Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Estímulos à imigração síria para dentro da União Europeia servem também para desincentivar luta dos sírios contra o Estado Islâmico

09.09.15

syria-ypj-fighters-in-kobane.jpeg

 

É óbvio que, também para que celebrações de vitórias contra o Estado Islâmico (como a acima retratada) não se tornem um fenómeno comum na Síria, é do interesse do Ocidente estimular esta onda de refugiados (na sua grande maioria sírios) em tão grande número. E, deixei nos comentários a <esta> colocação, feita no blogue do meu amigo Dr. Octopus, uma explicação mais elaborada sobre isto - de onde tiro a seguinte citação de um artigo sobre a luta das mulheres curdas da minoria iazidi:

 

"the women are conscious of a 'white' or bloodless genocide, as EU governments — especially Germany — try to lure Yazidi women abroad, uprooting them from their sacred homes and instrumentalizing them for their own agendas."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Imigração é muito útil para alterar as diferentes culturas europeias

04.09.15

pro-immigration.jpg

Tragédias à parte, é importante reflectirmos sobre as causas de todo este fenómeno de imigração massiva para a Europa (para além do facto de ter o mesmo origem em guerras criadas ou instigadas pelo próprio Ocidente). Nomeadamente, questionando-nos sobre porque razão não decidem antes estas pessoas lutar pela libertação das suas pátrias e como conseguem elas, numa situação de desemprego, arranjar tanto dinheiro para pagar a traficantes de seres humanos - ainda mais, quando são oriundas de países (muito) pobres.

E, quanto à reacção do poder estabelecido europeu a este fenómeno, é também importante fazer algumas perguntas.

  • Porque razão se disponibilizam, prontamente, os diferentes líderes europeus para acolher estas pessoas estrangeiras?
  • Porque razão tem existido uma clara e contínua propaganda, por parte do poder estabelecido e dos seus média de massas, que visa misturar culturas - e, consequentemente, "diversificar" ou miscigenar as populações europeias?
  • Porque razão atribuem alguns estados-membros da União Europeia subsídios a quem não é cidadão do seu país, para ajudar tais pessoas a se fixarem dentro dos seus países de acolhimento, financiam algumas autarquias destes estados a construção de templos de religiões diferentes das predominantes locais e se atribuem até cargos ministeriais a quem nem sequer é natural do país onde exerce tal cargo?

A resposta a todas estas interrogações deverá, uma vez mais, ser óbvia para quem já conhece este blogue... [1] [2]

Alterando significativamente as populações humanas e as culturas dos diferentes estados europeus, para uma situação em que comecem estes, outrora diferentes, a assemelhar-se uns aos outros (por terem acolhido o mesmo tipo de populações estrangeiras), é mais uma facilidade que se cria para a pretendida extinção dos diferentes estados-nação europeus e sua substituição por um, cada vez mais homogéneo, superestado europeu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Militares a vigiar crianças nas escolas públicas portuguesas

16.06.15

Quem pensasse que ter membros das forças armadas a policiar o comum cidadão era coisa que só podia acontecer nos EUA e outros países ocidentais, grandemente atingidos pelos ataques terroristas de bandeira falsa, desengane-se...
O mesmo fenómeno acaba de chegar ao país imensamente violento que é Portugal, de uma forma inicial e discreta. (Sendo de esperar, obviamente, que vá evoluindo daqui para a frente...)
Agora já percebo o porquê de tanta paranóia, nos média de massas, com a questão do "bullying"! :)

 

militares.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais uma série de atentados obra do poder estabelecido ocidental

11.01.15

borregos.jpg

 

