Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Editor de muito conhecido jornal alemão falecido o mês passado admitiu que são os média de massas quem emite "notícias falsas"

21.02.17

Editor of Major German Newspaper Says He Planted Stories for the CIA

By Ralph Lopez
Global Research, February 04, 2015
Reader Supported News

Becoming the first credentialed, well-known media insider to step forward and state publicly that he was secretly a “propagandist,” an editor of a major German daily has said that he personally planted stories for the CIA.

Saying he believes a medical condition gives him only a few years to live, and that he is filled with remorse, Dr. Udo Ulfkotte, the editor of Frankfurter Allgemeine Zeitung, one of Germany’s largest newspapers, said in an interview that he accepted news stories written and given to him by the CIA and published them under his own name. Ulfkotte said the aim of much of the deception was to drive nations toward war.

Dr. Ulfkotte says the corruption of journalists and major news outlets by the CIA is routine, accepted, and widespread in the western media, and that journalists who do not comply either cannot get jobs at any news organization, or find their careers cut short.

Dr. Ulfkotte is the author of a book currently available only in German, “Bought Journalists” (Kopp 2014). Aged 55, he was also once an advisor to the government of German Chancellor Helmet Kohl.

The book has become a bestseller in Germany but, in a bizarre twist which Ulfkotte says characterizes the disconnect caused by CIA control of the western media, the book cannot be reported on.

Ulfkotte says:

    “No German mainstream journalist is allowed to report about [my] book. Otherwise he or she will be sacked. So we have a bestseller now that no German journalist is allowed to write or talk about.”

Among the stories Ulfkotte says he was ordered to plant in his newspaper over the years was a story that Libyan President Moammar Gaddafi was building poison gas factories in 2011. Ulfkotte also says he was an eyewitness to Saddam Hussein’s use of poison gas against Iranians in the war between Iran and Iraq, but that the editors he worked for at the time were not interested, because Iraq was a US ally at the time.

Ulfkotte says he is better positioned to come forward than many journalists because he does not have children who could be threatened. Ulfkotte told the Russian newspaper Russian Insider (RI):

    “When I told the Frankfurter Allgemeine Zeitung (Ulfkotte’s nwspaper) that I would publish the book, their lawyers sent me a letter threatening with all legal consequences if I would publish any names or secrets – but I don’t mind. You see, I don’t have children to take care of. And you must know I was severely injured during the gas attack I witnessed in Iran in 1988. I’m the sole German survivor from a German poison gas attack. I’m still suffering from this. I’ve had three heart attacks. I don’t expect to live for more than a few years.”

Ulfkotte says that remorse of having “lied” to mass audiences over the years drove him to come forward. He told RI that he was:

    “taught to lie, to betray and not to tell the truth to the public.”

Ulfkotte says:

    “I’m ashamed I was part of it. Unfortunately I cannot reverse this.”

Among the admissions that Ulfkotte makes in the interview are putting his own name to articles completely written by intelligence agencies. He said:

    “I ended up publishing articles under my own name written by agents of the CIA and other intelligence services, especially the German secret service.”

Ulfkotte detailed the pattern of cajolery and outright bribery used by the CIA and other US-allied intelligence agencies, for the purpose of advancing political agendas. Ulfkotte said:

    “once you’re connected, you make friends with selected Americans. You think they are your friends and you start cooperating. They work on your ego, make you feel like you’re important. And one day one of them will ask you ‘Will you do me this favor’…”

Ulfkotte noted that a journalists on international press trips paid for by organizations close to the government are unlikely to submit a storyline not favorable to the sponsor.

Of the gassing of Iranians he had witnessed in the Eighties, Ulfkoppe said:

    “they asked me to hand over the photo’s that I had made to the German association of chemical companies in Frankfurt, Verband der Chemischen Industrie. This poison gas that had killed so many Iranians was made in Germany.”

