I cannot reverse this.”

Among the admissions that Ulfkotte makes in the interview are putting his own name to articles completely written by intelligence agencies. He said:

    “I ended up publishing articles under my own name written by agents of the CIA and other intelligence services, especially the German secret service.”

Ulfkotte detailed the pattern of cajolery and outright bribery used by the CIA and other US-allied intelligence agencies, for the purpose of advancing political agendas. Ulfkotte said:

    “once you’re connected, you make friends with selected Americans. You think they are your friends and you start cooperating. They work on your ego, make you feel like you’re important. And one day one of them will ask you ‘Will you do me this favor’…”

Ulfkotte noted that a journalists on international press trips paid for by organizations close to the government are unlikely to submit a storyline not favorable to the sponsor.

Of the gassing of Iranians he had witnessed in the Eighties, Ulfkoppe said:

    “they asked me to hand over the photo’s that I had made to the German association of chemical companies in Frankfurt, Verband der Chemischen Industrie. This poison gas that had killed so many Iranians was made in Germany.”

In an interview with Russia Today, Ulfkotte said that it was “not right” what he had done, and that his fear was that politicians were actively driving the world toward war:

    “it is not right what I have done in the past, to manipulate people, to make propaganda against Russia, and it is not right what my colleagues do, and have done in the past, because they are bribed to betray the people not only in Germany, all over Europe. … I am very fearful of a new war in Europe, and I don’t like to have this situation again, because war is never coming from itself, there is always people who push for war, and this is not only politicians, it is journalists too. … We have betrayed our readers, just to push for war. … I don’t want this anymore, I’m fed up with this propaganda. We live in a banana republic, and not in a democratic country where we have press freedom…”

In his book “The CIA and the Media,” Watergate reporter Carl Bernstein quotes William B. Bader, former CIA intelligence officer, in his testimony before the Senate Intelligence Committee. Baeder said:

    “There is quite an incredible spread of relationships. You don’t need to manipulate Time magazine, for example, because there are [Central Intelligence] Agency people at the management level.”

Bernstein writes:

    “The Agency’s relationship with the Times was by far its most valuable among newspapers, according to CIA officials. From 1950 to 1966, about ten CIA employees were provided Times cover under arrangements approved by the newspaper’s late publisher, Arthur Hays Sulzberger. The cover arrangements were part of a general Times policy—set by Sulzberger—to provide assistance to the CIA whenever possible.”

Ulfkotte was on the staff of the Konrad Adenauer Foundation from 1999 to 2003, according to his Wikipedia entry. He won the civic prize from the Annette Barthelt Foundation in 2003.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:46

Noam Chomsky apoia Hillary Clinton

31.10.16

(A quem tiver isto passado ao lado - e, não é que tal seja importante para mim, vindo de alguém com quem sempre aprendi muito pouco - deixo aqui esta curiosa nota, sobre as próximas eleições presidenciais estadunidenses.)



Em declarações no início deste ano à estação de televisão pseudo-alternativa Al Jazeera, o não declarado líder intelectual de muitos activistas e supostos anarquistas, Noam Chomsky, disse que votaria em Hillary Clinton, se estivesse em situação de poder ajudá-la a ser eleita. E, podem ler os excertos que interessam dessa entrevista, <aqui> (num artigo onde também é denunciado que Chomsky apoiou monetariamente o pré-candidato democrata Bernie Sanders).
Hillary Clinton! A Secretária de Estado co-responsável por várias guerras de agressão, que gozou com a tortura e morte de Qaddafi e que irá prosseguir com o cerco militar da Rússia, fazendo o mundo continuar no caminho para uma Terceira Guerra Mundial.
Chomsky não só disse isto, como nessa mesma entrevista chamou a todos os pré-candidatos republicanos "negacionistas das alterações climáticas" - assumindo-se (com tal declaração e com alguns artigos seus recentes - [1] [2]) como um defensor da já mais que provada mentira do "aquecimento global provocado pelas actividades humanas".
Juntem a isto (1) o facto deste filósofo dizer que não é importante saber quem assassinou John F. Kennedy ou quem realmente cometeu os atentados de 11 de Setembro - [1] [2] - (e até mesmo que existem "imensas provas" de que a Administração Bush "não esteve envolvida" nos últimos) e (2) o facto de ser este conhecido autor um professor no sistema de estupidificação (leia-se escolarização) oficial - e de dar o mesmo até palestras sobre "política educativa" a outros professores, sobre como deverão os últimos prosseguir com o seu trabalho de estupidificação e domesticação - e, só mesmo quem tiver sido quase completamente estupidificado por este sistema é que não conseguirá ver que este conhecido intelectual não pode ser nenhum "anti-sistema" ou anarquista.

