Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O autor deste blogue está "ausente"

17.02.18

volto_ja.jpg

Tinha dito que ia meter este blogue de "férias" - mas, porque mais uma vez ficou provado que, apesar de me querer eu concentrar noutras coisas, há sempre alguns outros assuntos - do tipo dos que eu repetidamente falo sobre, neste blogue - que surgem e relativamente aos quais não consigo deixar de querer fazer uma ou outra observação... Quero então corrigir o que disse, para declarar que, a partir agora, este blogue irá estar semi-abandonado ou "dormente", para apenas ser realmente reactivado num futuro incerto - e, até que tal dia chegue, deverei (uma vez por outra) ir aqui deixando mais algumas colocações, quando tal se justificar ou tiver eu mais tempo livre.

Boa sorte a quem (de boas intenções) visita este blogue, para enfrentar o Colapso que já parece ter tido início.

Autoria e outros dados (tags, etc)

etiquetas:

colocado por Fernando Negro às 12:34

A verdadeira Greenpeace

15.02.18

greenpeace_brasil.jpg

Uma organização financiada pelas grandes fortunas que são do conhecimentos público (incluindo uma das maiores de todas, que é a da família Rockefeller) e pelos grandes interesses económicos (como a banca, a indústria farmacêutica e outras corporações de topo). Assim como, uma de várias organizações ditas ambientalistas que, não só propagandeiam a falsidade do "aquecimento global", como lutam por impedir o desenvolvimento de países emergentes - e ainda uma entidade relativamente à qual existem indícios de ser uma fachada para serviços secretos.
A seguinte é uma lista parcial de fundações que doam dinheiro à Greenpeace, que foi tirada daqui (sendo que, quem quiser, poderá parcialmente confirmar a mesma, indo aos sítios na Internet das próprias fundações que são listadas).

 

Gap Foundation
J. P. Morgan Charitable Trust
John Merck Fund
Levi Strauss Foundation
Merrill Lynch & Co. Foundation
New York Times Company Foundation
Pfizer Foundation
Rockefeller Brothers Fund
Rockefeller Family Fund
Rockefeller Foundation
Sun Microsystems Foundation
Turner Foundation

 

E, a seguinte notícia é sobre um relatório publicado pelos serviços secretos brasileiros, que é cada vez mais difícil de se encontrar na Internet - mas que, por enquanto, ainda é possível ser lida nesta página do sítio do Senado brasileiro.

 

ONGs são fachada para países ricos, diz relatório
O Estado de São Paulo, 08/05/2005, Nacional, p. A12

 

Causas ambientais e indigenistas seriam pretexto para que nações dominantes fujam ao controle do Estado

 

BRASÍLIA - O relatório da Abin diz que chega a 115 o número de organizações não-governamentais (ONGs) que atuam na Amazônia Ocidental e levanta suspeitas sobre os reais interesses dessas entidades. "Muitas vezes, a serviço de outras nações, valorizam o mapeamento detalhado das riquezas minerais, o acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade da região, sem o devido controle governamental", diz o relatório do coronel Gelio Fregapani. "Tudo indica que os problemas ambientais e indigenistas são apenas pretextos. Que as principais ONGs são, na realidade, peças do grande jogo em que se empenham os países hegemônicos para manter e ampliar sua dominação", alerta o texto. "Certamente servem de cobertura para seus serviços secretos."

De acordo com o documento, as ONGs contribuíram para a criação de extensas terras indígenas, áreas de proteção ambiental e corredores ecológicos que, atualmente, "sem dúvida alguma, dificultam e inibem a presença do Estado e (aplicação) dos programas de políticas públicas para a região". O documento ressalta que falta de controle reforça a suspeita de que as ONGs sejam utilizadas pelos países desenvolvidos para controlar os países emergentes e a riqueza de vastos territórios.

A Abin chama os movimentos ambientalistas de "Clube das Ilhas" e os classifica em três setores: um elabora as diretrizes gerais, outro planeja as operações e um terceiro, a chamada linha de frente, realiza a ação direta como uma "tropa de choque". No topo, estão a União Nacional para a Conservação da Natureza (UINC) e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), orientado pelo Príncipe Charles, do Reino Unido, e que teria entre seus dirigentes o banqueiro Joseph Safra.

Na área da reserva ianomâmi, colada à Raposa Serra do Sol, uma das ONGs com maior influência, segundo a Abin, é a Survival International (SI), cujo roteiro de atuação foi criado pelo Príncipe Philip, também do Reino Unido. A ONG internacional mais estruturada seria o grupo Greenpeace. As ações mais radicais seriam executadas pelo Greenpeace e Amigos da Terra.