Para começar, tal como poderão ler no que eu escrevi aqui, não vi ainda provas convincentes de que foram as pessoas que o governo francês diz que foram, os autores destes atentados.
E, tenham em atenção o muito importante facto de que tudo isto tem origem numa clara repetição do que foi, também claramente, uma anterior operação mediática e psicológica ocidental.
Mas, mesmo partindo do princípio de que os culpados destes atentados possam ter sido as pessoas indicadas pelo governo francês...
O "Estado Islâmico", que não é mais do que um renomeamento da conhecida "al-Qaeda" (talvez feito para impedir as confusões que naturalmente surgiam, quanto ao notório combate e ao mesmo tempo apoio do Ocidente a tal conhecida "organização") é uma criação ocidental.
Segundo a história oficial destes recentes atentados em França, aliás, pelo menos um destes supostos terroristas pertencia à al-Qaeda - a qual toda a gente sabe ser uma criação da CIA (e que sabem as pessoas melhor informadas ser ainda hoje uma extensão de tal agência secreta ocidental).
Este tipo de atentados, ocorridos em solo europeu e supostamente feitos por cidadãos autóctones, têm obviamente o objectivo de criar a paranóia de que "qualquer pessoa pode ser um terrorista". Paranóia essa, que irá servir de pretexto para a criação de um (ainda maior) estado policial.
(Reparem em como a propaganda que visava mentalizar as pessoas para este novo fenómeno de ataques terroristas começou bem antes de terem ocorrido estes atentados, com muita gente na imprensa controlada - com estranhas capacidades de prever o futuro - a dizer que os elementos ocidentais do Estado Islâmico iriam efectuar ataques nos seus países de origem...)
Por isso, saiam à rua para aumentar o impacto mediático de tudo isto - nomeadamente, para mostrar aos muçulmanos, radicais e não só, que apoiam o desrespeito à sua religião e que são também alvos a abater nesta nova guerra terrorista em solo ocidental - e também para homenagear quem ofende pessoas de religiões diferentes - e façam de um grupo de "jornalistas" parvalhões, ao serviço do poder estabelecido, heróis da "liberdade" de desrespeitar e insultar o próximo, se quiserem. (Pois, eu é que não me solidarizo com tais agentes do sistema - que pagam o preço que muitos outros pagam, quando passam a ser mais úteis mortos do que vivos.)
Mas, se quiserem antes não fazer parte da propaganda e evitar a lavagem ao cérebro mediáticas, que estão em curso, e saber e espalhar a Verdade sobre estes atentados, podem começar a ler e a ouvir o que têm a dizer o jornalista Wayne Madsen e também as outras fontes que eu aqui tenho recomendado.

 

Viva o Respeito pelas diferentes crenças pessoais e religiosas.

Abaixo a construção do Estado Policial Europeu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Ah, como é bom ser pobre..."

05.01.15

Um muito pequeno excerto de um filme musical, chamado "Planeta Adormecido", com que são presentemente lavadas ao cérebro as crianças em Portugal - no qual ter "casas" e "carros" é apresentado como algo de mau (sendo que, o que é bom é "não ter nada").

 

(Reparem no "olho dentro do triângulo", que tem um dos personagens vestido de branco - que aparece em todo o filme - apresentado como "iluminado", contrariamente às pessoas que vivem nas "sombras" por procurarem qualidade de vida...)

 

O filme em causa, foi exibido na RTP 1, na manhã do passado dia 27 de Dezembro. E, suponho que para constatar o que eu aqui denuncio, tenha de se ver mais partes do mesmo. Pois, o filme inclui verdadeiras barbaridades, como: uma altura em que as crianças se sentam em volta dos adultos e estes lhes explicam (parafraseando) que "a crise é algo que veio por bem"; um outro pequeno momento musical em que um personagem se vangloria de comer comida do lixo; e outras coisas imensamente educativas.
(Uma excelente sugestão, suponho, para "entreter" as crianças que, devido ao recente empobrecimento dos seus pais, não podem mais viajar para visitar sítios de interesse para elas e onde possam brincar e que têm agora de ficar fechadas em casa - caso ainda tenham uma - em frente ao LCD de lavagem ao cérebro que têm algures na sala - crianças essas, que também não convém que se mexam muito, pois, o dinheiro para a comida também já não abunda...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 01:49

Programa Espacial ocidental será privado (e não precisará de verdadeiros seres humanos, vossos descendentes, para nada)

04.12.14

Elysium.jpg

(Passando ao lado da notória explosão mais recente de uma nave espacial, da empresa privada com fins parcialmente turísticos "Virgin Galactic", gerida pelo britânico Sir Richard Branson...)

