Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Amazon começou a rotular certos livros "Teorias da Conspiração"

17.01.17

Depois da recente (e ainda decorrente) ofensiva contra a imprensa alternativa, sob a forma de uma campanha que visa difamar a última rotulando-a como emissora de "notícias falsas", eis que - no decorrer de umas colocações que fiz no Twitter - quando fui ao sítio da Amazon saber como se soletrava o nome de um autor, me deparei com o seguinte - um acrescento agora feito pela Amazon ao título de um livro.

 

(Cliquem na imagem para a ampliar.)

Screenshot - 17-01-2017 - 05:29:46.png

 

Relativamente ao qual aproveito para fazer uma pergunta retórica, aos média de massas e seus (verdadeiros) amos: Se estes sítios e autores emitem notícias falsas e escrevem livros com meras "teorias da conspiração" - e estão vocês, claramente, incomodados com os mesmos, ao ponto de fazerem uma campanha contra estes - se são nomes de organizações e indivíduos muito específicos os que são mencionados por estes, se há mesmo muita gente a prestar atenção aos últimos e se são graves as acusações que estes fazem, porque razão não tomam vocês a muito mais democrática atitude de processar judicialmente tais responsáveis? (Será que é porque têm medo do resultado de acções desse tipo?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A razão pela qual o poder estabelecido quer legalizar a eutanásia

01.12.16

euthanasia.jpg

 

As pessoas mais inteligentes e bem informadas, serão capazes de deduzir a verdadeira razão de ser deste esforço, apenas pelo parágrafo final (que coloco eu em "negrito") do seguinte artigo. Mas, de qualquer modo, irei fazer um acrescento a esta notícia.

 

‘This is no life’: Dutchman allowed to be euthanized due to alcoholism

Published time: 30 Nov, 2016 10:11 [RT]

A man in the Netherlands was allowed to be euthanized after claiming he could no longer live with his crippling alcohol addiction. The man died surrounded by his family in his childhood home, according to an account recently made public by his brother.

After battling the disease for eight years and undergoing 21 combined hospital and rehabilitation stints, Mark Langedijk came to his family with some shocking news – he wanted to end his time on Earth, saying “this is no life,” as he sipped vodka to combat the symptoms of withdrawal.

It was a decision which his brother Marcel said was taken “with a grain of salt” by the family, noting that “euthanasia was for people with cancer... people for whom death was already imminent. Euthanasia was certainly not [for] alcoholics.”

But Mark pressed on with his plan, and his request was eventually approved by a doctor from the Support and Consultation on Euthanasia.

Once approved, Langedijk was visited by a doctor who suggested dates for the euthanasia to take place.

“Go ahead [with] July 14,” he said, adding that it was a “nice day to die,” his brother Marcel wrote in an account published in the magazine Linda.

Marcel went on to describe the atmosphere of his brother's final day, noting that he “laughed, drank, smoked, ate ham-and-cheese sandwiches and soup with meatballs” until the doctor arrived at this parents' house.

Once the doctor arrived, she explained the procedure before telling Mark to get into bed and stay calm – and that's when the tears began.

“We cried, told each other that we loved each other, that it would be all right, that we would care for each other, that we would see each other again. We held each other,” he said. “If it was not so terrible, it would have been nice.”

Describing the final moments of his brother's life, Marcel wrote: “Mark's eyes turned away, he sighed deeply. His last. Dr. Marijke injected the third syringe. His face changed, lost color. My little brother was dead.”

More than 5,500 people ended their lives under the Netherlands' euthanasia law last year. The law was passed 16 years ago, making the country the first in the world to legalize the practice.

Although the Netherlands’ euthanasia law initially only applied to those undergoing “unbearable suffering” with no prospect for improvement, it has since allowed for multiple deaths to take place under the label of “psychiatric suffering,” according to a study published in April.

In October, health and justice ministers argued that healthy older people who believe their life is complete should also “be allowed to finish that life in a manner dignified for them.” They hope to draft a law on the matter by the end of 2017.

