Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


E, mais uma vez, censurado pela Blogger

10.07.17

(É por estas e por outras é que abandonei eu tal serviço e me mudei para o SAPO...)
O seguinte, é um comentário que (foi feito de modo apressado e sem grande paciência, mas que, ainda assim) foi repetidamente censurado - [1] [2] [3] - que tentei deixar num recém-criado blogue do mesmo autor da (relativamente conhecida) conta no Twitter "Crimes of Britain", em que se propõe tal autor a denunciar o que chama o "conluio" que existe entre o governo britânico e alguns grupos terroristas a operar em países muçulmanos.
Para melhores esclarecimentos (mais cuidados e elaborados) sobre os assuntos de que a seguir falo, deixo também aqui as seguintes hiperligações - [1] [2] [3] - para colocações minhas anteriores.

 

Fernando Negro 30 June 2017 at 05:29

It's not "collusion" that we're talking about... It's "creation" and "command & control".

The name "al-Qaeda" means "the Base" - and, it comes from the computer/IT term "database" (http://www.globalresearch.ca/al-qaeda-the-database-2/24738). This supposed organization is actually just a list/"database" of Muslim fanatics who are, unknowingly, being used by Western (i.e. UK + USA) intelligence agencies - including on Western soil. And, as even the official History admits, "al-Qaeda" is a creation of the CIA.

Former MP Robin Cook called people's attention to the origin of such supposed organization (https://www.theguardian.com/uk/2005/jul/08/july7.development) a day after the 7/7 terrorist attacks, and appeared dead less than a month afterwards.

The recent change, in name, from "al-Qaeda" to "ISIS", most probably came as a result of the (at the time, increasingly) apparent contradiction, that was becoming too noticeable or obvious, that such supposed organization was actually being supported by the West (for example, in Lybia: http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8391632/Libya-the-West-and-al-Qaeda-on-the-same-side.html) while, at the same time, it was, supposedly, its enemy nº 1.

(And, even if you consider ISIS to be a separate organization from al-Qaeda - which is not, since that, its members are the same: http://tarpley.net/isis-same-fanatics-nato-armed-in-libya-and-syria/ - again, there are also proofs of a Western hand behind the appearance of such supposed organization: http://www.wnd.com/2014/06/officials-u-s-trained-isis-at-secret-base-in-jordan/)

Al-Qaeda/ISIS is just a tool of British and American intelligence agencies, that serves a variety of purposes. And, when it comes to terrorist attacks on Western soil, its purpose is (1) to create a pretext to invade countries in the Middle East, that are rich in natural resources, and (2) to create a pretext for a Police State in the West (in which the ruling elites, who ultimately give orders to our governments, can better control the ignorant masses).

Notice, for example, how the most important terrorist attacks on Western soil (the ones that cause more victims, and require serious planning) always happen on days or months 7, 11 and 22 (i.e. dates with Masonic numbers).

Please, take a look at the following great lecture, given in 2002, by Prof. Michel Chossudovsky, editor of the well-known "Centre for Research on Globalization" (GlobalResearch.ca), for an introduction to what I'm talking about.



And, please also take a look at the following sources, for more information about this: https://www.infowars.com/https://twitter.com/EstulinDanielhttp://www.globalresearch.ca/https://www.corbettreport.com/http://tarpley.net/http://www.voltairenet.org/enhttp://www.larouchepub.com/ + http://www.tenc.net/

With all due respect, to know what you're (really) talking about, you should first do some serious reading of the above-mentioned sources... Otherwise, you'll just write tons and tons of wrong/incorrect analysis of what's (really) going on - and you'll possibly only realize some years from now how wrong/incorrect you were about this particular subject.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:32

Editor de muito conhecido jornal alemão falecido o mês passado admitiu que são os média de massas quem emite "notícias falsas"

21.02.17

Editor of Major German Newspaper Says He Planted Stories for the CIA

By Ralph Lopez
Global Research, February 04, 2015
Reader Supported News

Becoming the first credentialed, well-known media insider to step forward and state publicly that he was secretly a “propagandist,” an editor of a major German daily has said that he personally planted stories for the CIA.

Saying he believes a medical condition gives him only a few years to live, and that he is filled with remorse, Dr. Udo Ulfkotte, the editor of Frankfurter Allgemeine Zeitung, one of Germany’s largest newspapers, said in an interview that he accepted news stories written and given to him by the CIA and published them under his own name. Ulfkotte said the aim of much of the deception was to drive nations toward war.