Quem tenha prestado atenção às notícias do recente lançamento falhado do foguetão espacial "Antares", em missão de reabastecimento da Estação Espacial Internacional, deverá ter reparado que as descrições eram de um lançamento operado por uma empresa privada - e que não foi a agência pública NASA, de que estávamos habituados a ouvir falar, quando ocorriam este tipo de missões, a responsável por tal missão da parte estadunidense.
Assim como, quem se informe sobre como vão e vêem os astronautas estadunidenses para e de a EEI, poderá facilmente saber que é também através de empresas privadas que tal transporte é agora feito - dado que o programa dos vaivéns espaciais da NASA foi terminado (e não "suspenso") em 2011.
Outra coisa que, quem estiver atento aos desenvolvimentos que vão ocorrendo neste campo da exploração espacial (no que toca agora também a privados) poderá também saber, é que até a própria Google já começa a dar os seus primeiros passos neste sector, tomando o lugar da agência pública NASA.
Ora, com a crescente privatização de tudo e mais alguma coisa no Ocidente, na transição que está a ocorrer para a sociedade neofeudalista que está planeada...
Como acham vocês que irá terminar tudo isto?
O investigador Daniel Estulin já tem referido este facto de modo subtil, ou pouco explícito. Seja nesta entrevista, em que fala na possibilidade das elites (e apenas elas) se estarem a preparar para "abandonar" o planeta (enquanto os restantes cidadãos ficam para trás), ou nesta recente partilha no Twitter, em que chama a atenção para a palestra de um outro investigador, que fala da possibilidade do Programa Espacial público estadunidense ser algo que não agrada nada a quem "puxa os cordelinhos" na nossa sociedade.
E, quem tenha visto filmes como o recente Elysium, terá constatado que, nesse que é claramente mais um argumento para mentalizar as pessoas para vários dos aspectos da sociedade que está para nós planeada, tal como é dito no trecho de promoção do filme, no futuro que é antevisto em tal argumento, o mundo está dividido em duas classes: uma de pobres, que vivem na Terra, e uma de ricos, imensamente privilegiados, que vivem fora desta.
(E, dito isto... Preciso eu de dizer mais alguma coisa?...)
Quem, de mentalidade servil, pense que, tornando-se alguns dos seus descendentes em obedientes empregados das elites ocidentais, talvez consigam também eles, num futuro em que tal seja possível, um "bilhete de ida" para fora do planeta, desengane-se...
Pois, ao que tudo aparenta, nem de empregados verdadeiramente humanos precisarão tais elites. Visto que, a julgar pelos argumentos deste tipo de filmes de Hollywood com clara propaganda subliminar incluída - como o referido Elysium e outro chamado Moon - o futuro distante será um em que os empregados das elites serão: ou robôs andróides e de outros tipos; ou clones humanos/semi-humanos descartáveis, artificialmente sintetizados e lavados ao cérebro desde o início da sua vida, através de programas já muito aperfeiçoados.
(Repararam naquela cena, no filme The Island, em que se observa uma série de clones humanos a serem lavados ao cérebro, conjuntamente e em massa?...)
Por isso, se acham que algum dos vossos descendentes irá sobreviver ao futuro próximo, ou até mesmo à explosão do nosso querido Sol, estimada para daqui a alguns milhares de milhões de anos, desenganem-se, enquanto nada fizerem para impedir tal nova sociedade de se tornar uma realidade. Pois, "o futuro não precisa de vós". E, a não ser que se mudem as coisas, pertencem tais vossos descendentes à subespécie Homo sapiens familiaris, que entrará em extinção, algures no futuro próximo - e cujos indivíduos, tal como muitos da subespécie Canis lupus familiaris que servem os interesses de outros, são simplesmente mortos quando deixam de ter utilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A grande "luz ao fundo do túnel"?

26.11.14

ITER.jpg

Que o petróleo e os restantes hidrocarbonetos estão a acabar, é um facto aparente...
E, que isto representa um sério problema, cujos efeitos já se começam a sentir, é também um facto que, para além de aparente, é mesmo muito preocupante.
Mas, quer isto dizer que os próximos tempos não poderão ser outra coisa, que não negros?
Não exactamente...
Existe uma possível fonte de energia alternativa, mesmo muito rica - e que recorre a fontes abundantes - que, embora seja há já muito tempo conhecida, não foi ainda dominada, ou controlada - mas, na qual muita gente deposita a sua esperança. E, a fonte de que falo, é a chamada "energia de fusão".

Fazendo uma breve introdução a este tema...
Existem dois tipos de reacções nucleares que libertam uma energia imensa. E, são estas: a fissão nuclear (quando se dividem/quebram os núcleos dos átomos em partes mais pequenas) e a fusão nuclear (quando se unem/fundem núcleos de átomos, para formar novos átomos maiores).
Quanto à fissão, foi a reacção que foi usada nas primeiras bombas nucleares (que foram lançadas em Hiroshima e Nagasaki) e é a reacção que é usada nas actuais centrais nucleares.
No que toca à fusão, para além de ser a reacção que está na origem do calor e da luz solares que recebemos na Terra (em que átomos de hidrogénio, no Sol, estão constantemente a fundir-se, formando novos átomos de hélio) é a reacção que é actualmente usada na nova geração de armas nucleares (que usam uma mistura de reacção de fissão seguida de uma de fusão - e que faz com que actualmente o nome para designar tais armas seja "termonucleares") enquanto que, no que toca ao uso desta reacção para fins de produção controlada e contínua de energia, ao contrário da fissão, é este um processo que não foi ainda conseguido, ou dominado.
Mas, quanto ao qual muita gente pensa ser possível fazê-lo - e, muito mais importantemente, relativamente ao qual já tem havido alguns sérios progressos.
Sendo de assinalar, para além da recente intenção declarada da Rússia, de construir uma nova geração de centrais que utilizam, ao mesmo tempo, fissão e fusão nucleares no seu processo de produção de energia, o recente anúncio, da parte de um dos mais importantes fabricantes estadunidenses de armamento militar, do possível fabrico de um reactor de fusão já na próxima década e o muito interessante projecto internacional, que já teve início, chamado ITER (do inglês "International Thermonuclear Experimental Reactor"), sobre o qual o canal televisivo RT fez uma grande reportagem.