 

Ora, se o governo PS-BE que temos (o PCP é um mero apêndice) é constituído por pessoas que não querem realmente o bem-estar dos seus súbditos, porque razão quer este governo aprovar algo que apresenta como um simples acto de misericórdia?
A resposta (óbvia, para muitos) é a mesma que se esconde por trás da legalização do infanticídio (leia-se "aborto") em 2007 e da mais recente lei de 2012 que permite que alguém não receba tratamento hospitalar (por enquanto, apenas por vontade do doente)...
E reduz-se a um simples termo: redução populacional.
Quanto mais medidas forem tomadas que permitam, ou mesmo causem, a morte de pessoas (como o consciente subfinanciamento de hospitais, enquanto se oferece dinheiro a banqueiros privados) mais se está a cumprir uma muito importante meta do projecto da Nova Ordem Mundial, que já eu aqui <denunciei> numa colocação anterior (onde também deixei hiperligações para métodos mais insidiosos que são aplicados para atingir tal objectivo).
E, quem pense que as coisas nunca irão chegar, no nosso país, ao ponto que está a ser atingido neste momento nos Países Baixos (do qual fala o artigo acima republicado) tenha em atenção ou consciência do seguinte...
A partir do momento em que a maioria das pessoas que constituem uma sociedade concorda com, ou é indiferente a, o extermínio em massa de bebés ainda não nascidos (legalização do dito "aborto"), tudo é possível... Pois, uma das maiores barreiras morais que deveria haver em qualquer sociedade verdadeiramente civilizada já foi quebrada. Sendo, por isso, uma mera questão de se ir degradando cada vez mais a cultura existente, para que sejam também as pessoas indiferentes ao extermínio de idosos (como irá agora ser legalizado nos Países Baixos) e até de crianças perfeitamente saudáveis (como já começa a ser defendido na imprensa controlada), ou para que sejam também as pessoas indiferentes à simples recusa em providenciar tratamentos a adultos e crianças doentes (como já é feito com bebés no Reino Unido e como começa a ser defendido nos EUA para idosos, onde já há quem fale em "paineis de morte" em que se deixe morrer pessoas de idade avançada para poupar recursos).
Assim como, é preciso também ter em atenção um outro aspecto... Que é que, quando são passadas leis pelos agentes da NOM, muitas vezes essas são leis que são aprovadas com vista a irem depois sendo repetidamente alteradas, como parte de um processo gradual em que se vai expandindo e agravando cada vez mais as condições em que são essas leis aplicadas. E, por isso, se hoje apenas é possível que alguém não receba tratamento hospitalar por pedido próprio, amanhã poderá ser por ter respondido "não" a um questionário que se tornou mandatório (imaginem uma pessoa idosa a quem já lhe faltem faculdades, a responder "não" por engano) e depois de amanhã poderá ser por não ter a pessoa doente elementos que "justifiquem" ou dêem direito a que possa sequer responder "sim" a um tal questionário ou a ser aprovada num qualquer procedimento verificativo.

(Lembrem-se de que, são tempos de verdadeira decadência moral os em que já vivemos. E uma das maiores barreiras psicológicas que existia - como eu disse - já foi derrubada... E, tal como eu acima também elaboro parcialmente, a partir do momento em que uma das mais fundamentais formas de respeito pela vida humana é eliminada numa sociedade - e com o consentimento da maior parte da mesma - tudo é possível...)

E, já agora, também em jeito de curiosidade, para quem tudo isto comece a fazer lembrar o conhecido filme de Hollywood, Soylent Green, deixo aqui também <esta> notícia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 16:01

Também o Brexit ia perder, não ia? E quase todas as "sondagens" diziam que Hillary era claramente a favorita - e que, aliás, era ela quem tinha claramente ganho todos os debates presidenciais.

17.11.16

(Para que fique, o seguinte sim, bem claro, que é que as sondagens feitas pelos grandes interesses económicos são obviamente manipuladas, para tentar influenciar o sentido das votações políticas, a afluência às urnas e a dita opinião pública - e também porque as massas alienadas parecem ter memória curta - fica aqui um registo do que diziam os média de massas e seus comentadores e comediantes pagos para dizer o que interessa a quem neles manda, sobre quem iria vencer estas eleições presidenciais estadunidenses...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Noam Chomsky apoia Hillary Clinton

31.10.16

(A quem tiver isto passado ao lado - e, não é que tal seja importante para mim, vindo de alguém com quem sempre aprendi muito pouco - deixo aqui esta curiosa nota, sobre as próximas eleições presidenciais estadunidenses.)