In an interview with Russia Today, Ulfkotte said that it was “not right” what he had done, and that his fear was that politicians were actively driving the world toward war:

    “it is not right what I have done in the past, to manipulate people, to make propaganda against Russia, and it is not right what my colleagues do, and have done in the past, because they are bribed to betray the people not only in Germany, all over Europe. … I am very fearful of a new war in Europe, and I don’t like to have this situation again, because war is never coming from itself, there is always people who push for war, and this is not only politicians, it is journalists too. … We have betrayed our readers, just to push for war. … I don’t want this anymore, I’m fed up with this propaganda. We live in a banana republic, and not in a democratic country where we have press freedom…”

In his book “The CIA and the Media,” Watergate reporter Carl Bernstein quotes William B. Bader, former CIA intelligence officer, in his testimony before the Senate Intelligence Committee. Baeder said:

    “There is quite an incredible spread of relationships. You don’t need to manipulate Time magazine, for example, because there are [Central Intelligence] Agency people at the management level.”

Bernstein writes:

    “The Agency’s relationship with the Times was by far its most valuable among newspapers, according to CIA officials. From 1950 to 1966, about ten CIA employees were provided Times cover under arrangements approved by the newspaper’s late publisher, Arthur Hays Sulzberger. The cover arrangements were part of a general Times policy—set by Sulzberger—to provide assistance to the CIA whenever possible.”

Ulfkotte was on the staff of the Konrad Adenauer Foundation from 1999 to 2003, according to his Wikipedia entry. He won the civic prize from the Annette Barthelt Foundation in 2003.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:46

CNN oficialmente condenada em tribunal por emitir notícias falsas

19.02.17

cnnlies.png

Hospital CEO Wins Major Court Victory After Accusing CNN of False Reporting

by Rachel Stockman [LawNewz.com] | 5:31 pm, February 15th, 2017

Those who accuse CNN and other mainstream media outlets of “fake news” will probably revel in a recent decision by a federal judge in Atlanta, Georgia. While Judge Orinda Evans didn’t all out declare that CNN was peddling in falsehoods, she did take aim at the network in an initial judgment in favor of a former hospital CEO who sued CNN accusing them of purposely skewing statistics to reflect poorly on a West Palm Beach hospital. Judge Evans didn’t mince words in her 18-page order allowing the case to move forward, and dismissing CNN’s attempt to get it thrown out of court.

Davide Carbone, former CEO of St. Mary’s Medical Center in West Palm Beach, filed a defamation lawsuit against CNN after they aired what he claims were a “series of false and defamatory news reports” regarding the infant mortality rate at the hospital. CNN’s report said the mortality rate was three times the national average. However, Mr. Carbone contends that CNN “intentionally” manipulated statistics to bolster their report. He also claims that CNN purposely ignored information that would look favorable to the hospital in order to sensationalize the story.

“In our case, we contended that CNN essentially made up its own standard in order to conduct an ‘apples to oranges’ comparison to support its false assertion that St. Mary’s mortality rate was 3 times higher than the national average. Accordingly, the case against CNN certainly fits the description of media-created ‘Fake News.'” said Carbone’s attorney L. Lin Wood, in a statement to LawNewz.com.

Wood says that as a result of CNN’s story Carbone lost his job and it became extremely difficult for him to find new employment in the field of hospital administration.

“False and defamatory accusations against real people have serious consequences. Neither St. Mary’s or Mr. Carbone did anything to deserve being the objects of the heinous accusation that they harmed or put babies and young children at risk for profit,” Wood said.

On Wednesday, Federal District Judge Orinda Evans ruled that the case could move forward, even ruling that she found that CNN may have acted with “actual malice” with the report — a standard necessary to prove a defamation claim.

“The Court finds these allegations sufficient to establish that CNN was acting recklessly with regard to the accuracy of its report, i.e., with ‘actual malice,” the order reads. CNN had tried to get the case dismissed.

We’ve reach out to CNN for comment, and will update this story accordingly.