Se quiserem uma introdução mais elaborada sobre este assunto, podem ver a seguinte palestra, dada numa recente conferência do Instituto Schiller, do Movimento LaRouche, ou então espreitar esta série de dois pequenos vídeos.



E, se quiserem algumas explicações mais detalhadas sobre a ciência que está por trás disto, podem espreitar os vários vídeos que a equipa científica deste movimento tem no seu canal no YouTube.

Quanto às implicações do desenvolvimento desta tecnologia...
Elas vão muito mais além de poderem resolver os actuais problemas energéticos.
A ser bem-sucedida a tentativa de desenvolver tal forma de energia, será o princípio de uma Nova Era para a Humanidade.
Uma espectacular e maravilhosa Nova Era em que se poderá eliminar a pobreza e a fome na Terra, assim como quase todos os problemas relacionados com a falta de recursos. Pois, com uma fonte de energia tão rica, poderia, por exemplo, facilmente converter-se água do mar em água potável, levar água a zonas onde actualmente não é possível praticar a agricultura, resolver quase todos os problemas de poluição, através da decomposição dos elementos poluentes, resolver o problema da escassez de outros recursos, através da criação artificial dos mesmos... Enfim. Seria o princípio de uma verdadeira utopia de energia imensamente abundante e um enorme empurrão para o espectacular desenvolvimento científico e tecnológico que se adivinha...

(Já repararam em como em alguns filmes de "ficção científica", que aparentam ser feitos para "mentalizar" as pessoas para o que aí vem, se começam a fazer referências a esta forma de energia?... Não deverá esta componente lá estar por acaso... E, se quem quase tudo controla - incluindo a indústria cinematográfica - e de tudo está a par, no topo, coloca este tipo de elementos nos argumentos, não deverá ser por serem tais pessoas propriamente cépticas em relação a isto...)

Sobre a mais abrangente questão energética em que se insere o possível surgimento desta nova alternativa e os problemas que existem com a manifesta falta de vontade de desenvolvimento da mesma (pelas suas óbvias implicações imensamente libertadoras), podem ver a muito boa palestra que se segue, onde é mencionado o muito importante facto de haver um subfinanciamento propositado da pesquisa sobre esta forma de energia, por parte de organismos públicos, e na qual é denunciado que "há cientistas que perdem o seu financiamento por serem bem-sucedidos na fusão" e que "há tecnologia que é tornada secreta". O que leva a concluir que o facto de a mesma não ter sido ainda desenvolvida pelos governos ocidentais "é uma intenção política e não um desafio científico", tal como é dito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Kill the Messenger

06.10.14

Obviamente que, sendo este um filme feito por Hollywood, é uma clara tentativa de fazer uma "gestão dos danos", em que se tenta fazer uma denúncia que se sobreponha às outras, na qual se minimizam as verdades denunciadas. (Tal como é, claramente, o caso de um outro filme, para o qual chamei eu aqui a atenção.)
E, certamente que, do final da história que é contada neste filme, deverá ser omitida a verdade sobre o que aconteceu a este verdadeiro jornalista. (Pois, pouca gente, que conhece a história de Gary Webb, acredita que ele se tenha "suicidado" com dois tiros de caçadeira na cabeça.)
Também, uma coisa que certamente não será dita neste filme, é que este autor estava a terminar a escrita de um novo livro - que poderia vir a ser a sua magnum opus - sobre o mesmo assunto, antes de ter aparecido morto.
Assim como, a julgar pelo seguinte trecho de promoção, a história que é retratada neste filme deverá ser contada de modo a tentar passar uma mensagem pessimista, de que "não vale a pena uma pessoa meter-se neste tipo de assuntos" - tal como é o caso óbvio de um outro conhecido filme de Hollywood, para o qual também eu aqui chamei a atenção (e tal como é o caso das várias obras do "ex-"agente do MI6, John le Carré).
Ainda assim, tal como é dito nesta breve análise, pode ser que, com isto, algumas pessoas fiquem a saber um pouco sobre a história deste grande autor - corajoso, como muito poucos - e que façam tais pessoas uma pesquisa própria na Internet, onde descubram mais verdades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 04:21