Dr. Ulfkotte says the corruption of journalists and major news outlets by the CIA is routine, accepted, and widespread in the western media, and that journalists who do not comply either cannot get jobs at any news organization, or find their careers cut short.

Dr. Ulfkotte is the author of a book currently available only in German, “Bought Journalists” (Kopp 2014). Aged 55, he was also once an advisor to the government of German Chancellor Helmet Kohl.

The book has become a bestseller in Germany but, in a bizarre twist which Ulfkotte says characterizes the disconnect caused by CIA control of the western media, the book cannot be reported on.

Ulfkotte says:

    “No German mainstream journalist is allowed to report about [my] book. Otherwise he or she will be sacked. So we have a bestseller now that no German journalist is allowed to write or talk about.”

Among the stories Ulfkotte says he was ordered to plant in his newspaper over the years was a story that Libyan President Moammar Gaddafi was building poison gas factories in 2011. Ulfkotte also says he was an eyewitness to Saddam Hussein’s use of poison gas against Iranians in the war between Iran and Iraq, but that the editors he worked for at the time were not interested, because Iraq was a US ally at the time.

Ulfkotte says he is better positioned to come forward than many journalists because he does not have children who could be threatened. Ulfkotte told the Russian newspaper Russian Insider (RI):

    “When I told the Frankfurter Allgemeine Zeitung (Ulfkotte’s nwspaper) that I would publish the book, their lawyers sent me a letter threatening with all legal consequences if I would publish any names or secrets – but I don’t mind. You see, I don’t have children to take care of. And you must know I was severely injured during the gas attack I witnessed in Iran in 1988. I’m the sole German survivor from a German poison gas attack. I’m still suffering from this. I’ve had three heart attacks. I don’t expect to live for more than a few years.”

Ulfkotte says that remorse of having “lied” to mass audiences over the years drove him to come forward. He told RI that he was:

    “taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”

Ulfkotte says:

    “I’m ashamed I was part of it. Unfortunately I cannot reverse this.”

Among the admissions that Ulfkotte makes in the interview are putting his own name to articles completely written by intelligence agencies. He said:

    “I ended up publishing articles under my own name written by agents of the CIA and other intelligence services, especially the German secret service.”

Ulfkotte detailed the pattern of cajolery and outright bribery used by the CIA and other US-allied intelligence agencies, for the purpose of advancing political agendas. Ulfkotte said:

    “once you’re connected, you make friends with selected Americans. You think they are your friends and you start cooperating. They work on your ego, make you feel like you’re important. And one day one of them will ask you ‘Will you do me this favor’…”

Ulfkotte noted that a journalists on international press trips paid for by organizations close to the government are unlikely to submit a storyline not favorable to the sponsor.

Of the gassing of Iranians he had witnessed in the Eighties, Ulfkoppe said:

    “they asked me to hand over the photo’s that I had made to the German association of chemical companies in Frankfurt, Verband der Chemischen Industrie. This poison gas that had killed so many Iranians was made in Germany.”

In an interview with Russia Today, Ulfkotte said that it was “not right” what he had done, and that his fear was that politicians were actively driving the world toward war:

    “it is not right what I have done in the past, to manipulate people, to make propaganda against Russia, and it is not right what my colleagues do, and have done in the past, because they are bribed to betray the people not only in Germany, all over Europe. … I am very fearful of a new war in Europe, and I don’t like to have this situation again, because war is never coming from itself, there is always people who push for war, and this is not only politicians, it is journalists too. … We have betrayed our readers, just to push for war. … I don’t want this anymore, I’m fed up with this propaganda. We live in a banana republic, and not in a democratic country where we have press freedom…”

In his book “The CIA and the Media,” Watergate reporter Carl Bernstein quotes William B. Bader, former CIA intelligence officer, in his testimony before the Senate Intelligence Committee. Baeder said:

    “There is quite an incredible spread of relationships. You don’t need to manipulate Time magazine, for example, because there are [Central Intelligence] Agency people at the management level.”

Bernstein writes:

    “The Agency’s relationship with the Times was by far its most valuable among newspapers, according to CIA officials. From 1950 to 1966, about ten CIA employees were provided Times cover under arrangements approved by the newspaper’s late publisher, Arthur Hays Sulzberger. The cover arrangements were part of a general Times policy—set by Sulzberger—to provide assistance to the CIA whenever possible.”

Ulfkotte was on the staff of the Konrad Adenauer Foundation from 1999 to 2003, according to his Wikipedia entry. He won the civic prize from the Annette Barthelt Foundation in 2003.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:46

Quem (realmente) está por trás destes atentados

23.11.15

Who_Is_REALLY_Behind_ISIS.jpg

 

[Uma carta que enviei hoje a algumas pessoas que me são próximas - e que podem, se quiserem, "copiar-colar" para enviá-la, também vocês, a pessoas que conheçam...]