Em declarações no início deste ano à estação de televisão pseudo-alternativa Al Jazeera, o não declarado líder intelectual de muitos activistas e supostos anarquistas, Noam Chomsky, disse que votaria em Hillary Clinton, se estivesse em situação de poder ajudá-la a ser eleita. E, podem ler os excertos que interessam dessa entrevista, <aqui> (num artigo onde também é denunciado que Chomsky apoiou monetariamente o pré-candidato democrata Bernie Sanders).
Hillary Clinton! A Secretária de Estado co-responsável por várias guerras de agressão, que gozou com a tortura e morte de Qaddafi e que irá prosseguir com o cerco militar da Rússia, fazendo o mundo continuar no caminho para uma Terceira Guerra Mundial.
Chomsky não só disse isto, como nessa mesma entrevista chamou a todos os pré-candidatos republicanos "negacionistas das alterações climáticas" - assumindo-se (com tal declaração e com alguns artigos seus recentes - [1] [2]) como um defensor da já mais que provada mentira do "aquecimento global provocado pelas actividades humanas".
Juntem a isto (1) o facto deste filósofo dizer que não é importante saber quem assassinou John F. Kennedy ou quem realmente cometeu os atentados de 11 de Setembro - [1] [2] - (e até mesmo que existem "imensas provas" de que a Administração Bush "não esteve envolvida" nos últimos) e (2) o facto de ser este conhecido autor um professor no sistema de estupidificação (leia-se escolarização) oficial - e de dar o mesmo até palestras sobre "política educativa" a outros professores, sobre como deverão os últimos prosseguir com o seu trabalho de estupidificação e domesticação - e, só mesmo quem tiver sido quase completamente estupidificado por este sistema é que não conseguirá ver que este conhecido intelectual não pode ser nenhum "anti-sistema" ou anarquista.

(Apenas uma nota de interesse, que pensei que deveria fazer, antes daquelas que poderão ser as mais importantes eleições de sempre, se - tal como muitos prevêem - vierem a ser as últimas eleições presidenciais estadunidenses de sempre.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já ninguém pára o Infowars.com

21.07.16

HillaryPrison_TVI.png

(Fotografia de ecrã de uma reportagem que foi exibida pela portuguesa TVI, há 3 dias, a propósito da Convenção Republicana estadunidense que hoje termina, onde Donald Trump foi confirmado como o candidato presidencial do partido.)

 

E, com isto, regresso às minhas "férias literárias", depois de uma interrupção apenas para fazer algumas colocações pertinentes...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vladimir Putin avisa o Ocidente da proximidade de Guerra Nuclear

08.07.16

Putin LOSES IT, Warns Journalists of War: 'I Don't Know How to Get Through to You People' (Video)

'How do you not understand that the world is being pulled in an irreversible direction?'

[Russia Insider] Enrico Braun | Wed, Jul 6, 2016

Vladimir Putin has finally taken the kid gloves off.

The Russian president was meeting with foreign journalists at the conclusion of the Saint Petersburg International Economic Forum on June 17th, when he left no one in any doubt that the world is headed down a course which could lead to nuclear war.



Putin railed against the journalists for their "tall tales" in blindly repeating lies and misinformation provided to them by the United States on its anti-ballistic missile systems being constructed in Eastern Europe. He pointed out that since the Iran nuclear deal, the claim the system is to protect against Iranian missiles has been exposed as a lie.

The journalists were informed that within a few years, Russia predicted the US would be able to extend the range of the system to 1000 km. At that point, Russia's nuclear potential, and thus the nuclear balance between the US and Russia, would be placed in jeopardy.

Putin completely lost patience with the journalists, berating them for lazily helping to accelerate a nuclear confrontation by repeating US propaganda. He virtually pleaded with the western media, for the sake of the world, to change their line:

'We know year by year what's going to happen, and they know that we know. It's only you that they tell tall tales to, and you buy it, and spread it to the citizens of your countries. You people in turn do not feel a sense of the impending danger - this is what worries me. How do you not understand that the world is being pulled in an irreversible direction? While they pretend that nothing is going on. I don't know how to get through to you anymore.'

Does anyone in the reeking garbage heap that is mainstream western media have a conscience? Do they even have enough intellect to get what Putin is saying - that they are helping to push the planet towards World War III?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O "meu" quase-candidato

21.01.16

 

Não, não estou com isto a abandonar a minha ideologia anarquista...
Pois, continuo a achar que o acto de passar cartas e cheques em branco a desconhecidos faz parte do problema e não da solução.
Mas, talvez, em parte, para me redimir do quase-elogio que fiz, nas anteriores eleições presidenciais, a alguém que depois se veio a revelar ser uma desilusão - e, acima de tudo, pela consideração e pelo respeito que tenho pela pessoa em causa - não quis deixar de fazer uma colocação também sobre estas eleições presidenciais.
E, assim sendo, aqui vai uma breve avaliação que faço, dos candidatos que considero terem relevância política...