(Apenas uma nota de interesse, que pensei que deveria fazer, antes daquelas que poderão ser as mais importantes eleições de sempre, se - tal como muitos prevêem - vierem a ser as últimas eleições presidenciais estadunidenses de sempre.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Annie Machon e as borboletas

13.07.15

Quem conheça a história de David Shayler, certamente sabe também quem é Annie Machon - a sua ex-companheira, colega dele no MI5, que, quando decidiu Shayler abandonar o serviço, decidiu juntar-se a ele (não tendo sido esta a autora ou iniciadora de nada de incómodo para o seu serviço e tendo esta mantido uma viligância de bem perto, de alguém que queria o MI5 continuar a vigiar).
Ora, tendo David Shayler, muito estranhamente (e para grande conveniência dos serviços secretos britânicos) enlouquecido, quando era companheiro de Annie Machon - e tendo esta sua ex-companheira, também muito estranhamente, abandonado o seu "amor", logo quando este mais precisava de ajuda - o que tem andado esta suposta "ex-"agente do MI5 a fazer, desde então?
A dar palestras (como a seguinte) filmadas por uma organização denominada "Paradigm Shift", que usa animações que recorrem a um conhecido símbolo de controlo mental.
Palestras essas, onde (1) "denuncia" ela o que já é do conhecimento público, (2) mente ela, repetidamente, sobre conhecidos atentados de bandeira falsa (como o de Lockerbie, na Escócia, e o caso do bombardeamento de uma discoteca berlinense, em 1986), (3) elogia ela a organização de fachada da CIA, WikiLeaks, e (4) relativiza e descreve ela os trabalhos sujos dos serviços secretos britânicos como obra de umas poucas "maçãs podres".
Como se isso não bastasse, anda agora também a liderar a secção europeia de uma organização internacional que visa legalizar as drogas (traficadas pelos seus supostos "ex-"patrões) e, ao contrário do que é norma para os reais delatores, a dar longas entrevistas (um exemplo) nos principais programas dos vários média de massas.
"Ex-"agente do MI5?... Isso é que, definitivamente, não me parece nada esta figura ser...

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 19:42

De Menezes trabalhava no Metro de Londres?

09.07.15

(Transcrevo e traduzo para aqui uma colocação que fiz, num fórum de discussão sobre este tipo de assuntos, há 6 anos - relativa a uma pergunta para a qual ainda não obtive uma resposta...)

 

Na seguinte palestra improvisada(?) feita pelo antigo agente do MI5, David Shayler, em 2005, ele parece afirmar, na sessão de perguntas e respostas que se segue à mesma, que De Menezes trabalhava como electricista no Metro de Londres.



(50m e 18s): "Eu tenho uma teoria... Este tipo era um electricista e ele trabalhava no Metro de Londres e que ele podia então ter informações internas sobre o que aconteceu no 7/7. Mais uma vez, eu não sei se isto é verdade ou não."

Não sei se a parte de ele [De Menezes] trabalhar no Metro de Londres pertence a tal teoria ou não. Mas, não ouvi ele [David Shayler] afirmar isto em mais lado nenhum. Também, (...) nunca li ou ouvi isto em mais lado nenhum.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 13:45