 

1) O "Estado Islâmico" é uma criação dos próprios serviços secretos ocidentais, tal como têm indicado vários média ditos de "referência" (http://www.wnd.com/2014/06/officials-u-s-trained-isis-at-secret-base-in-jordan/).

2) Os governos ocidentais dizem que apenas apoiam os grupos ditos "moderados", na Síria, e não os extremistas islâmicos. Mas, onde é que vai o Estado Islâmico buscar as suas munições? Compra-as aos ditos "moderados" (https://www.rt.com/news/322996-islamic-state-journalist-todenhofer/) que as recebem do Ocidente (http://www.foxnews.com/politics/2015/10/12/us-military-airdrops-50-tons-ammo-for-syrian-fighters-after-training-mission.html). Já para não falar de quando recebe tal grupo terrorista as suas munições "por engano" da parte de aviões ocidentais (https://www.rt.com/news/198388-weapons-islamic-kurdish-us/). (Há muito mais que pode ser dito sobre como o Ocidente arma o Estado Islâmico através de intermédios. As anteriores são apenas duas indicações. Podem, por exemplo, ver também aquiaqui como os aliados do Ocidente, Israel e Turquia - este último, um país da OTAN - ajudam o Estado Islâmico.)

3) Em todos os anteriores grandes atentados terroristas que ocorreram no Ocidente, os autores tinham sempre ligações aos serviços secretos e/ou autoridades policiais dos países onde ocorreram tais ataques. Isto aconteceu no 11 de Setembro, nos EUA (http://www.cbsnews.com/news/hijackers-lived-with-fbi-informant/, http://www.newsweek.com/alleged-hijackers-may-have-trained-us-bases-152495, http://www.prisonplanet.com/articles/november2007/271107_cia_informant.htm), no 7 de Julho, em Londres (https://www.youtube.com/watch?v=oM0ff1NyMg8, http://www.infowars.com/terrorist-who-trained-london-bombers-was-working-for-us-government/) e no 11 de Março, em Madrid (http://www.globalresearch.ca/articles/OWE406A.html).

4) Relativamente ao 11 de Setembro,

- há até uma lista de várias personalidades conhecidas (incluindo políticos de topo ocidentais) que acusam o próprio governo estadunidense da autoria de tais ataques (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/quem-de-tudo-isto-ja-sabe-62368)

- e podem ver, se quiserem, dois bons documentários que desmontam a história oficial dos atentados aqui (documentário que passou na RTP) e aqui (documentário muito bem produzido, feito por conhecidas personalidades italianas).

"Desde círculos vizinhos ao Palazzo Chigi, centro nevrálgico da direcção dos serviços secretos italianos, faz-se notar que a não autenticidade do vídeo é testemunhada pelo facto de Osama bin Laden ter nele 'confessado' que a al-Qaeda foi a autora do atentado de 11 de Setembro às duas torres em Nova Iorque, quando todos os círculos democráticos da América e da Europa, com o centro-esquerda italiano na linha da frente, sabem agora bem que o desastroso atentado foi planeado e executado pela CIA americana e pela Mossad com a ajuda do mundo sionista para colocar sob acusação os países árabes e para induzir as potências ocidentais a intervir no Iraque e no Afeganistão."
--- Francesco Cossiga, ex-Presidente da República italiana, ao jornal Corriere della Sera a 30 de Novembro de 2007

5) O Osama bin Laden foi, até aos seus últimos dias de vida, um agente da CIA (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/quem-era-osama-bin-laden-57995). E, a prová-lo estão o facto de que foi visitado pela CIA num hospital em Julho de 2001 (http://www.globalresearch.ca/articles/RIC111B.html), quando era supostamente procurado pela mesma, e o facto de que recebeu tratamento hospitalar no Paquistão, em Setembro de 2001, numa cidade apinhada de conselheiros militares estadunidenses (http://www.globalresearch.ca/articles/CHO311A.html).

6) O "Estado Islâmico" não é mais do que uma nova designação para a al-Qaeda - pois, os seus membros são os mesmos (http://tarpley.net/isis-same-fanatics-nato-armed-in-libya-and-syria/). Tendo tal renomeamento sido muito provavelmente feito para despistar as pessoas das contradições, que se estavam a tornar evidentes, causadas pelo facto de apoiar recentemente o Ocidente a al-Qaeda (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8391632/Libya-the-West-and-al-Qaeda-on-the-same-side.html) quando esta era supostamente o seu inimigo nº1.


