Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A grande importância que têm as eleições brasileiras, também para o bloco BRICS e todas as economias emergentes latino-americanas

24.10.14

BRICS_2014.png

(Mais do que ser já a 7ª maior economia do Mundo, o Brasil é uma peça fundamental no grande desenvolvimento que está a ocorrer em todo o bloco BRICS e também em vários países da América Latina que a este bloco escolheram se associar. Sendo, obviamente, por isso que está este muito promissor país a ser um tão grande alvo de tentativas de controlo e sabotagem, por parte do Ocidente, que não quer ver países que se lhe oponham a erguer-se e a formar laços de união entre eles...)

 

O Que Está Estrategicamente em Causa nas Eleições Presidenciais do Brasil

por Gretchen Small [Executive Intelligence Review]


14 de Outubro - O Financial Times emitiu um claro aviso no dia 10 de Outubro ao candidato de Londres a Presidente do Brasil, Aécio Neves do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Neves e a sua equipa não deverão "desapontar" Londres na volta final das eleições presidenciais brasileiras no dia 26 de Outubro, avisou o FT: "Afinal de contas, isto não é apenas um debate económico cordial: é guerra - a batalha final pelo controlo do segundo maior mercado emergente do mundo e das vidas de mais de 200 milhões de pessoas".

A EIR concorda, neste caso, com o FT: as eleições presidenciais do Brasil de 2014 são uma batalha estratégica na guerra global sobre se a humanidade irá ser bem-sucedida em esmagar o Império Britânico e em criar uma ordem mundial verdadeiramente humana, dedicada à paz e ao progresso de todos.

A política editorial da EIR difere em 180º da do FT, contudo, quando toca a que candidato deve ganhar a eleição. A EIR apoia a reeleição da Presidente Dilma Rousseff, a opositora de Neves na corrida.

Quaisquer que tenham sido os seus defeitos, passados e presentes, que a EIR apontou devidamente ao longo dos anos, a Presidente Rousseff colocou decisivamente o Brasil no mesmo grupo que a metade da humanidade que se ergueu para defender a causa da humanidade. Sob a sua liderança, o Brasil tem tido e está comprometido em ter um papel activo no renascimento global que se está a formar em torno do agrupamento BRICS dos Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, assim como nos esforços do MERCOSUL e da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) agora aliados com os BRICS e, em particular, na corajosa defesa da Argentina contra os "fundos abutres".

Como parte dessa dinâmica dos BRICS, o Brasil está em condições de se livrar de mais de 25 anos de subjugação a uma ditadura financeira supranacional, reagrupar as suas significativas capacidades científicas e industriais nucleares e espaciais e iniciar o rápido aumento da produtividade necessário para elevar os padrões de vida e as qualificações dos seus muitos milhões de pessoas ainda a viver na pobreza e numa situação de atraso.

Londres, por seu lado, está determinada - ao ponto de chegar a uma "guerra", como diz - em instalar um governo comprometido em tirar o "B" dos BRICS, tornando um Brasil novamente subjugado num instrumento para esmagar os BRICS e a explosão de desenvolvimento sul-americano associado que está em marcha. Caso seja Londres bem-sucedida, e reimponha as políticas económicas transatlânticas no Brasil, o próprio Brasil irá rapidamente desintegrar-se.

Londres Não Detém Todas as Cartas

Foi já precisa a morte de um candidato presidencial para criar o potencial de sucesso nesta operação britânica. A sua candidata de primeira escolha para tirar o "B" dos BRICS na primeira volta das eleições, foi a querida da Coroa Britânica, Marina Silva, que somente se tornou uma candidata presidencial em meados de Agosto, erguendo-se das cinzas do acidente aéreo ainda por explicar que matou o candidato presidencial do Partido Socialista (PSB) Eduardo Campos. Até então, Marina tinha sido a candidata vice-presidencial de Campos na corrida.

Londres e Wall Street fizeram desenvergonhadamente campanha por Marina, tal como ela é conhecida, pintando-a como uma "Obama" brasileira, a "candidata do povo" pelo seu apoio à abortada tentativa em 2013 de lançar uma "revolução colorida" no Brasil. Pró-alta finança, anti-Estado, virulentamente anticrescimento, anti-China, apoiada por vários "multimilionários verdes" brasileiros, Marina foi aclamada como a candidata que podia pôr um rosto "popular" no pacote de Londres.

Em 2010, a EIR denunciou Marina como uma operação da Coroa Britânica, um facto ostentado em 2008, quando o Príncipe Filipe a condecorou pessoalmente com a Medalha de Conservação do Duque de Edimburgo, pelo seu trabalho durante o seu mandato de Ministra do Meio Ambiente (2003-08) em bloquear projectos-chave hidroeléctricos e em ceder o controlo de enormes porções de território amazónico brasileiro à WWF de Filipe e outros interesses privados verdes.

"A Marina sempre teve boas relações com as casas reais da Europa e a aristocracia europeia. Nós não podemos decidir quem a Família Real vai convidar", afirmou de modo seco o Ministro dos Desportos brasileiro, Aldo Rebelo, quando Marina foi convidada para ser uma portadora da tocha nas Olimpíadas de Londres de 2012.

Para o desagrado de Londres, os eleitores brasileiros tiraram Marina da corrida na primeira volta das eleições a 5 de Outubro, colocando-a num distante terceiro lugar com apenas 21% dos votos. A incumbente Rousseff ganhou 41%, com o fantoche dos Rothschild, Aécio Neves, a ficar em segundo com 34%.