Quem melhor explica a actual situação política internacional

07.08.14

Acabaram por ser a última muito boa fonte que descobri, no meu processo de procura por fontes credíveis e de qualidade que denunciem o projecto da Nova Ordem Mundial e são, ao mesmo tempo - e de longe - a melhor de todas as fontes que conheço, no que toca a fazer um constante apanhado geral sobre o que, de mais e de muito importante, se passa e tem passado, neste incrível Mundo em que vivemos - e sobre o que o Império Britânico, que ainda opera nas sombras (como, mais correctamente, gostam eles de chamar ao movimento da NOM) vai fazendo, para tentar dominar este Planeta.
São o Movimento LaRouche, que é descrito como tendo os melhores serviços secretos privados do mundo. E, para constatar a inegável qualidade do seu trabalho, não é preciso ir mais longe do que um texto que eu traduzi e publiquei, há uns meses, neste meu blogue.
Querem saber porque razão está o Ocidente a tentar provocar uma guerra nuclear com a Rússia e seus aliados? Porque razão não falam os média de massas sobre o programa espacial chinês e o objectivo do último? Que possível alternativa promissora existe aos actuais problemas energéticos com que nos deparamos? O quão promissora é a aliança BRICS? Que alternativas económicas viáveis existem para mitigar o processo de Colapso que estamos a experienciar?
Então, só têm de estar atentos às muito boas publicações e sessões de esclarecimento que este movimento vai lançando e organizando.
O que se segue, é a mais recente dessas sessões de esclarecimento, que são semanalmente emitidas via Internet e que este movimento vai também publicando no seu canal no YouTube.

(Aqui esta mesma emissão dobrada em castelhano - e aqui o correspondente canal no YouTube nesta língua.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um para a colecção

09.03.14
Para quem a recente descoberta, de que o episódio das mortes que ocorreram na Praça da Independência de Kiev teve por trás atiradores furtivos (directa ou indirectamente) ligados aos interesses ocidentais, constituir uma surpresa, deixo <aqui> a hiperligação para uma muito boa e algo extensa lista de episódios semelhantes e também <aqui> uma outra sobre um dos episódios mais recentes, que ocorreram antes deste, na Síria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Angola é o maior exportador de petróleo para a China

01.11.11
Uma importante informação a reter, no presente e no futuro próximo, especialmente agora que se assiste ao surgimento de um estranho movimento activista num país onde o activismo político tem sido, até agora, inexistente.
Movimento esse que, apesar de diminuto, é prontamente coberto pela imprensa controlada, surge numa altura muito suspeita e que não surpreenderia se fosse mais um dos vários movimentos controlados, que ocasionalmente surgem, para remover líderes não alinhados com o Ocidente.
(Que ninguém me interprete mal... Vejo como muito positivo todo o tipo de movimentos que sejam no sentido de uma maior liberdade e de um claro progresso, para os povos neste tipo de movimentações envolvidos. A questão está em saber se é mesmo no sentido de uma maior liberdade, a longo prazo, e melhores condições de vida que surgem certos movimentos. E exemplos do contrário, ou de um retorno ao mesmo tipo de tiranias, que só mantêm um país numa situação de atraso civilizacional, são vários os que se têm observado em África. Chamo aqui a atenção para este movimento, por considerar ser um de muito interesse, dada a altura em que surge e dada a ligação, do país onde ocorre, ao nosso próprio país.)
Michael C. Ruppert avisou, e com razão, que África iria ser um dos próximos cenários de guerra pelos últimos redutos de petróleo que restam no Mundo. E que a batalha final seria entre os EUA (ou, melhor falando, o Ocidente) e a China.
As maiores reservas africanas, estão já fora do alcance dos chineses. Agora que foi removido mais um ditador não alinhado com o Ocidente - que interferia nos planos de dominação ocidental do seu continente - que foi o seu país bombardeado quase de volta à Idade da Pedra, que pode quem lá habita dizer adeus à qualidade de vida que tinha e podem as elites ocidentais fazer o que quiserem com o petróleo que se encontra neste território.
Mas há mais petróleo que é preciso assegurar. E para o qual se podem até mobilizar - Quem sabe? - se possível e necessário, forças militares, agora livres, com o fim das hostilidades na Líbia.
Nos últimos anos, tem vindo a crescer, de modo substancial, a quantidade deste líquido que é extraído em Angola, a qual possui as terceiras maiores reservas do seu continente. Estando esta actualmente a competir com a Nigéria (que possui as segundas maiores) como maior exportador de petróleo em África e tendo o governo angolano providenciado este valioso recurso, quer aos EUA e restantes países ocidentais, quer à China. E, no ano passado, tornou-se até o maior exportador, em quantidades absolutas, deste líquido para esta última potência industrial asiática.
Mas observemos a evolução nos últimos anos.
Apesar de ter havido, entre 2006 e 2010, um acréscimo de mais de 30% na produção, a exportação de petróleo de Angola para os EUA, sofreu uma significativa queda, durante esse mesmo período de tempo, de 26,4%.
Se compararmos as duas seguintes estatísticas, poderemos ver quem é que, em contraste - não só com os EUA, mas também com os restantes países ocidentais - tem vindo a receber uma maior fatia do bolo.