Para quem não quiser dormir hoje à noite

22.05.14
Quem pense que certas séries de televisão, como Dark Angel, são mera ficção - pois, descrevem um futuro que nunca irá ocorrer - e quem pense que, por exemplo, o filme de 2005, The Island, é em boa parte ficção - pois, há partes, nesse argumento, que nunca poderão ser uma realidade - desengane-se...
E, quem quiser saber porque razão digo eu isto, só tem de ouvir <esta> entrevista recente, feita a Daniel Estulin.
Mas, ficam, desde já, avisados... Não é uma entrevista fácil de digerir e não é uma que vos vai deixar indiferentes.
Bem-vindos ao mundo do Amanhã. ("The Future is Now"!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

I Am Legend

16.04.14

Eu nem vou dizer o quão este filme mexeu comigo - quando o vi, há uns anos, ainda não tinha eu este blogue. E, logo a começar pelos personagens...
Pois, sendo o protagonista principal um homem de tom de pele escuro, que vive isolado do mundo em seu redor e que tem como única real companhia uma cadela... Que cada um que conheça o meu trajecto de vida pessoal, que faça os paralelismos. :)))
Mas, eis que, ao ver mais um filme que descreve um mundo pós-apocalíptico, onde ocorreu uma imensa redução populacional, me deparei com um interessante argumento - mais interessante do que é habitual...
Num mundo onde a maior parte dos seres outrora humanos foi reduzida à condição de meros animais, que apenas reage segundo os mais básicos dos impulsos, eis que houve um ser humano que conseguiu manter-se como tal e que procura a solução para a actual desumanização, em escala imensa, que o rodeia.
Trabalhando pacientemente, com o seu equipamento caseiro, vai este ser humano procurando uma forma de fazer os restantes seres da sua espécie, que o rodeiam, voltar à sua condição original, considerada a desejada.
E, no meio de encontros com outros seres verdadeiramente humanos, que conseguiram também escapar ao processo de desumanização que ocorreu, eis que descobre o protagonista principal a cura para o grande mal que assola a sua sociedade.
Passando a ser o problema, daí em diante, o modo como irá ele administrar tal cura...
Como acaba o filme?
Tem dois finais possíveis (sendo que o segundo apenas pode ser visto na versão que foi lançada para o mercado caseiro, distribuída em DVD e BD).

  • Num primeiro final, após saber o protagonista principal da existência de um refúgio de outros seres humanos, que conseguiram montar um princípio de nova sociedade ainda humana, termina o filme com a entrega da cura descoberta por este protagonista aos restantes seres verdadeiramente humanos, por parte dos outros dois que o protagonista principal - que entretanto morre - conheceu.
  • Num segundo final, alternativo, depois de ver alguns indícios de humanidade, que ainda resta nos seres já muito desprovidos da mesma que o rodeiam, decide o protagonista principal então simplesmente deixar tais seres outrora humanos viver na sua nova forma, não morrendo em consequência da sua tentativa de "re-humanizar" os outros e fugindo este com a sua cura, para o mencionado refúgio.

(E, eu não sei quanto a outras pessoas... Mas, pelo menos eu, observo mesmo grandes paralelos com o fenómeno da alienação, que se observa na sociedade, e de quem tenta combater a mesma. Crendo eu, até, que foi com esse mesmo objectivo - de serem traçados tais paralelos, por muita gente que com isto se irá, individualmente, identificar - que tal argumento foi escrito, numa tentativa de incentivar o distanciamento entre quem está verdadeiramente "acordado" - perante o que realmente se passa à sua volta - e toda a massa de gente restante alienada, descrita por alguns como "zombies" ou "andróides"...)
Uma coisa que me arrepia, no entanto, é o modo particular como neste argumento ocorre a mencionada massiva redução populacional... Que é com o surto de um vírus, que resulta na eliminação da maior parte da Humanidade.
Parte essa do argumento, que se tem repetido em vários outros, de alguns filmes de grande exibição, que se têm visto ultimamente...
(Será isto para mentalizar as pessoas para alguma grande pandemia que venha mesmo a ocorrer?)

Autoria e outros dados (tags, etc)