Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Preparem-se para mais uma tentativa de "revolução colorida"

01.11.14

(Repararam em como, após os resultados das eleições no Brasil, os comentadores na imprensa portuguesa começaram logo com afirmações do tipo "temos agora um país dividido" e afins? Como se, numa Democracia, dependendo do tamanho da diferença de resultados, o normal ou que fosse esperado, em certos casos, fosse que as pessoas não aceitassem a vontade da maioria? Ao que parece, o que está planeado para o Brasil é o mesmo que tem vindo a ocorrer na Venezuela. Lembrem-se de que as tentativas de sabotagem da Copa do Mundo de futebol tiveram, claramente, grupos controlados por trás. E, lembrem-se também de que o Brasil irá ser ainda o anfitrião de um outro grande e muito importante evento desportivo internacional.)

 

Brasileiros Votam por um Futuro Soberano Dentro dos BRICS; Reelegem Dilma Rousseff Presidente

26 de Outubro de 2014 (SNEIR) - A reeleição de Dilma Rousseff como Presidente do Brasil hoje derrotou a tentativa do Império Britânico de tirar o Brasil dos BRICS e dos projectos de integração sul-americanos, através da eleição do seu adversário, Aécio Neves. Dilma ganhou 51,6% dos votos, contra os 48,4% de Aécio.

O estadista estadunidense Lyndon LaRouche avisou mais cedo neste dia que uma vitória de Neves iria tornar o Brasil novamente numa colónia britânica e era uma ameaça para os reais interesses dos Estados Unidos da América. Ele regozijou-se com as notícias da reeleição de Rousseff.

A votação é uma derrota de tudo o que é representado pelo sistema transatlântico. A Economist e o Financial Times de Londres fizeram vigorosamente campanha por Aécio. Neves prometeu impor novamente a ortodoxia económica no Brasil, realinhar o Brasil com o partido da guerra anglo-americano e virar-se contra os BRICS e a América do Sul e nomear o especulador de fundos de cobertura Armínio Fraga como seu futuro Ministro da Fazenda, para provar a sua seriedade. Os bancos e os fundos de cobertura de Londres e Wall Street, e os seus lacaios brasileiros, praticaram guerra financeira, de cada vez que o seu rapaz caiu nas sondagens.

Rousseff recebeu bem os ataques a ela dirigidos pelos banqueiros e insistiu que o Brasil não deve voltar ao neoliberalismo que o tinha destruído no passado e que hoje em dia está a destruir a Europa. O futuro jaz na nova ordem mundial que está a ser forjada pelos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), de nações soberanas comprometidas em elevar os padrões de vida e em desenvolver as indústrias nacionais, argumentou ela.

A maioria dos brasileiros rejeitou a insistência britânica de que deixem o barco salva-vidas dos BRICS para saltar de volta para bordo do Titanic transatlântico!

O Plano A britânico nas eleições de elejer a querida da WWF Marina Silva como Presidente, foi enviado para uma derrota esmagadora na primeira volta das eleições. Com o seu Plano B agora também derrotado, iniciou-se já a discussão do Plano C: criar uma situação de total polarização e ingovernabilidade, tal que possam lançar uma "revolução colorida" nos próximos meses, com a Economist de Londres já a criar a propaganda para lançar os "revolucionários de caxemira" de São Paulo como líderes. Tal como escreveu o New York Times no dia anterior às eleições: "Quem quer que ganhe no Domingo irá enfrentar o desafio de governar num sistema político no qual presidentes têm de forjar alianças com um conjunto de diferentes partidos, incluindo alguns com aguçadamente diferentes ideologias. Não é esperado que a crescente tensão política no país torne este processo mais fácil".

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:50