Interessante evolução, não?
E uma tendência que, certamente, deverá deixar muita gente no Ocidente preocupada com o que se passa neste país africano.
Para além disto, Angola tem-se tornado cada vez mais interdependente, em termos económicos, da China, com os sucessivos acordos de cooperação que têm sido estabelecidos. Em que - tal como tem sido o caso noutros países africanos - a troco do precioso petróleo, a China tem ajudado na construção de habitações e de infra-estruturas locais, assim como em outros projectos, no domínio do sector primário, com resultados muito benéficos para este país africano, apostado em crescer economicamente.
Com as condições de vida claramente a melhorar neste país, porquê, nesta altura, um movimento de contestação?
Lembrem-se de tudo isto, quando observarem os próximos acontecimentos políticos nesta ex-colónia portuguesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem era Osama bin Laden

06.05.11

Um agente da CIA até aos seus últimos dias de vida. Membro da família bin Laden, muito amiga da família Bush, e um fantoche que nunca realmente se virou, a dada altura, contra os seus apoiantes de sempre.
Um útil peão no xadrez político mundial, que sempre serviu os interesses ocidentais até ter morrido em Dezembro de 2001.
(Quaisquer fotografias ou filmagens que possam surgir, da sua suposta morte há poucos dias, serão obviamente falsas.)
O anúncio recente da sua morte, terá sido obviamente decidido ser feito nesta altura, por ser considerada a mais politicamente conveniente e deverá servir um qualquer propósito, ainda desconhecido do grande público.
(Será que para culpar o Paquistão de tudo isto e intensificar os ataques a este país, agora que o seu governo se alia contra os interesses ocidentais?)
Oiçam (esta pequena palestra vale mesmo a pena) o que Michel Chossudovsky andava em 2002 a dizer, sobre o facto deste personagem ter sempre servido os interesses dos EUA e restantes governos ocidentais. (Fontes para a sua palestra: [1] [2] [3].)
A sua organização, baptizada de "al-Qaeda" - que em árabe quer dizer "a Base" e cujo nome tem origem no termo "base de dados", usado em meios informáticos - corresponde a uma lista de fanáticos muçulmanos que são usados, sem o saberem, pelos serviços secretos norte-americanos para benefício destes últimos e dos seus aliados. Esta organização não existe, nem nunca existiu, como entidade independente. Sendo, desde a sua origem, um braço armado (islâmico) da CIA, que é usado para diversos propósitos.
Podendo ser usada, tanto para tentar derrubar governos não alinhados com os interesses ocidentais (Afeganistão, Líbia), como para desestabilizar certos países e, com isto, providenciar um pretexto para uma intervenção ocidental (Kosovo), ou mesmo para atacar o próprio Ocidente - sejam, neste último caso, alvos civis no seu próprio solo (fachada, apenas, do 11 de Setembro, pois os atentados, em si, foram executados pelo próprio governo norte-americano), ou alvos militares em missão no Grande Médio Oriente (um exemplo), para, com isto, providenciar um pretexto para que esse mesmo Ocidente invada países, nesse mesmo Médio Oriente situados, ricos em recursos naturais ou que estejam no meio de trajectos planeados de transporte de recursos naturais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que se f**a a "Constituição"...