Segundo a Abin, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), da Igreja Católica, principal defensor da "autonomia e da autodeterminação dos indígenas", teria recebido, entre 1992 e 1994, US$ 85 milhões da Fundação Nacional para a Democracia, dos Estados Unidos, mantida pelo governo e dirigida pelo Congresso americano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O verdadeiro Che Guevara

13.02.18

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 12:30

Conheçam Jordan B. Peterson

11.02.18

Professor de Psicologia na Universidade de Toronto, que (tendo muitas coisas interessantes a dizer) teve a excelente ideia de filmar as suas palestras universitárias, sobre vários importantes assuntos, e colocá-las no YouTube, conjuntamente com alguns vídeos pessoais, para que cheguem as suas palavras ao maior número de pessoas possível.
Sendo alguém que faz parte do aparato universitário, obviamente que a sua visão é sempre algo condicionada por alguns dos moldes criados pelas regras que gerem a nossa sociedade - que notoriamente causam uma visão algo limitada das causas maiores dos problemas que assolam esta mesma sociedade. Mas, não muito - tal como poderão ver na polémica entrevista que se segue, feita a uma pessoa com "garra", ainda que possa ter uma aparência frágil.

(A sua conta no Twitter é <esta>. E, atenção que muitos dos interessantes vídeos que o têm como protagonista - como as entrevistas a ele feitas - são carregados para o YouTube por outras pessoas.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 02:35

Rui Rangel reduziu substancialmente a pena de Duarte Lima

09.02.18

rangel.png

(Já o disse aqui anteriormente - mas, aproveito o recente caso mediático, que pelo menos a mim nada surpreende, para chamar outra vez a atenção para isto.)
Toda a gente minimamente inteligente é capaz de perceber que a história que Duarte Lima conta sobre o homicídio que ocorreu no Brasil (digamos que) não bate certo em vários aspectos. E, continuando este a ser considerado o principal suspeito pela justiça brasileira, e sendo que o móbil do crime terá sido dinheiro, que cada um tire então as suas conclusões quanto ao carácter deste ex-líder parlamentar da bancada do PSD.
Ora, tendo em conta o que pensam sobre Duarte Lima, interroguem-se sobre porque razão é que alguém iria querer reduzir a pena de prisão dada a uma pessoa destas... E, consequentemente, reflictam sobre que carácter é que é preciso também alguém ter para usar o seu cargo judicial para uma coisa destas.

Pois bem, "Excelentíssimo" Senhor Juiz Rui Rangel, vá para imprensa controlada dizer o que quiser (incluindo escrever colunas no jornal "Correio da Manhã", dizendo cinicamente que escreve tais palavras "com carinho") que há muita gente que já sabe o quão corrupta é a sua classe judicial de juízes (pessoalmente, sempre que penso em juízes, por alguma razão, penso sempre em Maçonaria) e há também quem saiba que todos esses falsas organizações e até partidos políticos que são por vós, propagandistas do sistema, montados não passam de armadilhas para controlar os insatisfeitos.
Sendo você um irmão do ex-director da SIC, Emídio Rangel, também o que é que era de esperar de um membro de tal família?

E, relativamente a todo este processo mediático, reparem no seguinte, de muito importante...
Uma das razões para se ser aplicada a prisão preventiva a alguém - como terão certamente já muitos reparado em alguns dos casos que são noticiados - é o "perigo de perturbação do decurso do inquérito ou da instrução do processo" (artigo 204.° do Código de Processo Penal).
Ora, quem é que estará em melhor posição para interferir no decorrer de um processo judicial do que alguém que pertence ao topo das instituições judiciais - e que, por isso, terá certamente uma alargada rede de contactos dentro da mesma (incluindo, obviamente, entre a própria classe de juízes que irá julgar tal suspeito)?
É apenas uma de várias contradições legais, que só demonstram que este tipo de leis (nas quais se incluem a "imunidade parlamentar" e afins) não derivam de quaisquer princípios éticos ou de Justiça, mas são antes leis aprovadas por quem as cria para beneficiar os próprios e os seus amigos.
(Votem carneiros!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:26

Existe mesmo uma Ganesh Talai

07.02.18

É o terceiro filme na minha vida que me faz chorar... (Apenas histórias verdadeiras o fazem.)
E, se houver quem - tal como eu - seja capaz de passar dias a fio - agarrado ao computador - a pesquisar sobre algo, só para encontrar uma simples resposta, este é um filme com o qual se poderão, em parte, identificar.
Cheguei a pensar que o nome da freguesia fosse uma das várias componentes fictícias que tivessem sido adicionadas à história original. Mas, existe mesmo...

 

(Cliquem na imagem para a ampliar.)

Screenshot_2018-02-05_21-52-31.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 00:35

Vale a pena sequer falar com alguém a partir de uma certa idade?