Acabando com a Heroína Financeira?

Mais perigoso aos olhos de Londres, foi que Dilma escolheu lutar contra e derrotar Marina com o fundamento de que a banca pública deve ser defendida contra o sistema bancário imperial dentro do Brasil, através do qual a monarquia britânica tem há muito estropiado o país através de taxas de juro usurárias que alimentaram o carry trade internacional que pilhou o Brasil.

Marina, em prol dos seus patrocinadores banqueiros criminosos (a sua mais próxima conselheira, a multimilionária "Neca" Setúbal, é a herdeira da família que detém o Banco Itaú, o maior banco privado do Brasil), prometeu na sua plataforma, que caso fosse eleita, iria fazer passar uma lei garantindo a "autonomia" do Banco Central; isto é, garantindo o controlo bancário privado.

Marina tenciona dar aos banqueiros os poderes de decisão que pertencem à Presidente e ao Congresso Nacional, sobre assuntos que têm um efeito directo "sobre a sua vida e de sua família", tais como "os juros que você paga, seu emprego, preços e até salários", ripostou Rousseff numa animada entrevista ao programa Bom Dia Brasil da TV Globo emitida a 22 de Setembro.

Os seus horrorizados anfitriões da Globo acusaram-na de "assustar as pessoas"; a TV Globo, afinal de contas, é detida por três multimilionários da família Marinho, que estão no centro das operações da WWF no Brasil.

A promessa de Marina de tornar o Banco Central "independente" iria tornar esse banco no "quarto poder" do governo, respondeu Dilma. A Presidente chamou a atenção para o facto de que Marina também promete reduzir o papel dos grandes bancos públicos do Brasil. Como iremos então financiar infra-estrutura no Brasil?, perguntou Dilma. Os bancos públicos do Brasil subsidiam taxas; a taxas de mercado ninguém iria construir infra-estrutura no Brasil. A habitação e a agricultura têm do mesmo modo beneficiado.

O FT queixou-se do facto de um anúncio de campanha de Dilma usar uma cena de um jantar fora de um filme de bandidos para atacar Marina por estar em conluio com os banqueiros criminosos; a revista Economist de Londres protestou dizendo que Dilma tinha magoado "a popular ex-activista ambientalista" ao dizer que a planeada autonomia do Banco Central de Marina iria "dar poder a banqueiros manhosos".

Duo Aécio e Fraga

Os britânicos reagruparam agora forças em torno de Aécio, que é tão fantoche dos britânicos quanto Marina, mas muito mais difícil de "vender". A 12 de Outubro, Aécio declarou que ele e Marina se tornaram "um corpo, um projecto", depois de ela o ter apoiado, quando ele prometeu cumprir as condicionantes dela de implementar uma "economia de baixo carbono" e outras medidas anticrescimento.

Mas os brasileiros conhecem bem o PSDB de Aécio: o país desintegrou-se sob a sua governança neoliberal, quando Fernando Henrique Cardoso era Presidente entre 1992 e 2002. Ainda mais, numa acção que demonstra a total falência da opção britânica no Brasil, Aécio anunciou em Agosto, que caso seja eleito, irá nomear Armínio Fraga como seu Ministro da Fazenda.

Fraga! O nome é sinónimo do carry trade internacional que devastou a economia do Brasil. No seu primeiro mandato como oficial do Banco Central em 1991-92, Fraga montou o mecanismo que permitiu ao capital de curta duração estrangeiro entrar na economia e abriu o mercado dos derivados do câmbio e da taxa de juro. Ele depois saiu para servir como director do [fundo de cobertura] Soros Fund Management, apenas para ir direito de lá para chefiar o Banco Central do Brasil em Fevereiro de 1999, onde imediatamente aumentou as taxas de juro para 45%(!) como a pedra angular da política hiperinflacionária de George Soros do "muro de dinheiro" para impedir que o Brasil mandasse abaixo o sistema financeiro global na altura. Ficou lá até 2002, quando saiu para fundar o seu próprio fundo de cobertura.

Aécio e Fraga prometem voltar à "ortodoxia económica", cortar no orçamento, baixar salários mínimos, impor um imposto IVA retrógrado, privatizar bens públicos, incluindo os bancos públicos e a companhia estatal petrolífera, Petrobras, e reduzir a regulação estatal dos preços, salários etc.

De mão dada com isto, está a declarada intenção de mudar a política externa do Brasil, abandonando os laços com a China e a Ásia, assim como os seus vizinhos sul-americanos, em favor de acordos de livre-comércio com uma Europa moribunda e com os Estados Unidos da América.

Aloízio Mercadante, o Ministro da Casa Civil de Dilma, sob licença para fazer campanha até à votação final, salientou numa entrevista exclusiva ao portal 247 na semana passada, que:

"As propostas de Aécio Neves conduzirão, na prática, ao enfraquecimento dos BRICS e do MERCOSUL. Na verdade, os BRICS nem sequer são mencionados em seus oito 'Compromissos/Propostas' de política comercial. Ou seja, o candidato ignora os esforços dos principais países emergentes para a criação de novos mecanismos de promoção do desenvolvimento e da estabilidade financeira, como o Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS e o Arranjo Contingente de Reservas (...) Hoje, o Brasil assume um protagonismo internacional sobre temas sociais e econômicos que é inédito em nossa história. É lamentável ver o debate sobre política externa ser permeado novamente por uma retórica conservadora, associada a uma visão subalterna do Brasil no cenário internacional".

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 10:31