30.03.11

É agora oficial. A OTAN acaba de assumir o controlo dos bombardeamentos e de todas as operações militares na Líbia.
Mais uma guerra imperialista em que Portugal se encontra envolvido. E desta vez nem se perdeu muito tempo com pretextos para a mesma.
Tal como tinha já Luís Amado avisado aquando da recente cimeira da OTAN em Lisboa, esta organização demonstra com isto ter sido definitivamente promovida, na sua natureza, de defensiva a ofensiva, parecendo agora estar mais à vontade para iniciar guerras e bombardear países estrangeiros em situações que não sejam de autodefesa.
Passamos com isto a uma aparente segunda fase na intervenção ocidental nos países árabes com vista à mudança dos seus regimes. Uma fase em que tudo se torna mais explícito e em que já não se usam máscaras.
Só há aqui um problema... Parece que, no nosso caso, como país membro da OTAN, este tipo de "ingerência" e esta clara "forma de agressão" violam um tal "Artigo 7º" de uma série de "Princípios Fundamentais" enunciados num documento intitulado "Constituição da República Portuguesa"... (Mas, quem é que quer saber disso para alguma coisa?...)
Para além disso, este tipo de ataques não foram autorizados pelo Conselho de Segurança da ONU. E, o facto dos vários governos ocidentais estarem a interferir no que, à luz do direito internacional, deveria ser encarado como o natural processo de evolução de um país, que apenas ao povo em causa diz respeito, viola também os princípios de um documento chamado "Carta das Nações Unidas" (que suponho que também já não seja importante) que proíbe a intervenção estrangeira nos assuntos internos dos vários países membros desta organização.
A situação na Líbia não é a mesma do que recentemente ocorreu nos vizinhos Egipto e Tunísia. Não se tratam de manifestantes pacíficos que estão a ser reprimidos pelas forças governamentais. Tratam-se sim de milícias armadas que estão a atacar forças governamentais e vice-versa. Sendo, portanto, esta uma situação de Guerra Civil e não a de uma mera "população" envolvida em "protestos" contra o seu governo.
Os políticos ocidentais que, se se preocupam assim tanto com a situação do povo líbio, façam como inúmeras pessoas de vários países fizeram durante a Guerra Civil Espanhola e ofereçam-se como voluntários para lutar ao lado das forças das quais são partidários.
(Mas, espera aí. Os ocidentais agora são a favor da al-Qaeda?!... Voltámos então ao mesmo tipo de relação denunciada pelo ex-espião do MI5, David Shayler?)
Os nossos governantes que não façam é disto um assunto de Estado e usem o que deveriam ser forças usadas apenas para a protecção dos seus territórios, em guerras ofensivas.

Mas será que é por se preocuparem tanto com o povo líbio que querem intervir militarmente neste país e não noutros por este mundo fora, que também estão a viver situações de guerra civil? Ou serão mais o facto da Líbia ser o país africano com as maiores reservas de petróleo do seu continente e o facto de Qaddafi ter recentemente considerado nacionalizar de novo todas essas mesmas reservas o motivo de tanta preocupação?
Se se preocupam assim tanto com o povo líbio, porque razão estão, quase certamente, como agora é hábito em todos os países onde ocorrem intervenções militares por parte da OTAN e afins, a contaminar o seu território com munições de urânio "empobrecido"?
Porque razão começou esta rebelião exactamente na zona mais rica em petróleo deste país? Porque razão está um estado vizinho, há muitos anos vassalo do Ocidente (e no qual foi recentemente destituído um chefe de Estado que já se estava a inclinar para o lado dos iranianos), a fornecer armas a estes mesmos rebeldes? E o que estavam lá a fazer tantos chineses, que puderam ser vistos entre os grupos de refugiados que saíram deste país?
Questões interessantes, não acham?
Envenenar os povos com os quais dizem estar preocupados... Tomar, neste caso, o lado de uma organização contra a qual supostamente estão a lutar noutros países... Sou eu o único a ver aqui contradições?...
Para finalizar, deixo-vos um excerto do texto que pode ser encontrado na secção de "informação básica" disponível na página oficial no Facebook da Presidência da República Portuguesa.

 

"Como Comandante Supremo das Forças Armadas, o Presidente da República ocupa o primeiro lugar na hierarquia das Forças Armadas e compete-lhe assim, em matéria de defesa nacional:"
(...)
"assegurar a fidelidade das Forças Armadas à Constituição e às instituições democráticas e exprimir publicamente, em nome das Forças Armadas, essa fidelidade;"

 

O que é afirmado mais parece ser uma piada... Suponho que seja para enganar os mais ingénuos, que engolem tudo o que são mentiras e propaganda por parte do governo e dos média de massas e aquela malta que passa a maior parte do tempo em linha no sítio do Facebook e que poucas vezes utiliza um outro chamado Google para se informar seriamente sobre qualquer tipo de assunto verdadeiramente importante...

Autoria e outros dados (tags, etc)