Read Judge’s Order here: https://www.scribd.com/document/339434896/Davide-M-Carbone-v-Cable-New-Network

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 18:15

iTunes começou a censurar (/interferir com) a imprensa alternativa

07.02.17

Depois de, em Novembro último, ter sido temporariamente retirada da loja de aplicações da Apple a aplicação do sítio na Internet "Breitbart News" (cujo fundador caiu morto no meio da rua, quando se preparava para revelar um vídeo que iria arrasar com a Administração Obama), eis que, na semana passada, muita gente se queixou de que a mais recente edição do conhecido programa de rádio "The Joe Rogan Experience" (que se distinguiu das outras por ter sido nela entrevistado Alex Jones e ter o último falado sobre o escândalo de pedofilia "Pizzagate") não apareceu, durante muito tempo, na lista de programas carregados para a respectiva conta no iTunes.
Podem ver <aqui> uma confirmação deste sucedido, feita pelo anfitrião de tal programa de rádio. E, podem também ver, no seguinte vídeo, uma constatação de que, no mínimo, algo de mesmo "muito estranho" se passa com a respectiva conta no iTunes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:59

Como avisar as pessoas disto, num país de gente (mesmo muito) ignorante, de mentalidade fechada e também pouco inteligente?

01.02.17

vaccination_myths.jpg

 

No seguimento de uma colocação num dos blogues cuja consulta recomendo (pela sua extensa documentação da corrupção que assola o nosso país) na qual se referenciava a possível falta de vacinas no Serviço Nacional de Saúde como um sério problema, decidi expor, nos comentários a tal colocação, parte do que sei sobre a (verdadeira) natureza das vacinas (e também de alguns dos "cuidados médicos" que nos são prestados por este mesmo SNS).
Comentários esses, nos quais (como é hábito meu) incluí hiperligações para as provas e argumentos de quase tudo o que afirmava - que podiam ser consultados por qualquer pessoa, que duvidasse de algo do que eu dizia.
A resposta por parte da autora da colocação original?
Censurou-me os comentários em causa (e ainda gozou com isso, na mensagem que me enviou de confirmação de tal).
Podem ver <aqui> o actual estado da página onde fiz eu os meus comentários e <aqui> a versão não censurada, que fui eu capaz de guardar, da mesma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Triunfo dos Porcos

24.01.17

Deixo aqui um excerto de um programa emitido pela estação de televisão paga através de dinheiro extorquido através das contas de electricidade, que apanhei por acaso, há uns dias, quando estava a fazer "zapping".



O título desta colocação é literalmente o nome de tal programa...
(Que fiquei a saber que foi originalmente emitido em 2001 - quando andava eu demasiado ocupado com activismo político e "jornalismo cidadão", para poder sequer ver televisão.)
E, acaba por ser a mais explícita forma de gozo com o comum cidadão com que me deparei já este ano, depois de a melhor no ano passado ter sido, não a de Augusto Santos Silva, mas a do título original de um conto de ficção científica ("All You Zombies") que deu origem a um filme que apanhei num dos canais de cinema da TV por cabo, TVCine (e que foi escrito por um dos mais conhecidos autores deste género literário, que se distingue dos restantes por inserir nas suas obras "propaganda subliminar" de teor militarista e fascizoide e também defensora do "amor livre" e de um "governo mundial").
(Têm mais uma referência a este último tipo de gozo, através do uso do termo "zombies" e equivalentes, aqui - e têm também <aqui> um outro exemplo, em Portugal, do mesmo tipo de gozo de que falo no início desta colocação...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amazon começou a rotular certos livros "Teorias da Conspiração"

17.01.17

Depois da recente (e ainda decorrente) ofensiva contra a imprensa alternativa, sob a forma de uma campanha que visa difamar a última rotulando-a como emissora de "notícias falsas", eis que - no decorrer de umas colocações que fiz no Twitter - quando fui ao sítio da Amazon saber como se soletrava o nome de um autor, me deparei com o seguinte - um acrescento agora feito pela Amazon ao título de um livro.

 

(Cliquem na imagem para a ampliar.)