01.02.18

Cada vez mais dou razão a quem (já em círculos anarquistas eu ouvia o mesmo) diz que, a partir de uma certa idade, é mesmo muito difícil (ou quase impossível) conseguir fazer alguém "acordar" para o que realmente se passa à sua volta.
Há poucos dias escrevia Daniel Estulin no Twitter o seguinte.

morpheus.png

Parafraseado de uma parte do conhecido filme "Matrix", em que diz tal personagem:


"We have a rule. We never free a mind once it's reached a certain age. It's dangerous, the mind has trouble letting go."

Tal como respondia eu nos comentários a tal tweet, a parte que mais me dizia alguma coisa neste filme, é quando fala tal personagem no modo agressivo como reagem muitas pessoas, quando são confrontadas com factos ou argumentos que contradizem o em que acreditam. (Coisa que muito acontece, neste meu país de broncos...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

colocado por Fernando Negro às 07:18

Estupidez ao quadrado

30.01.18

aberto.png

Reparem neste mais recente exemplo da bela "tradição" portuguesa de calar aqueles que exprimem opiniões contrárias à nossa ou à suposta verdade oficial...
Distorce o autor do seguinte blogue, repetidamente, o que eu digo - e depois (não me concedendo o "direito à resposta" e tendo até ele feito uma pergunta) não me dá a oportunidade de fazer um comentário final, onde corrigia eu o que dizia ele sobre o que eu tinha escrito. (Ou seja, pode ele deixar um comentário final, mas eu não.) E, depois (não sei se para esconder a crítica implícita que lhe fazia eu, de me estar a ameaçar com censura, escreve ele (e apenas ele) ainda mais um comentário final, a falar em "respeito" (depois de ter cortado o discurso de outra pessoa!) fazendo com que quem leia o resultado final fique a pensar que fui eu é que faltei ao respeito a outrém. (Continuando, também, eu sem obter uma resposta e sem saber então em que é que criticar ou contra-argumentar o que dizem os outros constitui uma falta de "respeito"...)
Deixo então aqui aquele que foi o último que escrevi na seguinte <cadeia de comentários>, que o autor de tal publicação decidiu eliminar, para foleiramente escrever outra vez "THE END" por cima.

 

Fernando Negro - 30 de janeiro de 2018 às 05:59

Repito que as principais "provas" apresentadas pelo campo que diz que há aquecimento antropogénico foram invalidadas. E, por isso, deixaram de o ser. Enquanto que, no núcleo duro do campo oposto, continuam as provas deste à espera de ser desmentidas. (O que eu chamo a atenção para não são meras acusações. São provas irrefutáveis, confirmadas pelos autores das mesmas, que qualquer pessoa é capaz de ler e entender.) Mas, descreva a situação como quiser...

Já não tenho, então, mais nada a dizer.

[É uma regra pessoal minha não publicar comentários onde sei que os mesmos poderão ser alvo de censura (o que me acontece repetidamente em Portugal: http://blackfernando.blogs.sapo.pt/e-mais-uma-vez-censurado-115908 + https://zap.aeiou.pt/os-islandeses-erradicaram-a-sindrome-de-down-171987#comment-271285 + http://blackfernando.blogs.sapo.pt/como-avisar-as-pessoas-disto-num-pais-94911). E, a simples ameaça (e confirmação da sua parte) de que tal pode acontecer nesta sua publicação, é razão suficiente para não querer eu mais deixar aqui quaisquer comentários. (Como sempre, quem fica a perder é quem engole as mentiras e se recusa a ler o contrário...)]

Disse.


(É o que eu digo repetidamente... Com mentalidades destas, ainda continuo eu a pensar que este país vai a algum lado...)
Tudo isto, da parte de um autor que escolhe como "belo" nome para a sua publicação o título de mais um violento e m**doso filme de Hollywood - que, entre outras coisas, normaliza a pedofilia (e que não fui eu capaz de ver mais do que os primeiros minutos de).
Mas, vá lá... Não liguem a estas coisas que andam alguns maluquinhos por aí a dizer na Internet...
Voltem mas é para os vossos smartphones (com um SO que não percebem, ou se interrogam sequer, vocês porque razão tem um nome referente a um humanóide) e usem e abusem dos mesmos.
("Já viram esta nova app para o Android? Oh, tão giro, para andar com o meu smartphone sempre ligado atrás de mim! Já repararam que também os novos carros vêm agora com localizadores GPS? Uau! Adoro toda esta nova geração de computadores, cheios de funcionalidades acrescidas!")

P.S. - Quando falo eu nos comentários de ter sido previamente censurado em tal sítio na Internet, lembro-me agora melhor de que, o comentário que lá deixei anteriormente nada tinha no texto que pudesse ser considerado indecente ou insultuoso. E, era apenas uma crítica (certamente séria, para se ter justificado eu escrevê-la) que contrariava ou corrigia o que dizia o autor do artigo em causa. Ou seja, a política de comentários em tal publicação é tal e qual como diz o autor da mesma. (Se o comentário contraria o que foi escrito no artigo, não é aprovado!)

Autoria e outros dados (tags, etc)