(Juntem os anteriores pontos da maneira que quiserem. Mas, as conclusões são óbvias...)

(E, os objectivos de tudo isto, são claramente (1) criar um pretexto para a construção de um Estado Policial no Ocidente e (2) criar um pretexto para intervenções militares no Médio Oriente, que visam o controlo de redutos de petróleo e de gás natural.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estímulos à imigração síria para dentro da União Europeia servem também para desincentivar luta dos sírios contra o Estado Islâmico

09.09.15

syria-ypj-fighters-in-kobane.jpeg

 

É óbvio que, também para que celebrações de vitórias contra o Estado Islâmico (como a acima retratada) não se tornem um fenómeno comum na Síria, é do interesse do Ocidente estimular esta onda de refugiados (na sua grande maioria sírios) em tão grande número. E, deixei nos comentários a <esta> colocação, feita no blogue do meu amigo Dr. Octopus, uma explicação mais elaborada sobre isto - de onde tiro a seguinte citação de um artigo sobre a luta das mulheres curdas da minoria iazidi:

 

"the women are conscious of a 'white' or bloodless genocide, as EU governments — especially Germany — try to lure Yazidi women abroad, uprooting them from their sacred homes and instrumentalizing them for their own agendas."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os turcos também fazem "atentados de bandeira falsa"

01.08.15

(A propósito do recente atentado que ocorreu na Turquia, prontamente atribuído à nova denominação da al-Qaeda - e que, com a equiparação de tal grupo ao PKK, está agora a ser usado como pretexto para a repressão deste último grupo militante curdo na Turquia...)
Deixo (1) <aqui> uma hiperligação para uma recente denúncia de que estava a ser preparado, por elementos do governo turco, um "atentado de bandeira falsa" para justificar uma intervenção militar na Síria, deixo (2) <aqui> uma hiperligação para uma notícia algo recente, onde se denuncia uma operação que estava a ser planeada por elementos do governo turco, na qual se iria cometer um ataque que seria depois atribuído a fundamentalistas islâmicos e deixo também (3) <aqui> uma hiperligação para uma outra notícia, onde se denuncia que um dos ataques à bomba ocorridos na Turquia, a meio da década passada, que foi "oficialmente atribuído ao PKK", foi na verdade feito por elementos do governo turco.
(Apenas três provas recentes de que o chamado "estado profundo" turco - que até merece uma página na Wikipedia - inclui nos seus métodos de operação a velha fórmula dos "antentados de bandeira falsa", para a criação de um pretexto para intervenções militares e repressões internas.)
E, contextualizando o recente atentado ocorrido na Turquia, é importante notar o seguinte:

Os aliados do PKK na Síria, sob a forma das conhecidas YPG/YPJ, têm feito grandes e notáveis progressos - [1] [2] - na sua luta autónoma contra o Estado Islâmico. E, é sabido que os curdos do PKK muito têm ajudado os membros do seu povo que têm sido vítimas de ataques do Estado Islâmico na vizinha Síria - nomeadamente, atravessando a fronteira turco-síria para lutar ao lado das YPG/YPJ. Sendo que, o resultado de tudo isto, pode ser claramente visto no seguinte mapa.

 

SyrianCivilWar_28July05.png

 

E, sendo que, a grande importância deste recente progresso (assim como, o claro inconveniente que ele representa, para os interesses da OTAN) pode ser também claramente vista no seguinte mapa equivalente, com anotações, tirado de um recente artigo de Webster Tarpley.

 

SyrianBufferZone.jpg

 

Ora, com os curdos a provarem ser um grande empecilho para a presença e domínio do Estado Islâmico na Síria - e com a forte possibilidade de quererem estes mesmos curdos estabelecer uma união territorial de todo o Curdistão sírio... Não poderia a vizinha Turquia, obviamente - e enquanto membro da OTAN - deixar que isto aconteça, sem fazer alguma coisa em relação a isto.
(E, por isso, que cada um tire as suas conclusões, quanto à possível autoria do recente atentado ocorrido na Turquia... E, isto, já ignorando o facto de que o próprio "Estado Islâmico", em si, não é mais do que um grupo-fantoche dos interesses ocidentais, que claramente o criaram e apoiam.)

A título de também muito interesse, de notar que não é apenas através da fronteira turca que é abastecido o Estado Islâmico. Mas, que existem/existiam também claras linhas de abastecimento que levam/levavam às fronteiras com a Jordânia - onde receberam tais terroristas o seu treino.