Screenshot - 17-01-2017 - 05:29:46.png

 

Relativamente ao qual aproveito para fazer uma pergunta retórica, aos média de massas e seus (verdadeiros) amos: Se estes sítios e autores emitem notícias falsas e escrevem livros com meras "teorias da conspiração" - e estão vocês, claramente, incomodados com os mesmos, ao ponto de fazerem uma campanha contra estes - se são nomes de organizações e indivíduos muito específicos os que são mencionados por estes, se há mesmo muita gente a prestar atenção aos últimos e se são graves as acusações que estes fazem, porque razão não tomam vocês a muito mais democrática atitude de processar judicialmente tais responsáveis? (Será que é porque têm medo do resultado de acções desse tipo?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

A razão pela qual o poder estabelecido quer legalizar a eutanásia

01.12.16

euthanasia.jpg

 

As pessoas mais inteligentes e bem informadas, serão capazes de deduzir a verdadeira razão de ser deste esforço, apenas pelo parágrafo final (que coloco eu em "negrito") do seguinte artigo. Mas, de qualquer modo, irei fazer um acrescento a esta notícia.

 

‘This is no life’: Dutchman allowed to be euthanized due to alcoholism

Published time: 30 Nov, 2016 10:11 [RT]

A man in the Netherlands was allowed to be euthanized after claiming he could no longer live with his crippling alcohol addiction. The man died surrounded by his family in his childhood home, according to an account recently made public by his brother.

After battling the disease for eight years and undergoing 21 combined hospital and rehabilitation stints, Mark Langedijk came to his family with some shocking news – he wanted to end his time on Earth, saying “this is no life,” as he sipped vodka to combat the symptoms of withdrawal.

It was a decision which his brother Marcel said was taken “with a grain of salt” by the family, noting that “euthanasia was for people with cancer... people for whom death was already imminent. Euthanasia was certainly not [for] alcoholics.”

But Mark pressed on with his plan, and his request was eventually approved by a doctor from the Support and Consultation on Euthanasia.

Once approved, Langedijk was visited by a doctor who suggested dates for the euthanasia to take place.

“Go ahead [with] July 14,” he said, adding that it was a “nice day to die,” his brother Marcel wrote in an account published in the magazine Linda.

Marcel went on to describe the atmosphere of his brother's final day, noting that he “laughed, drank, smoked, ate ham-and-cheese sandwiches and soup with meatballs” until the doctor arrived at this parents' house.

Once the doctor arrived, she explained the procedure before telling Mark to get into bed and stay calm – and that's when the tears began.

“We cried, told each other that we loved each other, that it would be all right, that we would care for each other, that we would see each other again. We held each other,” he said. “If it was not so terrible, it would have been nice.”

Describing the final moments of his brother's life, Marcel wrote: “Mark's eyes turned away, he sighed deeply. His last. Dr. Marijke injected the third syringe. His face changed, lost color. My little brother was dead.”

More than 5,500 people ended their lives under the Netherlands' euthanasia law last year. The law was passed 16 years ago, making the country the first in the world to legalize the practice.

Although the Netherlands’ euthanasia law initially only applied to those undergoing “unbearable suffering” with no prospect for improvement, it has since allowed for multiple deaths to take place under the label of “psychiatric suffering,” according to a study published in April.

In October, health and justice ministers argued that healthy older people who believe their life is complete should also “be allowed to finish that life in a manner dignified for them.” They hope to draft a law on the matter by the end of 2017.

 