Maria de Belém é uma anedota. É uma pessoa que vem de dentro do sistema e que nunca fez nada (de significativo, pelo menos) para impedir as coisas de chegar a este estado.
Sampaio da Nóvoa é, pela sua muito visível campanha e pelas pessoas que o rodeiam, claramente o candidato que é apoiado, de modo encoberto, por quem domina o PS. Tem um grande paleio, muito floreado, de que é a favor da educação, do conhecimento e da cultura, mas não explica como se chegou então ao estado a que se chegou, de gente tão ignorante que é formada na sua Universidade, e aos péssimos resultados, bem visíveis, de quem é formado por este sistema universitário, em geral - levando-me a crer que, de facto, é exactamente por estar muito preocupado com a educação que as pessoas têm é que ocupou o cargo que ocupou, mas com intenções que quase ninguém será capaz de atingir.
Edgar Silva é alguém claramente bem-intencionado, que, pelo seu passado, prova ser boa pessoa. Mas, num país tão avesso a ideais socialistas, não tem hipótese alguma de vir a ocupar o cargo.
Henrique Neto também é bem-intencionado. E até denuncia a Maçonaria. Mas, ao defender intervenções militares no estrangeiro, que violam gravemente a Constituição, demonstra não estar à altura do cargo, daquela que é a figura que mais deve defender tais princípios sagrados. E fica também aquém, em termos de actividade passada e presente que provoque danos no "sistema", do candidato que eu a seguir descrevo.
Quanto ao candidato que eu aqui quase "promovo", para além de também defender este, infelizmente, intervenções militares no estrangeiro - o que me faz descrevê-lo da maneira que o descrevo no título desta colocação - quem pesquisar sobre o seu passado, irá saber que, não só foi este vice-presidente de uma autarquia presidida por alguém que é um óbvio lacaio do poder estabelecido, como que a sua ONG, que investiga a corrupção em Portugal, faz parte de uma rede internacional que é financiada por George Soros e outras pessoas e entidades pertencentes a esse mesmo poder estabelecido. Mas, o vir de dentro do sistema não quer necessariamente dizer que se está completamente alinhado com o mesmo. (E, veja-se o caso do anterior Presidente mexicano, Felipe Calderón, que diz Daniel Estulin que estava seriamente empenhado na luta contra o tráfico de drogas no seu país.)
Paulo de Morais, não fosse a sua posição relativa a intervenções militares no estrangeiro, até que seria a pessoa mais indicada para o cargo. Pois, o que está aqui em causa não é uma questão de ideologias de esquerda ou de direita. No modelo político português, o Presidente é um árbitro. Alguém que veta ou aprova leis, que poderá intervir no funcionamento das Forças Armadas e que dissolve o Parlamento em caso de problemas. E, o modo mais correcto de exercer tal cargo, é exercê-lo como alguém que está acima das diferentes ideologias - e que, para além de avaliar sempre a correcção ou não das leis que lhe cheguem, só deverá não aprovar as mesmas, fora das suas eventuais não condicências com princípios institucionais, caso estas violem gravemente algum dos princípios pessoais que tenha.
Mas, como para se votar Paulo de Morais é preciso estar-se bem informado (exceptuando, infelizmente, na muito importante questão da Constituição) e ser-se bem formado e são estas duas características que não abundam entre a população portuguesa...
Está-se mesmo a ver que quem vai ganhar é o propagandista-mor do canal televisivo que recebe ordens de Espanha, membro do Clube Bilderberg, amigo íntimo de Ricardo Salgado, filho de um Ministro fascista e que deve o seu nome próprio ao facto de que esteve para ser afilhado do último ditador fascista que governou este país... Marcelo Rebelo de Sousa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para quem duvidar que a penúltima série de atentados terroristas em França foi obra de sociedades secretas...

13.01.16

(Já não falando sobre tudo o que de muito estranho e suspeito faz parte da história destes ataques - sobre o qual não irei falar, por falta de paciência, mas que poderão ler sobre noutros sítios...)

Ora aí está, escarrapachado na capa da edição especial do Charlie Hebdo - lançada este mês, para comemorar os atentados - a assinatura/símbolo da muito importante sociedade secreta que sabem as pessoas melhor informadas que, não só ainda está activa, como é uma das envolvidas em todas estas manobras de poder que visam destruir a qualidade de vida e retirar os direitos de todos os cidadãos da Europa e restante mundo.

 

charliehebdo.jpg


(Quem quiser ver um paralelo histórico a este ocorrência, que espreite uma outra obra resultante também de um acto "revolucionário", que permitiu que mais tarde se espalhasse o terror e o medo entre quem era contra o poder estabelecido neste estado europeu - acto revolucionário esse, que foi confirmadamente obra desta sociedade secreta.)

Autoria e outros dados (tags, etc)