Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O princípio do fim (oficial) da privacidade electrónica em Portugal

16.08.17

electronic_eye.jpg

Um comentário que deixei, à notícia de anteontem de que o Presidente da República aprovou a lei que permite às secretas nacionais terem agora acesso oficial aos "metadados" das telecomunicações de todos os portugueses, independentemente de serem ou não estes suspeitos de qualquer crime.
(Tenham em atenção que, as pessoas que nos governam são tudo menos honestas... E, toda a gente bem informada sabe que o SIS - este sim, uma organização criminosa - efectua repetidamente escutas ilegais às telecomunicações dos cidadãos - em violação do Artigo 34.º da Constituição.)

 

Fernando Negro 15 de Agosto de 2017 às 23:04

Não é preciso esperar pelo "longo prazo" para saber como é que tudo isto vai acabar... Pois, qualquer pessoa que esteja atenta e que seja inteligente consegue ver a tendência indicativa de para onde caminhamos (de volta).


Vejam, por exemplo, a outra lei que Marcelo promulgou nesse mesmo dia, de proibir os pagamentos em dinheiro superiores a 3 mil euros (http://www.jn.pt/nacional/interior/proibidos-pagamentos-em-dinheiro-superiores-a-3-mil-euros-8705183.html) - obviamente, com o objectivo de que fiquem tais pagamentos (obrigatoriamente electrónicos) registados em bases de dados bancárias, que já começaram a deixar de ser privadas (https://pplware.sapo.pt/informacao/ultima-hora-governo-aprova-acesso-as-contas-bancarias/). E, reparem em como já lá vão anos em que, para qualquer pagamento significativo, somos agora obrigados a dar o nosso número de contribuinte, para que fique tudo registado em bases de dados estatais.

O "Estado Policial" já chegou. E, o próximo passo será, obviamente, a abolição da Democracia (lembram-se da declaração de Manuela Ferreira Leite, há uns anos, de que talvez fosse melhor "suspendê-la" em certos casos? - https://www.youtube.com/watch?v=A5naDDnigsw). Sendo que, o mais provável, é que seja este segundo passo dado sob o pretexto de uma qualquer "emergência", causada por ataques terroristas de origem duvidosa (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/quem-realmente-esta-por-tras-destes-85197) que servirão para instalar um dito Estado de Emergência, supostamente "temporário", do qual nunca iremos sair (vejam, por exemplo, o caso do Egipto que, antes da queda de Mubarak, estava em "estado de emergência" há 31 anos - http://www.bbc.com/news/world-middle-east-18283635).

Se quiserem saber o quão o primeiro passo facilita o segundo, não têm de ir mais longe do que as palestras de Richard Stallman em que este tem, repetidamente, avisado as pessoas disto mesmo: https://vimeo.com/28195912

E, se duvidarem de que tudo isto obedece a um plano pré-determinado, podem começar por ler um livro cuja primeira versão foi *censurada* em Portugal (http://6.fotos.web.sapo.io/i/o41140ea4/17596647_i1zW0.jpeg) e que foi escrito por um autor que, repetidamente, tem provado a sua credibilidade (http://web.archive.org/web/20131105185520/http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=24&t=10579).

Os Direitos e Liberdades nunca foram algo de imutável ou garantido. E, duram apenas o tempo que o povo em causa permitir que estes durem. Já um dos Pais Fundadores da primeira Democracia moderna do mundo dizia que: "The tree of liberty must be refreshed from time to time with the blood of patriots and tyrants". E, historicamente, têm sido vários os casos em que Democracias (ocidentais e não só) se transformaram em Ditaduras - incluindo no nosso país, na primeira metade do século passado.

Os passos estão a ser dados à vista de todos. Resta agora saber o que irão as pessoas fazer relativamente a isto (antes que seja tarde demais)...

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 18:45



2 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Negro a 26.08.2017 às 10:09

Um comentário que deixei à notícia da entrada em vigor da lei que proíbe os pagamentos em dinheiro superiores a 3.000 euros:

(https://pplware.sapo.pt/informacao/acabaram-os-pagamentos-superiores-3000-euros-papel/#comment-1994827)

Nada disto irá servir para acabar com a *grande* criminalidade – mas antes, para vigiar o “zé povinho” que não faça parte dos grandes interesses económicos. Pois, entre outras coisas, o terrorismo islâmico internacional é financiado através de contas secretas (https://www.youtube.com/watch?v=NwZxS92j_ek), a moeda de troca usada no tráfico de drogas internacional são pequenos diamantes (https://www.wook.pt/livro/os-senhores-da-sombra-daniel-estulin/10118671) e todas as maiores/principais organizações criminosas que existem são controladas pelos próprios serviços secretos ocidentais (https://www.prisonplanet.com/articles/may2008/050108_elitist_blueprint.htm).

Os maiores criminosos já estão todos identificados (http://6.fotos.web.sapo.io/i/o41140ea4/17596647_i1zW0.jpeg). Mas, como são eles quem controla o poder político e as autoridades, nada acontece aos mesmos. Este tipo de leis serve apenas para vigiar toda a restante população, para que, quando alguém se insurgir contra esta podre ordem das coisas, terem as secretas na sua mão o maior número de dados possível sobre os inimigos do poder estabelecido. (Bem-vindos ao “Estado Policial”!)

comentar colocação