Ora, se o governo PS-BE que temos (o PCP é um mero apêndice) é constituído por pessoas que não querem realmente o bem-estar dos seus súbditos, porque razão quer este governo aprovar algo que apresenta como um simples acto de misericórdia?
A resposta (óbvia, para muitos) é a mesma que se esconde por trás da legalização do infanticídio (leia-se "aborto") em 2007 e da mais recente lei de 2012 que permite que alguém não receba tratamento hospitalar (por enquanto, apenas por vontade do doente)...
E reduz-se a um simples termo: redução populacional.
Quanto mais medidas forem tomadas que permitam, ou mesmo causem, a morte de pessoas (como o consciente subfinanciamento de hospitais, enquanto se oferece dinheiro a banqueiros privados) mais se está a cumprir uma muito importante meta do projecto da Nova Ordem Mundial, que já eu aqui <denunciei> numa colocação anterior (onde também deixei hiperligações para métodos mais insidiosos que são aplicados para atingir tal objectivo).
E, quem pense que as coisas nunca irão chegar, no nosso país, ao ponto que está a ser atingido neste momento nos Países Baixos (do qual fala o artigo acima republicado) tenha em atenção ou consciência do seguinte...
A partir do momento em que a maioria das pessoas que constituem uma sociedade concorda com, ou é indiferente a, o extermínio em massa de bebés ainda não nascidos (legalização do dito "aborto"), tudo é possível... Pois, uma das maiores barreiras morais que deveria haver em qualquer sociedade verdadeiramente civilizada já foi quebrada. Sendo, por isso, uma mera questão de se ir degradando cada vez mais a cultura existente, para que sejam também as pessoas indiferentes ao extermínio de idosos (como irá agora ser legalizado nos Países Baixos) e até de crianças perfeitamente saudáveis (como já começa a ser defendido na imprensa controlada), ou para que sejam também as pessoas indiferentes à simples recusa em providenciar tratamentos a adultos e crianças doentes (como já é feito com bebés no Reino Unido e como começa a ser defendido nos EUA para idosos, onde já há quem fale em "paineis de morte" em que se deixe morrer pessoas de idade avançada para poupar recursos).
Assim como, é preciso também ter em atenção um outro aspecto... Que é que, quando são passadas leis pelos agentes da NOM, muitas vezes essas são leis que são aprovadas com vista a irem depois sendo repetidamente alteradas, como parte de um processo gradual em que se vai expandindo e agravando cada vez mais as condições em que são essas leis aplicadas. E, por isso, se hoje apenas é possível que alguém não receba tratamento hospitalar por pedido próprio, amanhã poderá ser por ter respondido "não" a um questionário que se tornou mandatório (imaginem uma pessoa idosa a quem já lhe faltem faculdades, a responder "não" por engano) e depois de amanhã poderá ser por não ter a pessoa doente elementos que "justifiquem" ou dêem direito a que possa sequer responder "sim" a um tal questionário ou a ser aprovada num qualquer procedimento verificativo.

(Lembrem-se de que, são tempos de verdadeira decadência moral os em que já vivemos. E uma das maiores barreiras psicológicas que existia - como eu disse - já foi derrubada... E, tal como eu acima também elaboro parcialmente, a partir do momento em que uma das mais fundamentais formas de respeito pela vida humana é eliminada numa sociedade - e com o consentimento da maior parte da mesma - tudo é possível...)

E, já agora, também em jeito de curiosidade, para quem tudo isto comece a fazer lembrar o conhecido filme de Hollywood, Soylent Green, deixo aqui também <esta> notícia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 16:01

Confirmada "previsão" do 11/9/2001 no filme "The Matrix" de 1999

29.11.16

matrix.png(Podem clicar na imagem para a ampliar.)

 

Por ser este um filme com mais de 15 anos, já por n vezes que tinha eu visto que iria ser exibido nos vários canais da TV por cabo. Mas, talvez por não estar normalmente associada a tais canais a sigla "HD", nunca me lembrei de fazer eu tal confirmação.
Pois bem, por ter eu visto ontem à noite, pela primeira vez, que iria ser exibido este filme num dos canais de cinema TVCine que sei eu bem que emitem todos os seus filmes em alta definição - e, certamente por ter eu sido também lembrado desta temática, a propósito da minha última colocação neste blogue - lá me lembrei eu de fazer uma confirmação pessoal (com a câmara fotográfica e de filmar de um muito bom smartphone que agora tenho) do que há já uns bons anos vi eu ser denunciado num fórum de discussão sobre estas temáticas.
(Lembrem-se... Tudo indica que estas pessoas fazem, de facto, este tipo de escolhas e colocações propositadas, em aparente jeito de "piada interna". E, para quem queira entender qual é a "piada" neste caso - deste pormenor de uma cena em que é interrogado um personagem "rebelde" - deixo aqui <esta> hiperligação.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primeira entrevista histórica de Alex Jones a Donald Trump

21.11.16



Feita há um ano, quando Donald Trump era ainda um mero pré-candidato republicano. E, falo em primeira, porque uma outra poderá estar para breve.
Poucos dias antes desta entrevista, Trump publicou um tweet no qual incluiu uma hiperligação para o sítio Infowars.com - e, após ter ganho as eleições, Trump telefonou ainda a Alex Jones a agradecer todo o enorme apoio que este radialista deu à sua campanha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 03:19