 

linhasabastecimentoEIjunho2015.png

 

E, também de muito interesse, é notar que, tal como na Turquia, em Israel podem até os membros deste grupo terrorista receber assistência médica, na sua clara luta por interesses ocidentais.

 

(E têm mais informações sobre tudo isto, nas seguintes duas colocações: 1, 2.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 20:16

Os resultados nada surpreendentes dos atentados em França

15.01.15

eiffeltower.jpg

Um investigador da polícia judiciária, que tinha como responsabilidade investigar os terroristas supostamente nisto envolvidos, que aparece morto no seu local de trabalho; militares que são destacados para patrulhar as ruas; e um pretexto para mais uma guerra em grande escala - e por petróleo - no Médio Oriente (com um grande navio militar já em preparativos para se dirigir para o teatro de guerra antes de todos estes acontecimentos).
O 11 de Setembro na sua versão francesa...
(Ver paralelos aquiaqui e aqui.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 17:14

Xiitas ganharam, pela terceira vez seguida, as eleições no Iraque

16.06.14

Para que possam todos compreender melhor o recente grande surgimento da al-Qaeda (agora, sob um diferente nome) no Iraque - com o aparecimento de um grande exército, muito bem equipado, que quase parece ter surgido do nada e que avança a passos largos, no que constitui uma aplicação árabe da táctica da "guerra-relâmpago" - é preciso ter em conta um aspecto mesmo muito importante, quanto à natureza étnica e religiosa deste país - e consequente natureza da sua classe política.
Desde a Invasão do Iraque, pelas tropas aliadas, em 2003 - e das primeiras eleições democráticas, que ocorreram neste país - que os sucessivos governos eleitos têm sido sempre liderados por grupos pertencentes à maioria xiita do Iraque (que existe na proporção de quase 2 para 1, relativamente à minoria sunita). Tendo as últimas eleições, que ocorreram há um mês e meio, marcado a terceira vez consecutiva que um grupo xiita recebe o maior número de votos para o parlamento, desde que uma Constituição foi aprovada. Xiitas esses, que (sabem as pessoas bem informadas) têm uma forte ligação ao (também xiita) vizinho regime iraniano, não alinhado com o Ocidente.
Ou seja... Desde que o Reino Unido e os EUA invadiram militarmente o Iraque, há 11 anos, que não conseguiu nunca o Império Britânico realmente instalar um regime-fantoche neste país, que faça tudo o que o Ocidente quer. Tendo, desde que foi criada uma Constituição, a situação política neste país sido a de um governo com uma forte ligação ao regime iraniano que tenta, dentro do possível, exercer a sua autonomia - e cada vez maior (real) independência - relativamente ao Ocidente.
Ora, falhada, pela terceira vez consecutiva, a tentativa de colocar, pela via democrática, um regime-fantoche no poder e, também muito importantemente, cada vez mais reduzida a sua presença militar neste território, vê o Ocidente as suas perspectivas de alguma vez conseguir dominar o Iraque serem mesmo muito reduzidas...
Sendo, então, aqui que entra o conhecido braço armado islâmico da CIA - de natureza sunita e fundamentalista - a <al-Qaeda>, para fazer o habitual trabalho de (parcial ou totalmente) derrubar regimes não alinhados com os EUA e seus amigos.
(Hipótese 1) Será o objectivo deste grande exército insurgente dominar o país inteiro?
Parece muito pouco provável. Pois, para além de ter uma maioria de população xiita como adversária, essa é uma maioria que nunca irá aceitar a imposição de um regime fundamentalista de uma vertente islâmica que não é a sua.
(Hipótese 2) Será, então, a intenção de tais rebeldes, deste supostamente "ex-"grupo-satélite da al-Qaeda, controlar a parte norte, sunita e árabe, deste país?
Parece ser o mais provável. Pois, para além de ser esta uma opção viável, apoderar-se-iam tais rebeldes (ou melhor dizendo, quem os controla) de uma grande parte dos campos petrolíferos deste país - tão importantes, num mundo em que o petróleo aparenta estar em declínio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Também os militares têm direito a saber da existência da NOM

08.12.12


Parece que houve um membro de uma conhecida família de militares condecorados que decidiu ir dizer algumas verdades para um fórum português de discussão sobre forças armadas, forças policiais, serviços secretos e assuntos relacionados... ;)

Divirtam-se a procurar pelas colocações no mencionado fórum e animem-se, um pouco, por saber que também há quem frequente este sítio e saiba o que realmente se passa neste Mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)